Destaques

Criar peixes pode impulsionar “nova revolução verde” em África, diz FAO

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

Chefe da agência destaca bons resultados da atividade; um dos exemplos é a criação da tilápia, originária do continente africano; representante diz haver ainda muito por explorar em relação à produção alimentar.

Mulher à pesca num rio no Camboja. Foto: FAO

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O diretor-geral da Organização da ONU para Agricultura e Alimentação, FAO, disse que a criação de peixes pode impulsionar o desenvolvimento da produção alimentar em países africanos com défice de alimentos.

José Graziano da Silva falou à Rádio ONU, em Nova Iorque, onde participou numa reunião sobre a relação da consolidação da paz e a segurança alimentar.

Tilápia

“A nova revolução verde se dá na pesca. A aquicultura, a criação de peixe doméstico e selecionado, é o que tem demonstrado os melhores resultados. O Brasil há muitos anos atrás importou a Tilápia da África, que é originária do Nilo.”

Graziado da Silva explicou como foi melhorada a qualidade da espécie de peixes com origem no continente africano, pela companhia dedicada à pesquisa de pecuária do Brasil.

Vantagem

“A tilápia da Embrapa hoje é 25% mais produtiva do que a Tilápia originária da África. A cada quilo de ração ela produz um quilo de peixe, o que é realmente uma grande esperança para prover a África, que tem recursos abundantes da água, de uma proteína de muito boa qualidade. A aquicultura tem ainda a vantagem de que implantando a produção de peixe não precisamos derrubar a floresta tropical para criar pastagem.”

A agência da ONU anunciou que apoia a melhora de sementes de produtos como arroz, sorgo e milho nas áreas do Sahel e do norte de África, onde há deficiência de sementes de alta produtividade.

O trabalho é realizado em parceria com a Aliança para a Revolução Verde em África, Agra, liderada pelo antigo secretário-geral da ONU, Kofi Annan.

“Sem boas sementes não adiante usar fertilizantes, as sementes não respondem aos fertilizantes. Então, África está dando passos hoje para implementar a revolução verde. A FAO tem trabalhado junto com a Agra e o Centro do Arroz, África Rice, para melhorar as sementes.”

Para Graziano da Silva, África ainda tem muito por explorar em relação ao potencial da revolução verde, que permitiu aumentar a disponibilidade de alimentos nos últimos 50 anos em várias partes com destaque para Ásia.

 

    1 comentário

1 comentário

  1. Zmaria Cardoso

    31 de Janeiro de 2015 as 6:13

    Pura das verdades.
    Conheci o senhor Congo-pai, o pastor evangelista de Agua Mamblêblê, a criar papê no quintal para dar pratos aos missionarios angolanos que saciavam o peixe nas deslocaçoes as ilhas.
    Aproveitou-se do pequeno riacho “Agua Manblêblê” em que construiu com as pedras – sem um tostao gasto – o reservatorio onde as crias reproduziam e davam papês, para a diversao dos nossos olhares, de dimensao superior ao voador.
    Temos de tudo pa puxar terra pa frente!
    Aquicultura mais uma aposta até para a produçao de raçao aos animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo