Doença desconhecida: OMS em mobilização geral para apoiar STP

O Governo são-tomense em parceria com a OMS, já elaborou o Plano de Acção de Resposta a doença de origem desconhecida, designada Celulite Necrotizante.

Num ateliê sobre o reforço da vigilância do surto da Celulite Necrotizante, Claudina Cruz, encarregada do Escritório da OMS em São Tomé e Príncipe, declarou mobilização geral da Organização Mundial da Saúde, para ajudar São Tomé e Príncipe a enfrentar o desafio que a doença de origem ainda desconhecida coloca ao país. «A OMS a todos os seus níveis mobilizou-se para apoiar o país na luta contra este flagelo que ameaça o sistema de saúde e terá impacto negativo na economia nacional e na qualidade de vida dos afectados», declarou Claudina Cruz.

O evento destacou o reforço do sistema de vigilância epidemiológica, a validação das propostas de definição dos casos para agentes de saúde comunitários e técnicos de saúde, e o protocolo de investigação de epidemia.

O Plano de Acção de Resposta à Celulite Necrotizante, já foi validado.

Um doença que cada vez mais se posiciona como um desafio ao presente do país. «É importante constituir a cadeia de transmissão embora ainda não se conheça a fonte.

A amplitude deste surto associada ao nível da sua complexidade e a limitada capacidade de resposta do sistema de saúde determinam o grau de urgência atribuído pela Organização Mundial da Saúde na sua resposta», acrescentou Claudina Cruz.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    Eliseu Sousa Responder

    Agora sou eu que não entendo. A ministra da saúde disse há alguns dias’ que a doença não é contagiosa e vem agoa a representante da Oms dizer que: …há uma cadeia de transmissão… Afinal em quem acreditar?

  2. img
    luisó Responder

    E porquê só agora?
    Já se fala disto há meses…
    Há muita gente distraída ou com medo de trabalhar…..

  3. img
    Maria de Fátima Santos Responder

    Eu prefiro acreditar na dra. Claudina pela sua experiência e entrega. Ela é do tempo em que ainda se faziam bons ministros da saúde, bons tecnicos pensantes e agentes, do tempo em que ainda se ouvia a voz de equipas capazes de fazer e executar políticas de saúde e não fazer política com a saúde. Quem sabe sabe quem não sabe conta histórias. Temos o que temos! O desleixo e “muito saber” de 6 anos deu-nos pela primeira vez em ??? anos uma doença desconhecida a qual nem soubemos controlar a tempo! Qual será a proxima? Haja Dubai!…

Deixe um comentario

*