Jovens delinquentes pedem apoio para tratamento e reinserção social

No grupo de 9 jovens assaltantes que a PIC apresentou a imprensa na última semana, dois deles, manifestou interesse em falar para a comunicação social.

São jovens de 20 anos, com um longo cadastro de criminalidade. Os seus 20 anos de idade foram passados mais tempo entre a sela da PIC e a caserna da Cadeia Central. 20 à 30 dias após a decisão do Tribunal em coloca-los em liberdade, acabam por cometer mais um crime e regressam a casa penitenciária.

Adilson Boa Morte, vulgo “ Mão Queimado” e Paulo Jorge Fonseca, vulgos “Pajó” são delinquentes multi-reincidentes, e que nos últimos tempos tornaram as suas acções criminosas mais violentas. O uso de armas de guerra nos assaltos é uma das novidades.

Adilson Boa Morte, que conseguiu apoderar-se da arma de guerra do antigo Vice-Comandante da Polícia Nacional Kwakisiki Nascimento, manifestou-se surpreso consigo próprio. «Eu não sei o que dizer. Ninguém e nada me esforça a fazer isso. Não sei o que está dentro de mim que me leva a fazer isso», afirmou.

Explicou que por impulso abriu a porta da viatura do ex-vice-comandante geral da polícia e «retirei uma mochila que estava dentro do carro. Depois de abrir a mochila, vi uma arma. Tirei a arma e abandonei a mochila no chão».

O jovem considera que talvez esteja a ser possuído por uma força sobrenatural. «Não sei se fizeram coisa para mim, não sei. Peço ajuda para abandonar esta vida. Quero ter um trabalho e deixar esta vida», frisou.

Adilson, disse a imprensa não ser «a primeira vez que sou detido pela polícia por assalto». Um jovem multi-reincidente na criminalidade, mas que antes trabalhava como ajudante de operador de motosserra.

Paulo Jorge Fonseca vulgo “Pajó”, é outro jovem de 20 anos em plena perdição. «Assaltei o carro da Presidente da Câmara de Mé-zochi. Levei um computador portátil e um telefone. Os agentes da PIC prenderam – me e com razão, para que eu aprenda a lição e possa mudar de vida», desabafou o jovem delinquente.

Pajó acrescentou que «já fui detido várias vezes, mas desta vez apanhei uma correcção para mudar de vida».

É cada vez maior o número de jovens envolvidos na criminalidade violenta em São Tomé e Príncipe. Que futuro para o país? É a pergunta que se impõe a São Tomé e Príncipe nesta altura.

Na PIC o Téla Nón pôde registar que os jovens padecem de perturbações de foro psíquico. Sem um centro de acompanhamento, tratamento, e reinserção social, o futuro do país e a paz social estarão ameados de forma irremediável.

Abel Veiga

Notícias relacionadas

  1. img
    Mafiosos Responder

    Sai bandos de gatunos.
    Esses ai estão a usar a lábia para tentarem se safar

    Bandos de gatunos.

  2. img
    EX Responder

    Coitados deles, fazem os outros mal, mas sem justificação aparente, na realidade o país precisa de um Centro de Reabilitação, mas a reinserção e acompanhamento. Esses jovens são descriminados e marginalizados e para fazerem valer as suas forças e vozes cometem esses delitos as vezes somente para chamarem atenção, e se nada for feito começam a cometer crimes maiores até chegarem a assassinato e pronto já é o fim da linha pra eles e pra infeliz que cruzar caminhos deles.

  3. img
    Agua Ize Responder

    Ahahahahahahahahah

    Adorei a piada do jovem dizendo que está possuído por uma força sobrenatural e por só por causa disso é que é ladrão

    Isto é humor refinado, do melhor que ei já ouvi, esse rapaz tem que ser contratado para fazer programa de televisão, tem muito futuro como humorista

  4. img
    Brasileiro Responder

    Não que seja justificativa, mas, mesmo não sendo fácil fazê-lo, é preciso investir no social (esporte, lazer, cultura, educação, etc) e propiciar meios de renda à juventude, bem como incutir valores de bom convívio social.
    P.S.: é preciso ter controle de armamento também.

  5. img
    Gibom N'Guê Responder

    Acho que seria uma opção de salutar se o Telanon desponibiliza-se as imagens desses indivíduosnum formato para os leitores na melhor das hipóteses pudessem guardar porque de facto é o cúmulo.
    Agradeço a Pic e ao Sr. Tony Leal Teixeira como uma das caras desta instituição que já deu algumas amostras de que quer fazer algo em benefício do País, quando estamos numa república em todos só querem safar.

    • img
      Pumbú Responder

      Sim.
      Viva os poucos São Tomenses que podem e praticam o bem no país demonstrando dedicando o seu profissionalismo para a tranquilidade social.

  6. img
    Orhg Responder

    Tantos JOVENS REINCIDENTES…Será que estão a ser tratados como devem ser?
    Uma boa “porrada” que lhes faltam, se calhar, para pensarem bem na vida e parar com desculpas de que: “… fizeram coisa para mim…” e/ou “… o que está dentro de mim que me leva a fazer isso”.

    Criminosos perigosos, isso sim são!
    Começa assim, em breve vão começar a matar.

  7. img
    Vexado Responder

    O governo anunciou que irá, brevemente, erguer uma cadeia de alta segurança para por cobro a estes tipos de individuos.
    Essas politicas de reinserção tem elevados custos e o Primeiro Ministro não terá como tirar dividendos, por isso não lhe interessa.

    MAs construir cadeia com empresa de pessoas ligadas a si, já pode.

    Exemplo pratico disso, são os militares ruandesses que estão hospedados, nada menos e nada mais, na casa do senhor lucio cambista que trabalha para o Patrice trovoada.

    Posteriormente o Senhor cambista lucio dividira com o dinheiro com o senhor primeiro ministro.

    Este só quer saber de dinheiro.

    Varela está remodelando a sua casa com os 60 milhões que recebe. Deve-se sempre calcular com as horas extras e subsidios que recebe.

  8. img
    Clemilson souza Responder

    É fácil com dez anos atrás da grade vao dar uma lição para esses bandidos !

  9. img
    Brasileiro Responder

    O mundo está cada vez mais violento por diversos fatores, STP (que nunca tive o prazer de conhecer pessoalmente) me parece uma nação pacífica, umas das mais tranquilas do continente africano. Entretanto, é preciso ter cuidado com fatores que eventualmente se tornarão em transtornos sociais que culminarão em futuros problemas. No Brasil por exemplo a paz era o padrão, mas, as mudanças de valores, a concentração de riquezas que resultou em desigualdades, bem como o tráfico de armas e drogas originários de alguns países vizinhos acabaram por desestabilizar a sociedade neste aspecto. Fiquem atentos para a prevenção.

  10. img
    Montificano Responder

    Realmente é de lamentar os acontecimentos, nao culpo ninguém pois parecido com a minha educação so os meus irmãos tiveram, e graças a deus os seus comportamentos estão longe de serem parecidos com estes1 mas friso tambem que fala-se uma penitenciaria em bem-posta, espero que tenham conciência que estams mesma devia ter uma repartição e condições para os primario porque a maior parte destse foram para a cadeia com uma simples condenação de roubo de um telemovel ou coisas do genero não quero com isso çlhe retirar a punição, mas como diz o ditado peixe podre no meio de peixe bom já sabes o resultado, isso vai acontencendo au longo das estadias dos preso que são endusidos por outros no meio do desespero poco somos os que sabem tomar as decições mais corretas. resumindo e concluindo(a que haver uma separação entres os reencidentes e os primarios no estabelicimento pricional). apenas uma opnião!

Deixe um comentario

*