Sociedade

Mais um edifício de grande valor histórico e arquitectónico desmoronou

Parte do antigo hospital da roça Agostinho Neto desmoronou. Um edifício de referência no desenho arquitectónico da roça, que na era colonial chamava-se Rio do Ouro. Na década de 80 foi a maternidade central do país.

Milhares de são-tomenses, sobretudo os nascidos durante a década de 80 são naturais do distrito de Lobata, por causa do hospital de Agostinho Neto, que na altura estava especializado para receber todas as mulheres são-tomenses e não só, em serviço de parto.

O histórico hospital colonial, a histórica maternidade pós – independência que viu nascer boa parte dos são-tomenses, está a morrer.

O edifício que foi referência em qualquer fotografia do terreiro da Roça Agostinho Neto, realçava o desenho arquitectónico singular daquela que foi a maior roça de São Tomé e Príncipe.

Logo a seguir ao falecimento do Primeiro Presidente e Herói nacional de Angola, Agostinho Neto, em 1979, as autoridades são-tomenses decidiram honrar e imortalizar a figura histórica de Angola no arquipélago são-tomense, com o baptismo da Roça de arquitectura majestosa do país, com o nome Agostinho Neto. Rio do Ouro ficou no passado.

O enorme antigo hospital se encaixa com o resto do terreiro da roça, criando um cenário que faz recordar os “Templos Budistas da Ásia”. Na última quinta – feira conheceu o seu segundo desmoronamento nos últimos 6 meses.

O último desmoronamento foi mais estrondoso. Toda a parte esquerda do hospital, ao que tudo indica uma das antigas enfermarias ruiu. «Medo demais porque dentro do hospital ficou só fumo. Já vivo aqui há cinco anos. Somos 12 moradores. Estou aqui porque não tenho onde viver. Jovens daqui estão a acabar com isso. Vêm de madrugada e arrancam barrotes, vigas etc», declarou uma habitante da Roça que vive na parte superior do antigo hospital.

As fendas e fissuras que se abriram no resto do edifício e testemunhadas in loco pelo Téla Nón, indicam que o resto do antigo hospital, vai tombar nos próximos tempos. As 12 famílias que encontraram abrigo na parte superior correm risco de vida.

Depois de ter sido a maternidade central de São Tomé e Príncipe durante a década de 80, o hospital da roça Agostinho Neto, funcionou na década de 90, como um centro hospitalar de referência num projecto financiado por Portugal.

O projecto de saúde terminou nos finais da década de 90, e veio o abandono paulatino, até o desmoronamento de hoje. Vozes políticas e não só, anunciaram que o edifício iria ser aproveitado como escola de formação, ou então como um hospital privado de referência. Foram palavras ao vento.

O vento precisamente, se encarregou de levar as palavras de ocasião, para muito longe, e ao mesmo tempo foi corroendo a estrutura do imponente edifício que as autoridades são-tomenses lançaram ao abandono.

Enquanto isso os habitantes da roça avisam que o pior está para vir. A estrada calcetada que liga norte e sul do quintal da roça, está em avançado estado de degradação. Um dia destes sobretudo com as chuvas de Março e Abril, pode acontecer um aluimento de terra e pronto, Agostinho Neto fica dividido em duas partes isoladas.

Hoje desmoronado, praticamente sem salvação, o edifício em escombros, está a ser guardado pela polícia de ordem pública do distrito de Lobata. O Téla Nón, registou um agente da polícia empunhando uma AK-47, fazendo guarda ao escombro. A autoridade faz-se presente tardiamente, para evitar que os vândalos levem os barrotes e vigas, que caíram junto com a maior parte do edifício.

Abel Veiga

    43 comentários

43 comentários

  1. Xico Dende

    10 de Fevereiro de 2014 as 5:47

    Este desmoronamento reflecte a degradação do próprio país como um todo!! É a imagem do nosso destino…

    • ferpenapandopo

      11 de Fevereiro de 2014 as 19:25

      Andaram a roubar madeira para o lume,era mais que previsível isto acontecer.

  2. A VOZ DO POVO

    10 de Fevereiro de 2014 as 7:36

    Muito bem ,isto e o Pais que temos,Politicos que temos,policia que temos, ladroes que temos Ministros que temos,presidente que temos ,escolas que temos,abandono que temos etc.. Quando chegar a campanha eleitoral venham com tanta lata para serem deputados,Ministros para fugir justiças e roubar este pobre pais e seu povo,nunca visto.Fora Gabriel, esta provado que os Costas nao sabem governar so sabem fomentar problemas e ditadura, fui

  3. Barão de Água Izé

    10 de Fevereiro de 2014 as 8:04

    Lentamente a História de STP vai desaparecendo. Será que o que se desmonorou vai ser reconstruído?
    A História da nossa Terra não começou com a independência, e deve ser respeitada para que as gerações vindouras tenham orgulho no que milhares de trabalhadores, seus conterrâneos, construíram no passado.

  4. Diáspora Angola

    10 de Fevereiro de 2014 as 9:26

    Tenho a diser o seguinte, como dezem em STP só com Cristo, eles não estão preocopado com os memorial do País, a um que lhes preocupa sim: Dólar, Eró, e Dóbra, isso sim é o forte deles.

  5. Le di Alami

    10 de Fevereiro de 2014 as 9:36

    CAPITALISMO, destroi os velhos, e constroi os novos, TAIWAN vai construir um novo Hospital, porque nao reparar este…….Gatunos e Ladroes, Politicos de STP, ate apetece chorar…MAFIOSOS

  6. Fia pagawe

    10 de Fevereiro de 2014 as 11:16

    Os santomenses nao teem a nocao daquilo que e o belo.Pais que nao tem estes elementos representativos, afirma-se pelo nada a fim de ser considerado o Patrimonio imaterial da UNESCO. Si nao existe a condicao para a manutencao destes edificios, porque nao vendelos para os coleccionadores? Enfim; San Tome Tela oo!!!

  7. conobia cumé izé

    10 de Fevereiro de 2014 as 11:51

    STP vai desabar. Espera para ver. Longa vida a nova geração. ..Fui

  8. Eu também sou filho da terra

    10 de Fevereiro de 2014 as 12:04

    Se não fosse porque os nossos governantes estão acima da lei, criávamos um movimento cívico com objecto de recolher assinaturas para intentar uma acção popular contra os mesmos pela gestão danosa dos bens públicos. Mas porque não podem ser responsabilizados, nada podemos fazer a não ser observar com tristeza o desmoronamento paulatino da nossa querida terra.
    O que será da geração vindoura num país propositadamente desorganizado pelos governantes incompetentes e gananciosos?

  9. Noite Escura

    10 de Fevereiro de 2014 as 12:56

    É pena só pensarmos em conjugar os verbos na primeira pessoa do singular. Quantas vidas foram sacrificadas para que este edifício fosse erguido?! Com o orgulho de querer tudo, hoje uma arquitetura histórica, que marca a presença colonial neste pedaço de terra situada no meio do mundo foi-se. Para quê guardar agora os escombros, se propositadamente quiseram que assim fosse?! Pelo andar da carugem, qualquer dia STP desaparecerá do mapa.

  10. Arnaldo

    10 de Fevereiro de 2014 as 13:08

    Sinceramente um dos belos edifício histórico do nosso país, até fico triste em ver a nossa história morrer, espero que esta parte do edifício seja remodelado. Paz, não sejamos muitos modernos, os velhos também contam.

  11. jose soares

    10 de Fevereiro de 2014 as 13:26

    Sinceramente.Isto traduz como os nossos dirigentes ao longo dos anos, nunca se preocuparam com a preservacao das nossas infraestruturas de grande relevo, e que de facto podiam contribuir para o desenvolvimento economico de STP

  12. Isaldo

    10 de Fevereiro de 2014 as 13:49

    É o resultado da corrida que deram nos brancos … o preto não nasceu para governar mais sim ser governado, receberam o país nas mão do tugas por inveja , para depois lhe colocarem assim na miseria, qualquer dia vai ser o proprio país a ser desmorronado… fui

  13. Eterno Madiba

    10 de Fevereiro de 2014 as 14:08

    O senhor Presidente da Câmara de Lobata, o senhor Hemenegildo dos Santos deveria ser chamado à responsabilidade de modo a tirar consequências ao menos politica deste caso. Digo isto porque o mesmo senhor apareceu na TVS, a querer sacudir toda a responsabilidade deste facto e imputá-la aos outros. O referido senhor na sua explanação dizia que tinha conhecimentos de que um grupo de deliquentes estavam a roubar barrotes do edifício. E como autoridade que é, ele não fez absolutamente nada para pelo menos intimidar os prevaricadores.

  14. Bartolomeu Fernandes

    10 de Fevereiro de 2014 as 14:15

    Falamos de turismo estamos a DESTRUIR tudo os turistas veem ver o quê Hospital de Agua Izé em ruina Agostinho Neto caiu administração de Uba budo em ruina emfim

  15. carlos costa

    10 de Fevereiro de 2014 as 14:46

    É de verás lamentável e preocupante .
    Lamentável,lamentável,lamentável,hão de ir tds parar no fogo do inferno,enfim sem fim……Perder uma infraestruturas daquelas???? com um valor incalculável???? tenham dó…

  16. leve Leve

    10 de Fevereiro de 2014 as 15:37

    Estou triste.
    Conheci está roça na minha infância. Trabalho feito pelo suor dos meus avós, destruído de forma lenta pelos mercenários da minha época.
    Hoje mais do que nunca tenho obrigação de ajudar na construção deste pais para que os meus filhos não fique triste como estou agora.
    Vou usar toda a minha força para acabar com esses desgraçados que andam a brincar com o meu pais.
    Me aguardem sues corruptos.

  17. leve Leve

    10 de Fevereiro de 2014 as 15:39

    Não fiquem, quis eu dizer

  18. som

    10 de Fevereiro de 2014 as 15:43

    Bom começo do fim!para vermos como está a nossa mente,ela esta totalmente doente,doente e sem melhoria!o estranho é se fosse diferente!para o q.acontece no país!sabem q.todas casa das roças estão compradas,mais os donos ñ estão nem, aí,esperando o fim das mesma!É triste mais é a realidade,só para ver como os nossos deputados se escondem atrás da imunidade parlamentar e mais!

  19. Bili

    10 de Fevereiro de 2014 as 16:00

    Efectivamente adoramos de “tapar o sol com a pineira” só depois do desabamento que as autoridades policias vão tratar de guardar os restos mortais, talvez para recordarmos o malougrado Ex – Presidente Dr.Antonio Agostinho Neto. O Governo tambem esta espera de mortos para lamentar em vez de reparar a via principal que encontra em avançado estado de degradação.
    Deus é Pai – esperemos que nossos dirigentes serão os Primeiros a morrem.

  20. Eu também sou filho da terra

    10 de Fevereiro de 2014 as 16:22

    Rectificação:

    Onde se lê “com objecto” deve ler-se “com objectivo”.

  21. Falar Direito

    10 de Fevereiro de 2014 as 16:32

    Sinceramente é lamentável o que aconteceu. Como é que as autoridades politicas deixaram ao abandono até cair ao pedaços um dos edifícios com historia.
    Isto mostra que os políticos em Sao tomé e príncipe estão se “cagando” para o país.

  22. Pobre Inteligente diz

    10 de Fevereiro de 2014 as 22:39

    Independência TOTAL, TOTAL,TOTAL………TOTAL tudo vai ser nosso, vamos viver melhor, etc etc…. Marcelo da Veiga Lereno Mata ETC…. ————————- MLSTP…………quem tinha razão? Quem tinha mais visão? A História dirá um dia. Não estou contra independência mais sim contra a falta de visão de determinados políticos da nossa praça. Cambardas de cínicos malandros orgulhosos. O país não é vosso mas sim de todos santomenses.

  23. luisó

    10 de Fevereiro de 2014 as 22:53

    Nenhum governante até hoje e parlamentares se lembraram de solicitar á UNESCO ajuda para reabilitar estes edificios e para os classificar com patrimonio da humanidade.
    E agora esta aqui o resultado.
    Mais do mesmo…

  24. Jp

    10 de Fevereiro de 2014 as 23:24

    Isto não foi um acto isolado, já esta determinado que nos próximos 10 anos, a parte ..ou melhor …uma grande parte da nação de stp vai desaparecer. O mato.mato, vai “comer” o que resta das rocas, para nada mais existir a nao ser umas imagens do que já foi, e umas lembram.sas do quanto custou a todos fazer o que vai desaparecer.

    Mas quando uma nação não assume o seu barulho, e isso que acontece, ..um nada ..um vazio.

    Bem aja , e que invertam a tendência..

  25. engenheiro

    10 de Fevereiro de 2014 as 23:57

    A culpa desta situação toda é dos brancos que fizeram este hospital com materiais de fraca qualidade

    – Como foi possível construir um hospital que não estava preparado para fenómenos como roubo de vigas, telhas e outros materiais ?
    – Como foi possível construir um hospital que não estava preparado para ser ocupado por famílias, galinhas, porcos e cabras ?

    Isto é uma ofensa ao Agostinho Neto, grande obreiro desta roça

  26. Maria da silva

    11 de Fevereiro de 2014 as 10:49

    Eu como Santomense e leitora deste jornal, lendo diariamente o mesmo , tendo o desprazer de ler enormes atrocidades ” desgraça” quero pedir ajuda ou colaboraçaõ dos verdadeiros Santomenses ” nao dos governantes” para recolhemos assinaturas para que possamos abrir um prosseço contra o estado Santomense no tribunal internacional, por corupicao , por apuderar de coisa publica, e abamdono de patrimonios nacional.
    Ja que em stp os mesmo ( governantes e politicos) estao acima da LEI!!

  27. Maria da silva

    11 de Fevereiro de 2014 as 10:52

    Abrir processo quiz eu dizer

  28. peixe frito

    11 de Fevereiro de 2014 as 17:37

    Esta imagem e chocante esta tudo a desmoronar clube nautico os bancos todos a beira mar ponte da praia PM etc…

    E exemplo de boa governacao em STP.

  29. Noite Escura

    12 de Fevereiro de 2014 as 11:22

    Estou triste e chorosa ao saber desta tamanha desgraça. Pregamos que queremos desenvolver o turismo. Que turismo? Aos poucos estamos a perder as referências!”Dou parabéns” às pessoas que,conscientemente e intencionalmente proporcionaram o fim “trágico” da situação destruidora desta propriedade, que outrora fora de grande valor e referência inigualável para STP. Será que essas pessoas são patrióticas? Duvido muito!. Devem estar felizes e sorrindo de alegria. Não se esqueçam, que aqui se faz aqui se paga. Bem na plêdêfá mali sá guadádo!.

  30. carlos jesus

    12 de Fevereiro de 2014 as 11:34

    é com muta tristeza que eu vi uns dos melhor hospital do país a cair desta forma e o governo não faz nada ou chamar responsável aos dito senhores que são dono da terra como osca pires do santos e outros que erram patrão da empresa deveriam ser chamado a responsabilizado por esta desgraça desta empresa

  31. nadaver

    12 de Fevereiro de 2014 as 17:59

    ….uma notícia muito triste-conheci esse emblemático edifício (no passado). Alí estive hospitalizado até três ou quatro vezes-Rio-D’ouro era Sede de Monte Macaco, local onde eu nasci! Porquê que será senhores cabecilhas? Porquê será senhores políticos em particular o Presidente de Lobata? Porquê será Poder Judicial? Finjam um pouco de Cabo Verde, onde o Hospital central foi completamente requalificado (…)

    • Francisco

      13 de Fevereiro de 2014 as 9:22

      Rio do Ouro/Agostinho Neto, “Quem te viu, quem te vê”, uma pena que faz chorar os verdadeiros amantes da Pátria. Que Deus nos”sacuda”!

    • Francisco

      13 de Fevereiro de 2014 as 9:31

      Não será que num futuro próximo, os nossos filhos, netos, bisnetos e trisnetos hão-de nos perguntar:”onde e como era o “famoso hospital de Agostinho Neto?

    • Francisco

      13 de Fevereiro de 2014 as 9:53

      E o mais ridiculo é ver turistas visitar aquele escombro! Bom, dá p’ra imaginar o que eles pensam daquilo e de nós?

  32. Bili

    13 de Fevereiro de 2014 as 10:04

    Não cabe lamentar porque assim será o destino de todas as infraestrutura historica de São Tomé e Príncipe. Os nossos Governantes projectaram tudo isso e a prova é o facto que nenhum deles pronunciaram nada em absoluto sobre este acontecimento.
    Senão vejamos, como explica que no final do Mês de Julho uma Fundação Portuguesa MANIFESTOU, MANIFESTOU CLARAMENTE AS AUTORIDADES SANTOMENSE “MINISTROS DE AGRICULTURA E MINISTRO DE EDUCAÇÃO” E ENTREGOU UM PROJECTO DEMOSTRANDO A PRETENSÃO de ficar com essas insfraestruturas no sentido de converter-los num Campo Universitario, com financiamento superior a 45 milhões de Euros.
    Agora sim, lamentamos o facto dos nossos simplesmente ignorar este financiamento. Sem querer fazer política cabe informar-lhes que todos os altos dirigentes tiveram conhecimento disto ” Presidente da República, Primeiro Ministro e outros.

  33. Me Po Feladu

    13 de Fevereiro de 2014 as 11:04

    quem viu, quem conheceu ate 25/4/74
    não conseguimos nem conservar os legados deixados pelos colonos

  34. Noite Escura

    13 de Fevereiro de 2014 as 13:45

    Cuidado Kú flida ni omê di tlaxi cu bassola cutu.

  35. Mucluclú

    14 de Fevereiro de 2014 as 14:08

    Izaildo, o teu comentário é infeliz. Sabes o que é branco e oque é preto? A cor da pele não influencia a mente. Tenho a impressão que estás deslocado do tema. Deçu fé mundo uã vê tan. Já ouvstes esta expressão? A tua revolta de certeza que é outra. Desculpe.

  36. Mucluclú

    14 de Fevereiro de 2014 as 14:09

    Digo “Isaldo”

  37. Mucluclú

    14 de Fevereiro de 2014 as 14:25

    A culpa em parte é do povo. Não se revoltam, Não gritam. não fazem nada para demonstrar a sua insatisfação. O povo pensa que só vive na época de campanha eleitoral onde os oportunistas que se dizem políticos, oferecem dinheiro e outras coisas para conseguirem votos e chegarem ao poder e durante o mandato torturam aqueles que neles votaram. Precisamos unir. 5 não pode derrubar 5000
    É verdade que o nosso stoc de confiança se está esgotando. Temos que unir para derrotar os malfeitores.

  38. Beatriz

    14 de Fevereiro de 2014 as 21:52

    è com muita pena e dor o que estamos a ver e sentir….Tudo a ser destruido!quem conheceu este magnífico hospital.
    O nosso povo n sabe agir para com seus direitos…!
    Quando são coisas alheias que é a favor de algum politico que lhe oferecem umas cervejas ou jantares ou alguns dinheiro no bolsojá sabem fazer manifestações..!
    Neste caso o povo aceita com toda naturalidade!Caiu!caiu! Caiu!
    Ninguém age!
    podemos agir contra sem guerra!mas sim com um dialogo sincero com os governantes.
    o que querem fazer deste país?
    meus caros leitores vamos unir….

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo