Sociedade

Estudantes são-tomenses em Angola também choram

Numa carta endereçada ao Primeiro Ministro Patrice Trovoada, e com cópia para o Téla Nón, 31 estudantes são-tomenses enviados para a Universidade Agostinho Neto em Angola, relatam uma série de irregularidades que põem em causa o rendimento escolar. O descontentamento é grande.

 Descontentamento dos Estudantes Bolseiros em Angola

Permita-nos Senhor 1º Ministro e Ministro de Educação antes de mais saudar – vos no desenvolvimento das suas funções em prol do desenvolvimento do nosso País, em que todos nos almejamos que desenvolva.

Somos Estudantes Universitários que frequentamos as diversas Faculdades da Universidade Agostinho Neto em Angola, um acordo feito entre o nosso Governo e o Governo de Angola no domínio de Educação e Formação Académica dos cidadãos São-Tomenenses.

Vimos pela presente manifestar o nosso descontentamento que consiste principalmente da maneira menos ordeira que a Embaixada de São Tomé e Príncipe em Angola, tem tido para com os Estudante.

Salientando ainda que o mesmo feito pela Embaixada de São Tomé e Príncipe em Angola não é feito de uma forma transparente e credível, devido os sucessivos constrangimentos constatados no momento do pagamento da referida Bolsa, temos como exemplo o mais recente problema, que concerne a transferência feita no dia 19 de Outubro de 2011 e até a presente data ainda não recebemos e o mais agravante é que a Embaixada alega não receber nenhuma transferência, nem documento da parte do Ministério de Educação justificando o pagamento da Bolsas dos Estudantes, esta pratica é repetitiva por parte da Embaixada. Graças aos esforços evidenciado por parte da Associação dos Estudantes São-tomense em Angola, conseguimos o comprovativo da transferência efectuada na data acima referida, que fizemos chegar a mão da Ministra Conselheira da nossa Embaixada em Angola, que finalmente confirmaram que na realidade receberam a mesma transferência, aproveitamos a oportunidade para solicitar a Vª Excelência as razões da redução da nossa Bolsa.

De modo a evitar estes constrangimentos sugerimos que o Ministério fizesse a transferia das nossas Bolsas para as nossas contas ou apresentasse outra solução mais credível, a partir da próxima renovação de Bolsa de Estudo de 2012.

Ciente que a Vossa Excelência tomaria a máxima atenção a este documento, aguardamos uma resposta prévia.

Os nossos melhores cumprimentos.

 Assinado pelos Estudante: 

1.Nguete Colema Afonso

2.Ezilay Kimisa da Cruz

3.Prótasio Rodrigues Pina

4.Evandro Carvalho Escrivanes

5.Guitton Amaral Managem

6.Jelinett Mendonça Santiago

7. Rodolfo da Trindade

8.Sidney da Costa Veloso

9.Vadner Paquete de Sousa

10.Horlando Boi da Silva

11.Mallory Ramos Pinto

12.Didier Brito de Deus Lima

13.Gilkson Miller do Espírito Santo Tiny

14.Edualmira da Trindade

15.WaltWhitman d’Almeida Pereira

16.Adalsiza Gomes Dias

17.Judite Marisa Afonso

18.Denise Travessa

19.Elzira Vicente Barjonas

20.Celso Vila Nova Manuel

21.Melba Afonso de Ceita

22.Ana Tomé Will

23.Alcina d’Assunção Rodrigues

24.Ilidio Tavares Monte

25.Adimilo Gonçalves Nascimento

26.Gilcimar Coelho Eusebio

27.Valdimiro Nascimento Will

28.Octavio Jesus de Sousa

29.Clalider Silva de Ceita

30.Euflisia da Costa Amaral

31.Cicer Costa da Graça

    14 comentários

14 comentários

  1. ESMERALDA

    25 de Novembro de 2011 as 15:19

    MEU DEUS, ONDE JÁ SE VIU ?

    • Santos Figueredo

      26 de Novembro de 2011 as 6:53

      Viu-se que apesar de estarem num país losófono, os estudantes mostraram ter dificuldades no dominio da língua de Camões. Pois, linguisticamente não se pode ter mais de 4 alíneas numa mesma frase. As frases alí são muito longas e pode-se transforma-las em 2 à 3 frases curtas e mais explíctas. Procurem melhorar esse ponto. Contudo, as vossas revindicações são legítimas. Mas fico muito triste por ser evidente que os estudantes São-Tomenses em ANgola não são do Estado de STP mas sim de MLSTP. Isso todos nós sabemos que só vai à Angola estudar filhos, simpatizantes, amigos e próximos de MLSTP com excepções alguns que lá residem já alguns anos. Isso tem de acabar um dia. É tal ingual aquilo que acontence com a bolsa de estudo à Taiwan. Só são filhinhos de papai, ministros, deputados e mais nada que vão lá estudar. O chamado povo, jamais como diz os Franceses.

      Sr. Pinto da Costa, isso pode ser?
      Associando a travagem que o senhor desencadeando na presidência, esse também devia ser um burraco que o senhor deve e devia tapar e travar. Ou então o senhor não é Presidente de todo povo de STP?

      Cumprimentos a partir de London!

  2. paparazzi

    25 de Novembro de 2011 as 15:55

    em angola os estudantes estao vigilantes conseguem documentos extra embaixada

  3. Carlos Ceita

    25 de Novembro de 2011 as 16:22

    Cada vez mais que leio a mensagem da Esmerada em maiúscula (meus Deus onde já se viu) ironia ou não. A verdade é que a sua curta mensagem espelha bem o desnorte do país protagonizado por este Governo arrogante. Concordando a 100 por cento da justeza das reivindicações dos jovens estudantes o qual os desejo que tenham sorte, não posso deixar no entanto de lamentar a lista dos nomes dos estudantes que acabo de ler. Não sei se trata de influências da telenovelas brasileiras. É que os nomes são cada vez mais abrasileirados. Ate parece que fomos colonizados por uma serie de nações além do Brasil.

    Os nomes Fernando Antonio, Raul, Henriques, Victor ou vitor, Pedro, Manuel, Miguel, Artur ,Felisberto, Jose, Gustavo, Franscisco Julia , Madalena, joana, Paula, Carla, Luisa, Fernanda, estão fora de moda ? Apesar de as pessoas terem a liberdade de escolherem nomes para os seus filhos há que haver bom senso ao qual os serviços do registo civil deveriam ser exemplos.

  4. Fla Dialeto

    25 de Novembro de 2011 as 17:43

    Peço desculpa se estou a ofender muitas que estão a passar por dificuldades,mas é o meu pono de vista.
    Os estudantes São Tomenses, muitas que estão no estrangeiro esqueceu quem são pobre e que vem de um país ainda mais pobre, e quando vão para fora do seus pa´ses querem dá de rico, esquecendo q são pobre, compram roupas de marca em vez de guardar dinheiro para comer e para as prieiras necessidades, temos que preservar o nosso bem estar a nivel de alimentação, saúde, e bens de primeira necessidade, roupa, compramos uma pode ser usada mai sdo que 4 anos a mesma roupa, mas já a comida, e outras bens de priemeira necessidade ñ. por isso antes q chorem fome tem que ver o q eles gastam, dps, flam, querem ter tudo. quando os nossos país são pobre ñ podemos os exigiar mais do q eles n tem, temos de ter consideração que devemos popara mais para a ver se demora mais tempo o que temos, é o meu ponto de vista, ñ é para me criticarem muito. abraço de Flá Dialeto.

    • Filho da Terra

      25 de Novembro de 2011 as 18:35

      O sr. “Fla Dialeto” não deve ser estudante de certeza! Porque se fosse, saberia perfeitamente que o ponto acima levantado por si, é muito restrito a apenas alguns estudantes…!É somente um reparo!

      Cumprimentos.

      FT

    • Edson Francês

      26 de Novembro de 2011 as 12:41

      Por causa de mentalidades mesquinhas como a tua é que São Tomé està como està!

  5. S. Tomé no coração

    25 de Novembro de 2011 as 20:08

    O sr. “Fla Dialeto” estou desde inicio de ano lectivo sem receber o subsidio da escola pago casa 90 euro ñ vivo em casa do governo de s.tomé nem em casa do sr fla Dialeto,,, olha deve ser que teus familiares é que estão nessa situação em que referiste por amor de Deus deixa de fazer comentário sem antes buscar o porque das coisas

  6. vava sovietico

    26 de Novembro de 2011 as 6:32

    A EMBAIXADA DE SÃO TOMÉ E PRINCIPE NO SEU MELHOR,TOTALMENTE SEM RUMO.

  7. Tiborcio Lima

    26 de Novembro de 2011 as 8:46

    Nessa Lista enorme de estudantes há funcionários da embaixada,que também são estudantes, portanto eles podem e devem muito bem esclarecer o que passa com o dinheiro dos estudantes. Como funcionários da embaixada de STP em Angola podem ter acesso a informações penso eu…………….Força irmãos não desistem Nunca.

  8. S. Tomé de peito e coração

    26 de Novembro de 2011 as 12:40

    O sr. “Fla Dialeto” tenta actualizar depois faz comentário pk andas perdido no mundo ñ há palavras para descrever o teu ponto de vista .. sou estudante em portugal a 3anos vivo do subsidio da escola desde inicio do ano lectivo ainda ñ recebemos nada da escola tenta imaginar como que estamos sofrer sr O sr. “Fla Dialeto” existe alunos s.tomense que deve estar bem mas esses são filhos dos SENHORES TAL ..por isso penso pouco de respeito nos comentário ou seja tenta ajudar ou cala para sempre fuiii

  9. Helves Santola

    26 de Novembro de 2011 as 14:04

    Agora são os estudantes de Angola… o país precisa de parar e recomeçar do zero, jé é hora de pararmos de tapar buracos, isso ñ nos leva a lago algum.

    “fla dialecto”, que gostei da sua colocação! Só acho que não deverias generalizar. É obvio para mim que o são-tomense gosta de ter as coisas, quem ñ gosta. Mas tem uns que o podem e outros que não. Até mesmo o filho de pobre, o de não poder exigir dos pais akilo que eles não podem oferecer, não lhes obriga a esconder os seus desejos. Acredite em mim, as pessoas que reclama, que enviam mensagens ao governo, são as que realmente passam mal. São os filhos de Zé povinho que não tem outro meio de subsistência a não ser o subsídio do estado.

    Mas gostei da lição que tentaste nos dar: “temos que poupar”!!!!!

    Estudante no Brasil

  10. Rogerio da silva

    26 de Novembro de 2011 as 15:28

    tudos nos sabemos de verdades os filnhos estao em paz no estrageiro

  11. Santosku

    9 de Abril de 2012 as 7:06

    Reclamação dos estuadantes é verdadeiro, também já fui estuadante no estrangeiro e sei quando a bolsa não chega como é que passamos. Mas também é certo que muitos de nós sabendo que somos pobres vão querer vive como outros restudantes de paises onde de facto a dinheiro. Temos que poupar para dias mas dificieis.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo