Destaques

Alastramento do SIDA prenuncia o FIM para homens e mulheres em STP

Notícia veiculada pela imprensa internacional dá conta que cerca de 35 mil são-tomenses estão infectados com o vírus HIV. Uma notícia arrepiante para um país de cerca de 180 mil habitantes.

Em 2009, o programa nacional de luta contra o SIDA, anunciou uma estagnação da doença no país, com um prognóstico que apontava para uma prevalência a rondar os 1,5%. Na altura o programa nacional de luta contra o vírus causador do SIDA, o HIV, estimava que cerca de 4 mil são-tomenses poderiam estar a viver com o vírus.

Uma doença que dentre outras formas de contágio, escolheu exactamente as relações sexuais para se propagar com maior facilidade. .

Num país de tradição poligâmica, tanto para homens como para mulheres, o SIDA, cresceu aceleradamente. Até 2001 a prevalência do vírus HIV no país era de 0,1%. Neste período São Tomé e Príncipe era habitado por cerca de 150 mil pessoas.

Agora em 2015, com pouco mais de 180 mil habitantes, cifra extraída do mais recente recenseamento da população, a doença vive em 35 mil cidadãos das ilhas.

A imprensa internacional avançou tais dados com base nas declarações do responsável pelo programa de luta contra o SIDA, Bonifácio Sousa. Tais dados referem que na ilha do Príncipe com cerca de 7 mil habitantes, a prevalência do SIDA é maior, atinge 1,2% e na ilha de São Tomé por sinal a mais populosa, ronda os 0,6%.

artigo na imprensa internacional –

Abel Veiga

    27 comentários

27 comentários

  1. nandes

    3 de Dezembro de 2015 as 8:49

    Onde estão os comentaristas de plantão que culpam todos os governos e partidos pelo caos em que se encontra S. Tomé? O aumento acelerado do viris HIV na nossa população é culpa do MLSTP? Do ADI do Patrice Trovoada?
    Pois, pois…ninguém comenta porque sabe que provavelmente tem responsabilidade nessa matéria. Porque são adoptados comportamentos perigosos, inconsequentes, desprotegidos, polígamos nas relações.
    Pode-se mudar essa situação se se mudar os maus hábitos: ter apenas um parceiro(a), não se deixar seduzir por homens em grandes carros e supostamente com dinheiro, mulheres de peito e bunda grande, ou mesmo belo sorriso. Vamos cuidar de nós próprios e do próximo. Vamos confiar, desconfiando. Preservativo, sempre. Fazer e exigir exames de sangue regularmente, pois os portadores desse viros não têm a sua condição escrita na testa.
    Viva S. Tomé!!!

  2. Ceita

    3 de Dezembro de 2015 as 10:17

    Que pena… os nossos jornalistas precisam mais de formação, leitura e investigação, sobretudo ter o espírito de responsabilidade quando se fala de algo que não domina e muito menos tem conhecimento. falar por falar compromete a pessoa e em certos casos a nação toda. dizer a tamanha barbaridade “35 mil infectados por VIH em STP” e sublinhar que a fonte foi o Coordenador do programa…. não é grave…..isso É MUITO + MUITO GRAVE

    conselho ao jornalista: livra-te dessa asneira enquanto podes.

  3. ANCA

    3 de Dezembro de 2015 as 10:22

    Ante de mais a forma como se escreve, poderá levar ao leitor publico mais atento, sobre tudo aqueles que desconhecem a realidade a pensar o contrario,…

    Reparem

    Do que foi escrito no trecho,…

    ” Na altura o programa nacional de luta contra o vírus causador do SIDA, o HIV, estimava que cerca de 4 mil são-tomenses poderiam estar a viver com o vírus.”

    Caro Jornalista,…”programa nacional de luta contra o vírus causador do sida”?

    Isto implica investigação laboratorial do vírus causador do SIDA, teste de fármacos em pessoas infectadas com o vírus, pelo que a realidade do País nos diz o contrário.

    Por outro lado,…

    “Uma doença que dentre outras formas de contágio, escolheu exactamente as relações sexuais para se propagar com maior facilidade.”

    Caro Jornalista pois esta é a realidade da forma de contagio, por muito que lhe custa, pois é exactamente pelas relações sexuais desprotegidas, comportamentos de riscos, poligamias, que se transmite o vírus do SIDA, com maior facilidade.

    A questão é saber porquê que isto acontece com maior incidência nos países pobres, aumento galopante de números casos de infecções por VIH, como é realidade do Continente Africano, como é o de São Tomé e Príncipe, para um Território/População de somente 180 mil pessoas.

    Quem diz SIDA, diz outras doenças, como o caso do paludismo e outras infecções, como o da água imprópria para consumo,etc…bichôs, ratos, pulgas e tudo mais.

    Neste sentido apesar de ausência de guerra conflitos armados, há falta de paz, jamais há desenvolvimento sustentável a nível social, cultural, energético, ambiental, desportivo, político, económico financeiro.

    Pois está como outras infecções, são equiparadas a armas que dizimam a população em curto espaço de tempo.

    O que é um Território sem ou com população, pouco saudável, com fome na miséria, na pobreza? Que capacidade de pensamento, que capacidade de trabalho de produção, evolução no presente ou no futuro?

    Sr Presidente da República, Sr Primeiro Ministro, Sr Presidente da Assembleia, Sr Presidente da Região Autónoma do Príncipe, Sra Ministra da Saúde, Srs Ministros, Srs Líderes Partidários, OMSTP, Organizações de Mulheres Sãotomenses, caros cidadãos, estes números devem-nos fazer reflectir, mudar de atitude, apostar na prevenção na sensibilização da população.

    Como sabemos São Tomé e e Príncipe tem a pirâmide da população de base larga, o que implica População muito jovem(o que é uma mais valia), mas com comportamento de risco na veia(pela cultura africana), se nada for foi invertido, consequências graves com custos avultados teremos no território, na população, na administração, gestão, com o risco de substituição renovação da população de origem, com abertura ao exterior.

    Consequências, sociais, culturais, económicas e financeiras.

    Exemplos em África, jamais faltam, vejam e estudem o caso de Moçambique por exemplo.

    Quanto mais a pobreza num determinado Território, maior será agravante de outros fenóminos-problemas-inqueitações-desgraças,(como o exemplo da evolução de números de infectados pelo VIH), sociais, culturais, ambiental, desportivos, políticos, económicos e financeiros, no seio da População, na Administração, na Gestão deste Território/POpulação.

    O tempo de falar, apelar, agir é hoje e agora.

    A Lei de responsabilização familiar social, é urgente, é imperioso.

    Se queres ver o País bem

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Fica-nos bem

    Acredita

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  4. ANCA

    3 de Dezembro de 2015 as 10:39

    Quanto a percepção desta evolução do números em África, neste caso em São Tomé e Príncipe, que dizer que a sua expressão é bem maior no seio da população.

    Pois existe pouca cultura de registo e contabilização, aliada a cultura de deixar andar, no País sobretudo nesta matéria na Região Autónoma do Príncipe, onde as instituições são fracas, despidas de controlo, de meios, de pessoal qualificados.

    Nesta óptica o INE, Instituto Nacional de Estatística, os Ministérios, Hostipaís, Centros de Saúde, Clinicas Partculares, Registos Civil, Camaras na gestão dos Cemitérios, devem desmpenhar em papel fundamental no registo e contabilização dos casos para uma veradeiro conhecimento de números de casos anuais, de infecções, de obitos por infecções do HIV.

    De recordar caros cidadãos( sobretudo população Feminina e Infantil) que a pessoa pode ter contraido o HIV, mais jamais ter sinais de doença ou infeção derivado do estado latente perido de incubação em que encontra o vírus no organismo, só depois de muitos anos manisfestar sintomas de infecções por HIV, de recordar que o vírus pode-se transmitir por secreções no acto de cunilíngus ou felácio, caso haja feridas na boca, nos dentes, ou nas mãos.

    É possível saber se se está infectado através de analises ao sangue.

    Por isso

    Muda teu comportamento na hora de frenetica pelo sexo, pelo prazer, desprotegido,.

    Faça analises duas vezes ao ano.

    Se se queres ver o país bem muda o teu comportamento

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  5. Ambrosio Catana

    3 de Dezembro de 2015 as 11:35

    A noticia esta incompleta. O relatoio que avanca esses dados veiculados pela noticia sublinha a bem que o aumento da taxa de SIDA em STP acentuou nos ultimos doze meses na ordem dos 67 por cento. So por isto, fica respondida a preocupacao do senhor que se apelidou de Nandes. A culpa nunca e solteira. Para qualquer caso, existe sempre um ou mais culpados e para este caso a culpa foi localizada no tempo que vai de Novembro 2015 a Novembro 2015.

  6. ANCA

    3 de Dezembro de 2015 as 11:35

    Nas costas dos outros deves ver a tua.

    Pratica o bem

    Pois o bem

    Fica-te bem

  7. Cobra branca

    3 de Dezembro de 2015 as 12:30

    Nao é tanto a poligamia como ter relaçoes sexuais sem protecçao. Tambem ha muito angolano infectado que esta a vir de ferias e esta a oferecer dolars por sexo sem protecçao.
    Mesmo assim nao posso acreditsr que um 25% dos adultos santomentes estem infectados, se fora certo deveria fazer-se uma grande campanha de publicidade explicando a situaçao e as formas de evitar o contagio com o HIV, alem de campanhas nas escolas.

  8. Santola

    3 de Dezembro de 2015 as 15:24

    O nosso país parece que cada um fala o que quiser principalmente os jornais internacional como: A bola, Notíciaaominuto, são 2 jornais que mais difama e degradem a imagem de STP, nosso governo tem que tomar atitudes com esta informação processar judicialmente. Ainda na semana passada Dr. Bonifácio revelou a TVS uma percentagem oficial que não ultrapassa 0,5%, correspondente a menos de mil pessoas afectadas pela SIDA. Estes 35 mil saíram de onde? Brincadeira de muito mau gosto.

  9. jorge de jesus

    3 de Dezembro de 2015 as 16:41

    Não estou a entender bem esta noticia. Se no Principe a percentagem é de 1,2% e S.Tomé é de 0,6%%, isto quero dizer que ao nível nacional o total é de 1,8%. Mesmo se arredondarmos para 2%, então, 2% de 180 000 nunca pode chegar a 36 000. Pode chegar a 3 600.
    Agradecia uma explicação do Tela Nom como é que com a percentagem apresentada, chegaram a este valor informado.
    De qualquer forma, necessário se torma prevenir.
    Bem Haja
    JJ

    • Téla Nón

      3 de Dezembro de 2015 as 16:54

      rele-ia a notícia e saberá quem deverá dar-lhe explicações sobre esses dados. Se fizer atenção verificará que o Téla Nón, reproduziu a informação que desde anteontem circula pelo mundo via órgãos de comunicação social internacionais(imprensa Internacional), de credibilidade reconhecida. Também espantado, com a notícia o Téla Nón a reproduziu. É interessante que após a reprodução do Téla Nón, as águas se agitaram no país e não só. Mas a notícia já corria o mundo desde anteontem.

  10. Dinis

    3 de Dezembro de 2015 as 18:13

    A ser verdade ou não, essa notícia assusta e entristece qualquer um santomense.
    Repudio veementemente a atitude do Téla Nón, e deixo bem claro que este repúdio é numa vertente de crítica construtiva. Sendo Téla Nón um órgão de comunicação social local não deve simplesmente “reproduzir” o que leu no jornal “a bola” e assim fazer disso um “Disse que Disse”. É muito triste esta postura e espero que seja feita uma reflexão sobre a mesma.

    Temos em grande maioria, uma certa dificuldade em passar mensagem, sobretudo na oralidade, pois procuramos usar palavras “bonitas” e muitas vezes sem sabermos o real significado das mesmas, assim sendo eu quero acreditar que o Sr Bonifácio Sousa esteve equivocado a quando desta entrevista ou seja lá em que momento divulgou esses dados, pois estes cálculos percentuais não fazem lá muito sentido.

    Um grande bem haja!

  11. Manuel Veloso

    4 de Dezembro de 2015 as 5:50

    Essa questão não é recente, aliás, volta e meia, tem merecido comentários (que acredito não sejam o suficiente), sobretudo, o facto de haver figuras conhecidos de todos e que são portadores e nada se faz.
    A margem de (seropositivos)fornecida pelo articulista, é dramática, tendo em conta a evolução desabrida da doença, atendendo o número da população.
    Urge que se tomem medidas de carácter nacional, o que quer dizer que a Assembleia Nacional, deve notificar e com o governo, estabelecer critérios para a defesa das populações.
    Concomitantemente, todos os São Tomenses, devem chamar a si a luta do combate a essa enfermidade que, para além dos males pessoais, afeta as coletividades e acima de tudo, as economias.
    Que fazer?!
    Deve constituir um trabalho saturado do Governo através do Ministério da Saúde e não só e também de todos os São Tomenses, no exterior e no interior.
    Divulgar e transportar o símbolo internacional da luta contra o HIV/SIDA.
    Bem haja

  12. Qeen

    4 de Dezembro de 2015 as 7:12

    Pessoal essa noticia É alarmante e muito seria. Uma noticia tao grave nao pode ser divulgada assim. Chamem com urgencia o Cordenador do programa o senhor Bonifacio Sousa para vir dar explicacoes ao pais e ao mundo e apresentar o relatorio dessa sondagem ou pesquiza. Porque se for verdade essa noticia precisamos de comecar uma campanha agressiva sobre o HIV em Sao Tome e Principe. 35 mil habitantes infectados É um numero assustador. Quase 20% da populacao.Essa noticia tem que ser confirmada por quem de direito ou desmetida com urgencia. Obrigado

  13. Queen

    4 de Dezembro de 2015 as 7:24

    Nao pode ser! Jesus

  14. Xico

    4 de Dezembro de 2015 as 7:56

    Para começar, não devíamos culpar o Telanon, o sr Bonifácio sim é um brincalhão, a ser 35 mil habitantes ele próprio estaria infectado, 20% da população, este Sr. devia ser mais responsável e retratar esta noticia na comunicação social e pedir desculpas à Nação, brincadeira tem hora. Aulas de estatística precisa-se nas nossas instituições.

  15. Flávio Pinto

    4 de Dezembro de 2015 as 8:16

    Há notícias, “quase notícias” e boatos!!! Infelizmente alguns quantos jornalistas santomenses especializaram-se nesta última situação, dedicando mais tempo, espaço e matérias a esta realidade.

    Uma não notícia sobre este assunto traz inúmeros prejuízos que desmentidos, retratações públicas, a própria verdade já não consegue reparar os estragos produzidos.

    As nossas autoridades deveriam exigir que fosses reveladas as fontes de onde eventualmente tenha partido a informação, e tomar medidas para se possíve atenuar os impactos nefastos que certamente o alarme e receeio possam causar a imagem do País.

    A Leviendade como os jornalistas da imprensa nacional, mas sobretudo internacional lidam com o conteúdo noticíoso de determinadas matérias,só é posssível pois nunca nada acontece aos mesmos.

    Não se deve aplaudir regimes mais rigorosos (autoritários sem ser ditatoriais), mas aqui certamente prevelece o INTERESSE PÚBLICO. Queremos informação livre e sem censura, mas sempre que houver improdência ou pouco profissionalismo, com grave prejuízoda imagem e interesses nacionais, ALGUÉM TEM DE SER RESPONSABILIZADO.

    Os nossos cidadãos devem ter o sentido de Estado, o Patriotismo. a noção do Bem Colectivo para agir com consciência de que devemos zelar pela boa imagem do país.

    Não vpassr apenas a ideia de que tudo é maus e que o país não tem futuro. Os jornalistas pelo papel que exercem de INFORMAR COM VERDADE E RIGOR devem ter o cuidado com as suas opiniões.

    Se o abusrdo da notícia pela improbabilidade dos números não fosse só por si suficiente para sabermos que é inverosímel a notícia. Bastava pensar na “asneira que são os números apontados, 35.000 mil em 185.000 mil corresponde a perto de 5,3% da população. Logo os cálculos não batem certo.

    Só por curiosidade 35,112 mil votos foram os votos necessários para se eleger em 2011 o actual PR, seria alguma vez sustentável que existisse um universo de casos de HIV nest ordem.

    Dito isto, não deixa de ser um aviso para se começar a encarar os problemas em volta desta questão com o cuidado que merece e é devido.(mudança nos hábitos sexuais, nos comportamentos de risco, etc)

    Grande poder traz consigo grandes responsabilidades!

  16. Dinis

    4 de Dezembro de 2015 as 11:11

    Quanta falta de rigor e seriedade no desempenho das funções!!!
    Se a notícia tornada pública pelo jornal “a bola” no passado dia 02 de Dezembro teve efectivamente como fonte o tal coordenador do programa de luta contra SIDA, que por sua vez vem desmentir a mesma (notícia) no dia seguinte no “Andim Live” com cálculos e percentagens absurdas sem falar de falta de cuidados na linguagem, este caso merece uma atenção cuidada das autoridades santomense.
    Isso tudo somado equivale a falta de responsabilidade, falta de formação e de informação e definitivamente a que chamar essas pessoas à razão, pois não podemos ter pessoas com estas capacidades liderando um programa de tão alta responsabilidade, pois este não é o único “líder” a cometer gafes deste género.
    Que país é este?
    Segundo o governo, com a isenção de visto para membros da UE, USA, Canadá e CPLP abre-se as portas do país ao mundo, para um fim que para mim não ficou bem claro…creio eu, ser para fomentar o turismo/negócios e para apimentar este propósito, vem o Sr. Coordenador Bonifácio Sousa dizer ao mundo que cerca de 19.4% da população está infectado com HIV.
    E assim vamos nós…até quando? Mais um tema para reflexão nesta reta final do ano.
    Um grande bem haja!
    Santo e Feliz Natal à todos.

  17. Nilton Garrido

    4 de Dezembro de 2015 as 15:17

    Não sendo especialista na matéria, e na ausência de todos os elementos fiáveis para melhor decifrar os números avançados pelos jornais, pela minha análise, no máximo 8% (14.472/187.000*100) da População de STP poderá estar infetada. Ora Vejamos se a taxa de prevalência de vírus em São Tomé é de 0,6%, significa que em cada 100 indivíduos 6 estão infetados. Basta uma regra de três simples para concluirmos que em S. Tomé existem 11.220 indivíduos com HIV. Raciocínio idêntico para RAP (tx=1,2%), num universo de 7.000 habitantes, facilmente se concluí que naquela região existem cerca de 840 infetados. Logo o Total de STP seria 12.060 indivíduos com HIV. Considerando que muitos indivíduos fogem de teste como diabo da Cruz, e admitindo que a cifra ronda 20%, então o total de infetados em STP seria 14.472 indivíduos.

    • JUVENCIO AMADO D'OLIVEIRA

      7 de Dezembro de 2015 as 9:26

      Caro Nilton, fizeste as contas mal, pois 0,6% no Príncipe são 84 (oitenta e quatro) e não 840 (oitocentos e quarenta) como anunciaste.

  18. FCL

    4 de Dezembro de 2015 as 22:02

    E isto que e Dubai de África?
    Meu deus… !!!

  19. FCL

    4 de Dezembro de 2015 as 22:18

    Mas realmente, se a taxa de prevalência e de 1,2% em Sao Tomé e de 0,6 % no Príncipe o valor nao pode ser 35 000, mas sim perto dos 2000. Se foi o responsável do programa em STP o autor desta noticia deveria ser despedido e obrigado a regressar a escola….

  20. ANICETO DE SOUSA PENHOR

    4 de Dezembro de 2015 as 23:12

    Boa noite Caras e Caros Santomenses

    Antes de entrar na matéria em epígrafe (elevado numero de infetados de vírus de sida em São Tomé e Príncipe), quero lamentar a existência de tanto possidónio opinando, mesmo pejorativo, ou não sobre a matéria, ficando nós todos sem saber de quem são as opiniões.
    Para dizer que:
    Esta noticia que Tela Non replicou, é uma grande falta de respeito pelo povo Santomense, não só, como também, um certo desrespeito pelo governo de São Tomé e Príncipe. Assim deve o Governo Santomense tomar medidas necessárias públicas no sentido que o órgão de comunicação social responsável pela esta intentona seja responsabilizado civil e criminalmente pela elevada bizarrice e caluniosa notícia.
    Um Bem Haja
    Aniceto de Sousa Penhor

  21. sida

    5 de Dezembro de 2015 as 9:30

    Precisamos legar a prostituicao
    Precisamos criar Lei que incrimina contaminacao premeditada;
    Precisamos revers os calculos que permitiu chegar 35.000Pax.

  22. Gerhard Seibert

    5 de Dezembro de 2015 as 16:04

    O número de 35.000 infetados com HIV corresponde a quase 19% da população de 187.000. Não é credível nem possível, visto que “na ilha do Príncipe…a prevalência do SIDA é maior, atinge 1,2% e na ilha de São Tomé por sinal a mais populosa, ronda os 0,6%”.

    Abraços

    Seibert

  23. Sidaland

    5 de Dezembro de 2015 as 16:30

    A acrescentar a todo este panorama a não necessidade de visto para entrada de doenças e afins, porto de agua profundas, pobreza e insuficientes medidas preventiva, dentro de de uns vinte anos era uma vez São Tomé e Príncipe….

  24. Nilton Garrido

    6 de Dezembro de 2015 as 21:36

    Autocorreção.
    Não sendo especialista na matéria, e na ausência de todos os elementos fiáveis para melhor decifrar os números avançados pelos jornais, pela minha análise, no máximo 1% (1.397/187.000*100) da População de STP poderá estar infetada. Ora Vejamos se a taxa de prevalência de vírus em São Tomé é de 0,6%, significa que em cada 1000 indivíduos 6 estão infetados. Basta uma regra de três simples para concluirmos que em S. Tomé existem 1080 indivíduos com HIV. Raciocínio idêntico para RAP (tx=1,2%), num universo de 7.000 habitantes, facilmente se concluí que naquela região existem cerca de 84 infetados. Logo o Total de STP seria 1.164 indivíduos com HIV. Considerando que muitos indivíduos fogem de teste como diabo da Cruz, e admitindo que a cifra ronda 20%, então o total de infetados em STP seria 1.397 indivíduos. Portanto os 35.000 infetados avançado pelos jornais não fazem qq sentido

  25. Francis Mekano

    7 de Dezembro de 2015 as 10:02

    Não vou referir aos vários comentários,mas simplesmente ao comportamento dos nossos jornalistas; A noticia correu o mundo,foi divulgada fora do país porque ela foi veiculada a partir de STP,por quem? de certeza por jornalistas santomenses que ao invés de ajudarem o país,prejudicam-no com noticias alarmantes que não correspondem a verdade.Uma critica muito forte ao Abel Veiga que considero um dos melhores jornalistas da nossa praça pela sua coragem e frontalidade mas que dessa vez falhou com uma desculpa que não convence ninguém; SE a noticia já estava a correr o mundo era dever do Abel Veiga sendo jornalista residente no país ir a fonte e confirmar e só depois transmitir a noticia e não fazer ECO de uma noticia estrangeira cujo motivo desconhecemos. Amigo Abel seja humilde e reconhece que falhaste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo