São Tomé e Príncipe continua sem melhorias no Índice de Perceção da Corrupção.

No Índice de Perceções da Corrupção 2013, São Tomé e Príncipe está em 72º posição, com uma pontuação de 42 numa escala que vai de 0 (muito
corrupto) a 100 (nada corrupto), em 177 países analisados.

Em termos comparativos, a posição santomense merece atenção em comparação com outros países lusófonos. Hoje somos 72º. partilhando a
mesma posição com o Brasil, país que assistimos muitas mudanças e mesmo condenações como no mediático caso mesalão. Estamos acima da
Somália ou da Coreia do Norte, com certeza; somos o país lusófono além de Portugal, Cabo-verde bem colocado; este ano notou-se a queda do
país irmão Cabo-verde mas STP pode melhorar muito mais no combate a corrupção.

Num índice anual, feito para medir progressos, o nosso país nada fez para melhorar a imagem do país. Podemos salientar que houve algumas
medidas, para fazer o inglês ver, mas que em nada mudou para transparecer a estagnação é uma realidade. Dificilmente podia ser de outra forma. Como o CIPSTP tem alertado insistentemente desde a nossa fundação  (e indicadores como este confirmam), o combate à corrupção exige meios especializados ao dispor da Justiça – meios técnicos, humanos e financeiros capazes de levar até ao fim investigações sobre suspeitas de corrupção e colocar no banco dos réus quem, há anos, tem desviado recursos públicos para benefício privado.

O combate à corrupção exige uma magistratura capacitada, corajosa e independente – algo que nos falta quando vemos procuradores arquivarem
processos por falta de provas ou mesmo falta de meios para investigação.
Acima de tudo, o combate à corrupção exige vontade política. É esta a nossa primeira falha. Ocupados com os seus negócios, ou com a fútil e oportunista caça ao voto, os responsáveis políticos santomenses acomodaram-se numa cultura de traficância, negociata e cumplicidade.

Um sintoma alarmante: há quase um ano, o Centro de Integridade Pública de São Tomé e Príncipe teve a iniciativa de levar ao Assembleia Nacional uma petição  sobre conflitos de interesses e incompatibilidades agentes públicos. A Comissão de Ética da Assembleia Nacional até a data não deu qualquer andamento a esta petição pública contando com mais de cem assinaturas – que fala às claras sobre o escândalo das acumulações de funções e da absoluta promiscuidade que
mina a capacidade das instituições e própria credibilidade do regime.

Quando os protagonistas, e os interesses que representam, são um entrave ao debate em vez de protagonistas da mudança, fica claro que nos cabe a nós, cidadãos, fazer a defesa da República e das instituições, colocando por fim o bem público à frente dos negócios privados. É um trabalho difícil e ingrato, que exige clareza, persistência e organização. Mas numa democracia, quando falham as instituições, são os cidadãos a última linha de defesa das liberdades
coletivas.

Deodato Capela
Presidente do CIPSTP

  1. img
    Kuá flogá Responder

    È verdade meu compatriota, há um dito brasileiro que diz: se se entra num parlamento e diz, pega ladrão, ninguém fica, todos correm.
    O pior de tudo é que existem uns “Sòs Zãos” arrogantes com vontade de exigir e dizer a lei, que estão na lista e até agora nada feito. Temos que mudar esta instituição Pública e se preciso, mandar todos para casa.

  2. img
    luisó Responder

    (…Estamos acima da
    Somália ou da Coreia do Norte, com certeza; somos o país lusófono além de Portugal, Cabo-verde bem colocado; este ano notou-se a queda do
    país irmão Cabo-verde mas STP pode melhorar muito mais no combate a corrupção…)

    Não percebi nada…

    • img
      conobia cumé izé Responder

      170.000 santomenses são poucos para desenvolver esse país; precisamos de um estado inclusivo de todos e para todos; quando fazemos bem, fica-nosd bem; não apenas alguns.Com trabalho honesto e a paz na economia social, haverá desenvolvimento!…fui

  3. img
    sum pochi Responder

    A campanha esta perto , entao queres fazer parte do novo governo , e so pra isso que os sao tomenses agora servem.

  4. img
    Falar Direito Responder

    Sao Tomé está nesta situação porque os decisores políticos se apropriem de bens indisponíveis ou seja bens públicos o que é gravissimo.

Deixe um comentario

*