Destaques

STP e outros países Lusófonos destacados em relatório sobre os PMA

Documento cita melhorias na conectividade com aposta angolana em obras; paridade de género no Parlamento aumentou em Moçambique e Timor-Leste; São Tomé e Príncipe avançaram na água e saneamento.

Reduzir a desigualdade nos PMA. Foto: Banco Mundial.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque. 

Um relatório global, publicado esta quinta-feira, recomenda os 48 Países Menos Avançados, PMA, a “esforços muito maiores” para erradicar a pobreza extrema até 2020, apesar dos ganhos alcançados até 2012.

O estudo foi publicado, em Nova Iorque, pelo Escritório das Nações Unidas para os Países Menos Avançados, Países em Desenvolvimento sem Litoral e Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento.

Empregos 

O informe aponta para a expansão da infraestrutura económica em muitas nações do grupo, como parte dos esforços para melhorar o ambiente de negócios e desbloquear o crescimento do setor privado, a geração de emprego e o potencial de erradicar a pobreza.

Angola é mencionada no documento por ter melhorado as redes rodoviárias, ferroviárias e de comunicação. O tipo de obras reduziu os atrasos e os custos de transação e ditaram o aumento da conectividade.

Moçambique e Timor-Leste 

Com países como Moçambique e Timor-Leste, Angola também é mencionada entre as nações na vanguarda na luta pela paridade de género no parlamento e “pelos maiores ganhos eleitorais para mulheres”. Pelo menos um terço dos deputados são do sexo feminino tal como no Nepal, no Ruanda, no Senegal, no Uganda e na Tanzânia.

Mas tanto em Angola como na Guiné-Bissau, o aumento da renda não reduziu a pobreza. O facto torna-os uma exceção entre os 29 países menos desenvolvidos estudados. Moçambique está entre sete países do grupo onde baixou a desigualdade como reflexo da redução da pobreza.

Bissau e São Tomé 

Na Guiné-Bissau e em São Tomé e Príncipe a proporção de professores formados é inferior a 50%. Os constrangimentos para a aprendizagem incluem material didático insuficiente e infraestrutura  precária.

Mas São-Tomé e Príncipe destaca-se pelos avanços na água e saneamento. O relatório aponta, entretanto, para diferenças no acesso entre áreas urbanas e rurais e entre os diversos grupos socioeconómicos.

Crescimento e Desigualdades

Entre vários destaques, o relatório indica que o maior acesso à terra, à tecnologia e finanças são fundamentais para impulsionar o crescimento e reduzir a desigualdade nos PMA.

O estudo recomenda ainda que os governos assegurem que os esforços para aumentar as receitas internas são projetados de forma a reduzir as desigualdades.

A promoção do investimento público nas políticas orçamentais sustentáveis também é aconselhada como forma de aumentar os recursos públicos.

Parceria Téla Nón – Rádio das Nações Unidas

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo