Análise

Proposta de Parceira ou Bluff político?

No dia 09 de Dezembro do pretérito ano de 2011, o Tela Nón publicou uma notícia com o título:   Presidente da Autarquia de Mé-Zochi propõe parceria de benefício com os emigrantes são-tomenses”.

Entusiasmado pela notícia, enquanto natural do Distrito de Mé-Zochi, como atesta o meu Bilhete de Identidade Nº. 52510 e na qualidade de emigrante em Angola, tratei logo de abrir a minha caixa de correio electrónico e enviar um email para os endereços indicados na notícia, fazendo jus a aquilo que dizia o primeiro parágrafo da notícia: “Nelson Carvalho, decidiu utilizar os meios digitais de informação, para promover parceria directa entre o poder local de Mé-Zochi e os emigrantes são-tomenses dispersos pelo mundo.

Uma parceria que pretende facilitar a reintegração na sociedade são-tomense dos emigrantes, sobretudo os que são naturais do Distrito de Mé-Zochi.” Confesso que me deixei levar por alguns momentos de emoção, na esperança de que dessa vez, os meus intentos de  poder ser titular de uma parcela de terra na terra que me viu nascer fossem realizados. O facto é que desde que cliquei na opção “enviar” da minha página de correio electrónico para que a mensagem que na altura redigi em reacção á notícia em questão fosse encaminhada, nunca tive um feed-back da Câmara Distrital de Mé-Zochi.

Por causa da minha condição de emigrante é óbvio que não pude participar da votação que ditou a eleição dos actuais membros da Câmara Distrital de Mé-Zochi. Mas também é inegável  que nessas coisas de assunção de poder por meio de volto popular, os seus detentores ficam implicitamente obrigados a mostrar trabalho (poderia até dizer “prestar contas”) que vá de encontro ás aspirações dos que neles votaram, dos que neles não votaram, dos que na votação se abstiveram, enfim, dos que nem sequer inscritos como eleitores estivessem na altura da votação, desde que sejam integrantes do distrito (neste caso concreto) ou outra forma qualquer de divisão territorial que estiver em causa.

É por isso que me julgo no direito de perguntar ao Presidente da Câmara de Mé-Zochi: Que desenvolvimento conheceu o seu programa de promoção de parceria directa entre o poder local de Mé-Zochi e os emigrantes são-tomenses dispersos pelo mundo, sobretudo os que são naturais do Distrito de Mé-Zochi?

Acredito que a pergunta que aqui coloco, poderá  ser a de muitíssimos emigrantes naturais de Mé-Zochi e não só, que como eu, não perderam tempo em contactar a Câmara Distrital de Mé-Zochi por causa da notícia do Tela Nón.

Na verdade, a intenção do Presidente da Câmara Distrital de Mé-Zochi, que de forma quase unânime colheu, como ficou patente nos comentários dos vários leitores da notícia, o elogio destes, além de constituir um elo de ligação entre os emigrantes naturais de Mé-Zochi e  a instituição em causa, poderia também, caso fosse adiante, contribuir para o reforço das remessas de emigrantes santomenses espalhados pelo mundo para o país natal.

Isso, do ponto de vista económico, teria impacto de forma inequívoca no crescimento do nosso país, visto que abriria caminho para o aumento da demanda no mercado da construção civil, que por sua vez  geraria um efeito multiplicador com benefícios para várias outras vertentes da economia nacional, como sendo os sectores bancário, de transportes e outros serviços, proporcionando desta forma a possibilidade de criação de postos de trabalho, factor imprescindível para a inversão dos índices crescentes do desemprego que assola São Tomé e Príncipe.

Mais do que pensar nos meus interesses pessoais, na qualidade de filho de Mé-Zochi, sou de opinião que  Nelson Carvalho e sua equipa camarária revejam o seu programa nesse sentido e procurem implementá-lo de facto, para não dar a sensação de que a intenção manifestada em relação aos emigrantes era um mero bluff político.

Nesta senda, não seria demais recomendar também ao nosso governo,  a possibilidade de implementação de políticas capazes de facilitar a reintegração de emigrantes são-tomenses, como forma de estes sentirem-se cada vez mais incentivados a darem o seu devido contributo ao desenvolvimento de que o nosso país augura.

Medidas como a aplicação de taxas aduaneiras bonificadas ou subvencionadas pelo Estado a favor de emigrantes que pretendam enviar os bens adquiridos no estrangeiro para o país ou facilidades por parte de instituições financeiras locais na concessão de crédito para  emigrantes que manifestamente pretendam investir em São Tomé e Príncipe, desde que reunidos os requisitos para o efeito, podem constituir formas de incentivos capazes de despertar o interesse cada vez maior dos emigrantes são-tomenses, espalhados por esse mundo afora, pela terra natal.

Luanda, aos 02 de Maio de 2012

Eusébio Pinto

Licenciado em Economia

    11 comentários

11 comentários

  1. Mina Piquina

    3 de Maio de 2012 as 13:53

    O senhor achava que este Nelson Carvalho iria fazer aquilo que anunciou? Tire o seu cavalinho da chuva. Grande aldrabão aquele sujeito. Isto está igual ou pior do que a Guiné Bissau. Sempre a subir.
    Fui

  2. mosssad

    3 de Maio de 2012 as 18:57

    Infelizmente ja nao se colaca pessoas qualificadas nos cargos cimeiros do pais, ou mesmo das autarquis.. Primeiro foi a Didinha…depois o Conceica .. o Kney .. e agora temos mais im Nelson Carvalho. Esse como e que foi parar na Camara? sabe-se la?

    Governo ..Delfim Neves … Olinto Daio …sao alguns nomes que podemos citar de falta de capacidade de muitos governantes do pais para nomiarem pessoas para exercerem lugares e cargos politicos.

    sendo assim meu caro Eusebio Pinto, sera que o Nelson e um usuario de computador ou pediu a sua secretaria que nem Word prossessador sabe usar correctamente para redigir essas informacoes.

  3. Helcio Viegas

    5 de Maio de 2012 as 10:05

    Infelizmente, meu caro Eusébio, é o país que temos. Onde o populismo é estratégia política para ocultar outros males e ganhar tempo rumo às eleições. Os líderes devem anuciar e implementar inovações de que percebe bem, ou no mínimo deve ser bem assessorados para não cairem no redículo.

  4. Helcio Viegas

    5 de Maio de 2012 as 10:06

    Correção… de que percebem; … devem

  5. BOTANGI

    5 de Maio de 2012 as 11:39

    Os são tomenses são tão pessimistas que tudo o alguem faz ou tenta fazer é campanha.

  6. Mangolê Flâ

    8 de Maio de 2012 as 13:23

    Temos que deixar de duvidar das pessoas, eu estive em S.Tomé e falei com o Presidente da Câmra de Mé-Zochi sobre este projecto, e ele foi muito claro, e eu entendi, que realmente as coisas Têm que ser feita com muito cuidado para não ferir as emoções das pessoas.
    O presidente da Câmara me deu a conhecer que estão a trabalhar no projecto e vai apressentar todos os requesitos e normas para adquirirem o projecto. Vai haver um modelo arquitetonico de casas onde os interessados poderão adequir dentro dos requisitos proposto pela Camara.Portanto eu acho que devemos esperar para ver e não andar com as especulações e má fala. Também me informou de em S.Tomé um levantamento topografo e um plano urbanistico leva muito tempo porque tudo até neste momento apenas depende de um e unico serviço Geografico Cadastral e tudo isto também tem condicionado este projecto. Vamos perguntar para termos a resposta e depois avançaremos com as criticas necessarias.
    Senhor Presidente Força.

    • mosssad

      10 de Maio de 2012 as 18:20

      Ja deves ter o teu terreno garantido no distrito de Me zochi…hehehehe

      • Any

        23 de Maio de 2012 as 22:42

        Sr ou Sra Mosssad, nao querendo ofender sensibilidades mas dando resposta a sua ignorancia; os presidentes de camara nao sao colocados ou escolhidos por um alguem devido as suas qualification or por terem olhos verdes…. Os Presisentes das Camaras SAO ELEITOS pelo povo. Portanto, se nao quer ajudar, nao incomode os outros

  7. Any

    23 de Maio de 2012 as 22:51

    O pais nao precisa de pessimistas e muito menos de ignorantes. Se queremos falar em desenvolvimento, temos primeiro que entender o que significa sustentabilidade, a educacao e bom senso. Deixa trabalhar quem quer. Se nao quer ajudar, nao atrapalha.

  8. Antonio Neto

    31 de Janeiro de 2013 as 16:53

    Meu Caro Eusebio Pinto, contacta a Camara De Mé-Zochi através do Email cmdtrindade@mail.com para tratar do assunto do seu interesse, muito urgente.

  9. Antonio Neto

    31 de Janeiro de 2013 as 16:56

    Meu caro Eusebio Pinto,
    Digo cmdtrindade@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo