Sociedade

X Aniversário da Diaspora Lusofona em Londres – Seminario “Insularidades”

Este ano, o projecto virtual luso-canadiano Adiaspora.com deslocou-se até Londres, para celebrar o seu décimo aniversário no seio da comunidade lusófona radicada naquela grande e dinâmica capital europeia.
Subordinados ao tema “Insularidades”, os trabalhos decorreram, nos dias 26 e 27 de Novembro, no LOST Theatre, situado no sul londrino no enclave mais conhecido por “Little Portugal”, que constitui o centro histórico e afectivo da Comunidade de fala portuguesa no Reino Unido.

A edição deste ano destacou-se das anteriores pela notável diversidade dos oradores convidados e pelos assuntos por estes abordados, que asseguraram neste evento uma maior e mais fiel representatividade das múltiplas regiões que compõem o imenso tablado lusófono no Mundo.

Assim, estiveram representados neste encontro, de uma ou de outra forma, a Madeira e os Açores, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Portugal Continental, Guiné-Bissau, Moçambique, Angola e Brasil, assim como o Canadá e Reino Unido. É de salientar ainda o notável facto de que este acontecimento mobilizou a participação dos Edis de Santana (Madeira), Felgueiras (Portugal Continental) e Mé-Zochi (STP), do Director Regional dos Assuntos do Mar – Açores, da Câmara de Comércio e Indústria dos Açores, da Associação Empresarial de Felgueiras, AMISTP- Associacao da Comunidade Sao-Tomense no Reino Unido, assim como da Mayor de Lambeth, o município londrino anfitrião do evento, e que acolhe a maior comunidade lusófona do Reino Unido.

Com apresentação de Marco Filipe de Sousa Lopes, dirigente associativo cabo-verdiano radicado na Grande Londres, os trabalhos iniciaram, no final da tarde de sábado,  dia 26 de Novembro, com a prestação da antropóloga Margarida Pereira. A oradora revelou à plateia os encantos, ainda largamente intocados, do arquipélago dos Bijagós, na Guiné-Bissau.

Representando a Grã-Bretanha, o historiador e lusófilo inglês Malcolm Howe deliciou a assistência com um animado relato bilingue referente às peripécias vivenciadas por El- rei D. Miguel durante o seu exílio na Inglaterra. Em seguida, Tatiana Correia, física e pesquisadora científica no área da nanotecnologia no National Physics Laboratory, delineou algumas estratégias para quebrar a notória “insularidade” da comunidade portuguesa no Reino Unido, e incentivar a sua integração na sociedade britânica. Tatiana Correia sugeriu uma maior aproximação entre os jovens académicos portugueses e lusófonos actuantes naquele país e a comunidade “tradicional”, através de programas de “mentoring”, e de uma incrementada participação dos primeiros nas lides comunitárias.

Na sua intervenção, a leitora universitária açoriana Carla Cook focou o fenómeno peculiar da insularidade, numa interessante palestra intitulada “INSULAmento: condição de ser-se ilha”. A intervenção que se seguiu teve por tema o papel preponderante desempenhado pela Ilha de Moçambique na história civilizacional do Oceano Índico.

No desenrolar da sua trajectória, aquele território, situado ao largo da costa moçambicana, logrou reunir de forma harmoniosa, ao longo de séculos, diversos povos, diversas culturalidades e diversas crenças religiosas, num pequeno microcosmos insular, cujo percurso foi eximiamente traçado por Luís Ventura, numa palestra que suscitou grande interesse entre a plateia.
Em seguida, usou da palavra Adilson Pinto, um jovem poeta são-tomense imigrado no Reino Unido. Apresentando a sua mais recente obra literária, a antologia de poesia “Amanhã Será Diferente”, Adilson Pinto cativou a atenção e os corações de todos quantos o ouviram, pela sinceridade e invulgar sensibilidade do seu discurso, no qual evocou a saudade da ilha que o viu nascer, e enfatizou a responsabilidade ético-moral pessoal, social e cívica que todos os emigrantes devem acalentar ante a sua terra de origem.

Os protagonistas das últimas intervenções da primeira jornada deste encontro foram o Presidente da Câmara de Felgueiras, Inácio Ribeiro, e o Presidente da Associação Empresarial de Felgueiras, Nuno Fonseca, que, nas suas alocuções, traçaram o perfil do seu concelho e realçaram a importância do estreitamento dos laços socioeconómicos e culturais entre as Comunidades e as terras de origem, com acrescentada incidência sobre a disponibilidade de Felgueiras para o intercâmbio nestas áreas.

No domingo, pelas 14.00, retomaram-se os trabalhos.

O primeiro orador da segunda jornada foi o Conselheiro das Comunidades Madeirense no Canadá, José Mário Coelho, que seleccionou como temática “Como é bom saber quem somos”. Detentor de uma longa e prolífica carreira como apresentador de rádio e televisão e jornalista comunitário, José Mário Coelho tem vindo, ao longo do tempo, a desenvolver significativo contributo para o progresso da Comunidade Portuguesa na Província do Ontário.

Na sua palestra, deu especial relevo ao sentimento de união entre os portugueses emigrados, incentivando-os, todavia, a visitarem e conhecerem de perto a grande diversidade e as múltiplas realidades que assistem às várias regiões constituintes do território nacional português.

Discursando sobre os produtos açorianos e as oportunidades de investimento actualmente existentes na Região Autónoma dos Açores, o Presidente da Câmara de Comércio e Indústria dos Açores, Ângelo Duarte, focou a excelência da oferta açoriana nos mercados internacionais, onde a gastronomia, os lacticínios, a bovinocultura, o pescado e a indústria conserveira, assim como ao turismo ambiental e integrado, e a aquisição da segunda habitação se destacam com vectores de maior interesse.

Após a passagem do vídeo “Adiaspora.com a Divulgação da Lusitanidade”, ilustrativo de todo o trabalho desenvolvido na última década no âmbito deste projecto, deu-se início à Sessão de Encerramento. Neste último segmento, subiu à tribuna o Presidente da Câmara de Santana, Rui Moisés Ascensão, para falar do município a que preside. Entre os vários atractivos deste concelho madeirense salientados pelo autarca, a classificação de Santana pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera, em Junho 2011, e cuja beleza natural ficou bem patente no vídeo apresentado.

Nelson Carvalho, Presidente da Câmara de Mé-Zochi, em São Tomé e Príncipe, trouxe mais igrenientes da África lusófona. Iniciou a sua intervenção por abordar o tema da insularidade e a forma como esta condição configura o carácter dos ilhéus e a sua relação com o mar e o mundo que os rodeia. Resumiu a história do seu país, na qual predominam as componentes genéticas e linguistico-culturais africanas e portuguesas.

Falou sobre a realidade contemporânea vigorante no seu Distrito de Mé-Zochi, delineando o seu perfil essencialmente agrícola e marítimo, e identificando as áreas de maior carência, nomeadamente, água potável e estações de tratamento; infra-estruturas de saneamento básico e tratamento de resíduos, a necessidade de implementar novas estratégias que visem o aumento da produtividade, assim como de canais eficazes de escoamento do produto são-tomense para o exterior.

O Cônsul Adjunto de Portugal em Londres, Henrique Azevedo, deu especial enfoque à relevância da Comunidade Portuguesa no Reino Unido, e ao Município de Lambeth enquanto enclave londrino onde esta se centra.

Coube ao Director dos Assuntos do Mar – Açores, Frederico Cardigos, resumir os conteúdos e assuntos expostos ao longo dos dois dias, para além de focar o trabalho desenvolvido pela Direcção Regional que lidera, cuja missão é valorizar os mares dos Açores, aumentar a sua utilidade, e manter e garantir a sua qualidade ambiental. Das actividades deste organismo regional, salientam-se a protecção do meio marinho, implementação e reforço de áreas  marinhas protegidas, e da sua biodiversidade. É de referenciar ainda que a Região Autónoma dos Açores tem sob sua tutela uma das mais extensas zonas marítimas do Atlântico, e praias que primam pela sua alta qualidade ambiental.

As artes estiveram também em destaque, através de uma exposição de pintura, intitulada “Açorianidades”, da autoria de Vítor Boga, e das prestações musicais da cantora moçambicana Maiuko e do cantor São-tomense Mesaro, todos radicados actualmente no Reino Unido.

A Mayor de Lambeth, Christiana Valcarcel, fez as honras das casa enquanto representante do município londrino anfitrião, encerrando as comemorações do X Aniversário Adiasora.com com um sentido tributo aos seus ancestrais portugueses e são-tomenses, e à comunidade de fala portuguesa residente neste icónico enclave a sul do Rio Tamisa.

Por sua vez, no seu discurso de encerramento, o fundador e director do portal Adiaspora.com, José Ilídio Ferreira, para além de agradecer a todos participantes, entidades patrocinadores e colaboradores, convidou os presentes para visitarem a Madalena do Pico, Açores, por altura do XI Aniversário Adiaspora.com, já agendado para finais de Outubro 2012. Em 2013, Adiaspora.com deslocar-se-á até ao Concelho de Santana, Madeira, acatando, assim, ao convite endereçado pelo autarca santanense no decorrer deste encontro.

    1 comentário

1 comentário

  1. wagner neto

    6 de Janeiro de 2012 as 10:48

    E de louvar este tipo de eniciativa é com este tipo de eniciativa que reunimos e criamos deversidades só admiro, e fico triste em ñ haver criatividade disportivas mais,no todo caso é de lovar esta vossa aproximação para reunir amigos meus parabens.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo