Greve geral no sector da educação marcada para 26 de Janeiro

O Sindicato dos Professores e Educadores de São Tomé e Príncipe, diz que avança para greve geral e por tempo indeterminado, porque o Ministro da Educação não dialoga. Segundo o pré-aviso de greve, os professores e educadores, exigem melhores condições de trabalho e de salário.
No Pré-Aviso de greve o sindicato dos professores e educadores de São Tomé e Príncipe, começa por dizer que « não tendo recebido da direcção do Ministério da Educação Cultura e Formação, qualquer sinal que desse provas de que estivesse interessado em manter um diálogo aberto e sobretudo profícuo com relação a duas cartas que foram enviadas à sua excelência o senhor Ministro, para obter resposta sobre as preocupações que foram enviadas a este ministério no dia 20 de Julho de 2011», o pré-aviso e greve prossegue «não tendo por outro lado a Direcção do Ministério da Educação, Cultura e Formação dado mostras de querer mudar de atitude no que concerne ao diálogo, apesar do esforço que a Direcção do Sindicato, tem feito como parceiro de desenvolvimento para evitar deslize e clivagens que pudessem por em causa as relações entre as duas instituições, a Direcção do sindicato viu-se na necessidade de remeter um pré-aviso de greve em função da decisão saída da última reunião realizada no dia 14 de Janeiro de 2012, com os delegados das distintas escolas, jardins e creches do país», lê-se no pré aviso de greve.

Logo a seguir o Sindicato dos Professores e Educadores, aponta os aspectos reivindicativos que não foram analisados com o Ministro da Educação, por falta de diálogo e que sustentam a greve geral prevista para 26 de Janeiro. «Falta de diálogo o que tem relegado a classe dos Professores e Educadores para o terceiro plano. Melhoria das condições de trabalho para garantir o normal funcionamento do processo de ensino aprendizagem, embora se tenha reivindicado as melhores condições desde o início do ano lectivo», precisa o documento.

O futuro incerto dos professores e educadores, é outra reivindicação. «A situação da segurança social que não tem sido pago há muitos anos, levando a que muitos professores e educadores chegam a idade da reforma sem as devidas compensações», diz o pré aviso de greve.

As reivindicações salariais não negociadas pelo Ministro da Educação Olinto Daio, também justificam a ameaça de greve. «Pagamento de subsídio de transporte e a sua respectiva actualização Apresentação de proposta para a reposição do regime privativo no que diz respeito ao novo aumento salarial anunciado por vossa excelência no passado dia 5 de Outubro de 2011. Actualização das horas extraordinárias e clarificação do processo de pagamento do subsídio de horas extraordinárias e do desdobramento. Actualização do subsídio de docência», refere o documento.

O pré-aviso de greve que segundo Gastão Ferreira, Secretário Geral do Sindicato dos Professores e Educadores, deu entrada no Ministério da Educação na última terça feira dia 17 de Janeiro, dá ao Ministro da Educação 7 dias para atender as reivindicações. «Fim deste prazo entraremos em greve a partir das 7 horas do dia 26 de Janeiro de 2012 em todas básicas, secundárias, jardins e creches do país e por tempo indeterminado», conclui o pré aviso de greve.

Abel Veiga

  1. img
    tiocego Responder

    Enfim

    Viva S.Tomé. Os trabalhadores devem exigir os seus direitos.

    Os Sãotomenses devem tabém conhecer o país real. Quanto ao quadro privativo, e a proposta que o sindicato faz, a que tive assesso, o país não tem como pagar.

    Alerto a todos para fazermos uma reflexão justa sobre o assunto.

    De facto deve existir diálogo. Por isso, apelo ao senhor MInistro para dialogar e aos sindicatos para serem honestos.

    Há muito que se vem falando do quadro privativo. Mas nunca se partiu para gree antes. Por quê?

    Que Deus abençoa S.Tomé. Nunca tivemos tantas greves e tentativas de greves sucessivas manifestação no país!

    Será a conjuntura internacional? Ou será que todos os saotomenses e classes despertaram que chegou altura de se manifestar por tudo e por nada!

    Vamos trabalhar e dialogar. As grves so prejudicam o desenvolvimento e não vai resolver nada.

    Um bem haja.

    • img
      Calibre-12 Responder

      Pois não!
      Viva os trabalhadores de S.Tom´+e e OPrincipe que finalmente começam a despertar.
      Entende-se que a greve ameaçada pelos professores não deve-se à exigências salariais ou outras similares, mas sim exigências para que haja diálogo entre os homens, entre os governados e governadores.
      Senhor Patrice- faça uma remodelação e o senhor ainda poderá sair em cima.

  2. img
    cacau da ribeira Responder

    Boa tarde!
    NO quadro das acções educativas levadas a cabo por parte de organizações da sociedade civil têm estado activas um numero significativo de instituições.
    Nesse âmbito gostaria ter alguma informação sobre as acções desenvolvidas pela escola de campo de Diogo Vaz.
    SEgundo informação não fidedigna a escola está praticamente inactiva.
    Gostaria de alguem podesse dar-me alguma informação..
    Agradeço imenso.
    Um abraço para todos.
    Antonio

  3. img
    MÉ SOLO Responder

    Tio Cego,

    Se o Povo manifesta, é porque algo vai mal,
    Se o Povo sai a rua, é porque esta
    insatisfeito,
    Se o Povo reclama os seus Direitos, é porque os seus Direitos estão a ser violados,
    Se hoje temos tantas ameaças e Greves, é porque é a arma que o Povo tem para fazer valer os seus direitos quando não há diálogo.

    Quando uma criança chora é porque tem fome ou algo lhe incomoda, dificilmente uma criança chora quando esta tudo bem com ela.

    O Povo de STP, é considerado um Povo trabalhador, por isso não pode estar a ser sistematicamente injustiçado.

  4. img
    santa catarina Responder

    No meu entender é lamentavel a situação. Atendendo que todosos factos relatados pelso sindicatos já vêm de algum tempo esta parte. Agora todos querem que o actual governo resolva todos os assuntos só de uma vez o que é impossivel tendo em conta aconjuntura internacional e não só. Sejamos mais cometidos com as nossas actuações, a greve não nos leva a nada pelo contrario só cria e aprofunda mais a nossa divirgencia o que de momento não é salutar.
    O ministerio tem viondo afzer algum esforço desde logo na organização do sistema escolar entre outros.
    Estamos a reclamar de propblemas que já vem de longa dada.
    Estou em creer que sta greve tem outras intenssões é politica. Para fazerem politica vão aos partidos vão ao paralmento.
    Peço aos professores que tenham calma,reclamam sim com logica e com medida.Deixa a politica para os politicos.
    Viva STP

    • img
      Mimi Responder

      Os problemas (quase todos) foram trazidos do passado. Mas o artido no poder prometeu mudança antes e depois da campanha eleitoral. Identificou males de toda a espécie. Claro, levantou esperanças. Agora o governo que cumpra! Faça milagres, invente, mas cumpra com as promessas. Senao, porquê prometer se sabe que nao vai cumprir? Toma!

    • img
      Original Responder

      Caro Santa Catarina,mundo evoluiu bastante que até os seus filhos se tiver, quando os seus direitos são postos em causa,revoltam contra si que é o pai se alguém sente-se mal e renvidica é porque tem mãos partidárias? Acha que os professores são apenas de PCD,MLSTP e MDFM?O sr. fica a saber que o diálogo tem efeitos milagrosos e para que isto aconteça é necessário as duas partes sentarem à mesa para negociar para bem de ambos lados.O sindicato tem a sua arma que é greve que normalmente faz o seu uso como última alternativa acha que é necessário algum partido vir dizer ao sindicato o que tem que fazer?será que as pessoas não têm direito de dizer basta sem ser empurrado por outro? Acho que deveria ver as coisas num outro horizonte
      e não intrepetar a decisão soberana dos Sindicatos associando-os à prestação de serviço de algum partido e que acho uma ofensa à estrutura Sindical.Para o Sr. as coisas vão tão bem no nosso País que só se renvidica quando são instigados por outros partidos.Tira pala no olho amigo.

  5. img
    Elayne Hartford Responder

    Força professores. Esse Ministro de Educação não tem educação nenhuma. Não parece filho de pobre. Duvido que ele tenha estado alguma vêz na igreja. Credo santanaz!

  6. img
    Responder

    oi

  7. img
    erica Responder

    esse ministro de educação ñ tem coração,agora que tirou a batina k esta a mostrar kem é ele de verdade seu diabo.ninguém mandou primeiro ministro fazer montes de promessas e depois ñ comprir esse olito daio é arogante..nem parece k ele foi padre ou se calhar fingiam kando era maldita horam de kem comfesou os seu pecado com esse disgraçado,arogante e malvado…fazem greve sim os trabalhadores santomense meresem..viva santomé e principe

  8. img
    Põe boca não tira Responder

    VIVA PROFESSORES…………..

  9. img
    minangué Responder

    esse ministro da Educação é grande malandro.. ele sabe que está fazer.. aperta gajo

  10. img
    sum Tamê Responder

    Só passo para dezer ao senhor Ministro da Educaçaõ que nao estamos na Ditadura….
    Somos um pais Democrático.
    Aprofeito para frisar que o senhor Ministro tem mais pensando em se, e nao nos outros principalmente os estudantes que encontram em Portugal.

Deixe um comentario

*