Escombros do antigo hospital de Agostinho Neto foram delapidados

Os barrotes e vigas de madeira que sobraram das ruínas de uma parte do histórico hospital de Agostinho Neto, foram roubados. A polícia do distrito de Lobata que estava a guardar as ruínas resultantes do desabamento levantou a guarda, por causa da inacção das autoridades.

A Polícia do Distrito de Lobata montou guarda a volta dos escombros do edifício que ruiu, para impedir que os barrotes e vigas de madeira desaparecessem. Materiais, que davam suporte ao edifício que viu tombar no dia 7 de Fevereiro último a maior parte da sua estrutura.

Materiais de madeira que actualmente custam caro no mercado nacional. A construção civil a base de madeira é hoje mais cara em São Tomé e Príncipe do que a construção de uma casa a base de cimento e areia.

Há bastante tempo que moradores da roça Agostinho Neto, decidiram aproveitar o estado de abandono do edifício histórico para fazer negócio. Levaram as vigas e barrotes, tendo deixado o edifício sem suporte suficiente até que desabou.

As últimas vigas e barrotes que ficaram misturados nas ruínas de Fevereiro último, acabaram por ser roubados nos últimos dias. É que o comando da polícia de Lobata que destacou agentes para garantir a segurança dos materiais percebeu que não poderia se envolver numa operação de guarda sem fim a vista.

Desde 7 de Fevereiro passado até a data presente as autoridades são-tomenses, principalmente o Governo, não tomou uma decisão sobre o que fazer com os materiais resultantes do desmoronamento da parte do hospital. «Certo é que a polícia já não vem isso ficou assim. os vândalos voltaram a levar», precisou um habitante da Roça Agostinho Neto..

A associação dos moradores da Roça, tentou evitar que os barrotes e vigas fossem levados pelos vândalos. Tais materiais poderiam servir para uma suposta recuperação do edifício.

A Associação dos moradores identificou um espaço seguro para armazenar os materiais, contratou um carpinteiro para retirar os barrotes e vigas do entulho, mas a iniciativa não teve acolhimento atempado do Governo. «O empreiteiro apresentou um orçamento do trabalho a ser feito e a associação procurou solução junto ao ministério da agricultura. Até hoje nada», desabafou o representante da comunidade.

As vigas e barrotes desapareceram e por mais estranho que pareça, a associação dos moradores da roça, garante que tanto o Presidente da Câmara de Lobata Hermenegildo Santos, como a Polícia do distrito de Lobata, sabem quem são os vândalos que destruíram os alicerces do edifício até o seu desabamento. «O Presidente da Câmara conhece os vândalos que destruíram o hospital. Ele tem conhecimento, mas ele não age. Os indivíduos são conhecidos. A entidade camarária conhece os indivíduos. A Polícia distrital conhece os indivíduos mas ninguém faz nada», denunciou o representante da associação dos moradores da roça Agostinho Neto.

A morte da autoridade do Estado em São Tomé e Príncipe, abre espaço cada vez maior para o vandalismo, o banditismo, a impunidade e a insegurança.

Abel Veiga

  1. img
    Le di Alami Responder

    POis e vao construir um novo com dinheiro de TAIWAn, deveria reparar este patrimonio, os politicos de sao tome e uma desgraca total. 1990/2014

  2. img
    Jose Povo Responder

    O que está a acontecer em Agostinho Neto não é novidade nenhuma. Situações identicas já aconteceram em Ribeira Peixe, Uba-Budo, Porto Real, Santa Catarina, Pedrona e tantas outras ex-empresas nacionais que até dá arrepio falar nisto. Tudo isto por culpa de alguém. Que me digam que o Estado no seu todo é cumpado, que as populações residentes em cada uma das empresas deveriam ajudar a presentar esses patrimónios, que o poder local deveria ser mais fiscalizador, mas o GRANDE culpado é aquele que durante os primeiros 15 anos da nossa indipendência tudo ditou, tudo decidiu, tudo ordenou e tudo distruiu. Se houvesse um Tribunal competente neste país, esse(s) individu0(s) deveria(m) ir para a cadeia.
    É triste ver patrimónios histórios tão históricos a serem distruidos desta forma. Meus senhores, sejamos um pouco mais humanos, e salvemos o que é nosso, salvemos o que ainda dá para salvar. Salvar esses patrimónios é iniciar o diálogo nacional. Isso sim, trabalhar com afinco e deterinação, devolver alçegria às comunidades rurais, agricolas e o povo santomense no geral é que é um verdadeiro diálogo nacional. Agora, ir-se mais uma vez gastar um punhado de dólares ou de euros para mais uma ronda de diálogo nacional é uma vez mais puxar brasas para a sardinha e continuar a mergulhar o país na m…..

  3. img
    Mria Madre Deus Responder

    Não há problemas de maior. o dialogo nacional vai resolver tudo.

  4. img
    Duro-duroro Responder

    Bom dia,

    Deviam roubar próprio o Pr.de camara e outros responsáveis pelo este distrito…etc.

  5. img
    Eterno Madiba Responder

    As autoridades só querem fóruns de dimensão nacional. Só boa vida. Sentadinhos, na sombra e a falar coisas que nunca mais podem por na prática. E para fórum há dinheiro à vontade! Mas resolver os problemas do bem comum fazem-se de avestruz. Enfiam a cabeça na areia e deixa as pernas por fora.

  6. img
    CEITA Responder

    Fosse dinheiro que chegou de Luanda, Assembleia Nacional pedia uma sessão extraordinária para discutir alocação de verbas como é edifício histórico desabou, que acarreta o estado na sua recuperação todos fizeram ouvido de marcador…só com Cristo

  7. img
    Patriota Responder

    E com muita tristeza que observo o meu lindo Pais a evoluir regressivamente. tenham vergonha cambadas de digentes corruptos e incompetentes.

  8. img
    Carlos Manteigas Responder

    HEEEEMmm

  9. img
    osvaldo Responder

    Minhas Senhoras e meus Senhores,

    Estas imagens ai são para mostrar-nos quão nós somos ruins. É triste vermos um edifício desta envergadura e de tamanha relevância a ser desmoronado desta forma, pelo facto de não haver boa vontade dos decisores desta terra.

    Aonde vamos parar? O que queremos? O que será dos nossos filhos (sucessores)?

    Por amor de Deus meus caros tenhamos um pingo de amor por nossa coisa própria.

    Atentamente,

    Osvaldo

  10. img
    Revoltado Responder

    Entendo que, como patriota, nao devo deixar de criticar o deixar andar que reina em S.Tome. So Visto. Os parcos recursos nao deve ser desculpa para tudo.

  11. img
    Revoltado Responder

    digo: devem

  12. img
    Original Responder

    Se o País está em ruinas,o que é que se espera do que está lá dentro? Os que estão cá em baixo estão a seguir exemplo dos que estão lá em cima.

  13. img
    Combocone Responder

    O Presidente de Camara de Lobata e o comandante da policia, deveriam ser chamados na justiça, para responder essas acusações.

  14. img
    jose soares Responder

    Do meu ponto de vista, andamos a ser governados ao londo de v’arios anos por bandos de incompetentes para ser simpatico com os mesmos e para nao chamar isto outro nome

  15. img
    Barão de Água Izé Responder

    O Hospital da Roça Rio de Ouro/Agostinho Neto é o espelho do País. Dizem más línguas que muitos políticos há muito já roubaram os “barrotes” do País.
    A Herança Histórica de STP está a ser destruída e não esforço nenhum ara a preservar.

  16. img
    carlos boa morte Responder

    Teve uma ideia para partilhar com membros do fórum e não só:

    Criação de Fundo de Investimento imobiliário ESCOMBROS, para salvar o Hospital de Agostinho Neto e toda as outras infraestrutura colonial que se encontra em ruina sem solução.

    Contacto:
    Carlo Boa Morte
    Telm. 00239 990 9121
    e-mail. represe1@hotmail.com

  17. img
    arelitex Responder

    todos os países têm a sua história . com altos e baixos , como é normal .STP também teve momentos históricos de elevado nível .demonstrou ao mundo a sua capacidade .tivemos e temos produtos vindos da terra , que sâo os melhores de todo o mundo .as roças sâo o nosso melhor simbolo histórico .a sua preservação deveria ser do nosso orgulho e do nosso cuidado . mas infelizmente vivemos num país em que cada um luta por si desgovernadamente e sem orgulho de nada . é muito triste que tal aconteça

Deixe um comentario

*