Director Geral do Grupo Phenicia reage a notícia de fuga ao fisco

Num comunicado subscrito por Aly Nemer Cherry(na foto), Director Geral, o grupo Phenicia explica as razões do não pagamento até o momento da diferença que deve depositar no cofre do Estado. O caso segundo o Director Geral está a ser tratado a nível do Supremo Tribunal de Justiça.

Tendo tomado conhecimento da notícia publicada no Jornal Téla-Nón, com o título “Grupo Phenicia representado por Aly Cherry não pagou mais de 1 bilião de dobras em dívida para com o Estado”, venho pela presente, na qualidade de Director Geral do Grupo Phenicia, repor a verdade dos factos.

O Grupo Phenicia em 2010 ganhou o concurso público nº 2/2010 para a importação e consequente fornecimento ao Estado de 1500 toneladas de arroz, no valor de Dbs. 19.935.453.85 e recebeu justamente esse montante.  

Tendo sido notificado pela Direcção dos Impostos, no momento em que se iniciou o processo de execução fiscal, o Grupo Phenicia verificou que a actuação da supracitada Direcção dos Impostos estava enfermada com algumas ilegalidades.

Nesse sentido, o Grupo Phenicia aos 22 de Março de 2011, solicitou ao Procurador-geral da República uma intervenção no processo e que fossem tomadas medidas, visando a reposição da legalidade, uma vez que no nosso entender estávamos perante uma violação clara e inequívoca da lei, por parte da Direcção dos Impostos pelo facto da actuação do Grupo Phenicia não se configurar numa dívida fiscal.

Saliente-se também que, inconformado com a postura e exigências, que na nossa perspectiva não eram legais, o Grupo Phenicia interpôs uma acção no Supremo Tribunal Administrativo.

Em traços gerais, o Grupo Phenicia ao longo dos 10 anos que tem desenvolvido as suas actividades em São Tomé e Príncipe, sempre cumpriu com as suas obrigações fiscais.

Urge acrescentar em abono do rigor e da verdade que é totalmente falso que o Grupo Phenicia tenha bens penhorados pelo Tribunal.

 Por outro lado, o poder executivo ou interposta pessoa agindo em seu nome, em momento algum agiram ou tomaram uma decisão visando conceder um tratamento de favor ou privilegiado ao Grupo Phenicia ou ao seu Director Geral, o cidadão Aly Nemer Cherry, para se furtar a qualquer pagamento, pelo que são descabidas e desprovidas de fundamento as alegações patentes na notícia.

O Grupo Phenicia espera pela decisão do Supremo Tribunal Administrativo e agirá de conformidade com a lei e com as decisões dos Tribunais.

Director Geral do Grupo Phenicia

Aly Nemer Cherry

  1. img
    MÉ SOLO Responder

    AFINAL QUEM ESTA A FALAR VERDADE.

    Se fôr verdade as declarações do Director do Grupo Fhenicia, o Tela Non não fez bem o trabalho de casa, antes de publicar a notícia devia averiguar para saber em que pé esta o processo.

    Normalmente o Tela Non costuma ser célere nas notícias que publica. Acredito e estou convencido que muito brevemente teremos uma reacção do referido jornal a clarificar a situação de forma a manter o seu crédito perante os leitores.

    • img
      Téla Nón Responder

      Obrigado, pela confiança que tem nas notícias do Téla Nón. O que leu é a versão justa da empresa Phinicia. Breve terá novos elementos sobre o caso, com verdade e esclarecedora, como o Téla Nón o habituou.
      Saudações
      Bom fim de semana…

      • img
        Frontal Responder

        Espero que o Téla Nón esclareça a opinião pública Santomense, para que não haja dúvida.

        -Se foi pago o valor total do contrato ao Aly será que ele entregou a mercadoria na sua totalidade?
        -Será que esta história está bem contada?

        Acho que devemos esperar por novos episodios…

        Boa sorte Téla Nón, bom trabalho Abel Veiga, você é forte, continui com coragem a verdade´tem o sabor amargo…

  2. img
    ESMERALDA Responder

    MEU DEUS, ONDE JÁ SE VIU ?

  3. img
    paparazzi Responder

    se assim for atençao meu caro amigo abel tens sempre que ouvir os dois lados senao ficas mal na fotografia.tenho dito

  4. img
    Michelle Responder

    Abel está desacreditado. Esse tipo de jornalismo tem nome e cara. Chama-se “Travestido”. Esse senhor formou-se em jornalismo em que escola pá?

    • img
      Téla Nón Responder

      Sei que a sede de desacreditar o Téla Nón é enorme, a vontade de silencia-lo é muito maior. A ira não pára de aumentar, mas a verdade escrita aqui prevalecerá.
      Saudações

      • img
        OP Angola/STP Responder

        Saudações

        Caros conterrâneos, vamos respeitar uns aos outros, aceitar uns aos outros e colocarmos as mãos na consciência antes de efetuar qual quer julgamento, o que pude observar é que em determinados momentos o Tela Non coloca aos dispor dos leitores informações sem o devido aprofundamento da matéria, mas ao de convir comigo que não deixa de ser jornalismo, porém faltam ajustes e melhorias. Abel enalteço o teu esforço, aprendemos todos os dias e espero que com as adversidades consigas proporcionar-nos a cada dia um jornalismo com maior qualidade e rigor.

        Ressalva, agradar a todos é impossível.

        • img
          Téla Nón Responder

          Antes de ler a versao da PHINICIA, deve/se ler a noticia original que reflecte factos apurados junto ao sector das financas. A Phinicia nao reage como direito de resposta, mas sim fruto do contacto previo do Tela Non com o senhor Aly, antes mesmo de publicar a noticia original, para que tambem ele desse a sua vers\ao da historia. Tela non ja conhecia a versao de Aly desde o passado fim de semana, resultado de uma conversa previa com o mesmo, sobre os elementos que o jornal tinha em maos. Portanto nao ha aqui a historia de nao ouvir a outra parte. Esse debate e interessante, realca a democracia que este espaco promove, este assunto e outros relatados vao ter desenvolvimentos nos proximos dias, o teclado esta avariado desculpe pelas falhas em pontuacao e outras.

          • img
            Bernardino Almeida neto

            Perdoar-me-á leviandade (se é) mas julgo que dispensava esse prestigiado jornal publicar um assunto que a partida sabia que era controverso e sujeito à prova. Entendo que deviam tirar o assunto “à limpo” antes de o publicar. Pois, publicar um tema, de tão gravidade, merecia no mínimo ser feito um jornalismo de investigação por forma a deixar-nos esclarecidos. Aliás, apesar das criticas que se lhe fazem, esse jornal tem um alinhamento razoável (+- credível). Estou (estamos) expectante(s) para conhecer história ou estória verdadeira.

          • img
            Ghadafi

            Quero aqui salientar, o optimo trabalho que o tela non tem vindo a fazer. Ora vejamos: Se o tela non ficasse no silencio depois de ter ouvido as duas parte, nos os leitores estariamos na ignorancia, o sr.Aly nao teria reagido, enfim, deste geito o tela non de uma maneira indirecta esta a fazer com que o poder executivo tome medidas de forma a salvaguardar o interesse de todos.
            Forca tela non e nao deixe que eles destruam a nossa terra.

      • img
        Digno de Respeito Responder

        Concordo. Faça seu trabalho responda com essência o essencial. Se já tem uma linha editorial definida, então siga em frente e não vacile. Seja sim corajoso e responsável pelo que diz e faz. Parabéns!

    • img
      Bartolomeu Lêdesaua Responder

      Prezado Michelle, não confundamos as coisas! …

      Todo e qualquer Cidadão no exercício das suas funções, têm que observar e ter sempre presente a sua Competência, Atribuição, Direito, Deveres e Obrigações.

      O jornalista no exercício de sua função de jornalismo tem o dever de informar, no tempo útil , com verdade os factos e/ou ocorrências, tal como dele teve conhecimento( sem adulteração).

      Salvo melhor opinião, não é da competência do jornalista primeiramente aprofundar, averiguar, investigar e/òu fazer julgamento, para só depois informar. Pois essas acções são da alçada de Polícia Judiciária, Polícia de Investigação Criminal e Tribunais.
      Tal como foi esse caso, o jornalista Abel Veiga fez o seu papel digno de ser louvado, informou ao povo de STP sobre aquilo que eles não sabiam.
      Cabe o visado sr. Aly, por sentir-se ofendido ou lesado reagir ( vir esclarecer )como o fez, isso é muito bom e saudável para o nosso STP. Aliás, isso já tem acontecido noutros casos e, não só, como também, tem acontecido noutros Países onde reina a democracia.

      O jornalismo que protela as informações para primeiramente averiguar e aprofundar, em silêncio, não presta bom serviço ao seu povo nem ao seu próprio País, é tal espírito condenável, o de deixa andar.

      Aconselho-lhe… no futuro, se quiser viajar nesse hiperbarco (democracia)antes de fazer comentário destrutivo, pense duas vezes e reflicta, bem.

      Blá…blá…blá é maquiavélico, só serve para destruir.
      Temos o dever de apoiar e encorajar o que é nacional.
      Tela nu-migo ptxikoçô na te óçó-fa
      Çêdjia pa nu-migo pêbô glavi-ê-ê
      Força Tela non, Coragem Abel Veiga… Estamos contigo
      VIVA TELA NOM

      • img
        Bartolomeu Lêdesaua Responder

        O jornalista Abel Veiga fez o seu papel,

        esclareço que, com isso queria dizer:

        “O jornalista Abel Veiga no âmbito de suas atribuições cumpriu com o seu dever de informar “

  5. img
    Melhores Dias virao Responder

    O trabalho de Abel Viegas sempre foi de um jornalismo que confronta os factos.Muito bom trabalho que tens feito conterraneo!!!Continue e ninguem pode calar Tela Nom,pois é o unico no pais que que esmiussa as coisas.Parabéns meu caro!

  6. img
    Emilio Freitas Responder

    Sonho com o dia em que as leis do País sejam respeitadas, hoje ate um estrangeiro acha-se no direito de desrespeitar as leis, mas isso tudo acontece devido a os extremos em que chegamos, porque convenhamos so num país aonde ninguem digo os senhores ditos ricos estao sempre metido em manobras com os politicos,.. meu São Tomé se tornou num País de mafias, essa que é a verdade

  7. img
    Paracetamol 500mg Responder

    Já esta na altura de fazer controlo relativamente a situação legal desses indivíduos em STP.
    Muitos são ilegais e estão ligados as redes terroristas, tais como Hezbolla, Irmandade Muçulmana, entre outros. Devia-se investigar esses indivíduos.

    • img
      Aly Responder

      Meu caro ,
      Eu não tenho telhado de vidro !
      Mas acho muita bem a sua sugestão . Há muita gente que precisa ser investigada , não por ligações com redes teroristas mas por um passado em outros países .

      • img
        Paracetamol 500mg Responder

        Meu caro Aly preocupado

        Uma investigação, inclui o passado e o presente.
        Indivíduos oriundo de países árabes(Libaneses e outros da dita África branca (racista – o que se viu na líbia, o que se viu relativamente aos etíopes, e cidadãos da eritreia, entre outros)) devem ser investigados devido a dita expansão da Irmandade Muçulmana, Hezbola, com vista a instalar em países limítrofes da África com intuito de financiarem-se.
        Ou seja, Sr. Aly pode ser mero comerciante financiado por uma dessas entidades, com finalidade de através de actividades comerciais, enviar remessas para essas mesmas entidades, para auto financiarem, de modo a desenvolver luta armada contra Israel e outros.
        Como se justifica o bin laden ir parar a São Tomé e Príncipe, justamente no hotel Phinicia? Como explicas isso?
        Devia-se pedir mais informações a Israel e ver-se ia…
        No meu entender Hotel Phinicia só serve para lavagem de dinheiro.
        Respeito a vossa luta, mas não as traga a nossas terras, queremos paz e livres desses tipo de terroristas.

        • img
          António Veiga Costa Responder

          Paracatemol,

          mais preocupante é o terrorismo interno dos mais abastados locais,(políticos e ricos) praticado contra os pobres e desvalidos.
          Mais perigoso é a existencia de duas São Tomé e Príncipe: da minoria com sua vida abastada e outra a da maioria na pobreza absoluta.

  8. img
    Adonilo Cotrim Responder

    Selá Deçu tan,, desculpa pelo mau criolo!!

  9. img
    Bloco operatório do principe Responder

    Boas Abel sempre acreditei em ti..

  10. img
    Zémé só Responder

    Sem fazer qualquer juizo opinativo,a verdade é que muitos não cumprem com os seus deveres fiscais e dão-se ao luxo de exibir riqueza fácil.
    A Direcção de impostos deve continuar a fazer o seu trabalho para o bem do país e o jornal Téla Non, tambem deve continuar com o príncipio na verdade e jornalismo sério continuar o seu trabalho.
    TENHO DITO

  11. img
    fidelito Responder

    Muito bem.

    Grande trabalho do Téla-Nón.

    O jornalismo a que o nosso país não está habituado.

    Não há forma de silenciar o Téla-Nón.

    Parabéns TELA-NÓN.

    “Quem não deve não teme”

  12. img
    S. Tomé de peito e coração Responder

    Só tenho que realçar o grande trabalho do Téla-Non em especial para Abel Viegas olha meus carros fazer Jornalismo ñ é, nem será uma tarefa fácil mas com a humildade e respeito por aquilo que vcs mas gostam, graças adeus os s. Tomense espalhado por resto do mundo estão informações acerca das noticias seu país isso é de louvar o trabalho feito só tenho que vós agradecer por mi deixar sintonizado (….) BOM TRABALHO muita coragem e força olha os que creticam ñ sabem bem que estão a fazer pk isso vai servi de vós fortalecer fuiii

  13. img
    S. Tomé de peito e coração Responder

    keria dizer informado

Deixe um comentario

*