Fernão Dias: as razões do protesto popular

 

 São de Deus Lima

Pela primeira vez desde a proclamação da independência nacional, as comemorações oficiais do 3 de Fevereiro, Dia dos Mártires da Liberdade, passaram ao lado da localidade de Fernão Dias. E pela primeira vez, o acto central de uma das datas mais importantes do calendário nacional, quiçá a mais grave, decorreu sem a presença do Chefe do Estado.

De permeio, registou-se o primeiro protesto popular contra o novo governo, com moradores enfurecidos a atacarem o ministro Olinto Daio e o primeiro-ministro Patrice Trovoada pela muito controversa decisão de transferir, para o Museu Nacional, o tributo do Estado são-tomense aos assassinados e sobreviventes do massacre de 1953.

Houve nozado? Houve. Mas não o previsto no programa oficial e que deveria ter coincidido com o de Batepá. Os moradores barricaram com troncos de árvores a via de acesso à histórica praia onde morreram e foram torturados muitos são-tomenses e reforçaram o bloqueio com uma fogueira.

Uma mesa de bisca e outra com café e bebidas foram colocadas no meio da estrada e, pela noite dentro, dezenas de populares expressaram o seu profundo descontentamento, num clima que misturou fúria e folia.

O momento mais tenso aconteceu quando um jeep, com cerca de meia dúzia de militares armados, avançou decididamente em direcção aos populares concentrados no meio da via. Num ápice, os grupos dispersos formaram uma muralha.

‘’Podem-nos matar, daqui não saímos!’’.

‘’Nenhum carro passa daqui hoje, nem carro de tropa. Ninguém tira gente daqui!’’

‘’Vai pa Museu! Fogo queima toda gente que for pa missa de Igreja da Sé, pena só é padre que não tem culpa. Nozado sem missa! Isso pode ser?’’

A TVS está ali. Os militares entreolham-se e fazem marcha atrás. Várias outras viaturas todo-o-terreno são obrigadas a fazer meia-volta, reina um clima de vitória entre os populares. Um grupo entoa:

‘’É pa saber, quem mandou meter!’’

Entre aquele tumulto, um jovem critica muito serenamente a decisão do governo de realizar o acto central no Museu Nacional. Para ele, trata-se de um rebaixamento do valor histórico da localidade de Fernão Dias.

‘’Não deram nenhuma explicação às pessoas de Fernão Dias e ao povo são-tomense. A comemoração sempre foi aqui, é uma tradição. Isso foi péssimo, o governo agiu muito mal.’’

É abafado por vozes exaltadas.

‘’Culpa é de quem votou Patrice Trovoada! Queria arroz 13 contos. Agora toma!’’

Ouvem-se fortes críticas ao primeiro-ministro. Mas quem não é mesmo minimamente poupado é o ministro da Cultura.

‘’Culpa não é de Patrice. Patrice nem está no país. Culpa é de Olinto Daio, esse ministro!’’

‘’Você está a falar o quê? Comeu dinheiro de meu tio e votou ADI. Cala a boca!’’

‘’Coisa não acabou, 2016 está a vir. Espera eles só’’.

Rafael Branco, primeiro-ministro aquando da também muito controversa decisão de demolir o Memorial às vítimas do massacre para construir um porto de águas profundas que nunca viu a luz do dia, acaba levando por tabela. Um mais-velho decide que é a sua vez de falar:

‘’Sô Rafael Branco partiu nosso monumento, despejou pedaço-pedaço aqui na roça, como lixo. Pedaço-pedaço de pedra só é que está lá. Agora querem fazer nozado sem missa! Povo de Fernão Dias não é lixo!’’

Com um rigor de historiador, outro mais- velho explica que os principais acontecimentos de 1953 passam por Fernão Dias e por Batepá, não pelo Museu.

‘’A maior parte das pessoas morreram aqui. Aqui! Já que decidiram fazer lá no Museu, façam. Nós fazemos o nosso nozado aqui, eles fazem lá no Museu e na Sé. Mas para a ponte esta noite, ninguém passa!’’

E, pelos vistos, ninguém passou.

Foi a reacção de uma comunidade que se habitou, em 40 anos de independência, a ser, todos os anos, por algumas horas, o centro da nação. Governo, autarcas, corpo diplomático, todos aí se deslocavam e permaneciam por algumas horas. Estavam os sobreviventes. Havia a homilia do Bispo da Igreja católica, ao qual se juntaram, mais recentemente outras confissões religiosas.

Os jovens marchavam, a pé, da Praça da Independência até à ponte. Estudantes e alunos acompanhados dos professores iam assistir às comemorações. E, a presidir ao acto, esteve sempre o Chefe do Estado.

Esse estatuto de ‘capital da República por algumas horas’ anualmente, em memória das vítimas de 1953, distinguiu Fernão Dias/Lobata do resto do país. O dia dos Mártires tornou-se também o dia mais esperado e mais intensamente vivido pela comunidade.

Nos anos mais recentes, ao longo das estradas, viam-se a fumegar nos fogareiros as espetadas de búzio, o choco, o frango, o polvo, o peixe e a banana. O pof-pof, a açucarinha, o doce de aranha, a jinguba tinham mais consumidores do que em qualquer outro dia do ano. O sumo fresquinho e a cerveja gelada eram procurados.

Mas a ira da comunidade de Fernão Dias poderá ter outra causa e bem profunda:

com o seu cerimonial de Estado, a sua solenidade religiosa, a participação juvenil e estudantil, (não tão pujante embora como na Iª República), a presença dos diplomatas, o cortejo de viaturas dos que lá iam ‘dar uma vista de olhos’, o acto central do dia 3 de Fevereiro entranhou-se profundamente na identidade local.

Mesmo os que não iam à comemoração nem aproveitavam a ocasião para fazer pequenos negócios, enfeitavam-se e postavam-se à beira da estrada, vendo os carros a passar, sentindo-se, de alguma forma, parte daquela atmosfera.

O ressentimento dos populares traduziu, pois, o que parece ter sido por eles genuinamente sentido como uma expropriação, uma usurpação, um esvaziamento do seu estatuto e da sua identidade.

Devidamente ressalvadas as diferenças, foi como retirar a Santana, a Ribeira Afonso ou à cidade de Neves, o dia do seu santo padroeiro.

E a população de Fernão Dias não gostou. Não gostou mesmo nada.

Notícias relacionadas

  1. img
    Aderido vasco Responder

    Vocês votaram em nós de ADI,deram-nos maioria é agora estão a chorar o quê?
    E isto é só documentário.Filme está pra vir. Temos 4 anos para pôr esta porcaria de pais de pé.
    E você são é melhor começar a tomar cabeça de gente. Já acabamos com o teu programa de TVS Cartas na Mesa e vc foi refugiar no Telanon. Já te demos uma oportunidade para estar na TVS,mas não pensa que não está na nossa mira,ok?
    Poe-te a pau Senhora São,porque TEMOS A MAIORIA ABSOLUTA para mandar e desmandar. Votaram e nos deram maioria portanto É CUMPRIR SÓ É NÃO RECLAMAR.

    • img
      budo-budo Responder

      Muito baixo

    • img
      SEABRA Responder

      …de facto!!!Com gente como você no comando + ADI, STP (dito por você “esta porcaria de pais…vê-se logo o seu baixo nivel, o seu profil de violento e ignorante,assim como a sua estima pela “porcaria”de STP), està completamente a afundar-se na lama, està a DESAPARECER!
      Você faz parte do que STP tem de pior…que pena,que um pais tao MAGNIFICO tenha aceite a nascença de IMBECIS como vocessemecê!?
      Creio que a situaçao de STP merece uma profunda REFLEXAO, para sair definitivamente do MARASMO. Hà vàrias hipoteses, darei duas aqui (de imediato):
      - para STP ser salvo, penso sériamente, que é preciso que se dê uma CATASTROFE (depois, tudo deve ser feito do ZERO),
      ou entao
      - STP , a exemplo de Timor, devia tornar-se um protetorado da ONU, durante alguns anos (uma ou duas décadas). So assim poder-se-à fazer STOP à essa “débandade” de corrupçao etc, etc…
      O povo de STP precisa de ser ensinado, o que é ser-se independente, aprender a conhecer a sua ideologia politica assim como os seus dirigentes politicos, para saber como, em quem e porquê VOTAR (e nao à toa, ou entao confiar a direçao do pais a uns “X” mafiosos da praça…).
      Sabe, pelo seu mediocre comentàrio, mesmo se eu tivesse votado ADI, jà nao voltaria a votar, por sua causa…afinal, o senhor prejudica mais o seu partido, em vez de lhe apoiar…com o seu discurso, todos os militantes (normalmente constituidos psicologicamente), terao tendência de fugir ).
      Embora, a mim, nada me admira, vindo deste partido ADI…pelo seu comentàrio, està tudo dito, sobre a mentalidade e o profil dos militantes e da direçao deste partido, que lembro aos demais, que vai DERRUBAR STP, aliàs, DUBAI num homicidio colectivo.
      Quando é que os CORRUPTOS POLITICOS vao tomar aposentaçao?! Até quando, vai continuar esta HEMORROGIA?

  2. img
    Rodrigo Caardoso Cassandra(Digo) Responder

    Este pais esta de mal a pior é uma pena,, que eu mesmo no Príncipe faço parte deste país. RODRIGO CASSANDRA (DIGO)

    • img
      Lioterio Carvalho Responder

      Meu caro professor;
      O país se chama Republica Democratica de S. Tomé e Principe.

  3. img
    "Nós por cá e a nossa maneira" Responder

    Isto é a nossa historia, isto é a nossa identidade. Quer queiram quer não, faça o que fizeram, não vão conseguir apagar a nossa historia. Ela estará lá até o fim dos tempos. Havemos de lembra deles, orgulhosos e defensores das suas convicções. Quem não gosta e não quer ou quer arranjar outros justificativos para se defender, como se costuma dizer cá na terra “azar”. Vamos continuar a rumar sempre no dia 3 de Fevereiro para Fernão Dias com ou sem ato central no memorial…porque esta liberdade ninguém nos tira.

    ……haver vamos….

  4. img
    Adam S. Responder

    Este senhor Patrice Trovoada foi para o governo e quer transformnar o país num qukntal dele. Onde só ele é que manda e pode fazer tudo que lhe apetece. Onde se viu uma coisa desta? Proibiu até o senhor presidente da república de ir para a comemoração do dia de 3 de fevereiro. Fez tudo para tirar o chefe das forças armadas. Vai fazer tudo para tirar o senhor presidente da república deste lugar. Mandou para rua uma quantidade enorme de pessoas qualificadas da função pública para meter lá uma grande quantidade de ignorante e metacaptos que não sabem ler nem escrever. Ficaremos numa ditadura onde este senhor será o único rei. Estamos tramados. É para isso que temo a democracia no país?

  5. img
    Antonio Tebús (Koker) Responder

    Meus caros compatriotas!
    Ao ser verdade que o Chefe de Estado órgão máximo da nação não participou nos festejos alusivo ao 3 Fevereiro por descoordenação ou mesmo intensões politicas para diminuir a pessoa do Sr. Presidente da Republica, isso é muito grave. Acho que o Governo deve vir praça publica e explicar isso ao povo, afinal de contas temos que respeitar outros órgãos de soberania, e não só, o presidente ´foi eleito da mesma forma que o ADI também foi. Acho que a arrogância não nos leva a lado nenhum. Penso se entrar-nos em brigas desnecessárias e joguitos baixos entre os órgãos de soberania, o país só saiu a perder.

    Um bom haja a todos.

  6. img
    Mano da ilha Responder

    Estamos a preparar para tirar a palrice trovada a nacionalidade, falta mais eco… sem voz-…-

  7. img
    Cactupa Responder

    Senhor Aderido Vasco, Reconheça de pès juntos que a São Deus Lima é uma das melhores jornalistas existentes naquele País, e em vez de ser perseguida deveria ser aproveitada para o bem daquele País, é das poucas pessoas que se for a qualquer parte do mundo pelo menos ao nível profissional, não fará vergonha ao País,porque o que vocês mais fazem é vergonha ao País.A verdade é que as pessoas em STP que demonstram que realmente valem e lutam pelo bem do país são todas personas não gratas. Diga agora o que ela fez de mal? Falar verdade e o que fez Você só falou blasfémia, toda gente sabe que podem até ter ganho mas houve muita batota nas eleições, e se estão lá não é para mostrar a burrisse, ignorância, prepotência, mentalidade e comportamento ridículo como demonstrou, porque pessoas como você nunca levará esse País a bom porto.O país não é vosso não é do ADI,não é do MLSTP,não é do MDFM ou outro qualquer.

  8. img
    povopequeno Responder

    Este governo quer matar a nossa história, mas Deus é mais forte, se vieram para o mal, o mal há de vos acompanhar.

  9. img
    Maria silva Responder

    Senhor Aderido Vasco, o senhor calado é um POETA ok!!!!
    O senhor e o seu amigo ” patrice trovoada ” têm noçao de oqui significa , nossa história , nossa cultural, nossas tradições , nossa gente??
    Caso o senhor não saiba, dia 3 de fevereiro é e será um dia histórico pra nós ( os santomenses ) …..
    Diante de tanta barbaridade , arrogância , politiquices, acções de má fé, infelizmente tenho que dizer ViVa a MAIORIA ABSSOLUTA

  10. img
    Wilkes Andre Responder

    Simplismente para parabendisar a Dr. S.D.L” pela maneira jornalística de transmitir este acontecimento, ler a historia, sentir dentro do acontecimento, sem opinião pessoal, Típico de uma verdadeira jornalista e escritora. Quanto aos nossosnossos governantes. Faço um grande apelo, Quer desenvolver o Pais? Acompanhar a modermodernização, não apaguem a marca que identificam a nossa raiz, a cultura, Moda, simplismente,remodela.. Da mas brilho..Reabilitar uma casa histórica,não significa demolir e construir outra no mesmo lugar….Um bem haja a Todos…

  11. img
    Mana Responder

    Grande comentário,Wilkes André! E bem curto!Grande resumo, perfeito resumo de tudo o que tanta gente tem tentado dizer nos seus comentários. Parabéns!

  12. img
    Vava Responder

    Minha gente: agora eu me lembro que ministro Olinto Daio nunca apareceu a defender essa ideia de 3 de Fevereiro no Museu. Quem deu sempre a cara foi o jovem da Cultura. Olinto Daio defende sempre a santomensidade, a nossa cultura e valores. Olinto Daio escreveu um livro que mostra a sua raiz santomense. Será que foi OBRIGADO a fazer essa farsa de museu?

  13. img
    Duda Responder

    Em vez de estar a comprar gente de Fernão Dias para falar falso e mentir, governo reconhece que fez mal. Leva 3 de Fevereiro para Fernão Dias outra vez, o acto central deve voltar para lá. Ponto final. Bom artigo, obrigado SÃO LIMA.

  14. img
    SEABRA Responder

    Se hà um IMPOSTOR na sociedade e na vida politica sao-tomense, é o Patrice Trovoada, que nada conhece sobre a HISTORIA com”H” de STP.
    Este maldito homem, està ùnicamente em STP para tirar proveito material , para ter estatuto de homem de estado, privilégios que lhe dao acêsso a ter portas abertas pelo mundo, com uma FACILIDADE tamanha (STP para ele é ganhar o LOTO inesperadamente), de viver como um SOBA, que nunca trabalhou, que tao pouco merece o que lhe é dado, pois que nao fez nada que lhe dê Mérito de ocupar um grade tao importante, que é do PM .Eis porque comentei, que o povo de STP precisa ser preparado sobre o que é a liberdade, a independência(de conhecer bem o profil e a ideologia dos homens politicos :integridade, formaçao académica, carisma….).
    Patrice Trovoada, aliàs ,a familia TROVOADA pode louvar STP e Pinto da Costa, porque é graças a eles que eles hoje vivem no luxo, no paraiso, longe da miséria em que viviam em PARIS…P.T. era “vigile des magasins et

  15. img
    Aua Mato Responder

    ADI trata este povo de burro. Toda gente viu na televisão os protestos da população de Fernão Dias contra a mudança do local celebração de 3 de Fevereiro. Para enganar a população, o ADI contratou os seus militantes para dizer que o protesto que vimos na TVS não foi protesto. Haja paciência, imagens falam por si.

  16. img
    mega bus Responder

    Afinal o q passa c ADI? Eu acredito q este governo n vai governar por mto tempo muito embora n sei qual o melhor mas o atual n eata preparado

  17. img
    Cassimba Responder

    Esse governo, é pregador do chicote, o apóstolo da ignorância, campeão do obscurantismo e fanatismo, Dê uma olhada em seus pés: porque o governo está de pé sobre o abismo “. Eu acrescentaria: não nos arrastar para lá.

  18. img
    estlukim sum deçu Responder

    Infelizmente, só a comunidade de Fernão dias, manifestou, por se calhar por ver perder uma oportunidade de negocio,…. mas reparem povo de s.Tomé, este acto despautério e tresloucado do Governo, diz respeito não só aos moradores de Fernão dias, mas sim à todos nós. É uma questão nacional. A história é contada, registrada no tempo, num espaço geográfico e com pessoas. E esta já é de longo anos, não será um barnabé do governo do ADI a querer mudar os factos. Com todo o respeito, mas, o que souberam fazer até então é desrespeitar o povo que vos elegeu. Esta acção não nos vai tirar da miséria, ao contrário estão a roubar-nos a paternidade, as riquezas dos factos que se tornou das histórias contadas por sobreviventes( avó, avô, pai, tio, vizinhos, enfim), nos foros familiares de geração em geração, a luz de Cafúca, quando privados da corrente elétrica, e depois de petiscar um prato de “soou de caldo “ porque o salário não permite muito mais, … o que vão herdar os nossos filhos e netos.
    Agora vejam outra,… sufocaram o CEMFA, pela razão que foi, no entanto enviaram os militares ao local com que intenção, pergunto, …..
    Tudo isso é nojento,…. um apelo ao ADI… façam por merecer, MESMOS OS NOVOS, HOJE, PARA SEREM O QUE SÃO, PRECISARAM DOS MAIS VELHOS, NÃO ESQUEÇAM DISSO…….

  19. img
    Txe Responder

    Façam um enquerito para saber quem vendeu cerveja na “festinha” do museu no dia 3 de fevereiro.

  20. img
    Banbacueré Responder

    É isso que dói ao ADI. Podem acabar com Cartas na Mesa mas não te podem calar. Força, doutora SÃO.

  21. img
    Simão Responder

    Essa parada o Patrice e seus capangas já perderam. Ou muito me engano ou nunca mais vai haver 3 de Fevereiro no Museu. PALHAÇOS!

  22. img
    Blaga-pena Responder

    Patrice Trovoada -”AUTENTICO DITADOR DESFARÇADO EM DEMOCRATA”, se repararem bem, sempre q prepara a armadilha, arranja um pretexto para viajar! Quem n sabe q ele está por detrás d tudo isso para tentar humilhar o Presidente da Republica? Fiquem sabendo q quem n respeita o seu Chefe de Estado e a historia dum povo, jamais respeitará o “ZÉ POVINHO – VOTANTES DE LÔÇÔ 13 CONTO”. O povo q abra os olhos! O P.Trovoada, por n admitir o contraditório, como é característico de todos os Ditadores, decidiu abater todos os melhores jornalistas d STP e os seus respectivos programas, tal como fez com o programa “CARTAS NA MESA”, tudo isso, com o intuito de mostrar ao povo apenas uma face da “moeda”, quando a moeda tem 2 faces.

  23. img
    floli Responder

    Os alunos continuam a tomar santo quase todos os dias nas nossas escolas, mas a comunicação social nem fala do assunto. Porque será?

  24. img
    Migu Tèla Responder

    Meus caros compatriotas,
    Quando leio este artigo e os respectivos comentários, chego a conclusão de que o país está como está porque somos todos iguais. Todos Políticos, todos com ganância do poder, todos a pensar no “eu”. Esta é a causa de muitas guerras silenciosas. Mas gostaria que alguém me justificasse porque somos assim.
    Vejamos, se o governo quer proporcionar o acto central no Museu, que o faça. A população que está habituada com Fernão dias, que vá a Fernão Dias. Seria uma grande forma de dar uma grande lição ao Governo sem conflitos. Mas infelizmente há uma guerra que só nós Santomenses sabemos fazer e cá está, mais uma diversão. Há pessoas a ganhar sempre com as nossas diversões. algo para reflexão.
    As saudações da pátria,
    Migu Téla

  25. img
    Vuguvugu Responder

    Migu tela, dá para ver sua mentalidade democrática. Qual mal de discordar do governo e de dizer? Você não leu o artigo? Não percebeu que quem arranjou o ”conflito” com o governo, foi a população de Fernão Dias? Não percebeu que quem arranjou o ”conflito” foi o governo?
    Não percebeu que a maioria dos são-tomenses não quer 3 de Fevereiro no Museu? O governo agora manda na nossa História? Volta a levar 3 de Fevereiro para Fernão Dias e acaba com o ”conflito”. Não é mais fácil assim?

    • img
      Migu Tela Responder

      Meu Caro Vuguvu,

      Se não li o artigo, então você não entendeu o que escrevi.
      Engraçado que o senhor escreveu o mesmo que eu, mas de forma diferente. Só que eu quero a festa no Fernão dias sem dar protagonismo ao governo e você quer, mas falando do governo. Esta é a razão dos nossos conflitos no país. Dar sempre muitos protagonismos aos governos. Mas assim, vamos e assim ficamos.
      Um bem haja.
      Migu tela

  26. img
    Maria de Jesus Costa Responder

    De facto ainda é preciso fazer muito para que haja civismo na nossa terra.
    O exemplo vem ao de cima. Quando um representante da ADI profere tais palavras, no mínimo é caricato.

Deixe um comentario

*