O Festim Carnicento dos “Bichôs”

Publicado em 23 Nov 2009
Comentários; fechado

adelino-cassandra.jpgAdelino Cardoso Cassandra, apresenta mais uma matéria de reflexão profunda sobre a realidade são-tomense. As eleições, e outros aspectos da vida política e social do país, são detalhados no Festim Carnicento dos “Bichôs”.

O Festim Carnicento dos “Bichôs”

Com o reaparecimento dos porcos, depois da matança generalizada provocada pela peste suína africana, este seria o momento ideal para os nossos “Bichôs” brilharem, invadirem-nos o corpo, de forma impiedosa, começando pelos pés, e engordarem, silenciosamente, no prazenteiro epidérmico, momentâneo e ilusório, que nos proporcionam.

Por alguma razão, o epíteto de glorioso, assenta-lhes que nem uma luva encomendada, na proporção inversa dos estragos, individuais e colectivos, que nos proporcionam há 34 anos. Só assim se compreende que o senhor primeiro-ministro, vestindo a pele do “Bichô-chefe”, num gesto de mobilização das suas tropas, encorajou-as a lutarem para uma maioria absoluta, nas próximas eleições legislativas, espicaçando-as, com tal propósito, para o festim carnicento que se aproxima.

É a derradeira tentativa de repetição da história, pois, todos nos lembramos dos primeiros anos da independência e da eficácia do slogan “Unidos Venceremos” que fazia marchar os “Bichôs” e transformar as nossas casas, escolas, ruas, bairros, repartições, roças e distritos em autênticos matadouros sofisticados em prol da afirmação de uma ideologia ou de um projecto político totalitário.

Quantas pessoas da nossa terra, em particular da ilha do Príncipe, não foram perseguidas, presas e torturadas, injustamente, neste festim carnicento dos “Bichôs” que não poupava ou escolhia as vítimas? Um irmão meu, na altura com catorze anos de idade, não foi poupado neste festim porque ousou, voluntária ou involuntariamente, participar numa manifestação desmascarando as injustiças, na repartição dos recursos nacionais, praticadas contra a ilha do Príncipe.

O que não se fez, para mobilizar os “Bichôs”, em momentos cruciais de desesperança política, quando rareava o cheiro à carne humana? Lembro-me perfeitamente de, sob pretexto de tentativa de invasão do país por parte de potências imperialistas estrangeiras, se proclamar a união dos “Bichôs” em “Grupos de Vigilância e Defesa Popular”, para combater heroicamente o inimigo que ameaçava interromper ou acabar com o nosso festim. Tudo isto foi feito em prol de uma ideologia ou projecto político totalitário em total desobediência com os princípios mais nobres do respeito pelos outros e da dignidade da pessoa humana.

Eu estava convencido que tudo isto terminara e que os resquícios da sua manifestação ou presença seriam seriamente combatidos, sobretudo, por determinados forças ou individualidades, políticas e intelectuais, da nossa terra, que têm o dever e a obrigação de o fazer. Pura ilusão!

O senhor primeiro-ministro, do alto da sua glória reconquistada, entende que as eleições regionais e locais não se deveriam realizar, no país, porque seria um atentado ao festim carnicento que se avizinha e o país não conseguiu mobilizar fundos financeiros, segundo as palavras do seu ministro dos negócios estrangeiros, para tal capricho democrático.

Ninguém percebeu tanta trapalhada, incoerência e contradição política, nos desejos e posições destes senhores, que se auto-proclamam estruturalmente democratas. Se o país não conseguiu mobilizar fundos financeiros, há um mês, para a realização de eleições regionais e locais e era esta a justificação política, plausível e reiterada, para o seu sucessivo adiamento como, então, justificar agora, o rápido aparecimento de tais fundos que permitiram a convergência de interesses políticos, em presença, para a marcação da data da eleição legislativa, em contraposição com o argumento utilizado para a não marcação da data das eleições regionais e locais?

Nada de estranho, é este o conceito de democracia do nosso primeiro-ministro e dos seus apaniguados que correm, desalmadamente, para o festim carnicento que se aproxima.

Não deixando os seus créditos por mãos alheias, num registo retrospectivo inusitado, o nosso primeiro-ministro, vestindo, mais uma vez, a pele de “Bichô-chefe”, tira da cartola mais um truque sofisticado, típico da sua escola totalitária, com o objectivo de enriquecer a nossa democracia.

Não tendo o país, momentaneamente, inimigos imperialistas que perigassem a nossa especial democracia nem “Bichôs” voluntários que se quisessem mobilizar para a tarefa de constituição de “Grupos de Vigilância e Defesa Popular”, em prol do festim carnicento que se aproxima, o nosso primeiro-ministro mandou instalar, com uma urgência apreciável, na ilha do Príncipe, um radar, com aparente objectivo estratégico de defesa, aniquilando com tal propósito todas as possibilidades de recepção de sinal da R.D.P-África e R.T.P-África que constituíam referenciais informativos imprescindíveis na região e minimizavam as condições de isolamento imposto à ilha.

Mais uma vez, a história parece querer repetir-se. Em nome da construção silenciosa, ardilosa e sub-reptícia de um regime totalitário, o nosso primeiro-ministro, vestindo a pele de “Bichô-chefe”, e seus apaniguados, começaram por adiar, sine die, a realização das eleições regionais e locais e, agora, com pretexto kafkiano de defesa do nosso espaço territorial, isolam uma população inteira, do resto do mundo, cerceando-a de um dos mais sagrados direitos constitucionais – o direito à informação.

Saltámos, rapidamente, da privação eleitoral para a privação de informação, tendo sempre, como alvo preferencial, uma região específica da nossa terra – a ilha do Príncipe. Devagar, devagarinho, o nosso primeiro-ministro, vestindo a pele do “Bichô-chefe”, e seus apaniguados, bem identificados, vão fazendo o seu caminho, contentes com o festim carnicento que se aproxima.

Só falta dar mais músculos à componente militar e policial do projecto – coisa que está a ser feita sorrateiramente – e ensaiar, ardilosamente, uma hipotética revisão constitucional para que o puzzle se encaixe na perfeição. Daí a preocupação com uma maioria absoluta e a despreocupação com o combate efectivo à corrupção. Para apimentar a coisa, simultaneamente, tenta-se esmagar e humilhar, por via económica, financeira ou mesmo política, qualquer tentativa de arregimentação localizada que tente travar o caminho dos “Bichôs” para o referido festim.

É desta forma que o Príncipe começa a sofrer as consequências, sociais e económicas, da ousadia de querer desafiar, contrariar e lutar. Ninguém compreende, que, tendo o país adquirido um navio, recentemente, para transporte de mercadorias e pessoas, entre as duas ilhas, com o objectivo de minimizar os custos da dupla insularidade inerente, um alto funcionário do Estado, logo na viagem inaugural do referido navio, venha, à despropósito, salientar as insuficiências estruturais do negócio em causa, tendencialmente prejudicial no futuro, porque o número de pessoas que o utilizam é reduzido, tendo em conta os preços dos bilhetes praticados.

É óbvio que o preço, dos bilhetes, (150 Euros) para a referida viagem, é brutal e incompreensível para a generalidade da população do Príncipe. O mesmo se passa com o preço das passagens de avião (200 Euros). Quem se importa com isso? Não deveriam existir, a montante, mecanismos de subvenção estatal que normalizasse este problema e contribuísse para diminuir os níveis de injustiças praticados, especificamente dirigidos conta uma população da nossa terra?

Quem, no Príncipe, tem condições para pagar, cento e cinquenta Euros ou duzentos Euros, por uma deslocação, de barco ou avião, para S.Tomé? Não foi o senhor primeiro-ministro que disse, numa recente entrevista, quando confrontado pelo jornalista, relativamente às especulações sobre o seu salário, que em S.Tomé e Príncipe não existiriam mais de uma centena de pessoas que recebessem, pelo seu trabalho, mais de quinhentos Euros?

Se este é o diagnóstico do senhor primeiro-ministro, relativamente aos salários mais elevados, praticados no país, por que razão, em contradição com o referido diagnóstico, aceita que sejam aqueles os preços, das referidas deslocações, entre as duas ilhas, por imperiosa necessidade de lucro nos referido negócios, sem qualquer intervenção estatal para o amortecimento de tal sacrifício, no seio dos mais desfavorecidos?

Não se faz nada, por se tratar do Príncipe? E a estrada que vai ligar a cidade capital ao Sul do país, estimada em vinte e quatro milhões e meio de Euros, (o barco custou um milhão de Euros) que o senhor ministro, da referida pasta, sublinhou, ter como objectivo melhorar as condições de desenvolvimento do turismo, naquela zona, escoar os produtos dos agricultores ai residentes e, com tal, permitir o melhoramento da economia da região? Terá portagem, com o objectivo de dar lucro?

Por que razão as deslocações, entre o Príncipe e S.Tomé, têm necessariamente de dar lucro ou não serem abrangidas por quaisquer critérios de subvenção estatal? É esta a coesão territorial e social que se pretende para o país? Sim! É o castigo, tentativa de esmagamento e de humilhação, de uma região específica da nossa terra, porque os seus habitantes ousaram lutar, contrariar, em prol da afirmação da democracia na nossa terra e da justiça na repartição dos recursos nacionais.

No Príncipe, já há quem resmunga: sem o petróleo eles fazem isto; o que será com o petróleo! Por isso mesmo, acho que é dever da população do Príncipe, até como homenagem a todos aqueles que foram perseguidos, maltratados, e presos, no festim anterior, lutar e contrariar a organização do caminho que se prepara para o festim seguinte. Se não fizerem nada, agora, amanhã poderá ser tarde, e os “Bichôs” já estarão disseminados em todas as partes do nosso corpo.

Adelino Cardoso Cassandra

Notícias relacionadas