Destaques

Arroz dito“SUJO” e enfarinhado está a ser rejeitado em Lobata

Nilson da Trindade dos Ramos Sousa(na foto), residente na roça Plancas Segunda, no distrito de Loba, procurou a imprensa estatal para denunciar o mau estado do arroz que a Câmara Distrital de Lobata, está a vender para as populações das comunidades agrícolas e não só.

Mas, diz que a sua intenção foi rejeitada pelos órgãos estatais de comunicação social, incluindo a Rádio Comunitária do seu distrito. Segundo o cidadão de Plancas Segunda, a Rádio Comunitária de Lobata, é partidária e gerida directamente pelo Presidente da Câmara.

nilsonO cidadão, que passou toda manhã de quinta – feira na capital são-tomense, procurou também o Téla Nón, e conseguiu então denunciar a situação do arroz que está a ser vendido no distrito. «A população constata que o arroz está estragado. Não está em condições para ser consumido. As comunidades estão aborrecidas com o poder local que levou o arroz para o distrito», afirmou Nilson da Trindade Sousa(na foto).

Segundo o cidadão que é comerciante na comunidade de Plancas Segunda, tanto na sua comunidade como nas outras, nomeadamente em Água Sampaio o arroz enviado pela Câmara de Lobata, está a ser rejeitado pelos populares.

Mostrou para o Téla Nón, cerca de 2 quilos do arroz, num saco plástico como amostra para confirmar o avançado estado de deterioração do produto, Nilson da Trindade Sousa, recordou que nas eleições de Outubro de 2014, o arroz foi definido pela ADI e pelo seu líder como “O Poder do Povo”. «Ele disse que arroz é o “Poder do Povo, não está a ser confirmado. Estamos a ver que o homem não cumpriu a promessa de campanha», precisou.

Nem o preço a ser praticado que passou a ser lei, após uma deliberação do Conselho de Ministros não está a ser cumprido. Nilson da Trindade Sousa, garante que nas comunidades do distrito de Lobata, e no país em geral, o arroz que deveria ser vendido a 13 mil dobras o quilo, conforme a decisão do Governo, chega a ser vendido por 25 mil dobras o quilo, cerca de 1 euro. «O arroz está sujo e enfarinhado», referiu.

Comerciante em Plancas Segunda e membro do Conselho Nacional do partido ADI, Nilson comprou vários sacos do arroz para revenda, mas agora está de mãos atadas.

As múltiplas tentativas do Téla Nón para ter a reacção do Presidente da Câmara de Lobata, o ex- jornalista Policárpio Freitas, em relação a denúncia do arroz sujo e enfarinhado, resultaram em fracasso.

O leitor pode também escutar mais pormenores da denúncia do comerciante do distrito de Lobata. Para além da deterioração do arroz, denuncia outras situações, com destaque para o atentado a liberdade de expressão e de imprensa na rádio comunitária de Lobata.

1 –

 

2 –

 

Abel Veiga

    16 comentários

16 comentários

  1. Santola

    18 de Dezembro de 2015 as 1:14

    Arroz sujo e enfarinhado, ainda por cima 25 mil dobras?, é muita corrupção nessa câmara de municipal de Lobata, medidas urgente tem de ser tomada.

    • "beleza africana"

      18 de Dezembro de 2015 as 16:44

      O barato sai caro
      viva arroz 13 contos
      viva ADi

  2. fokoto

    18 de Dezembro de 2015 as 8:09

    Agora sim . Estamos perante um arroz podre que o ADI força o povo a comer e que a própria população rejeita.
    O arroz podre do Delfim era só uma caalúnia do ADI para deitar abaixo esse ilustre e invejado politico santomense.
    O povo tem neste momento a legitimidade de sair a rua e denunciar esta acão antipatriótica do ADI e do seu governo.
    É hora cortar o mal pela raiz antes que ele cresça e transforme num monstro.

  3. boca Pito

    18 de Dezembro de 2015 as 8:21

    Muito bem.
    Assim é que a participação das Instituições do Estado para cumprir com o seu dever e atribuição, para o dignificar o próprio Estado.
    Após essa Denúncia do arroz sujo e enfarinhado, a Direcção de inspecção Económica já abriu um inquérito, enviou a tal denúncia ao Ministério Público e está fazendo o seu trabalho com o devido profissionalismo.

    Um bem haja para todos.

  4. Zé Facebook

    18 de Dezembro de 2015 as 8:52

    Não é o arroz que está poder, a ADI é que está.

  5. arroz 13 conto

    18 de Dezembro de 2015 as 9:58

    Tão a chorar o quê?
    Não nos deram maioria absoluta?
    Maioria absoluta é Também PODER ABSOLUTO.
    Vamos vos dar ainda pior : O PÃO QUE DIABO AMASSOU.
    Viva adi.t

  6. Augusto Vila Nova

    18 de Dezembro de 2015 as 11:17

    Rádio comunitária não pode ser partidarizada. É da comunidade. O presidente de câmara nem sabe como surgiu a rádio e tomou-a de assalto, fazendo campanha e baixa política através dela. Isto está péssimo.Esta rádio surgiu através do projecto Padrul e transmitia em fase experimental desde o governo de Gabriel Costa. Este governo de P.T. que nada faz, só sabe inaugurar o que é feito pelos outros, transformou o bem da população em veículo de campanha do ADI.
    Talvez não saiba o que é uma rádio Comunitária. Então elucido:
    Rádio Comunitária é um tipo especial de emissora sonora em FM, sem fins lucrativos, com potência limitada criada para proporcionar informação, cultura, entretenimento e lazer a pequenas comunidades.

    A Rádio Comunitária deve divulgar a cultura, o convívio social e eventos locais; noticiar os acontecimentos comunitários e de utilidade pública; promover atividades educacionais e outras para a melhoria das condições de vida da população.

    Uma Rádio Comunitária não pode ter fins lucrativos nem veículos de qualquer tipo, tais como: partidos políticos,câmaras distritais, instituições religiosas etc.
    Deve possuir uma programação diária com informação, lazer, manifestações culturais, artísticas, folclóricas e tudo aquilo que possa contribuir para o desenvolvimento da comunidade.
    Deve respeitar sempre os valores éticos e sociais da pessoa e da família e dar oportunidade à manifestação das diferentes opiniões sobre o mesmo assunto. Não pode, em hipótese alguma, inserir propaganda comercial, a não ser sob a forma de apoio cultural, de estabelecimentos localizados na sua área de cobertura.
    A AGER parece que está a fazer ouvido de mercador em relação à anomalias técnicas registadas nesta rádio local.

  7. budu cu tê pezu

    18 de Dezembro de 2015 as 11:23

    anteriormente no tempo de MLSTP/PSD e PCD, havia crítica na televisão TVS e rádio nacional, mas agora é cala bouca assinãoooooooooo…

  8. Comentario

    18 de Dezembro de 2015 as 13:03

    Em são tomé e príncipe tinham feito um crucifixo ao ao delfim neves, que ele é ladrão do arroz e consequentemente trouxe arroz podre para o país, e agora?
    Quem é verdadeiramente ladrão de arroz? O arroz de 13 contos a venda em são tomé e príncipe o ADI tem vindo a dar o arroz a certos individos tais como: ivo joão ribeiro, que recebeu 3500 sacos e deu aou seu filho para vender na zona de água arroz, é vergonhoso um deputado fazendo negócio de forma oficial, mais deram também o vava junqueira 250 sacos

  9. Felisberto Bandeira

    18 de Dezembro de 2015 as 13:16

    Isto sim é a demonstração da instrumentalização do monopolio do sistema de politica da Ditadura no Pais, ADI fez e uma series de promessas e não rsta a comprir nem uma;
    E de louvar e agradecer a Deus pela iniciativa e dedicação da denucia feita por este jovem e a cada dia iremos conhecendo o chefe bandido e ADI

    • Edler

      18 de Dezembro de 2015 as 15:21

      STP centro de formação profissional de Políticos malandro …

  10. Edler

    18 de Dezembro de 2015 as 15:12

    Enfim…

  11. STP-Alerta

    18 de Dezembro de 2015 as 23:22

    Povo de STP eu confirmo a informação do jovem, também comprei um saco no supermercado Colombo e está no mesmo estado, arroz amarelado e esfarinhado. Eu fiquei de levar o saco na próxima semana para devolver e sei que muitos farão o mesmo. Se o governo está a trabalhar para o bem do povo como dizem sempre então tem que por comida em condições para o povo. Andaram a criticar os anteriores e são a farinha do mesmo saco, estão todos a tentar ficar rico em 4 anos, andar com as mulheres de pessoas da oposição, as secretárias são comidas na hora de trabalho, corrupção a vista de todos, não estão preocupados com a desgraça do povo. Estamos em 4 anos de chungarias, não ha liberdade de expressão, quem consegue desviar essa barreira é posto de lado, persiguição desenfriada a quem não é do ADI, até parece que as pessoas que não são do partido do poder tem doenças graves, enfim estamos numa ditadura discarada e as entidades internacionais continuam a acreditar nesses senhores de sorrisos falsos. Mas deus é grande vamos poder dar volta por cima a terra é de todos os santomenses mas parece que neste momento ha nova nacinalidade “ADImense”. Peço as senhores deputados de oposição para ajudar o país é unico espaço onde ainda ha possibilidade de falar alguma coisa, por isso façam favor de abrir a boca já temos a RNSTP na net é uma oportunidade para a diaspora e a comunidade internacional ouvir o que se passa no país, vocês são a voz deste povo que sofre. Não posso desejar bom natal a todos porque as coisas não vão bem, Zémé só!…

  12. Gabriel Furlani Schultz (Rio de Janeiro - RJ)

    20 de Dezembro de 2015 as 11:14

    Parece a princípio que todo o arroz importado a STP provém da Ásia. Ao priorizar esse fluxo Ásia-STP, o governo de STP parece prestar pouca atenção ao seu irmão do outro lado do Atlântico: o Brasil. O país hoje tem a sétima maior produção de arroz do planeta, em cerca de 13 milhões de toneladas por ano, o que abastece mais de 100% da demanda interna. É o maior país ocidental, fora da Ásia, na produção desse grão. E desde Outubro de 2015 anda a negociar exportação de arroz para o México, país de 124 milhões de habitantes.

    O Brasil por meio da Embrapa (Empresa Brasileira de Agricultura) e a ABC (Agência Brasileira de Cooperação) poderia facilmente exportar arroz subsidiado à STP se a ação diplomática são-tomense fizesse um requerimento formal e fundamentado ao Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Agricultura e à Secretaria de Segurança Alimentar em Brasília, que se envolvem em projetos internacionais.

    Enfim, diversificar o fluxo de arroz à STP é uma boa medida para assegurar a segurança alimentar nacional. Todavia, não parece em tese que o Governo são-tomense tem um interesse forte na aplicação de tal política.

    Só como exemplo, segue o link, no qual o Brasil doou 5 mil toneladas à Gâmbia, por requisição daquele país:
    https://www.wfp.org/news/news-release/brazil-donates-5000-metric-tons-rice-wfp-emergency-operation-gambia

    Abraços aos irmãos são-tomenses e que o ano de 2016 seja um ano de bençãos

  13. Jovem de Deus

    20 de Dezembro de 2015 as 12:20

    Eu tambem comprei um saco desse arroz a 390 mil dobras na praça e quando abri o saco o arros estava com uma cor estranha, contendo pingos castanho em cada grão de ARROZ.

  14. Trovoada

    22 de Dezembro de 2015 as 11:35

    Grandes aldrabões e corruptos. Sinceramente que eu estou passado da cabeça com esta história. Eu nunca mais confio no Patrice Trovoada depois dele chamar nomes aos outros está a fazer pior que eles. Ele que me venha sair com conversa de fazer boi dormir para votar ADI de novo. Malditos aldrabões.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo