Sociedade

Crueldade humana contra tartarugas na “Praia Colónia Açoreana”

Nasser Ngombe Águas, activista da protecção do ambiente, faz a denúncia a artir da Colónia Açoreana. Fotografias recolhidas no local e enviadas para a redacção do Téla Nón confirmam a crueldade que está a ser praticada contra tratarugas na zona de Colónia Açoreana.

A internet elimina distâncias, e quebra o isolamento. A partir da Colónia Açoreana, cerca de 30 quilómetros da capital são-tomense, Nasser Ngome Águas, denuncia para o país e o mundo, a tortura de tratarugas que está a ser praticada no interior da ilha de São Tomé. «Envio estas fotos porque estão a capturar tartarugas e torturá-las», declara o activista na mensagem enviada ao Téla Nón.

Segundo Nasser Ngome Águas, a tartaruga com cerca de 250 à 300 kgs «foi capturada e amarada há 3 dias na praia colónia açoriana por uns dos moradores, que de seguida pôs-se em busca de comprador», refere.

A tartaruga designada em São Tomé e Príncipe por “ambulância”, foi capturada na noite da última sexta – feira. «Foi amarrada e com o corpo virado de modo que a mesma não pudesse ter a possibilidade de fugir. No domingo dia 10 de Dezembro de 2012 quando a encontrei com vida a mesma estava muito débil e sem energia», explica o activista ambiental.

Nasser Ngome Águas, acrescentou que denunciou o caso a polícia do distrito de Cantagalo. «Quando veio o pescador que capturou a tartaruga, falamos amigavelmente. Só que ele rejeitava soltar o animal, sem a troca de alguma quantia em dinheiro, porque alegava  que tinha necessidade em resolver problemas  do dia dia».

A chegada do agente da polícia enviado pelo comando distrital, permitiu que a tartaruga fosse libertada, ou melhor, que o pescador retirasse a corda que prendia a trataruga à uma árvore.  No entanto continuou com as barbatanas para cima. Segundo Nasser Ngome Águas, os pescadores da Praia Colónia, recusaram virar o animal de forma a que pudessse locomover.  «Com as costas viradas, não podia movimentar-se para o mar, e os pescadores diziam que se a querem libertar e pôr o animal no mar “vão vocês ».

O activista ambiental, disse que as pessoas estavam nervosas e que teve que abandonar o local, por causa de ameaças de agressão física.

Abel Veiga

    12 comentários

12 comentários

  1. Sensa Comissário

    11 de Dezembro de 2012 as 11:50

    Boa NASSER!!!
    Gostei do gesto… e espero que as pessoas aprendem que para o bem que se faz isso.
    Só acreditar que podemos fazer melhor.

  2. lucy mary amado boa morte

    11 de Dezembro de 2012 as 13:38

    isto tem a ver com a falta de mentalidade
    dói-me dizer que os saõtomenses ainda não sabem que a maioria dos turistas que vêm até aqui , vêm com o objectivo de observar as tartarugas…e o governo não faz nada.se soubessem as vantagens de turismo para esse país não estariam a perder tempo a agredirem-se um ao outro no parlamento.
    que miséria….

  3. Paulo.Portas

    11 de Dezembro de 2012 as 17:13

    Voçês não sabem o que é passar fome. Eu entendo que eles não deviam fazer isso mas é a sua fonte de sustento. Se o estado quizer o estado compra a tartaruga e liberte-a.
    Um dia que voçês verem fome saberão o que é fome. Deixa cada um desenrascar como pode

    • Inominada

      12 de Dezembro de 2012 as 8:30

      Meu Caro,
      Nada justifica a falta de sensibilidade e valores morais daqueles pescadores.
      Porque se são verdadeiramente pescadores saberiam onde buscar o pão pra matar a fome.
      Gente que gosta de trabalhar com honestidade nunca lhe falta trabalho ou pão na mesa. Mas, os que esperam sentados a beira mar, que o peixe lhes venha parar as mãos é que são capazes de amaraar uma tartaruga durante uma semana a espera que apareça um comprador. Estes são do tipo que ficam sentados a espera que que vizinho plante para depois poderem colher antes mesmo de quem plantou.
      A fome não justifica a barbarie…

  4. Barão de Água Ize

    12 de Dezembro de 2012 as 0:01

    As tartarugas, o abate indiscriminado de árvores que pode levar à desertificação de STP, etc…. A fome pode ser justificação para se achar tudo normal e aceitável? Por exemplo, quantos cachos de banana vale uma vida humana? Haja respeito pela natureza e pelas pessoas.

    • Inominada

      12 de Dezembro de 2012 as 8:36

      Sábias palavras meu Caro….
      Viva o trabalho honesto….
      Basta de roubos, basta de usurpação indevida de recursos naturais, que são patrimonios de todos nós…….

      Bem haja

  5. Lupuye

    12 de Dezembro de 2012 as 14:23

    Esses homens sao barbaros mesmo. Nem a fome justifica isso. Ficaram insensiveis ao sofrimento dos animais e quando e assim tambem ao sofrimento dos seres humanos. Um bom pescador tem que saber apanhar outros seres marinhos para matar a sua fome e a dos seus familiares. Temos um mar rico em pescados que pode proporcionar a qualquer pescador que se prese comida para si e para vender para o sustento da sua familia sem problemas. Temos que preservar o que e nosso e saber respeitar a natureza.

    • Lupuye

      12 de Dezembro de 2012 as 17:49

      correcao: preze em vez de prese

  6. meu namorao

    12 de Dezembro de 2012 as 15:37

    vcs fazem comentario desnecessario. vcs sabe quantas pessoas aquele homenzinho sustenta, quanto sacrificio ele fas com o sua canoa a vela “canoa a vela” para safar o dia a dia, quantas vese passou fome porque o mau tempo não lhe permitiu ir a pesca com a sua canoa a vela,? para discordar com o gesto do homensinho tem que ajudalo financeiramente e depois lhe dar moral. vcs só sabem é mxm julgar. se não houve comprador para tartaruga, imagino a dificuldade que o homenzinho passa ao vender a sua biquinha. buzio agora tem mas saida que peixe! enfim S.tomé…

    • sr marques

      13 de Dezembro de 2012 as 3:10

      se é proibido ele n pode vender,porque num país de leis esse pescador era detido por isso. nao vamos justificar as coisas com sustento ou falta de alimentação…é proibido por lei entao nao captura ponto final.

  7. Dias

    13 de Dezembro de 2012 as 10:06

    Como é possivel justificar o injustificavel, como é possivel justificar a tamanha crueldade,o homem perde a cabeça, cada dia todo o bom senso, onde esta o amor pela natureza, a onde esta amor por nós mesmos,ouví alguém falar da fome, das dificuldades que o suposto pescador, estaria a passar,mas justifica amarar, torturar não,não justifica esta falta de amor.Meus agradecimento vai para o ativista que au ver isto não se calou, é destes homens que lutam pela justiça e bem de todos que a nossa terra precisa,e faço um apelo a tela non em especial ao jornalista Abel Veiga que publíque a crueldade que é tambem submetido a nossa famosa PRAIA POMBA, que a cada dia que passa vai entrando em ruinas, e eu enquanto jovem desta terra não me vou calar perante estas violações, em breve vou levar a este nornal fotos do estado da referida praia e peço a vóz deste jornal que me ajude nesta luta para bem de todos nós,os meus agradecimento estendise a este jornal.

  8. Antonio Almeida

    14 de Dezembro de 2012 as 17:00

    Nasci em S.Tomé. Por razões de oputra ordem vivo na Europa. Visitei S.Tomé, precisamente há dois anos. Fiquei chocado ao ver tanta coisa muito diferente do que era no tempo em que vive em S.Tomé. Vi no Mercado da cidade de S.Tomé carne de tartaruga a venda. Não haverá uma multa ou outras sansões contra os agressores?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo