Sociedade

Central térmica de Bobô Fôrro produz mais energia após desenlace entre a RENERGIA e a CUNHA SOARES

A central térmica de Bobô Fôrro, que foi desactivada da rede nacional no dia 19 de Abril último, criando problemas na distribuição de energia ao país, está actualmente sob controlo exclusivo da empresa RENERGIA, que cortou relações com a antiga gestora CUNHA SOARES.

A empresa RENERGIA, filial da suíça FISI, instalou a central térmica de Bobô Fôrro, e a partir de Dezembro do ano 2011 reforçou o seu investimento com a introdução de 9 grupos de geradores. A central térmica privada vende a produção de energia para a empresa nacional de electricidade, a EMAE.

No entanto contratou a empresa Cunha Soares, para gerir a central térmica. No passado dia 19 de Abril, a empresa gestora decidiu suspender o fornecimento de energia à rede nacional, o que provocou um enorme apagão nacional, tendo em conta as limitações das centrais térmicas de Santo Amaro e da capital São Tomé, ambas em fase de manutenção.

Giacomo Zanotti, administrador da RENERGIA em São Tomé, disse ao Téla Nón que a suspensão das actividades da central ocorrida no dia 19 de Abril último, foi anormal e arbitrária. Uma decisão unilateral da Cunha Soares que não teve em conta a importância do serviço público. «No dia 19 de Abril a Cunha Soares tomou a decisão de suspender as actividades na central pondo em causa o serviço público. Isto em pedir qualquer autorização. No dia 22 com o apoio da polícia pudemos entrar na central e assumir a gestão da mesma», explicou o administrador da RENERGIA.

Problemas financeiros, estão na origem do desentendimento entre a RENERGIA e a Cunha Soares. Desde Dezembro do ano 2011, até Dezembro de 2012, que o Estado são-tomense através da EMAE, não pagou pelo forecimento de energia a rede nacional. «É uma dívida que atinge 700 mil euros. Por esta razão a Renergia não conseguiu pagar também a Cunha Soares pelos serviços prestados na gestão da central térmica», declarou Giacomo Zanotti.

Segundo o administrador da empresa RENERGIA, só em Janeiro de 2013, o Estado são-tomense deu um sinal de pagamento pelo fornecimento de energia. « Os únicos pagamentos a favor da Renergia foram feitos em Janeiro de 2013», assegurou.

A administração da RENERGIA, contesta a posição da empresa Cunha Soares, em suspender as actividades da central no mês de Abril, uma vez que apesar do atraso por parte do Estado são-tomense no pagamento da dívida, honrou parte dos seus compromissos com a Cunha Soares. «Mesmo assim a Renergia conseguiu pagar a Cunha Soares, 170 mil euros. Valor muito superior ao que a Renergia ganhou pelo fornecimento de energia a EMAE. Portanto em Janeiro último o Estado são-tomense através da EMAE, pagou 130 mil euros, numa dívida total de 700 mil euros», pontuou.

O desenlace entre as duas empresas privadas, foi a única saída para o desentendimento. Doravante a central de Bobô Fôrro, está sob a gestão exclusiva da RENERGIA, que promete aumentar a produção de energia à rede nacional. No dia 22 de Abril, quando a central foi reactivada a produção era de 2 megawatts. Actualmente já subiu para 2,5 megawatts e segundo Giacomo Zanotti, vai aumentar nos próximos dias até dar resposta a demanda da EMAE, que é de 3,5 megawatts. « Com 7 geradores em funcionamento, teremos uma produção mínima de 3,5 megawatts, e um máximo de 4,2 megawatts. A EMAE nos solicita uma produção de 3,5 megawatts. Actualmente produzimos 2,5 megawatts, com apenas 4 geradores em actividade. Nos próximos dias vais recuperar outros 3 geradores», sublinhou.

Para nove, ficam a faltar dois geradores. O responsável da Renergia, explicou ao Téla Nón que os outros 2 geradores sofreram avarias profundas. Ainda não expirou o prazo de garantia, por isso peritos da firma internacional que vendeu os geradores, deverão chegar a São Tomé, para recuperar as duas máquinas avariadas. «Havia algum problema de competência com a Cunha Soares. Prometeram garantir a gestão da central, mas trouxeram um técnico de manutenção que não tinha competência para tal. Os geradores têm motores de 16 e 18 cilindros. Esta situação ajudou a por em causa a vida das máquinas», frisou Giacomo Zanotti.

A RENERGIA, faz as contas e encontra saldo negativo no investimento no sector de energia em São Tomé e Príncipe. Tudo por causa do atraso da EMAE em representação do Estado, no pagamento do fornecimento de energia à rede nacional.

Segundo Giacomo Zanotti, no ano 2011 para a instalação dos 9 grupos de geradores em Bobô Fôrro, a empresa investiu 2,5 milhões de euros. Custos de manutenção dos grupos, nomeadamente a substituição de filtros e outros, atinge 50 mil euros. No entanto 1 ano depois, a empresa só conseguiu recuperar  130 mil euros, do fornecimento de energia à rede da EMAE, isso em Janeiro de 2013. «Como pode verificar o rendimento até agora conseguido pela empresa é de apenas 130 mil euros, quando deveria receber nos últimos 12 meses 700 mil euros», precisou.

As dificuldades da EMAE em cumprir com as suas obrigações, não motiva o investimento privado no sector da energia. A RENERGIA, através da empresa mãe a suíça FISI, considera a produção de energia renováveis como a melhor opção para o país.

No entanto, diz que essa opção só pode ser bem sucedida para o investimento privado, caso terminem as dificuldades de pagamento. « Este tipo de energia implica avultados investimentos iniciais, que implicam também o retorno do investimento num prazo mais curto possível. Mas como o Estado são-tomense através da EMAE, tem dificuldade de fazer a tempo o pagamento do fornecimento de energia à rede nacional, um investidor fica retraído», concluiu.

Abel Veiga

    30 comentários

30 comentários

  1. Armindo

    2 de Maio de 2013 as 11:54

    Passamos em muitos lugares se energia no dia dos trabalhadores. Foi triste.
    Nem como beber uma cerveja bem gelada.

    • Mé Pó Feladu

      3 de Maio de 2013 as 9:31

      uma cerveja fresca pq em gelo ñ consegues beber talver chupar

      • Lupuye

        3 de Maio de 2013 as 13:18

        Nem em todas instancias “gelada” significa congelada. Gelada tb significa MUITO FRIA. Para mais informacao consultar o DICIONARIO PRIBERAM DA LINGUA PORTUGUESA online.

  2. Alberto Silva

    2 de Maio de 2013 as 13:20

    Vamos ver para crer. 5 M para electricidade, mas para tirar 100 M em um ano.
    Francamente, sera que alguem tem pensado em STP ou so para os seus bolsos

  3. barcelona

    2 de Maio de 2013 as 14:08

    Meus Srs sejamos rasoaveis
    O negocio da Combustivel esta a afundar EMAE e o cofre do estado, sem falar dos boys que eles amaram la onde tem “capim”.
    Esta historia do negocio de combustivel tem de mudar?
    Ha muitas outras fontes alternativas para producao de energia.
    Porque nao avançamos para elas? Porque andamos tao dependentes desse material?

    A historia dos geradores nao teria existido se houvesse pessoa de boa fé a pensar o bem estar social do pais.

  4. silvino

    2 de Maio de 2013 as 14:45

    Mais um negócio do sr Patrice…..

  5. Alberto Nascimento

    2 de Maio de 2013 as 16:17

    Este Baltazar só pode ser chacheiro.
    truques!

  6. nikilay monteiro

    2 de Maio de 2013 as 22:13

    O pais deve apostar em energia limpa.

  7. Aguas

    3 de Maio de 2013 as 7:07

    Meus caros compatriotas
    Se o investimento foi de 2,5milhoes euros e num ano faturaram 700mil euros, só posso dizer que estamos a ser roubados, mais 4 anos e já nos sacaram 3,5milhoes de euros.
    Que negócio é este?
    Será que não podemos comprar os nossos proprios geradores?
    MLSTP, vamos começar a trabalhar e acabar com estes roubos

    • Téla Nón

      3 de Maio de 2013 as 7:52

      Lê o artigo com atenção e depois comenta. Será mesmo verdade isto que comentas-te? “Se o investimento foi de 2,5milhoes euros e num ano faturaram 700mil euros”

      • Mufino

        4 de Maio de 2013 as 9:03

        Nao devias responder a este comentario. Pois, assim denotas uma certa carga de “bias” ou seja parcialidade.

  8. desta terra

    3 de Maio de 2013 as 7:31

    Mais um negócio de pouca vergonha desse governo!
    Deixa o país as escuras com cortes sucessivos de energia.

    Até o país já se tinha esquecido de definição de “APAGÕES”.
    Voltamos agora ao passado com os apagões todos dias em STP.

    Só mudanças aberrantes que este governo faz nessas empresas publicas tecnicamente falida, DÁ DÓ NO CORAÇÃO DE QUALQUER SANTOMENSE.

    Como é possivel um director de EMAE reber 70 milhões a 90 milhões de dobras por mês?

    Quando o salário minimo nacional é de 975 mil dobras?

    Como é que a EMAE e a ENASA estão tecnicamente falidas, e os seus directores ganhão em média 80 milhões por mês?

    Por isso mesmo oS politicos quando chegam ao ministro fazem mudanças aberrantes na perspectiva de um não politico.

    Mete lá os seus CAMARADAS para ganharem essa bufufa de mnodo a poderem dar “BANHOS” aos seus militantes.

    Como é que se entende q

    • Ké, di Vá plegá cú pávu.

      3 de Maio de 2013 as 17:18

      Aonde é que estava esse comentário, quando o ADI e o seu presidente estavam no poder?
      Não se esqueçam que o Raúl Cravid, não foi afastado, mas sim foi transferido e continua nessa mesma bufúfa. A que Partido ele pertence?A estrratégia é tentar gerir de melhor forma para que o Barco não vá cheio só de um lado. Fui.

      • Mufino

        4 de Maio de 2013 as 9:10

        “A estrratégia é tentar gerir de melhor forma para que o Barco não vá cheio só de um lado” – E O POVO PEQUENO QUE SE DANE. E SALVE QUEM PUDER.

  9. Filipe Samba

    3 de Maio de 2013 as 7:34

    A falta de organização
    A empresa EMAE, faz parte da área estratégica do Estado, porque quem controla a energia administra 80% do poder .
    Sou de opinião, depois que termine o contrato com esta empresa, o pais implemente a cooperação com a Alemanha para aquisição de Novos Geradores

  10. SAO TOMÉ

    3 de Maio de 2013 as 7:59

    Só agopra pude acreditar que toda a chantagem a volta do apagão da luz era obra do ADI ,e os seu lider Patrice Trovada.
    J aviram ???Como é possivél Cunha Soares cortar o fornecimento da energia a EMAE???
    de certeza que receberam algum trocado na mão do Sr Patrice Trovada para fazerem isso.FUI
    Muita atenção SR Presidente da republica Manuel Pinto da Costa,e o sr Primeiro Ministro Gabriel Costa ,o ADI é um perito em chantagens.
    FIQUEM DE OLHOS BEM ATENTOS AOS DIRECTORES E CHEFES DE GABINETES COM FILIAÇÃO PARTIDÁRIA NO ADI…QUEM AVISA ,AMIGO É…….

  11. Mé Pó Feladu

    3 de Maio de 2013 as 9:33

    menino de recado pau mandado lambe botas

  12. Mé Pó Feladu

    3 de Maio de 2013 as 9:36

    menino de recado, boneco de corda, pau mandado, lambe botas onde esta os 400 M de USD q outro ñ estava interessado em ir buscar

  13. rodrigues

    3 de Maio de 2013 as 9:57

    Mais energia??? Grande mentira
    Nem dá para ver o nosso BENFICA a ganhar
    Comecem a trabalhar

  14. Ké, di Vá plegá cú pávu.

    3 de Maio de 2013 as 17:14

    Das poucas que ainda existem, são ben vindo às informações para Téla Nom reinformar ao público. Este caso deveria ir para um Fórun discutir e ganhar melhores subsídios para aclarar o desmando do ADI e do Seu Comparsa…

  15. Mario Vaz

    3 de Maio de 2013 as 23:30

    Tenho que fazer aqui uma critica ao TELA NON, pois pôs na noticia que os Suiços investiram 2,5 milhões de Euros em 9 geradores e ao mesmo tempo coloca uma fotos dos mesmos geradores a dizer ATLAS COPCO RENTAL, ou seja, os geradores são alugados e não comprados.

    Isto é mau jornalismo e má informação

  16. Barão de Água Izé

    4 de Maio de 2013 as 18:45

    A problemática da Energia é muito grave para STP. Um país sem energia não tem futuro. É lamentável que após 35 anos de independência a energia não seja um assunto pacifico, isto é energia com custo aceitável e sem quebras, 24 horas por dia.

  17. " santos. e pecador "

    5 de Maio de 2013 as 13:02

    nao se Tata do” mlstp “ou do “Adi” mais sim dos maos politicos. da. podredao de politics sem brilho dos diosto Salvadores de uma democracia demagoeca ond impera a farca. democracia .quero realcar

  18. Estamos atentos!

    6 de Maio de 2013 as 11:32

    Meus senhores, vamos deixar de brincadeiras e fazer coisas sérias, vamos estar a depender da energia a base de combustível até quando? num país com água por todo canto. Ainda ontem vi uma reportagem na televisão da Guiné Equatorial sobre uma baragem que neste momento produz 60 megawatts de energia e precisam apenas de 30, ela está preparada para produzir 120 megawatts de energia, composta por 4 turbinas. Segundo as palavras do director geral do projecto será construída outra baragem para o fornecimento de energia aos países vizinhos. Porquê não pensamos nessa possiblidade de termos uma energia limpa vindo da GE? não estamos muitos distante deles. Este é um assunto para reflectirmos, uma vez que existe boas relações de amizades entre os nossos países (STP e GE).
    Abraços.

    • Pléto Lúlúlú

      7 de Maio de 2013 as 22:37

      Sr. Estamos Atentos….. A Guiné Equatorial está no Continente Africano… S. Tomé é uma Ilha no meio do Golfo da Guiné. Como é que vem a energia ??? Cabos aéreos…Cabos subterrâneos …. Cabo submarino…. ou vem em «pacotes’ e é vendida no Mercado…???? Gostava que explicasse esta sua idéia, pois estamos sempre a aprender.

  19. Estamos atentos!

    6 de Maio de 2013 as 11:57

    O projecto na Guiné Equatorial chama-se Djibloho.

  20. santos e pecadores

    6 de Maio de 2013 as 12:07

    em STP nao ha mlstp, mdfm,nen ADI, os outros que se chama partidos.Sempre houve um partido que se subdevedio …
    por tanto e treste quando vemos pessoa como pinto da costa com saudades do apagao , saudade de usar energia suja em decremento da limpa .gente que tem saudades do retrocesso gente retardada e cheio de ma fe …
    qual a causa desse ditador continuar a apostar nesse tipo de enrgia que so traz projoiso ao pais qual o interesse teem por esse povo e o pais ?desta forma e que querem levar esse pais ao bom porto ?tenham santa paciencia ….

  21. António Nunes

    6 de Maio de 2013 as 17:07

    Os Camaradas do MLSTPO e PCD disseram que o Governo de Patricio devia sair, porque não havia energia, não havia medicamento, arroz estava carro e o nível de vida muito dificil.
    E agora cpomo está? Muita energia, muito medicamento, muito arroz bom salário, não é?
    O país voltou para a decada de 80. Escuridão, hospital terrível, comida apenas para alguns, perseguição de quadros etc.
    Façam ilecção agora e vão conhecer qual é a vossa popularidade.
    A ver vamos.

  22. Vasco Ogando

    7 de Maio de 2013 as 10:06

    Sr Abel Veiga
    Fiz um pedido de esclarecimento da parte do
    Tela Non, pois o que está em jogo é o bom nome da CUNHA GOMES, que nada tem haver com
    Cunha Soares ou EMAE.
    Agradeço pois, que publique o nosso pedido de esclarecimento à opinião publica.
    Vasco Ogando

    • Téla Nón

      7 de Maio de 2013 as 12:48

      O Téla Nón não recebeu nenhum pedido de esclarecimento formal da empresa Cunha Gomes. Recebeu comentários, solicitando a correcção e essa correcção será feita, porque tratou-se apenas e só de um lapso na escrita. Se verificar bem o rtigo todo fala de Cunha Soares. Se apareceu Cunha Gomes num dos parágrafos foi apenas um lapso, apenas isso, um lapso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo