Sociedade

Ordem dos advogados contesta detenção do árbitro e diplomata Esterline Gonçalves por militares do exército

O árbitro e diplomata, Esterline Gonçalves Género manifestou a sua indignação face a violência que se registou no jogo de futebol entre a equipa militar do 6 de Setembro e o Trindade Futebol Clube. Usou a internet para manifestar a indignação. O exército não gostou das palavras ditas por Esterline e reagiu.


Esterline Gonçalves Género escreveu na rede social facebook o seguinte texto:

«No exército São-tomense, de todo (topo) a base, respeitando todos aqueles que merecem respeito, seria bom que as patentes correspondessem a mentalidade e maturidade exigida. Daí não podermos confundir a (profissão –ocupação de alto risco) com a força das armas. Ser major, estar afecto aos serviços da Presidência da República, ser instrutor militar, ser tenente na reserva ou merda que seja deveria conferir sabedoria e não a estupidez

A mesma publicação culminou com a detenção do mesmo por algumas horas por parte dos militares e que mereceu pronta reacção da Ordem dos Advogados que exortou o Presidente da República a que abra um inquérito, aludindo que as Forças Armadas não têm competências para tal procedimento. «Em democracia só os tribunais fazem a justiça, apenas em ditaduras é que os militares fazem justiça. A ordem dos advogados tomou conhecimento do facto ocorrido no passado dia 1 e 2 do corrente mês, em que durante um jogo entre as equipas de 6 de Setembro e Trindade FC, a equipa de arbitragem foi agredida por alguns militares devidamente identificados. Posteriormente a isto, no dia 2, também tomamos conhecimento de que um grupo de militares, devidamente identificados, dirigiram-se a Ministério dos Negócios Estrangeiros e detiveram um cidadão, sem um mandato judicial e como já tinha dito, na nossa democracia, só os tribunais têm poder para mandar deter uma pessoa ou os órgãos judiciais. E este cidadão foi detido e levado ao quartel-general, pelo simples facto, como alegaram os militares já ditos e devidamente identificados, de ter postado nas redes sociais, nomeadamente o facebook, um texto. A lei está clara e ninguém está acima da lei », referiu Adelino Pereira enquanto porta voz da ordem dos advogados.

O porta-voz da Ordem dos Advogados de São Tomé e Príncipe disse ainda, que se as afirmações de Esterline Género tinham ofendido ou injuriado os militares, estes deveriam ter recorrido à justiça.

Bendzaison Lima

    61 comentários

61 comentários

  1. Francisca CL

    6 de Setembro de 2013 as 14:55

    Esta equipa de militares já deveria ser extinta. Não faz sentido existir num pais democrata uma equipa formada por militares a participar em competições juntamente com civis. Militar é para estar no quartel e desempenhar funções de manutenção da ordem/paz. E bom praticar desporto, mas que organizem competições internas.

    Psiu: telanon corrijam o título sff não se diz deplomata mas sim diplomata, como alias aparece no resto do artigo.

    • Francisca CL

      6 de Setembro de 2013 as 16:06

      Ok, já foi corrigido. País democrático

    • h silva

      6 de Setembro de 2013 as 21:12

      Nao concordo que isso deve se a equipa militar…Angola tem 1 de Agosto que tb pertence a militar…mas sim concordo com o detido,ou seja acabaram de o dar razao no que postou no facebook…Ha k se rever essas patentes e fazer uma limpeza na Forca Armada.Num pais pequeno onde nao se precisa de um numero grande de militares,deveria se fazer uma seleccao(pinarar)essa grupo,fazer um numero reduzido de homens capazes e com melhores condicoes…Comandante do exercito esta num mao caminho.Ficou provado que tera que escolher,ou federacao de futebol ou Comandante do exercito…Que pena porque ate axava que podia acumular 2 funcoes…Mao pesado nesses delinquentes que usaram o uniforme e o bom nome da instituicao para mais uma vez fazerem essa pouca vergonha,

      • mentalidade

        7 de Setembro de 2013 as 11:01

        tens a certez que aquele que é presidente da federação de futebol é ainda comandante do exercito? convém s informar melhor antes de andar a difamar as pessoas

      • Maquiavelico

        8 de Setembro de 2013 as 11:31

        Sinto muito por Individuos como tu “h silva” pois o actual responsavel maximo da Federação de Futebol, ja não é Commandante das Forças Armadas, o q significa q nem deverias opinar pois estas desenquadrado com o contexto actual do Nosso País…. TRISTE VER DESINFORMADOS comentando..

      • Camuenda

        13 de Setembro de 2013 as 10:44

        Meu caro em Angola tem o 1* de Agosto como equipa das forças armadas, mais no entanto os seus atletas não são militares e nem fazem parte do quadro efectivo das forças armadas.

    • Alcidio Pereira

      6 de Setembro de 2013 as 21:50

      100% de acordo. Um clube de militares num campeonato civil é uma parvoíce.Acabem já com o “6 de Setembro” e ensinem os militares qual o papel deles numa democracia.

  2. Estanislau Afonso

    6 de Setembro de 2013 as 15:00

    Todos os militares envolvidos nesta pouca vergonha devem ser afastados. Como o País não tem Guerra os militares pretendem criar guerra ao todo custo.

  3. tonga

    6 de Setembro de 2013 as 16:32

    meu Deus onde vamos parar isto esta cada vez pior nesta terra qualquer dia os militares começam a executar as pessoas

  4. Barão de Água Izé

    6 de Setembro de 2013 as 16:36

    A ser tudo verdade, a relativização com que o Presidente Pinto da Costa comentou o caso à TVS, após visitar a Marinha, demonstra que há algo a preocupar. Sua Excelência Sr. Pinto da Costa é o Chefe Supremo das Forças Armadas, e está á espera que se investigue? Terá chamado de imediato o Ministro da Defesa, para saber se houve desmando ou usurpação de poderes por parte dos militares em causa? A imagem de pais e filhos utilizada pelo Sr. Presidente é preocupante. Os militares devem obediência absoluta ao poder civil instituído.
    O contrário, é sinal de ditadura e isso o povo de São Tomé e Príncipe, não permitirá.

  5. labolongo

    6 de Setembro de 2013 as 16:44

    quem tem coragem publica a imagem deste senhor o povo santomense quer conhecer o Rambo que mandou castigar um dos melhores diplomata santomense.

    • Santomé Plodôsu

      9 de Setembro de 2013 as 14:12

      Rambo ou rabo? Existe algum rambo de pele e osso? Só nos filmes. Em STP existe “rambo” porque os filhos de STP tornaram-se cobardes. Nós, actual geração somos cobardes, por isso existe “rambo”.
      Os nossos pais e avós não eram assim!
      Somos cobardes.

  6. danço congo

    6 de Setembro de 2013 as 16:48

    Abel tomei conhecimento que os militares ira invadir o seu gabinete por teres publicado a imagem dos soldados e quartel general das forças armadas em breve o senhor Rambo ira mandar o tenete mor e alguns dos seus capanga para lhe prender alerta

    • pirilampo

      6 de Setembro de 2013 as 21:33

      meus carros pois nao tou ca pra defender nem o rambo nem ninguem mas , os militarares optam um por tds tds por um … por acaso vcs estao acusar o rambo desendo q foi ele quem deu a ordem pra agreçao . tem provas disto ? pois pelo q sei nas FASTP nao existe nem um tenente mor como senhor acabou deflizar , pois estamos num pais democratico sim mas mas a equipa de 6 de setembro nao agiu pelo impulço,,, pois sim pela camaradagem .o ero é humano mas na detnçao do mesmo nao foi por acaso pelo q o dito diplomata escreveu usando palvras oufencivas sorte q foram militares cultos a tomar devida posiçao e detelo sem pancadaria….pq contra força nao existe resistencia e so mesmo em sao tome q coisas destas acontencem militares sao q nem deuses

      • C_Miguel

        7 de Setembro de 2013 as 11:05

        Meu amigo,
        Para tua informação nosso país é DEMOCRÁTICO, e a democracia nos dá o direito de exprimir os nossos pensamentos e ideais de maneira livre sem opressão. Estamos num mundo moderno onde a mídia já transpôs apenas sistema de comunicação via TV ou radio. Hoje temos internet que pelos vistos também utilizas. Não houve abuso do diplomata nas suas citações, o mesmo exerceu seu direito como cidadão. E outra no momento em que os militares se misturam aos civis em partidas de futebol terão que estar preparados para receber criticas e agirem de maneira respeitosa e não com abuso do poder. Saibamos garantir nossos direitos que a constituição nos confere e que muitos têm usurpado e nós de maneira até passiva somos coniventes.

      • Olhá lisú

        7 de Setembro de 2013 as 22:44

        Tem-se que pôr termo a essas barbaridades e que os militares sejam só militares com tudo que têm direito, ser punidos severamente quando são merecedores. O país tem que ser governado pelos responsáveis que o povo escolheu para lhe servir. Os dirigentes, esperemos a vossa reação

      • Fyodor Dostoevsky

        8 de Setembro de 2013 as 7:51

        Vc é simplesmente um grande ignorante de mente vazia.

  7. eug. garten

    6 de Setembro de 2013 as 16:52

    Como é que este Rambo entrou no qualter?
    ele é um dos homem forte de Pinto da Costa e homem de segurança de Pinto .
    aonde estava o eugenio Guadalupe ( mao e pe Grande ?
    sera que os brigateiros de meia tigela andava a dormir e beber um bom vinho no dia 2 de Setembro ? E o Quarter estava entrgue a bicharadae o senhor Rambo pudia fazer o quelhe desse na bulha

    • Pléto Lúlúlú

      9 de Setembro de 2013 as 12:59

      Sr. eug garten ….. “Como é que este Rambo entrou no qualter” …. e o “quarter estava entregue” …. Por amor de Deus …. Esta coisa onde o Rambo entrou chama-se “QUARTEL” … pode ‘matar’ o Rambo, mas não ‘mate’ a Língua Portuguesa ….

  8. Apelo a todos

    6 de Setembro de 2013 as 16:58

    vamos todos pedir o senhor presidente da republica para demitir o senhor Rambo das sua funçoes sobre a penas de estamos num país onde não ha lei.

  9. António Silva

    6 de Setembro de 2013 as 17:20

    Infelizmente a tropa em S.Tomé e Príncipe foi sempre assim! Dominada por gentes prepotentes, arrogantes, autoritários, cuja actuações sempre foram baseadas no arbítrio absoluto.

  10. observador

    6 de Setembro de 2013 as 19:00

    Convenhamos… Ao que chegou o meu País, mas também não se pode esperar muito desses militares, quando temos um Ministro da Defesa que ele próprio viloa as direitos dos Cidadãos….

  11. luisó

    6 de Setembro de 2013 as 19:07

    Aquando da nomeação deste oficial para o cargo que exerce disse que por muitos cursos militares que este tivesse e que mesmo que fosse grande operacional, não era uma nomeação correcta. O cargo de Comandante da guarda pretoriana, como lhe chamei na altura, deve ser desempenhado por alguém com formação policial e neste caso com curso de protecção de altas entidades, vulgo, bodyguard ou guarda costas.
    Um militar de carreira com cursos militares não tem cabimento nesta posição.
    Depois há a questão da idoneidade e da competência para o cargo e ele está muito bem para a parte militar e não outra.
    Também o disse na altura que isto de guarda presidencial só na Rússia ou outros países não democráticos e outros africanos. A policia tem que ter uma secção de guarda costas para todo o aparelho do Estado e isto de guardas pretorianas é antidemocrático e um contra poder.
    Depois há a questão dos militares: estes (todos) enquanto não perceberem que são filhos do povo e ao serviço dele e que o seu lugar é nos quartéis para serem se necessário o último bastião da democracia e do País fazem destas e outras já relatadas, como juntarem-se e baterem na policia como represália de uma detenção ou outras situações já vistas.
    Não pode ser se a policia detém alguém mesmo que militar por algum delito civil cabe aos tribunais esse julgamento e não pode haver lugar a acções de vingança.
    Tudo se resume a falta de cultura deontológica militar e aí os chefes são responsáveis para o bem ou para o mal.
    Desde a recruta os jovens são mentalizados que estão acima de tudo por são tropa, já para não falar das sevícias e maus tratos sofridos na mão dos mais antigos e nunca ninguém é castigado.
    Nos Países ocidentais os militares estão nos quartéis e não intervém na via pública e os militares na via publica são encarados como cidadãos normais em uniforme e devem obediência à Policia.
    Porque é que isto não é assim em STP?
    Depois há outras questões que se podem levantar:
    Porquê que sempre que o PR sai ou regressa ao País é preciso guarda militar, passadeira vermelha, a presença do governo e embaixadores etc? Bajulação? Só visto…
    Já se questionou se o País, para além de uma guarda costeira forte para vigilância e segurança marítima, precisa de Exército?
    Não seria melhor criar um corpo de Policia militar como no Brasil ou guarda nacional com as duas componentes militar e policial? E dentro desta uma secção de segurança e uma companhia de intervenção?
    São questões talvez para discussão nos fóruns certos.

    • Alcidio Pereira

      6 de Setembro de 2013 as 22:02

      Mais um “post” a merecer nota máxima! São realmente práticas arcaicas e a roçar o ridículo.

      Só não concordo com o dar competências policiais a militares e vice-versa. Penso é que o militares devem ter a sua própria polícia para manter a ordem entre eles (os militares) e sempre subordinado ao poder civil democrático.

      • luisó

        11 de Setembro de 2013 as 23:20

        Caro amigo não deve ter percebido a minha mensagem.
        Quando falo em policia militar ou guarda nacional no caso do Brasil e no outro por exemplo de Portugal, a coisa é a mesma. São forças policiais que fazem trabalho de policia normal mas na sua instrução primária têm uma parte militar, porque se houver alteração do estado de sitio ou guerra são eles que preparam os mancebos e defendem o País, mas na rotina diária são policias.

  12. luisó

    6 de Setembro de 2013 as 21:52

    E faz muito bem em contestar.
    Num País democrático e de direito todos aqueles que participaram neste acto devem ser detidos e julgados pelos seus crimes e na proporção do seu posto militar e responsabilidade.
    Invadir o Ministério de Negócios Estrangeiros, fazer uma revista e deter um Embaixador de carreira e levá-lo para o quartel, onde é que já se viu isto?
    Onde está o Estado de direito, as regras, as responsabilidades e as liberdades das pessoas de poder exprimir a a sua opinião se lhes pode acontecer isto?
    E a srª Ministra do mesmo ministério não reage assim como o governo?
    Enfim mais do mesmo…

    • Olhar do alem

      8 de Setembro de 2013 as 23:08

      Pois é meu carro(a).
      O nosso grande problema, é que nem os policias tem capacidade e nem coragem para enfrenta-los «Os que ainda podiam fazer alguma coisa, avisaram que caso não pagassem os salários passariam para o plano B», passaram a historia. Para mim e para os demais, é inacreditável imaginar que alguma entidade possa ser capaz de atravessar uma porta sem um mandato judicial, quando não há um flagra ou algo que justifique, em que pais estamos? isso é violar os direitos humanos de um individuo. Por onde anda o srº ministro da justiça? AGORA PENSEM COMIGO! «E se num ato de libertinagem, esses indivíduos mascarados de soldados detivessem um diploma estrangeiro? Ou mexessem com um filho de um dos boss da terra? » Ai sim alguém se mexia. É por essas e outras que outras que não vamos para frente. Se eu fosse rico colocaria um batalhão de advogados de elite ao dispor do individuo «lesado por essa desordem».

  13. Jose Silva

    6 de Setembro de 2013 as 23:22

    Eu nao estou de acordo com nenhum tipo de atrocidades ou comportamento indevido por parte dos militares nem todos policias. Mas tambem tem que ficar bem claro que os militares de qualquer pais do mundo merecem ser respeitados por serem os unicos que dao as suas vidas para a patria, e por serem eles quem devera’ ser chamado como ultimo recurso na reserva dos patriotas nacionais. Por favor, meus amigos e compatriotas moderem um pouco a linguagem e respeitem a instituição militar por favor. Agara, julga e castigue o militar que se portou mal mas nao banalize toda a instituição por favor. Um abraço para todos

  14. Hidilger

    7 de Setembro de 2013 as 9:16

    A parvoíce dos militares santomenses não é coisa nova, contudo tem vindo a aumentar. O acontecido dá a plena razão ao que o diplomata Esterline Género postou no facebook. Espero que desta vês as autoridades competentes tomem uma posição. País democrático.

  15. Maria

    7 de Setembro de 2013 as 9:25

    os direitos e os deveres deveriam ser nos dois sentidos. Todos temos direitos mas tambem temos deveres !!!Podemos insultar( ser tenente na reserva ou merda que seja) e desafiar (Peço-lhe mais, caro Fernandez Helder, com favor, que faça as minhas palavras chegar a toda a incorporação militar… in FB) todo o mundo sob pretexto de sermos diplomatas ou intelectuais?

    Onde estão as regras, as responsabilidades dos intelectuais em STP? Quando os intelectuais não se respeitam uns aos outros, não se reunem, não reflectem sobre este ou aquele tema, não publicam juntos dá nisto ? jogadas individuais para estar na ribalta. Sera isto coragem?

    Tanto quanto sei um intelectual é uma pessoa que usa o seu “intelecto” para estudar, refletir ou especular acerca de ideias, de modo que este uso do seu intelecto possua uma relevância social e coletiva.

    … a arma de um intelectual são as palavras e estas devem ser usadas com sapiencia. Aqui, em STP, quanto mais palavrões utilizar melhor…

    …para refletir com isenção. sem paixão.

  16. Lima

    7 de Setembro de 2013 as 10:18

    Congratulo-me com as pertinentes opiniões aqui expressadas.
    Existem certamente várias questões que mereceriam a minha atenção e consequentemente o meu comentário, no entanto, aquela que me parece mais premente prende-se com a impunidade e o cumprimento da norma constitucional e dos vários diplomas que regem e vigoram na sociedade Santomense.
    É preciso esclarecer com urgência, essencialmente para aqueles que não possuem qualquer conhecimento jurídico, que a vida em democracia faz com o respeito pelos direitos, liberdades e garantias.
    Que em democracia rege a separação de poderes, onde cada instituição/entidade tem bem definida quais as suas funções e atribuições.
    Sempre que essas fronteiras forem ultrapassadas, fica em causa o sucesso da democracia enquanto regime.
    De volta ao caso concreto, penso que a abertura de um inquérito com vista a apurar responsabilidades seria um bom sinal de que vivemos num país livre e democrático.
    Antes de ser eleito presidente da república, o Sr. Pinto da Costa através do seu fez saber que conhece e sabe conviver com a democracia.
    Portanto, tem hoje uma excelente oportunidade para escolher e decidir o caminho, o modelo que quer seguir. Já esteve do outro lado, agora em princípio não tem desculpas. A ver vamos…

  17. deuses

    7 de Setembro de 2013 as 11:02

    só em STP, 100% de acordo. Um clube de militares num campeonato civil é uma parvoíce.Acabem já com o “6 de Setembro” e ensinem os militares qual o papel deles numa democracia.m STP. vamos sair a rua manifestar para exigir dos politicos a procedência dos seus enriquecimentos em pouco tempo nada meter o nariz onde não nos compete a não ser que o senhor tbem é um dos tais e esta e sentir se ameaçado, porque se os militares começarem a agir principalmente com a classe politica…..

  18. Alzindo Abreu

    7 de Setembro de 2013 as 16:53

    Será que em STP já não existe Democracia…Em que tempo estamos afinal…Tem que haver separação de poderes, mais para que serve os Tribunais meus senhores…. Em vez de atualizamos, estamos a retroceder para Ditadura…. Os nossos dirigentes deviam ter vergonha na cara quando dizem em comunicação social que em STP há liberdade de expressão… Mais que liberdade é esta onde os Militares fazem Justiça com as próprias nãos… Onde as pessoas têm medo de falar, porque podem perder o emprego, o seu ganha pão… Em que tempo estamos afinal… Esporo que a justiça seja feita, e que os Militares sejam punidos…
    Deter um cidadão no seu posto de trabalho, sem competência para fazer, é um crime muito grave, nos não estamos em Guerra nem na Ditadura…

    • manak

      9 de Setembro de 2013 as 9:27

      caro amingo…estamos num pais democratico sim…mas isso de faltarem aos militares respeitos, so acontecem em s.t.p. o esterline genero como diplomata…se estudou na realidade pra ser deplomata, nao deveria chamar uma instituicao militar de MERDAS! teve sorte que nao levou pancadas! vao pedir justixas pra quem esvazia o colfe do estados, quem tem tres casas e um apartamento, grandes carros…etcs.

      • pagaguno

        9 de Setembro de 2013 as 18:37

        estamos fartos das vossas arbitrariedades , sempre pensaram pelo facto de nas vossas funções usarem armas que podem faltar respeito a todos, quem espancou o coitado do Arbitro ? Eu acho que quem porta da maneira incorrera não pode vir pedir que o respeitem, os senhores não são mais que o presidente da republica ou outro cidadão qualquer, vçs já prejudicaram muito a STP. Vçs alinharam ao Arlecio deram golpe de estado por pura ambição, e vingança , Eu foi militar , até estudei especialidade militar , o que vçs estão a fazer é 100% contrario RDM, Eu sou daqueles que acho que as forças têm que ser redimensionadas, tem gente amais e não fazem nada.
        Deveriam é vir dobrar a mola para saber quanto custa a vida, andou-se por oferecer patentes a indivíduos sem qualquer formação e o resultado esta a vista.

  19. rancataco

    7 de Setembro de 2013 as 19:38

    muito mal esta atitude tomada pelos militares …

  20. xuxanti

    8 de Setembro de 2013 as 3:31

    Essa agrecao deveria ser tb estendida aos ditos ministro de stp bandos de imcopetentes estao so a roubar o povo e o povo ai no silencio.

  21. Brigadeiro Chefe de Quilombo

    8 de Setembro de 2013 as 10:17

    não brinquemos com assuntos sérios, pq realmente se tudo isto aconteceu, quem de direito tem que tomar medidas de forma a salvar o bom nome da instituição, as pessoas estão fazer comentários esquecendo q FAST não é uma instituição banal como tão a tratar convenhamos caros leitores e comentadores, viva STP, viva democracia.Naturalmente estas coisas acontecem em STP porque todos querem mandar, esquecendo q na democracia as aguas estão separadas cada um com sua competência.

  22. PONTA MINA

    8 de Setembro de 2013 as 11:26

    Fui jogador de 6 de Setembro, numca ouve coisas dessas, era militar e respeitava-mos a disciplina militar dentro ou fora do quartel, e no campo de futebol, os responsaveis eram militar, lembro tenente adriana GP, deixa saudades este tempo. A epuipa militar sempre existiu e deve continuar, mais com outra mentalidade.

  23. CAÇÔ SÁN ZUWANA

    8 de Setembro de 2013 as 21:32

    Enfim…
    Mas uma coisa é serta, mesmo que tenhamos muita raiva temos que medir sertas palavras antes de as falar, muita das vezes mesmo que tenhamos razão as coisas invertem ao contrario ou seja passamos a ser culpados, muitos estão contra pelo facto de ter uma equipa de futebol militar, se essas pessoas acompanham bem as notícias muitos países como por exemplo o nosso vizinho Angola e não só também tenhem equipas de futebol militar na 1ª divisão.
    Eu também já fui militar e sei como são as leis la dentro do Q.G,é que muita gente confunde liberdade com libertinagem e também a expressões que não devemos usar, o pais é democrático sim, mas temos que ser muito cautelosos nas nossas euforias.
    O homem foi detido pelos militares pra dar como exemplo a outros modesta parte se o pais fosse patrulhado por militares de certeza que muita gente entrava na linha, eu vendo meu pais de forra digo que existe muita desordem as pessoas já não respeitam os policias enfim cada um faz oque lhe apetece fala oque quer enfim…
    Os militares agiram não vou dizer se foi bem ou mal, más uma coisa digo alguma coisa lhes ofendeu no desabafo que o cidadão em questão fez no facebook…
    Mas de certeza que não lhe fizeram mal…

  24. Gente

    9 de Setembro de 2013 as 7:31

    Os militares em São Tomé e Príncipe, por força das armas que os mesmos portam acham-se superiores a civis. É necessário lembrar que ninguém nasce militar, todos que são militares hoje já foram civis por cerca de 18 anos da sua vida. E muitos ainda irão ser civis. Realmente é triste ver numa democracia, tenentes e homens de altas patentes agirem desta forma. Um ministério sobretudo de negócios estrangeiros é o espelho de um país e os militares entraram aí e prenderam um diplomata. Se as coisas continuarem assim não me estranha nada de que qualquer dia se um ministro disser algo que os militares não gostem, vão prendê-lo no seu ministério.
    Deus abençoe os militares e lhes dê mais sabedoria para poderem agir com cautela, quem usa a força das armas para agir desta forma é covarde e não militar. Não devemos andar a comparar sessões de cinema com a vida real. Os filmes de hollywood, são mera ficção.

    De igual forma, o nosso diplomata errou a escrever “… merda que seja…” como diplomata acredito que não deveria ter uma linguagem tão ofensiva até mesmo porque embora tendo uma atitude reprovável, os militares são gente filhos de gente. Nenhum santomenses é merda independente do cargo função ou a sua situação. Espero que para o bem da nossa democracia do nosso país que é tão pequeno e nunca sabemos quando vamos precisar do outro, que isso se resolva a cada uma das partes envolvidas se retratem publicamente e que a vida continue.

    Bem haja a todos.

    Viva STP, militares ou civis ou paramilitares somos todos filhos desta terra e desta gente.

  25. febronio

    9 de Setembro de 2013 as 8:40

    bom dia em primeiro lugar quem e ordem de adivogado pra falar dos militares poderiao precupar com curupicao ativa dos juises deste pais que justica so prevalece para ladrao de galinha e nao pra ladrao pra 5 minhao de dolares,faturas falsa em conta de estado, carro de lucho topo da gama pra filhos amantes e pra povo zero esto que ee demogracia por favor se primeiro golpe de estado se os militares matava os de cabeca de serre nada disso poderia acontecer foi..

    • pagaguno

      10 de Setembro de 2013 as 8:13

      Pergunto como é que o tela Non deixa passar um comentário destes. Que insta a violência .

    • Mé pó feladu

      11 de Setembro de 2013 as 15:27

      caríssimo febronio
      antes de escrever o seu comentário devia arranjar alguém que sabe para supervisionar o seu texto e depois digita-lo, muitos erros.

  26. kgb

    9 de Setembro de 2013 as 10:18

    o que esperar de um brutamonte?
    o que esperar de uma pessoa sem cultura?

  27. hj

    9 de Setembro de 2013 as 10:21

    não nos admiremos de tal barbaridade,
    quem o fez não sabe fazer melhores coisas,o burro para chamar a atenção de todos a única coisa que sabe fazer como é óbvio é zurrar,vamos pedir a um burro faça algo melhor é impossível

  28. não fala no facebook ééé

    9 de Setembro de 2013 as 10:59

    minha gente não vamos falar no facebook,militares não gostam

  29. Cosme Morgan

    9 de Setembro de 2013 as 11:39

    Boa sorte a todos nun pais democratico sem democracia.

  30. Verdade

    9 de Setembro de 2013 as 12:19

    Nesses últimos meses temos vindo a assistir a acontecimentos muito estranhos da força! É preciso, enquanto filhos deste país estarmos muito atentos as motivações que estão na origem dessas atitudes. Se recuarmos a 1,2,3,10 anos atrás, não temos registos dignos de realce desses actos de intimidação, agressão, apreensão arbitrária!!! É uma clara violação aos direitos e garantias dos cidadãos. E num estado de direito democrático é grave! Aconselho a todos os cidadãos a estarem vigilantes e não tomarem isto de ânimo leve, pois não podemos permitir que nos venham privar da liberdade de expressão e de pensamento! Jamais o permitiremos! Mas só é possível com a nossa união…

  31. luisó

    9 de Setembro de 2013 as 12:22

    Há que saber ler bem as palavras do diplomata e em bom português.
    Qualquer professor de português ou alguém mais letrado vai dizer isto: as palavras usadas e a forma de escrever não comparam os militares com a merda, como já vi escrito.
    Se assim não for isto que alguém mais letrado o diga.

  32. Matabala

    9 de Setembro de 2013 as 13:17

    No Comment

  33. Cá Pía

    9 de Setembro de 2013 as 14:53

    Olha minha gente aonde ficou a intelectualidade do diplomata. A insultar uma instituição militar, a quem nós todos pedimos e exigimos como defensora da soberania e da nação. Convenhamos. Condeno a atitude mas acreditem que de qualquer forma o Esterline foi infeliz, deveria ter usado a diplomacia.

    • luisó

      10 de Setembro de 2013 as 20:36

      É a sua opinião mas se ler bem o que disse o árbitro no facebook ele não foi mal educado para ninguém.
      leia bem e com atenção.

  34. amigo do desporto

    9 de Setembro de 2013 as 16:27

    Acho negativo, o comportamento dos militares. Mas acho também que não podemos de um momento para outro esquecer de que graças aos militares este campeonato chegou onde chegou.
    Mesmo o árbitro em questão, foi muitas vezes protegido pelos militares durante e depois dos jogos, e chama los hoje de merda é também bastante negativo. Espero que a justice seja feita de modo geral.

    • Maria

      10 de Setembro de 2013 as 8:24

      amigo do desporto afirma : « Mesmo o árbitro em questão, foi muitas vezes protegido pelos militares durante e depois dos jogos… »

      pergunto, o senhor pretende dizer que a violencia no futebol é pratica corrente na nossa terra? O arbitro em questão ja havia sido vitima de violencia ?!!!! Por parte de quem ?

      • amigo do desporto

        10 de Setembro de 2013 as 16:30

        Dona Maria, infelizmente 90% dos jogos terminam com insultos e tentativas de agressão por parte dos adéptos. os arbitros após os jogos têm sempre dificuldades de sairem dos campos. A garantia de segurança nos campos são feitas pelos policias. Mas, a mais de 7 ou 8 jornadas que os jogos são assegurados pelos militares. O árbitro em questão ja foi vitima no campo de agua izé no jogo entre UDESCVAI* Aliamça de Pantufo. Por causa das agressoes que se registaram neste encontro a UDESCAI tem jogado a porta fechada (SEM ADÉPTO)e no campo neutron.

        • Maria

          12 de Setembro de 2013 as 4:47

          amigo do desporto muito obrigado pela sua resposta.
          o problema parece ser mais complexo.

          afastar a equipa dos militares do campeonato não resolve o problema da violencia no futebol.

          … a Udescai continuara a jogar “à porta fechada” como diz… e, no fundo no fundo nao se resolve nada! nao se vai ao cerne da questão.

          Ja agora aqueles que “agrediram o arbitro em questo” em Agua-Izé tambem eram militares? os agressores foram condenados. Os militares que, na altura, defenderam o “arbitro em questão”, tambem foram promovidos? Seria bom que começassem a olhar para os dois lados de um mesmo problema, analisa-lo com insenção e sem paixão. caso contrario continuaresmos a promover martires e herois conforme a posição e a vontade do vento e a capacidae deste, criar tempestade…

  35. Santomé Plodôsu

    9 de Setembro de 2013 as 17:09

    É uma vergonha militares envolverem-se em desacato de rua com civis, mas que seja assunto para Ordem de Advogados ou PR demonstra o cúmulo de falta de vergonha. É assunto para o regulamento interno da própria FA.
    Fui.

  36. Odair Costa

    9 de Setembro de 2013 as 22:50

    Agora tudo que acontece em S.TOMÉ muitos gostam aproveitar e fazer política então vejamos,quem bateu no árbitro foi jogador,só que esses jogadores são militares quem deve sancionar esses jogadores é a FEDERAÇÃO SANTOMENSE DE FUTEBOL E FIFA,não culpar o governo ou ministro de defesa,sobre uma equipa militar no país é muito normal porque em Angola o 1 DE AGOSTO é uma equipa militar,o que as equipas de futebol deve fazer é conhecer as regras de futebol e não agridir os árbitros e a Federação de Futebol deve sancionar quem quer que for que agir contra o árbitro ou seja RADIAR o jogador e castigar o clube.Não vamos pegar no tudo que acontece e fazer um aproveitamento politico porque o POVO de S.TOMÉ já não cai nessas politicas barratas de certos partidos políticos.VIVA O POVO DE S.TOMÉ E PRÍNCIPE.

    • amigo do desporto

      10 de Setembro de 2013 as 16:50

      caro Odair Costa, subcrevo o que escreveste e posso afirmar que esta não foi a 1ª cena de pancadaria:
      1ª arbitro agredido no campo de Guadalupe;
      2ª arbitro agredido no campo de Almeirim
      3ª arbitro agredido no campo de agua izé
      4 Pancadaria no campo de Riboque entre adepto;
      5ªetc…..são varios os casos e os clubes continuam a jogar. Alguns ficaram com campos castigados, alguns jogadores foram castigados com varios jogos de suspensão. isto é pra mim um problema desportivo que infelizmente tornou politico. Todos reclamam justiça para os militares, e estou de acordo, mas é também necessário justice para o arbitro diplomata. ninguém esta autorizado a bater em ninguém e ninguém está autorizado a insultar publicamente ninguém.

  37. põe boca não tira

    11 de Setembro de 2013 as 8:37

    O militares pertencem a uma Instituição que deve merecer todo nosso respeito, aquilo que foi escrito é uma falta de respeito para com os militares é não deve passar em puni, não quero com isso defemder atitude e o comportamento dos militares mas que fala, escreve e faz o que quer tem que assumir as consequenciassss fuiiiiiiii

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo