00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

COP22 em missão para conhecer a sociedade civil de África

17 de Agosto de 2016 – O Pólo de Sociedade Civil da COP22 iniciou no passado fim-de-semana uma missão por 12 países africanos com o objectivo de fortalecer a mobilização de entidades não-governamentais no continente e encorajar a sua participação na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, agendada para Marraquexe, entre 7 e 18 de Novembro. A missão irá englobar diversas reuniões em cada país com ONG, associações e entidades activas no terreno que desenvolvem acções relacionadas com as alterações climáticas e desenvolvimento sustentável.

A primeira fase desta missão, organizada em colaboração e com o apoio do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Marrocos, irá incluir África do Sul, Camarões, Etiópia, Gana, Quénia, Nigéria, Uganda, Republica Democrática do Congo, Ruanda, Sudão, Suazilândia e Tanzânia.

A participação da sociedade civil Africana na COP22 é essencial por vários motivos. Primeiro porque a sociedade civil internacional, incluindo estudiosos e peritos, desempenhou um papel fundamental no processo que levou à concretização do Acordo de Paris. Além disso, COP22 em Marraquexe pretende abordar o tema “Sul”, nomeadamente o continente Africano e Pequenos Países Insulares em Desenvolvimento. Por último, a resistência às alterações climáticas exige uma actuação ao nível internacional, regional e local”, declarou Driss El Yazami, director de Actividades da Sociedade Civil na COP22.

Um dos principais focos do Pólo de Sociedade Civil da COP22 consiste em aumentar a consciência e acção entre as entidades não-governamentais em Marrocos sobre questões ambientais e também estabelecer fortes parcerias com a sociedade civil internacional. Estas entidades deverão desenvolver um trabalho a longo prazo para apoiar estruturalmente o desenvolvimento de um sector da sociedade civil alinhado e comprometido com as questões ambientais e, em particular, a luta contra as alterações climáticas após a COP22.

Mais informações em anexo.

Contacto para a Imprensa:

Marco de Comunicación

Rita Carvalho: rita@marcodecomunicacion.com

Alexandra Dias: alexandra.dias@marcodecomunicacion.com

 

Notícias relacionadas

  1. img
    ANCA Responder

    Se se é premente mobilização sociedade civil Africana para questão ambiental, de alteração climáticas, dada a sua importância, implicação hoje.

    Deveras fundamental é a reflexão, que os Estados e Sociedade civil Africanas devem analisar, pesquisar, abordar, investigar, em que estado de “desenvolvimento sustentável”, se encontram suas sociedades civis ou mesmo em que estado de desenvolvimento e dependências social, ambiental, politica, económica e financeira e alguns Países Africanos( o SUL), em relação ao centros Norte, que benefícios sociais económicos/financeiros(Industrialização/Progresso Económico/Social/Crescimento/Desenvolvimento, Classe Média, Bem estar), contribuição tiveram para destruição da camada de ozono, subida do nível do mar, chuvas acidas, fogos como se tem vistos, secas, chuvas torrenciais, alagamentos de cidades(muitas delas hoje visível no Norte, nos grandes centros, embora com efeitos também no Sul), para que hoje se se possa exigir, a sua participação, contribuição na COP22.

    E que tipo de exigência deveriam ou deverão, reflectir, analisar, contribuir ou fazer.

    Quando foram séculos e séculos até os dias de hoje o Norte e as suas populações a usufruir dos ganhos da escravatura, da industrialização, do progresso tecnológicos, progressos económicos e sociais.

    Não obstante o sul deve fazer parte da solução jamais dos problemas e evitar caminhos económicos que levaram a hoje a razão destas mesmas conferências ou COPP22 ou seja lá o que for.

    O Africano deve despertar para sua realidade a realidade que o envolve a nível local regional mundial, o despertar de interesses gananciosos que mais uma vez põe a lanterna sobre África, com conluio de uma classe de dirigentes miseráveis, sem cultura Sócio -Histórica – Económica – Financeira.

    -Tomar acreditar de antemão a condução dos seus destinos.

    Africano acredita em ti

    Tu é capaz

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe África

Deixe um comentario

*