Casos de ébola começam a estabilizar na Guiné e diminuem na Libéria

 

Para Serra Leoa, OMS afirma que perspectiva não é tão positiva, já que a agência da ONU confirma aumento do surto, sendo que na Libéria houve diminuição dos casos; último balanço global fala em 13,042 casos e 4,818 mortes.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

A Organização Mundial da Saúde confirmou esta quinta-feira que os casos de ebola estão se estabilizando na Guiné, e na Libéria, aparentemente o surto está diminuindo. Mas o contrário ocorre em Serra Leoa, onde houve aumento das infecções.

Nos três países, a OMS destaca que a transmissão do ebola continua persistente, especialmente nas capitais. A agência da ONU revela ainda que casos e mortes não estão sendo relatados na totalidade.

Dificuldades

O último balanço da agência confirma 13,042 casos de ebola e 4,818 mortes em oito países, sendo que em dois deles, Nigéria e Senegal, já foi confirmado o fim do surto.

São necessárias 4,7 mil camas para os Centros de Tratamento de Ebola, mas apenas 22% estão em operação no momento. Conseguir mais leitos é um dos desafios e a OMS cita que outra dificuldade é encontrar equipes médicas internacionais suficientes para operar os centros.

Médicos

A Guiné tem duas equipes estrangeiras, mas precisa de pelo menos cinco equipes adicionais. Na Libéria, o déficit é de 13 equipes. Em Serra Leoa, são cinco equipes, sendo que mais 10 times de especialistas estão sendo enviados ao país.

Nesta quinta-feira, a diretora do Programa Mundial de Alimentos, PMA, terminou uma visita de três dias a Serra Leoa. Para Ertharin Cousin, a comunidade internacional fez muitos progressos para atender as necessidades das “vítimas da crise”.

Mas a chefe do PMA pediu aumento da resposta ao surto e mais rapidez. Até o momento, a agência já forneceu assistência a 1,3 milhões de pessoas e está aumentando a ajuda a Guiné, Libéria e Serra Leoa.

O PMA também oferece apoio logístico e de transportes, principalmente na construção de centros de tratamento nas capitais e em áreas remotas dos três países.

Parceria Téla Nón – Rádio das Nações Unidas

Compartilhe

Notícias relacionadas

Deixe um comentario

*