00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

Casos de paludismo aumentaram 2% no primeiro trimestre de 2016

A situação do Paludismo em São Tomé e Príncipe conheceu este ano uma redução de 90 porcento dos casos. Em 2015 não se registou qualquer vítima mortal.

Comparativamente com o mesmo período ou seja em relação ao primeiro trimestre do ano 2015, registou-se um aumento de 2% de casos de Paludismo.

Segundo Hamilton Nascimento, coordenador do programa de luta contra o paludismo, o aumento deveu-se a recusa de pulverização intra-domiciliar por parte de alguma franja da população. A pulverização intra domiciliar que já vai no seu décimo ciclo é de extrema importância tendo em conta que é uma das estratégias mais eficazes e que tem trazido bons resultados, acrescentou o responsável.

O programa Nacional de Luta contra o Paludismo está a preparar a nova estratégia para que a Região Autónoma do Príncipe entre na fase de eliminação do Paludismo. Não tem havido casos autóctones de Paludismo no Príncipe.

Para Hamilton Nascimento vai ser reforçada a colaboração transfronteiriça quer na Região autónoma do Príncipe, quer na ilha de São Tomé. A vigilância vai ser eleita como uma das intervenções essenciais de base na luta contra o paludismo.

No entanto, o distrito de Lobata na zona norte do país, está identificada como um dos distritos, onde se regista maior caso de Paludismo. Tudo porque a população Lobatense mostra-se resistente e recusa abrir as portas de suas casas para a pulverização intra-domiciliar.

A coordenadora para Área de saúde de Lobata, a Médica Filomena Monteiro aproveitou o 10 º ciclo de Pulverização para apelar a população do distrito a abrirem as portas de suas casas, para facilitar os trabalhos dos agentes pulverizadores.

O dia Mundial de Luta contra o Paludismo ficou marcado com um acto central presidido pela Ministra da Saúde, Maria de Jesus Trovoada na sede da Associação Cabo Verdiana Kê Morabeza e sob o lema” Eliminemos o Paludismo para o nosso bem”.

Na sua alocução, o representante da Organização Mundial da Saúde, Zetesamele Coddy disse que é possível termos uma África sem paludismo até 2030 se houver uma forte coordenação e implementação de serviços e medidas definidas. Mecanismos eficazes de financiamento e de acompanhamento dos projeto devem ser adoptados.

Essas medidas segundo ainda Coddy, irão melhorar e potenciar a solidariedade existente a nível mundial e regional, e transformar a eliminação do Paludismo num movimento social ao nível de todo o continente.

Recorde-se que em Maio de 2015, a Assembleia Mundial da Saúde, aprovou uma nova estratégia técnica global para a Malária, com o objectivo de garantir o controlo e eliminação da doença entre 2016 e 2030.

Uma das metas preconiza a eliminação da Malária em pelo menos dez países até 2020.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    Titano Responder

    Isso seria novidade se houvesse empenho de todo, só sabem reclamar do povo sobre isso e aquilo, o problema do paludismo é de todos,se pensaram que bastava pulverizar estão completamente enganados, o insecto adora sujeira, o que de lixo temos no país ultrapassa a população do mosquito. De focos de mosquitos só para citar alguns, via de Rua Padre Martinho Pinto da Rocha, São João da Vargem, Mercado Novo, Mercado Municipal, Edifícios velhos e abandonados, não caberia espaços para citar todos. A pergunta é porque ainda continuam a apoiar este país????

  2. img
    jorge de jesus Responder

    Aqueles surdos e mudos que não aceitam pulverizar as suas casas, pondo a vida de todos os residentes deste país em perigo, que Diabo os Leve para o Inferno.
    Fui um dos torturados pelo paludismo. Sei quanto custa oo paludismo. Agradeço muito aos sucessivos governos e a cooperação taiwanesa por nos ter aliviado deste sofrimento. Mesmo assim existem uns atrasados mentais, que nem sabem o que estão a fazer para impedir oo desenvolvimento deste país.
    No entanto, as autoridades também têm culpa. A pulverização não pode nem deve ser algo voluntário. A equipa de pulverização devia estar acompanhada de autoridades judiciais e policiais para obrigar a estes estúpidos aceitarem a pulverização. O Governo devia aprovar um Decreto quue obriga as pessoas aceitarem a pulverização.
    A equipa de saúde, devia tomar os nomes de todas as pessoas que não aceitam pulverizar, de modo que quando aparecerem nos centros de saúde com paludismo, recusar fazê-los tratamento. Só as crianças seriam aceites por serem inocentes, mas todos os adultos destas casas deviam ir para a casca da rolha fazerem o tratamento.
    Quero apelar ao Governo e todos os órgãos de soberania, qua aprovem uma lei que obriga a pulverização nas casas contra o paludismoo. Por favor, façam-me este favor. Falo em nome próprio e em nome de todos aqueles que já sentiram na pele o horror do paludismo.
    Bem Haja STP
    JJ

  3. img
    Sinto triste Responder

    Até o final do ano passado estávamos a ir no bom caminho, rumo a eliminação do paludismo. Mas por causa de alguns ignorante e atrasados os casos vem aumentando, só neste trimestre dois casos pra quem estava a zero é muito. Por favor ajudem o CNE/PNLP!!!!! já temos o apoio financeiro do PNUD nos falta é unirmos para acabar com este mal de uma vez por todas. Rogo aos decisores que obrigam as pessoas a pulverizarem as suas casas para o bem de todos nós. O paludismo se voltar desta vez, vai ser para acabar com todos nós.
    Lembrem do que aconteceu na era do DR. Guadalupe de Ceita?????

Deixe um comentario

*