Destaques

Banco Mundial lança iniciativa de US$ 450 milhões para combater ebola

Objetivo é impulsionar comércio, investimento e geração de empregos nos três países mais atingidos pelo surto: Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Investimento vai ajudar países afetados pelo surto. Foto: Pnud

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Banco Mundial anunciou esta quarta-feira uma iniciativa de US$ 450 milhões de dólares, o equivalente a mais de R$ 1,1 bilhão, para ajudar a combater os danos causados pelo ebola na África Ocidental.

O dinheiro vai ser usado para impulsionar o comércio, o investimento e a geração de empregos nos países mais afetados pelo surto, que são: Libéria, Serra Leoa e Guiné.

Setor Privado

A Corporação Financeira Internacional, que faz parte do Banco Mundial e tem como meta fortalecer o setor privado, disse que US$ 250 milhões serão destinados a projetos de resposta à doença.

Segundo o IFC, pela sigla em inglês, outros US$ 200 milhões vão seguir para projetos de recuperação econômica da região.

O presidente do Banco, Jim Yong Kim, afirmou que o ebola é uma crise humanitária, mas também um desastre econômico.

Ele explicou que por isso, além da ajuda de emergência, a instituição fará o possível para dar assistência ao setor privado.

Estudo Pnud

Ainda esta quarta-feira, um estudo divulgado pelo Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, informou que o surto de ebola está impedindo a capacidade dos países da África Ocidental de aumentar a receita.

Segundo o Pnud, isso pode deixá-los mais dependentes da ajuda externa. O diretor do escritório da agência para a África, Abdoulaye Mar Dieye, afirmou que a comunidade internacional deve impedir que a doença leve os países a um colapso socioeconômico.

Ele afirmou que os governos da Guiné, da Libéria e de Serra Leoa registraram um déficit de arrecadação de US$ 328 milhões, em comparação ao período antes da crise.

O estudo do Pnud diz que por causa do surto, as despesas dos governos aumentaram 30% e o déficit fiscal também está subindo nos três países.

Nos últimos seis meses, a renda familiar caiu 35% na Libéria, 30% em Serra Leoa e 13% na Guiné.

O documento cita queda de investimentos em infraestrutura, como também nos setores de mineração e agricultura. Nesse último caso, por exemplo, as exportações de frutas e vegetais da Guiné para os países vizinhos caíram 90%.

Parceria – Téla Nón / Rádio das Nações Unidas

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo