00 239 - 9906263 contact@telanon.info

Get Adobe Flash player

  1. img
    Titus Andronicus Responder

    NÃO, NÃO VAI! Tendo São Tomé e Príncipe as imensas fragilidades que tem, vai masé abrir portas ou agravar todo o tipo de criminalidade e patifarias: narcotráfico, tráfico de seres humanos, pedofilia, prostituição transfronteiriça, etc, e inundar o país de vendedores de cebolas em concorrência desleal aos são-tomenses. Este governo estava alucinado quando anunciou semelhante medida. Só pode.

  2. img
    ipontes Responder

    Santomense só sabem criticar iniciativa de outros Titus quando estiveres lá faça do teu jeito ok… deixa-la isso para como vai ficar, faz a tua parte trabalha mais e critica menos isso deveria ser a visão de todos santolas.. mente fechadas…………

  3. img
    Mina Zequentxi Responder

    O meu Voto é seguramente NAO! Foi depois de facilitarem a entrada dos angolanos em S. Tome sem um visto que a criminalidade se agravou em S. Tome, e agora o Comandante da Policia vem com cara-de-pau ”confessar” que as autoridades nacionais nao conseguem controlar a crinalidade no Pais? Assalto a mao armada com arma de guerra, AK 47 e tudo, citando o Comandante”??

  4. img
    Tony de cá Responder

    Lógico que se querem desenvolver o turismo o visto não pode ser um problema, como em qualquer País do mundo com indústria de Turismo á seria, exemplo Cabo Verde, com n voos diários desde Portugal e outros desde outros pontoa da Europa e Américas. Sim têm indústria de turismo.

    Agora o que se passa em Stp , quando chega um turista:

    - mais ou menos 2 horas de espera para receber as malas e fazer os trâmites de chegada.
    - se chove tem que vir do avião a correr
    - sai do aeroporto, tem que ter cuidado com as malas se não partem no piso que lá está.
    - não tem um sítio para tomar uma bebida ou um café, isto é, depois no mínimo de 6 horas de viagem.
    - encontra miúdos a pedir dinheiro por nada

    Assim alguns veem mas não voltam, pelo que sei entraram cerca de 14000 turistas o ano passado, não se sabe quantos viajantes vieram em negócios. Enfim, 14000 é simplesmente insignificante, não existe turismo em Stp, e sabemos porquê.

    Querem turismo, limpem as praias , organizem concessão das mesmas, deixem entrar cadeias de hotéis internacionais e acima de tudo tenham um aeroporto mais simplificado, é só ligar o descomplicometro….

    Também reitero, na minha humilde opinião, deixem lá os vistos, cobrem aos operadores uma taxa de entrada e de saída.

    Enfim não digo mais nada

  5. img
    Consciência Jovem Responder

    O desenvolvimento de qualquer sector económico, neste caso o turismo, não pode ser visto simplesmente numa perspectiva unidimencional.
    - Menor custo de transporte
    Viajar de Europa(Portugal) para Cabo-Verde fica 3 vezes mais barata do que para STP. Em média e dependendo da época (epoca alta por exemplo)de Portugal para Cabo Verde custa em média 320 eur e de Portugal para São Tomé e Príncipe custa em média 1100 eur.
    Talvés você amigo leitor exclama. Mas, Cabo verde é mais próximo de Europa do que STP!!!.
    Pois é, mas quantificando: De Lisboa para Cabo Verde(Praia):3020 Km
    De Lisboa para STP (S. Tomé) :4560 Km
    Diferença de Distãncia :1540 Km
    Ou seja, A diferença é cerca de metade (50%)de distãncia entre cabo verde e Portugal.

    Se Usarmos o mesmo raciocínio para o custo de viagem teremos a seguinte análise:
    De Lisboa para Cabo Verde(Praia):média de 320 euros
    De Lisboa para STP (S. Tomé) :média de 1100 euros
    Diferença de Custos :780 euros
    Ou seja, A diferença 1100/320=3,43 , ou seja o preço do Bilhete para Cabo verde é 3 vezes mais barato do que para São Tomé.

    Enquanto que a distância diz que de Portugal para São Tomé é como se fosse fazer uma viagem e meia(1,5) Portugal para Cabo Verde.

    Não esquecendo que outros aspectos como (aeroporto,estradas,iluminação pública,impostos,taxas e condições sanitárias) fazem diferença na vantagem competetiva para o desenvolvimento do turismo.

    Se fosse falar de cada um delas daria em livros.

    Um consumidor racional colocaria em evidência a questão de custo de oportunidade quando iria escolher viajar para São Tomé.

    O resto fica para Próxima Oportunidade

Deixe um comentario

*