Sociedade

Obras de protecção costeira evitam que a região norte de São Tomé fique isolada do resto da ilha

As obras de protecção costeira financiada pela União Europeia estendem-se por 16 quilómetros da estrada que liga a cidade industrial de Neves à capital do país. Uma estrada sinuosa que ao longo dos anos, foi registando derrocadas e o consequente corte da ligação entre a região norte e o resto da ilha de São Tomé.

É uma estrada sinuosa, construída na era colonial entre rochas acidentadas que caracterizam parte da região norte e o mar. É a única via de ligação entre o norte e o resto da ilha de São Tomé

Nos últimos anos, entrou em avançado estado de degradação, marcada por derrocadas e aluimento do asfalto. O mar também foi corroendo as estruturas da estrada. Perigo iminente que começou a ser tratado com obras de protecção da orla costeira, financiada pela união europeia no valor de 6 milhões e 600 mil euros.

Confinada entre rochas e o mar, a estrutura de base da estrada está a ser reforçada com betão armado de altura superior a 6 metros, para dar suporte impedindo que a violência das ondas do mar, provoque aluimento da sua estrutura de base. O betão armado vai permitir também o aumento da largura da estrada.

A parte superior bastante acidentada vai merecer tratamento especial, para evitar as constantes derrocadas que ciclicamente cortam a ligação entre a região norte e o resto da ilha de São Tomé. É comum torras de madeira de grande porte deslizarem das rochas até a estrada. Pedras enormes também rebolam, em direcção a estrada.

Sem a estrada número 1, o país fica privado do abastecimento em combustíveis. É na cidade de Neves onde se localizada o reservatório de combustíveis, da ENCO. A mesma cidade onde estão instaladas outras unidades industriais ou semi- industriais, nomeadamente a pesca semi-industrial e a única cervejeira do país, a Rosema.

As obras de protecção da estrada número 1, estão a ser executadas pela empresa portuguesa Soares da Costa. Terminam dentro de 1 ano e estendem-se por 16 quilómetros, desde a cidade de Guadalupe no centro de São Tomé, até Neves no norte.

Abel Veiga

    10 comentários

10 comentários

  1. minus

    26 de Maio de 2013 as 14:32

    espero bem que estas obras estejam prontas ha tempo,pois nao suporto a ideia de voltar a STP daqui ha 5 meses e nao poder chegar a neves, nao quero nem imaginar os transtornos…ponham todo vosso poder nisso meus camaradas!

  2. luisó

    26 de Maio de 2013 as 22:04

    viva a união europeia-

  3. jose pedro

    27 de Maio de 2013 as 6:22

    Devia-se acrescer a reabilitação da via a sinalização e se possivel iluminação, pois traria efeitos multiplicadores…..

  4. Telavive

    27 de Maio de 2013 as 10:13

    Beleza impar, aproveitamento zero!

  5. HT

    27 de Maio de 2013 as 10:25

    Devíamos quebrar um pouco de rocha também muito próximo da estrada.

  6. concorrente

    27 de Maio de 2013 as 10:33

    Como é possível a empresa construtora ter apresentado um valor de 4.900.000€ e agora a obra ser financiada em 6.600.000€!!!! Mistério……..

  7. compadre de armas

    27 de Maio de 2013 as 16:53

    isso é positivo pra o pais!!!

  8. Frank

    27 de Maio de 2013 as 17:34

    Estrutura de reforço é importante, mas não é urgente. Se o valor a ser usado neste trabalho fosse empregue na recooperação das casas nas roça para que, os nossos conterrâneos saíssem da situação habitacional desastrosa; até posso dizer ” Que desfalece o País” para que sejam mais humanos seria melhor

  9. Põe boca não tira

    30 de Maio de 2013 as 9:03

    Aco necessário e urgente a recoperação desse troço, pra quem conhece bem o estado actual daaquela estrada sabe disso. Por isso temos que dar os parabens a iniciativa tendo em conta a importancia dessa via na actividade economica do país……

  10. Põe boca não tira

    30 de Maio de 2013 as 9:04

    queria eu dizer “acho”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo