Sociedade

OMS confirma mais de 10,1 mil casos de ebola em oito países

Guiné, Libéria e Serra Leoa são as nações mais afetadas pelo surto e balanço divulgado neste sábado inclui pacientes da Espanha e Estados Unidos; no Mali, menina de dois anos não sobreviveu ao vírus; mortos passam de 4,9 mil.

 

Agentes de saúde na Libéria. Foto: ©Unicef/NYHQ2014-1027/Jallanzo

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Foi divulgado este sábado pela Organização Mundial da Saúde, OMS, um novo balanço de casos e de mortes pelo vírus ebola. Juntos, oito países registram 10,141 casos confirmados, prováveis  e suspeitos. Deste total, 4,922 pacientes morreram.

O balanço inclui os casos da Nigéria e do Senegal, países que foram recentemente declarados livres do surto. O ebola continua afetando principalmente três nações da África Ocidental. Juntas, Guiné, Libéria e Serra Leoa tiveram 10,114 casos e 4,912 mortes.

Maliana

A menina de dois anos do Mali, primeiro caso registrado no país, não sobreviveu. Segundo a OMS, ela esteve na Guiné e foi para o Mali acompanhada da avó. As 43 pessoas que tiveram contato com a criança, incluindo 10 profissionais de saúde, continuam sendo monitoradas.

Na Espanha, a agência da ONU confirmou que a paciente com ebola teve dois resultados negativos após ter sido testada recentemente, o que significa que a enfermeira está livre do vírus. A OMS pode declarar fim do surto no país se não for registrado mais um caso num período de 42 dias.

Nova York

Os Estados Unidos tiveram quatro casos, o mais recente na cidade de Nova York, confirmado em um médico que havia trabalhado na Guiné. O único caso de morte por ebola em território americano ocorreu na cidade de Dallas, no Texas.

O vírus ebola também foi confirmado na República Democrática do Congo, mas segundo a OMS, trata-se de um surto separado e sem relação com os demais países. A RD Congo já registrou 69 casos e 49 mortes.

Parceria – Téla Nón – Rádio das Nações Unidas 

 

    1 comentário

1 comentário

  1. Nitócris Silva

    28 de Outubro de 2014 as 12:14

    Bom dia leitores,
    Esperemos que essa epidemia se mantenha longe das nossas fronteiras e do nosso território por muitos anos, atendendo a débil estrutura médica que existe no país, seria uma calamidade a nível nacional caso esta doença chegasse ao país.
    Contudo mais uma vez aproveito para chamar atenção aos que gerem ao país, que devia-se aproveitar os fundos do PNUD, bem como de outras associações e nações para se criar melhores condições de saúde no país.
    Convido o PNUD a publicar e a justificar o porquê de reembolso de fundo para “Nações Unidas” quando os mesmos podiam ser aplicados no país.
    De uma vez por todas, vamos esquecer as nossas comissões.

    Bem haja pátria amada.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo