Sociedade

A “Verdade da Mentira” no stock de medicamentos e de consumíveis no hospital central

“Governo reconhece que há essa rotura de medicamentos”, declaração do Ministro dos Assuntos Parlamentares, Arlindo Ramos. A Ministra da Saúde, que na TVS mostrou armazém cheio de medicamentos, diz agora que “a rotura não é total”.

Confrontada com as questões levantadas pelos deputados na sessão parlamentar da última semana, a Ministra da Saúde que alguns dias antes tinha mostrado na TVS um armazém alegadamente cheio de medicamentos, para demonstrar que os médicos estavam a mentir, reconheceu que a reposição do stock de medicamentos não é tarefa fácil. «É difícil repor um e outro medicamento. Não é que existe rotura total. Nós sabemos que existem dificuldades, mas não estamos distraídos como alguns dizem. Há rotura de alguns medicamentos», declarou a ministra.

No debate parlamentar ficou provado que não são apenas alguns medicamentos que esgotaram. São cerca de 9 tipos de medicamentos essenciais, assim como consumíveis para análises clínicas.

Verdade comprovada no Parlamento por um relatório solicitado pelo próprio Governo, e divulgado pelo Ministro dos Assuntos Parlamentares, Arlindo Ramos. «É normal que haja rotura de alguns medicamentos, e o Governo reconhece que há essa rotura de medicamentos, …. o relatório de inquérito diz que a rotura é um dado consumado», referiu o Ministro.

As consequências da rotura de medicamentos e de consumíveis para análises clínicas, são incalculáveis. Alguns deputados que se dirigiram ao Hospital Ayres de Menezes no dia da sessão parlamentar, foram assistidos por médicos que receitaram algumas análises clínicas.

Os médicos administraram aos deputados pacientes, as seguintes análises clínicas: Plasmodium, Widal, Urina, Transaminase, Creatina, e Hemograma Completa. «Os técnicos de laboratório disseram que não têm como fazer esses exames», declarou o representante do grupo de deputados que foi atendido no hospital Ayres de Menezes.

São exames elementares, que o hospital Ayres de Menezes, não tem conseguido realizar por falta de reagentes. Uma verdade factual, que a Ministra da Saúde não conseguiu dizer que é mentira.

O ditado diz que a verdade é como azeite. Vem sempre ao de cima, mesmo que a mentira teime em ser propagada e muitas vezes manipulada por alguma imprensa. O dia-a-dia dos são-tomenses no Hospital Ayres de Menezes, desmente a “verdade” que pretende dizer que está tudo bem, maravilhosamente bem, no sistema nacional de saúde.

A Ministra Ângela Pinheiro, anunciou que foi criada uma empresa vocacionada para importação de medicamentos. Chama-se Infarma – STP, e tem como accionistas o Estado são-tomense, as farmácias privadas e a empresa cabo-verdiana INFARMA.

Doravante segundo a Ministra os medicamentos são importados a partir de Cabo Verde. Semanalmente São Tomé recebe dois voos oriundos de Cabo Verde, e através deles o Governo tem importado alguns medicamentos. Ângela Pinheiro, explicou que um contentor de medicamentos deverá sair de Cabo Verde para São Tomé por via marítima. Enquanto isso, o sistema nacional de saúde é alimentado com as pequenas quantidades importadas por via aérea.

Abel Veiga

    5 comentários

5 comentários

  1. Ôssôbô

    14 de Maio de 2012 as 19:33

    Meus senhores e minhas senhoras!!
    Juro por minha honra que estou entendendo muito pouco cada vez mais esta situação.
    Onde está a verdade, meu Deus?
    Temos ou não temos roptura de STOC?

  2. Blogonón Paiva

    14 de Maio de 2012 as 23:41

    Não temos medicamentos nos recintos hospitalares.
    Esta morrer gente por falta de medicamentos. E o Sr. Primeiro Ministro esta em viagem a vários Países com Avião Privado, ao bordo deste Avião Privado também esta o Sr. Deputado do MLSTP, Nino Monteiro, foi levado para lavagem de cérebro.
    Minha gente Cabo Verde não tem fabrica de medicamentos, também importa.
    Quantas caixa de medicamentos transportam de avião para resolver a crise de medicamentos existente neste momento.
    Faça uma grande importação de medicamentos em Países tradicionais, que sempre nos forneceu. Esta Ministra e todo seu elenco devem ir casa,

    • Saúde

      15 de Maio de 2012 as 13:33

      E oké k 1 ministro tem haver com isso?! Ele está a fazer o papel dele, creio eu k sim! Nós temos k resolver os nossos problemas básicos com competência, e deixar dessa mania de axar k tudo é culpa de presidente e 1 ministro! é um problema,facto! e precisa de resolução urgente, outro facto! agora, por onde começar? e o k podemos fazer no momento com os poucos meio k temos? temos k começar a pensar assim e deixar dessa mania de acusação sem fundos!

  3. Tentado a ler

    15 de Maio de 2012 as 5:00

    Esse comentario; sobre ser normal haver rotura de medicamento; é coisa de mau pai: deixa filhos a fome e diz que é normal. Normal haver rotura de medicamentos? Francamente. Eu pensei que a palavra controlo ou gestao de stock e outros espedientes afins, fossem matérias exclusivas deste ramo. Mas pra o ministro, normal=falta=falha=fracasso. Fogo, francamente

    «É normal que haja rotura de alguns medicamentos, e o Governo reconhece que há essa rotura de medicamentos, …. o relatório de inquérito diz que a rotura é um dado consumado», referiu o Ministro

  4. Saúde

    15 de Maio de 2012 as 13:28

    A questão aki, n é se trata se de uma verdade ou mentiraa. O problema, é k eu acho k a ministra está a meter os pés pelas mãos por falta de conhecimentos básicos ligados a área de saúde, e por isso ela se perde tanto assim nos seus discursos…gente, pké n colocar alguem da área da saúde, k entende mais do assunto pra comandar o ministério…axo k assim ficaria tudo mais simples, né! pra ké dar ração pra coelho! eu axo k ela talvez devesse ter uma preparação melhor ou então tentar se infomrar melhor! n estou pondo em causa o carácter dela, pke a questão aki n é essa…é tudo problema de falta de informação adequada e certa! Att…..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo