Destaques

STP constrói o primeiro navio a base de chapas de aço para ligar as duas ilhas

Manuel Roque, empresário nacional, proprietário do estaleiro com o mesmo nome, é desde 1987 operador nacional de manutenção e construção de embarcações.

Esta quarta – feira deu início ao projecto dos seus sonhos. Sonhos antigos. Construir uma embarcação que possa garantir a ligação marítima regular e segura entre as ilhas de São Tomé e Príncipe. Um projecto que pretende resolver um problema crónico entre as duas ilhas, que viram naufragar vários navios e vidas humanas nas águas que as une.

Apenas com seus meios sem recurso a qualquer financiamento estrangeiro ou bancário, Manuel Roque e os operários do seu estaleiro, lançaram mãos as chapas de aço recentemente importadas, para construir o primeiro navio “made in São Tomé e Príncipe”. «É um sonho com alguns anos. Tencionamos construir uma embarcação em aço que possa garantir a ligação em termos de carga entre São Tomé e a cidade de Santo António no Príncipe», desabafou para o Téla Nón.

???????????????????????????????As primeiras soldagens começam a dar forma ao casco da proa da embarcação. «Hoje é o dia 1 da concretização do projecto. O que temos já, é um pequeno casco da proa da embarcação. Esperamos que dentro de 1 mês o casco esteja mais completo e visível», sublinhou.

O projecto de construção, mostra as características do navio que vai descer as águas da Baía de Ana Chaves em Fevereiro de 2016. Terá 22 metros de comprimento e 7,5 de largura. O navio terá capacidade para transportar 8 contentores no porão, sendo 4 em cima e 4 por baixo. Em termos de carga a granel pode transportar 160 toneladas. Tem autonomia para percorrer 2220 milhas náuticas. «Vamos instalar uma pequena grua para facilitar a descarga em Santo António do Príncipe e em São Tomé. Tem beliches para a tripulação, um local para as refeições e instalações sanitárias», detalhou Manuel Roque.

Uma máquina a base de chapas de aço, com grande poder para rasgar o mar que une as duas ilhas. Dois motores de 400 cavalos cada um, dão força ao futuro navio que será capaz de rebocar outras barcaças. «É uma embarcação que está a ser construída por nós, para em caso de manutenção ser operada no nosso estaleiro. Não precisaremos levar para qualquer outro estaleiro É uma embarcação estudada para a nossa realidade. É acostável tanto no Príncipe como em São Tomé», destacou o empresário nacional.

???????????????????????????????Alguém já havia dito que” homem sonha e a obra nasce”. Manuel Roque, é um dos exemplos disso em São Tomé e Príncipe. Um projecto que diz a cada um cidadão são-tomense, que é preciso acreditar e apostar primeiramente em nós mesmos. «Vamos acreditar em nós, e temos que assumir de uma vez por todas, que nós de São Tomé e Príncipe somos capazes. Somos capazes de pensar, de sonhar e de construir, basta crer», enfatizou.

Um especialista português em construção naval, mais concretamente do arquipélago dos Açores-Portugal, é o único técnico estrangeiro que Manuel Roque contratou para trabalhar junto com os operários nacionais.

Segundo o empresário, em Fevereiro de 2016 o novo navio desce do estaleiro para as águas.

Abel Veiga

    41 comentários

41 comentários

  1. Original

    10 de Setembro de 2015 as 7:48

    Amem,e não esqueça de incluir um reservatório para transporte de
    combustivel para Príncipe.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 8:54

      Original, muito obrigado pela sua sugestão. É muito válida. O Estaleiro MRL vai acatar a sua sugestão. Obrigado.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 10:43

      Obrigado pelo apoio e pela sugestão. Vamos ter em consideração a sua sugestão, que muito agradecemos.
      Obrigado.

      • PAPAGAIO

        10 de Setembro de 2015 as 17:48

        Ainda acredito que nosso País vai ser o primeiro do mundo a construir carros a mover a base de cacharamba.

        • agy

          13 de Setembro de 2015 as 19:26

          PAPAGAIO tens ki crescer e aparecer.
          Forca rapazes isso e’ um passo pra desenvolvimento.

        • kwatela

          14 de Setembro de 2015 as 7:55

          Nao amigo
          Ficamos ultrapassado pelo Brazil

  2. Bili

    10 de Setembro de 2015 as 8:09

    Creio ser Fevereiro de 2016. No entanto, desejo força, coragem e sucesso ao Sr. Manuel Roque e toda a sua equipa e espero estar em vida para poder alegrar convosco a concretização desta batalha.
    O sucesso desta batalha será uma vergonha para todos aqueles que foram governantes neste país.
    Por isso, torço para o vosso sucesso.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 12:33

      Caro Bili, muito agradecemos o seu apoio. De facto, tencionamos concluir a obra em Fevereiro de 2016 e não em 2015. Foi um lapso de escrita do autor do artigo mas que em nada belisca com o que se pretende, isto é, termos todos, naturais de S. Tomé e do Príncipe, sucesso nesta batalha.
      Obrigado amigo!

  3. Maria silva

    10 de Setembro de 2015 as 8:54

    É caso para dizer mesmo AMÉM !!!
    Temos que trabalhar mais pelo nosso próprio bem minha gente .
    Temos que construir mais
    Plantar mais
    Produzir mais
    Temos que deixar de esperar pelos governantes , temos que ter mas animo ( gosto ) ser mais chegado ao trabalho ardou, temos que ter consciência de que tem que se trabalhar DURO para alcançar grandes resultados.
    Temos que parar e penssar, que não ha necessidade de exportar coisas como milho etc etc……
    Deus abençoe que com a construção deste navio sirva de exemplo e anímo para outras coisas também !!!!

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 12:36

      Obrigado D. Maria Silva. Que Deus abençoe este nosso trabalho.

    • Sabtola

      10 de Setembro de 2015 as 13:40

      Pois é temos que trabalhar para o nosso bem, cabe o nosso governo ajudar nos projecto em STP e fornecer crédito direto aos jovens para investir nos seus projecto, mas antes disso poderia fazer uma avaliação primeiro e ver o que precisa para poder melhorar, é assim que nasce o empreendedorismo, os Países desenvolvidos como a América começaram com pequenas empresas e ideias e tornaram grandes empresas internacionalmente um exemplo disso e a construção do veículo, rádios entre outras. Força jovens continuem assim para o desenvolvimento do STP.

  4. Cidadão Filho da Terra.

    10 de Setembro de 2015 as 9:00

    É com muito gosto,admiração e espanto que tomei conhecimento com esta notícia.Para dizer que congratulo com ela, mas para informar que apenas um técnico em construção naval não basta. Peço ao Senhor Manuel Roque que busque uma pareceria com o Governo Central ou Regional na busca ou na contratação de mais técnicos ou engenheiro navais. Obrigado que Deus, Jesus Cristo, Santo Tomé Poderoso e Santo António do Príncipe abençoe esta futura embarcação e o Sr. Roque.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 12:52

      Caro Cidadão Filho da Terra, muito obrigado pelo seu apoio. E pode crer que o seu apoio é, para nós, muito, mas muito importante. É com o seu apoio e com o apoio dos nossos compatriotas é que conseguiremos passar a mensagem de que nós, de S. Tomé e do Príncipe, somos, de facto, capazes. Capazes de concretizar aquilo que consideramos ser o nosso sonho e o sonho dos nossos compatriotas. Não é nada fácil, meu caro, mas, pelo menos, poderemos amanhã dizer aos nossos netos: eu tentei, ou melhor, nós conseguimos!
      Quanto ao facto de ser apenas um único Técnico de Construção Naval, por enquanto, pensamos que seja o suficiente, pois o técnico é causa é proprietário do Estaleiro Naval FUSOILHA, Lda, nos Açores, pessoa muito competente e cujos ensinamentos, são muito úteis para os nossos colaboradores do Estaleiro.
      Agradecemos muito a sua sugestão de parceria com entidades governamentais e estamos abertos a isso, mas pensamos que só seremos merecedores, se provarmos sermos capazes de fazer. E nós, Santomenses, somos! Obrigado, caro amigo!

      • ANCA

        11 de Setembro de 2015 as 19:22

        Coragem, força, acredite em si, é capaz.

        Quem constrói uma embarcação de transportes de mercadorias, constrói no futuro varias embarcações(Navios) de transportes de passageiros, de mercadorias, embarcações de pescas(Traineiras Modernas e Equipadas),…

        Acredite em si, no futuro o seu esforço dedicação, trabalho árduo, o seu nome ficará marcado como referência na História do País, uma referência para África e para o Mundo,… brevemente, certamente o mundo ouvirá falar do seu feito, do seu estaleiro, encomendas mais encomendas de Navios Embarcações surgiram…

        Pratiquemos o bem

        Pois o bem

        Fica-nos bem

        Deus abençoe São Tomé e Priìncipe

  5. Zé Boina

    10 de Setembro de 2015 as 9:13

    Excelente notícia. Parabéns! 🙂

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 12:54

      Obrigado Zé da Boina. Obrigado pelo seu apoio.

  6. Elias castro

    10 de Setembro de 2015 as 9:32

    Navio? Mesmo?
    A Vela ou remo?
    Para príncipe?
    Coitado do povo de príncipe.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 14:17

      Sr Elias Castro, agradecemos o seu voto de confiança. É assim que contribuímos para o desenvolvimento da nossa terra. Para esclarecer as suas dúvidas, convidamo-lo, se tiver tempo, a visitar a obra que está a ser feita no nosso Estaleiro.

  7. makatata

    10 de Setembro de 2015 as 9:42

    Esse projecto aqui, não sei se sabem a data diz fevereiro de 2015, isso já passou e não se vio nada

  8. Javier

    10 de Setembro de 2015 as 10:06

    Boa D. Manuel. Muito êxito neste trabalho.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 12:56

      Obrigado pelo apoio Caro Javier.

  9. victor Thunder

    10 de Setembro de 2015 as 12:23

    pena e que ja passamos Fevereiro de 2015 faz tempo. estamos praticamente no fim de 2015.

  10. vianteiro

    10 de Setembro de 2015 as 13:22

    mostra as características do navio que vai descer as águas da Baía de Ana Chaves em Fevereiro de 2015. Terá 22 metros de comprimento e 7,5 de largura. O navio terá capacidade para transportar 8 contentores no porão, sendo 4 em cima e 4 por baixo.

    caros amigos o que se passa de verdade se já estamos em Setembro de 2015 como e que o barco ira a água no Fevereiro de 2015

    • Téla Nón

      10 de Setembro de 2015 as 15:38

      Muito obrigado a si e aos outros leitores que foram enganados pelo erro cometido pelo redactor deste artigo. Um erro que os olhos do redactor percorreram várias vezes antes da publicação mas não deram conta dele. A reacção dos leitores despertou o redactor e ajudou a corrigir o erro..Muito obrigado.

    • Manoel

      13 de Setembro de 2015 as 14:23

      O homem já disse que foi erro de digitação… a data correta é 2016.

      Não sou e não moro em São Tomé é Príncipe, mas sou admirrador deste país, e egora admirador do Sr. Manoel Roque, grande homem idealizador, que não apenas sonha, mas, que luta para realizar seus sonhos! E o que é mais importante, sonha para o bem de toda sua linda e apaixonante nação!

      Parabéns sr. Que Deus abençoe sua vida!

  11. Eduardo

    10 de Setembro de 2015 as 13:46

    Uma boa nuvidade, espero que o governo não vai desencorajar o nosso irmão Manuel Roque com os impostos desorbitante.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 15:42

      Caro Eduardo, agradecemos o seu pertinente e valioso comentário. Concordamos totalmente consigo, pois pensamos que a função do Estado (Governo) é, entre outras, a de fomentar o empreendedorismo, valorizar e apoiar os seus cidadãos (que não seja, apenas motivacional, como o meu amigo já o fez). Agradecemos muito a sua ajuda, meu caro, e se me permite, meu caro irmão Eduardo. Poderá acompanhar as etapas da construção da embarcação na nossa pagina do Facebook ou visitar-nos pessoalmente no nosso Estaleiro. Obrigado.

  12. Maria silva

    10 de Setembro de 2015 as 14:05

    Meus senhores creio que a data referida foi um engano do Abel Viega ( o Jornalista) oque esta em questao é a vontade de fazer ALGO, de mudar o rumo desta terra , nao esta em causa se for a remo, vela ou motor , o sonho, a vontade de fazer isto é mais importante.
    Temos que apoiar como santomense que somos, temos que aplaudir a iniciativa do sr Roque , apoiar mesmo so com as palavras ” insentivar “, este navio sera primeiro a ser construido, claro que a margem para errar é enorme , mas ja é bom começo!!
    Somos capazes e temos que acreditar nisto!
    Esta é a minha opiniao!!!!!

  13. josé Manuel Vieira

    10 de Setembro de 2015 as 16:23

    Parabéns pela iniciativa e que tenha todo apoio para que depois deste venham outros até para outros países mais uma vez força e que tenha sucesso neste barco e em futuras construções.

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 23:29

      Obrigado pelo apoio e motivação que transmite, caro Sr José Manuel Vieira. Por agora, vamos dedicar os nossos esforços nesta embarcação para que em Fevereiro seja uma realidade. O futuro a Deus pertence, mas, com pessoas positivas como o Sr, tudo poderá ser possível. Basta Crer! Obrigado.

  14. Tony

    10 de Setembro de 2015 as 19:56

    Louvável a capacidade empreendedora de um privado , que está a colmatar a falha e a responsabilidade do Estado.
    Quero muito ver esse navio a navegadora a igualdade entre os habitantes do Príncipe e São Tomé.
    Estado por favor façam algo para amparar este projecto!

    Obrigado pela obra que está a realizar

    • José Manuel Roque

      10 de Setembro de 2015 as 23:15

      Nós é que lhe agradecemos caro Sr Tony. Um bem-haja!

  15. Fátima Roque

    11 de Setembro de 2015 as 1:43

    Olá mano
    Muito orgulhosa pela obra em curso. Talvez seja desta que eu conheça o Príncipe. Força!!!
    Um xi
    Fátima:)

  16. Manuiel Jorge de Carvalho do Rio

    11 de Setembro de 2015 as 11:32

    Meu caro Manuel Roque,
    A sua iniciativa é muito aplaudida e considerada por mim e como já viu também pelos demais comentários. Parabéns! Entretanto, a semelhança do cidadão que mencionou a necessidade de incluír no projecto um reservatório para o transporte de combustível, venho solicitar a inclusão também de camaras de frio para o transporte de produtos frescos, tanto a temperatura negativa (~-18 º) como positiva (~ 5 º). Como deves saber de Sao tomé para o Príncipe enviam muita quantidade de produtos hortículas fresco em condições que o produto ao chegar regista-se muitas perdas e do Príncipe para São Tomé muito pescado salgado e um pouco de pescado fresco. Considero que vem menos peixe fresco, devido a falta de meios de conservação do peixe e carne em frio tanto no Príncipe como nos transportes que ligam as duas ilhas.
    Assim meu caro Manuel Roque, se na sua projeção ainda não incluíu estes aspectos agradeço analizares.
    Força e boa coragem.

  17. Felisberto Bandeira

    11 de Setembro de 2015 as 15:09

    A Parabéns pela Iniciativa José Roque ,é de louvar a Deus e agradecer pela coragem e peco a Deus que vos abençoe e aprove este projecto para possa acalcar a sua, meta ,e assim possa minimizar muitas dificuldades de ambas Ilhas…

  18. Nuno Prazeres

    11 de Setembro de 2015 as 16:57

    Ola, meus caros leitores, meu caro cidadão Sr. Manuel, sou amigo do seu filha e da sua filha, desde de sempre o admirei, senhor sempre foi um fazedor das coisas, homem de muita coragem, espero realmente, que o senhor, o faça, eu aprecio muito seu trabalho, sua dedicação sua luta, homem sim que deve ser rico , porque o senhor trabalha de verdade, e quanto ao alguns mal feitores que têm uma uma língua, e não querem que este grande projecto si efective, espero mesmo do fundo de coração que seja mais um, um bem haja ao senhor e a sua equipa. Viva o cidadão atento, cidadão com visão.

  19. zenkentxi mancluto

    11 de Setembro de 2015 as 18:37

    Sr Roque e colaboradores. Este projecto ja e uma vitoria independentemente do seu final. Pelo atrevimento, coragem e audacia que os Srs puseram em marcha. Esta equipa equipara-se a irmaos wright dos Estados Unidos. Foram os primeiros homens a fazerem voar um aviao a motor. O vosso projecto marca um antes e depois nas navegacoes de STP. A paritr dai, novos horizontes serao alcancados. Eu estou muito confiante e vou ver ou assistir a viagem inaugural. Que a equipa se mantenha coesa e trabalhe com toda fe

    • José Manuel Roque

      14 de Setembro de 2015 as 14:59

      Caro Sr Zenkentxi Mancluto, muito agradecemos o seu apoio pois ele é fundamental para nós. Acreditamos, caro amigo, que vamos conseguir. Esperamos contar consigo no dia da descida. Se desejar acompanhar a construção, poderá visitar-nos no nosso Estaleiro. Também publicitamos o andamento da construção na nossa pagina do Facebook.
      Obrigado.

  20. Josif Lu Hong

    14 de Setembro de 2015 as 1:04

    Meus parabéns pela iniciativa inédita nas Ilhas maravilhosas de S. Tomé e Príncipe! É mesmo assim! Para despinhar o mito de que cá em S. Tomé não há capacidades. Há capacidades, há pensadores, indivíduos que sabem o que é necessário para as nossas populações! Valeu a pena. Força, homem! Nesse sentido o senhor pertence ao Club dos Verdadeiros Filhos da Terra: S. Tomé e Príncipe! É preciso ter fé! É preciso confiarmos nas nossas faculdades, competência! É preciso que acreditemos em nós mesmos, darmos Valor a o que é nosso, desde nos quadros nacionais, saber cooperar pela melhoria, pela transferência da tecnologia, do background! S. Tomé e Príncipe pode crescer, lutando contra todos os obstáculos, porque há capacidade interna de louvar, que, se ajuntar, aglutinar forças, iremos longe! evitemos o feudalismo, promovamos união de forças, capacidades, recursos (todos) e, iremos muito longe, “punda nón ná sá anca fá”! Todos somos capazes evoluir, por isso, uma palavra de apreço, encorajamento, porque também, aliás, é preciso que façamos também milagres, para o nosso desenvolvimento socio-económico a todos os níveis!Imagina, por exemplo, podermos conservar as nossas frutas, a título de exemplo: jaca daquelas bem selecionadas, safú, abacate, nossa banana prata, das “klétas”, bem saborinzas, após alguns dias, nossa pála-pála de matabala, de fruta pão quão saborosos com cervejinha e, não só… conheço um doce de coco”ponha bóca não tira” de S. Marçal, nosso limão, nossa fruta pão de Sta. Catarina, izaquente sem casca, ai que bom-, imagina apenas a título de exemplo -, que delícia maravilhosa! Isto bem conservado, rotulado com certificado sanitário, etc. etc., quanto riqueza, euro, dólares a produzir -, tem-se a noção de que formas pode-se fazer dinheiro, ganhar o pão nosso de cada dia, de estivéssemos organizados, utilizando meios locais e, não só para o nosso desenvolvimento? É de louvar todas iniciativas dessas! Bawê, Sr. Manuel Roque: adilante!

  21. Costa

    5 de Outubro de 2015 as 17:21

    É realmente de louvar tal iniciativa, e tomara que até à conclusão da obra não surjam entraves que a inviabilizem.
    Quero no entanto sugerir,que na sua viagem inaugural, e para abrilhantar esse momento histórico, sejam convidados todos os governantes de quem o povo mais gosta, e que a embarcação seja abastecida do combustível necess´rio apenas para a viagem de ida.
    Depois esperar que voltem numa manhã de nevoeiro.
    Saudações cordiais a todos
    Manuel Costa

  22. Agnelo Mendes de Oliveira

    3 de Novembro de 2015 as 14:55

    Concluindo este projecto acredito digo muito sinceramente ser o maior projecto concebido e realizado dentro da Republica Democratoca de S. Tome e Principe desde o dia 12 de Julho de 1975. Esta unidade de embarcacao trara um grande beneficio para as duas ilhas e os seus respectivos povos irmaos O seu valor e os objectivos preconizados ultrapassam os que foram realizados no dia 30 de Setembro de 1975 (nacionalizacao das antigas rocas coloniais). Pelo facto de elas serem tiradas das maos dos colonos ao fim de serem distruidas e banalizadas conforme hoje estao. Os meus parabens Senhor M R L.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo