Thunder fazia parte do grupo “6 BANDIDOS” e o seu naufrágio em São Tomé é suspeito

A designação de “6 Bandidos”, é da autoria da organização mundial de protecção do ambiente marinho, a Sea Shepher. Num comunicado emitido pela Sea Shepher, no dia 7 de Abril, logo após o seu navio Sam Simon, ter deixado em São Tomé os 40 tripulantes do naufragado navio Thunder,  é dito categoricamente que o naufrágio é suspeito.

Thunder era segundo a Sea Sheper, o mais perigoso navio pirata no grupo designado “6 Bandidos”.

Relatos dos capitães dos dois barcos da Sea Sheper que socorreram os 40 homens que estavam no navio Thundar, mostram que o naufrágio pode ter sido premeditado. Bob Barker e o Sam Simon são as duas embarcações da organização internacional, que seguiam os passos do Thunder nas águas internacionais, até o seu naufrágio.

No comunicado enviado ao Téla Nón a Sea Sheper, desvenda os acontecimentos do dia do naufrágio nas águas nacionais, e sobretudo mostra a trajectória e o cadastro do navio Thunder que estava prestes a ancorar no porto de São Tomé, para ficar e fazer negócio de pesca no país.

O leitor deve ler na íntegra o conteúdo do comunicado da Sea Sheper – Clique –   Sinking in Suspicious Conditrions

Abel Veiga

 

 

Notícias relacionadas

  1. img
    Ralph Responder

    Se isto for a verdade, o vosso governo deveria fazer com estes criminosos o que o governo australiano faz com procuradores de asilo que tentam chegar de barco a partir da Indonêsia. O governo australiano adquiriu da Singapura uma frota de botes salva-vidas sem motor. Quando a marinha australiana intercepta um barco a carregar procuradores de asilo, os marinheiros colocam os alegados refugiados num bote salva-vida, apontam-no na direção à Indonêsia e empurram-no. Os botes então flutuam no alto mar até chegarem a costa indonêsio, algo que demora dias. Com certeza, isto tem dado o sinal aos traficantes de pessoas que a chegada de procuradores de barco não é bem-vinda e o fluxo de barcos tem parado. Mas tenho de dizer que o governo indonêsio não gosta desta prática nem um pouquinho. Vocês poderiam lançar tais botes salva-vidas com os criminosos abordos para a costa africana, talvez com alguns sandes para cada um, e ver a onde eles pousem.

  2. img
    Ironico Responder

    Ai está uma bela noticia para esses putos arrumados em inteligente se entreterem no facebook.

  3. img
    Gente Grande e Respeitada Responder

    Mau, mau e mau. Isto está a ficar feio. Muito feio. O nome do país não pode estar associado a estas coisas ruins. Parece que existe coincidências demais. Eu não sou daqueles que andam por ai a querer crucificar o senhor primeiro-ministro. Nem tenho razões para tal. Mais: acho que foi um grande erro terem deixado cair o governo do ADI anteriormente. No entanto acho que já começa a haver coincidências a mais. Sempre que este partido chega ao governo começa a aparecer problemas com barcos e outras coisas. Que raio de coisa, meu povo. Acredito que seja só coincidências mas já começam a ser muitas demais. Ainda por cima o governo não vem dizer nem uma palavra sobre o assunto em causa numa situação tão delicada como esta. Sinceramente que isto já começa a me preocupar. Por favor vejam o que a Guiné Bissau sofreu com estes problemas. Não transformem o país numa nova Guiné Bissau. Por favor, eu crio os meus filhos e netos nesta terra e não tenho condições para viver no estrangeiro.

  4. img
    Mabutú Responder

    Dôlo wê cu sólo sá demanda. Os nossos representantes são muito astutos. Quando têm informações dos seus interesses, chamam toda raça de comunicação social para expandirem suas influencias nos atos. Entretanto, quando o assunto é do interesse do povo, escondem tudo e os paus-mandados de c.s não fazem nada a respeito. Porque os nossos dirigentes não tomaram uma postura de país democrático contra esses malandros? Quem cala consente; quem sabe do erro ajunta em conluio e não denuncia é cúmplice; Democracia neste país é relativa, mas corrupção é absoluta!!!

  5. img
    DESCAMIZADO Responder

    PARA ONDE VAI A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÌNCIPE
    De acordo com informações postas a circular pelos órgãos de comunicação social,o navio “THUNDER” de Bandeira Nigeriana, figura desde 2006,na lista negra, por ser conhecido em utilizar técnicas declaradas ilegais. O navio afundou e tinha como destino final São Tomé e Príncipe, para trocar de indumentária e paternidade.
    Esta operação a ter lugar em S.Tomé e Príncipe,leva a pensar que a nossa administração Pública continua ser cúmplice neste tipo de operações,pois há longos anos que se assiste ao registo de navios por parte de sociedades estrangeiras que continuam a operar a margem das leis da República.
    A embarcação estava a ser procurada pela Interpol, por suspeita de pesca ilegal de espécies de peixes só encontradas em águas profundas e frias,tinha como destino o porto de São Tomé. Esse facto deixa-me ainda mais perplexo,uma vez que tive conhecimento de que o mesmo proprietário da Agência implicada no caso anterior ligado aos grandes navios petroleiros (Merida Melissa e Duzigirt Integrityl) que, operavam ilicitamente nas águas de S.Tomé e Príncipe,tivesse aparecido como agenciador da citada embarcação que infelismente (felismente) acabou de se afundar.
    O dito navio pirata “THUNDER” transportava a bordo homens de igual modo,”PIRATAS” pouco sérios e perigosos, que ao serem resgatados pela nossa Guarda Costeira e posteriormente encaminhados para a ilha, deveriam ser isolados, conduzidos para celas apropriadas e mantidos sob custódia da Polícia de Investigação Criminal(PIC). Por razões de segurança e no cumprimento das práticas tradicionais da INTERPOL, isto não se verificou segundo as normas investigativas, e a prova mais evidente foi a presença, o comportamento e interferência do Senhor Ministro da Administração Interna, Arlindo Ramos, que dirigiu pessoalmente a operação de receção e de boas vindas aos hospedes,ladeado de seus operacionais, estando presentes o Senhor Morais da “AGÊNCIA de NAVEGAÇÃO e outros chefões ou chefias, tais como:
    O IMAP,GUARDA COSTEIRA,ENAPORT, CAPITANIA dos PORTOS, POLÍCIA NACIONAL, POLICIA de INVESTIGAÇÃO CRIMINAL,POLICIA FISCAL ADUANEIRA, SERVIÇO de MIGRAÇÃO e FRONTEIRA,etc Sendo de destacar a figura da madrugada, o Senhor Fernando Pereira,vulgo COBÔ,que ostentava uma gravata espampanante e um tanto ou quanto folclórica que em voz alta e bem sonante, dava ares de ser o Chefe de Protocolo no meio daquela grande confusão.
    Segundo bocas “comentários” que circulam na madrugada de terça-feira, é que o Senhor Ministro Arlindo Ramos não deveria estar a dirigir a operação,tendo em atenção o seu relacionamento com supracitada Agência de Navegação de que é proprietário,segundo falta apurar, o Senhor Morais.
    Meio confuso,indaguei a mim próprio. Serão mesmo piratas, ou turistas?
    Para onde vai S.Tomé e Príncipe?
    Os 40 marinheiros “Ali Bábá”do pesqueiro que naufragou, ainda tentaram ser entrevistados pela Imprensa local, mas por infelicidade não foi possível auscultá-los.Só sei que depois de passarem rapidamente pela PIC, foram instalados e acomodados em três BONS HOTÉIS, onde repousam e desfrutam de bela paisagem das praias próximas do aeroporto de S.Tomé.
    Tudo indica, em breve serei informado que os nossos hóspedes deixarão a ilha, e que tudo o vento levou. Foi a pique.
    Que silêncio, de acordo com a má língua é que alguns responsáveis de órgãos de soberania só tomaram conhecimentos do que estava acontecer,depois das 20H00 do dia 06 de Abril de 2015, através da TVS, Televisão Estatal Santomense, quando
    a informação já circulava pelos corredores dos órgãos da Administração Central do Estado, antes das 08H00,do mesmo dia, segunda-feira.
    A confirmação da Capitania dos Portos, na voz do seu responsável que tomou conhecimento de que a embarcação faria transbordo do pescado,a mudança da tripulação e substituição do registo e licença, vem confirmar que há sinais de que talvez a prática de registos de embarcações ainda continuam na Administração Pública Santomense.
    A última preocupação no meio desta grande trapalhada e silêncio, é saber o que fez e qual é o grau de envolvimento do INSTITUTO MARÌTIMO E PORTUÁRIO (IMAP),única instituição vocacionada para registar navios com bandeira Santomense. O responsável do IMAP, não deu qualquer informação a respeito do assunto em apreço, apenas os comandantes da Guarda Costeira e da Capitania
    dos Portos tentaram falar.
    Mas é preciso relembrar que o comandante da Guarda Costeira, Capitão de Fragata, Senhor Idalécio João,vulgo Cubilas, apareceu na noite de segunda feira, dia 06 de Abril de 2015, nos écrans da TVS,e num esforço que lhe é peculiar entre o tremer a voz, disse meias verdades, dando mostras de que estava a ocultar a veracidade dos factos.
    Apelo a quem de direito para que o assunto seja devidamente esclarecido.
    A esta chamada de atenção cabe também ao nosso procurador Geral da República.

Deixe um comentario

*