Análise

Conversas di Féla Má-Lungua

Para que não fiquem de fora e haver por aí quem maldizer, dois convidados são nomeados a sentar a nossa conversa. Abílio Neto, voz de São Tomé e Príncipe no Debate Africano da RDP-África e Ambrósio Quaresma, director do Parvo, o jornal digital e cronista desde as ilhas do Equador nas manhãs da mesma rádio.

As ilhas santas assistiram serenas e impávidas aos tumultos políticos desencadeados pela ADI a reclamar-se de mais deputados no Parlamento são-tomense que lhe pudessem sustentar as obras a mistura com as manobras de Patrice Trovoada, 17º Primeiro-Ministro de 21 anos de democracia insular. Nisto de Chefes de Governos nenhum democrata dos PALOP, nem de Portugal cujo texto constitucional, somos a cópia, tem lições a dar aos são-tomenses. Somos a mais avançada das democracias. Dúvidas?

O povo são-tomense, neste período de duas décadas, na paz e no sossego ou seja ao seu leve-leve elegeu para governar o seu destino, quatro partidos de diferentes apetências políticas: PCD, MLSTP, MDFM e ADI a associar a conta, mais três Presidentes da República. Questões?

Com feridas por sarar do passado, quer um e quer o outro, as vozes na RDP-África, a nossa amiga radiofónica (Festas Felizes e um Bom Ano!), não pouparam a maioria parlamentar acasalando os direitos de oposição em censurar o executivo ao pensamento do palácio presidencial. Má-fé!

O que o Presidente da República teve com a intenção ou melhor, com a manobra frustrada de ADI em matematicamente querer antecipar as eleições para ter a maioria no Parlamento acreditando que agora e já, as obras sociais e os números estariam do seu lado sem qualquer necessidade de casamentos prematuros?

O Presidente da República apenas cumpriu constitucionalmente a missão atribuída aos médicos vocacionados de assinarem as certidões de óbito. O Governo fugiu a Moção de Censura. Tombou depois de Patrice Trovoada ter orientado as suas tropas para fazerem barulho no Parlamento e, com o sangue a subir-lhes pela cabeça foram mais longe e chegaram a vias de facto. Soco para aqui, pontapé para lá e cabeça mesmo que pensa e para ler a Constituição e o Regimento da Casa, pronta a dar cabeçadas.

A primeira coisa que fiz a visionar o filme e com as facilidades de comunicação e informação, foi correr atrás dos países em que estávamos a fazer cabulas para ter os seus nomes na ponta de língua e defender-me de mangação de colegas estrangeiros. Ucrânia, Argentina e Correia do Sul são exemplos feios que ficaram gravados.

As duas vozes convidadas dos programas da RDP-África nunca estiveram em paz com o palácio presidencial. Pisaram a Constituição da República vezes enes, subvertendo os ditames constitucionais em obrigar o Presidente da República a obedecer a agenda de ADI.

Com uma outra interpretação e aprofundamento constitucional do representante de Cabo Verde no programa, finalmente, graças a Deus, o Abílio Neto, confessou na manhã de domingo, 16 de Dezembro que o maior obreiro e viajante pelas exigências dos novos tempos, (1º Ministro tem de ser um homem de negócios e viajar, fez-lhe vontades várias vezes), esticou muito a corda, sim, reconheceu tardiamente que Patrice Trovoada extremou por demais a guerra com o palácio presidencial. Nunca é tarde dizer-se a verdade. Parabéns Abílio Neto!

Não era preciso Patrice Trovoada perder o jogo para se lhe reconhecer o menos elegante e o pior, dar de borla o poder a oposição.

A ADI começou mal desde a interpretação errada que fez dos resultados eleitorais de 2010. Faltou democracia na Acção Democrática. Sendo o partido político de apetência governativa que esteve duas décadas, desde a sua formação em 1992 a espera que o povo lhe certificasse a governação das ilhas, o poder subiu a cabeça do seu líder, Patrice Trovoada, que assumiu governar em minoria sem qualquer sustentáculo parlamentar. A oposição de telhados de vidro corroborou dos desejos de ADI e a necessidade de estabilidade política e, deixou o Governo trabalhar, sim senhor. Mais de dois anos. Porque não a legislatura completa? A ADI fugiu do Parlamento.

Patrice Trovoada disse na primeira comunicação pós tumultos e a seguir a bênção recebida dos manifestantes de que era a primeira vez que o povo saía a rua espontaneamente para defender um Governo, claro, tombado por culpa própria de fugir aos esclarecimentos normais na democracia.

Ao subscrevermos de que a política é a arte de mentir, esteve bem, ou melhor, politicamente correcto. Esqueceu-se de que o banho sim, extemporâneo deu jeito a muitos participantes. Não disse que os motoqueiros e taxistas encheram os depósitos a conta de porem o povo na rua a gritar Patrice sai, Pinto sai. Esqueceu-se de que o comando das operações esteve entregue ao Secretário-Geral de ADI que mandava largar bomba no palácio presidencial com as palavras atómicas que lhe explodiam da boca em nome do país que tinha de entrar em caos sem a responsabilização da Acção Democrática Independente.

O Presidente da República não mediu palavras para contestar o acto de Evaristo Carvalho em abandonar a presidência parlamentar aquando do peito ao peito dos deputados. Quantos estômagos, quantos precisou Pinto da Costa para aguentar aos fuzilamentos de Patrice Trovoada e Levy Nazaré?

Se é assim que se faz a democracia na casa de ADI, quantos terão sido exigidos ao Evaristo de Carvalho para aguentar aquela miudagem desesperada e “formada” que Patrice Trovoada garantiu vida melhor em troca de tudo valer?

As obras foram feitas, o primeiro supermercado do país e as estatísticas, valendo ao que valem, subiram as ilhas no ranking de transparência e de gestão da coisa pública. E daí?

Não são obras de palacetes em Praia das Conchas, Favorita ou nas novas quintas dos nossos ricos da democracia. O país queria saber das obras do Estado, cujas contas são prestadas aos representantes do povo no Parlamento, mesmo sendo alguns acusados de corruptos e fugitivos da justiça refugiados na imunidade parlamentar.

Patrice Trovoada disse na sua grande entrevista ao moderador do Debate Africano, última e dias antes da escapadela do PM a Moção de Censura no Parlamento, de que não falava publicamente dos acordos secretos com aqueles políticos nem na comunicação social, porque o país é pequeno, as pessoas conhecem-se e encontram-se regularmente nas conversas di Féla Má-lungua e falam-se dos dossiers do Estado. Mais! O seu gabinete estava aberto a qualquer cidadão que quisesse saber dos negócios do Estado. Aberração!

Mandou provocação a oposição. ADI é partido formado por gentes novas e não a oposição que é de figuras caducas. Oh!

O XVº Governo Constitucional chefiado por Gabriel Costa, bastante heterogéneo com gente jovem e de gestão reconhecida veio a praça dizer que encontrou os cofres vazios. Devia ou não mostrar as calças rotas? Claro que sim! Qual é o mal? Se não o fizesse, o que o deposto PM viria dizer do estado em que deixou o tesouro público? Cheio de cacau. Né?

Com o Estado Social naufragado, o Estado Económico padecendo de enfermidades múltiplas e o Estado Político aos muros não se podia esperar de algum vintém nos cofres.

A ADI que ainda não sabe se é a oposição da oposição veio cedo demais reclamar de que a comunicação social estatal não lhe tem dado voz nas suas campanhas nos distritos. Esteve em Mé-Zóchi e não compareceu em Cantagalo, dois feudos do partido. Ké-Kúa!?

Os deputados de ADI devem regressar a casa do povo e sem um novo ring mostrarem quanto são praticantes da democracia para daqui a ano e meio o partido dar banho, infelizmente, ao povo que lhe agradecerá pelo tchiquila e pelas saudades de Patrice Trovoada que disse não largar o povo pequeno.

Li Carlos Graça «Memórias Políticas de um Nacionalista Santomense Sui Generis» e renovei a minha confiança nos são-tomenses e o ego dos meus pais terem optado pelo meu nascimento no canto sereno das ilhas santas e no meio do Mundo. Mais uma tempestade. Chegaremos ao bom porto!

Os políticos e mais gentes da sociedade profissional, juvenil e cívica das ilhas não o fizeram ou no mínimo não viram entre as letras o orgulho do homem são-tomense. Os negros das ilhas foram os primeiros a dar bailes do saber nas universidades portuguesas e comandavam o sentimento anticolonial dos cinco PALOP ainda no início do século XX. Pena!

O mundo permanece em suspense fazendo tudo para alongar a vida do maior dos Homens. Meditemos nas suas lições de prisioneiro e de reconciliador. Nelson Mandela devia ser o exemplo para todos nós, os africanos.

A ADI tem pela frente mais um desafio. Dentro de dias o Presidente da República recebe as Boas Novas do Ano dos cidadãos nacionais e estrangeiros. O partido não vai para lá mandar um qualquer pé rapado, fugindo os olhos nos olhos com Pinto da Costa. Patrice Trovoada e Levy Nazaré nas imagens a ficar na História devem ser os enviados de ADI a cumprimentar o Presidente da República, assinando com esse gesto, a tela da paz e da democracia.

Se o Abílio Neto em contramão com a República enxergou e já largou Patrice Trovoada com as suas cruzes, o que espera Ambrósio Quaresma, o director do “Parvo” para se despir da máscara?

Por tudo isso, nas manhãs de rádio houve quem viesse por paixão, sanzalice ou gosto de presentar juntar alho com bugalho e até dizer mal do meu país, ao ponto de retirar o nome santo no documento de nascimento. O que dizer se a democracia é isso mesmo? Liberdade de pensamento, de expressão e do contraditório. Talvez, como dizia o outro: Senhor! Perdoai a pobre criatura!

Bon Zuano ô!

José Maria Cardoso

31.12.2012

    16 comentários

16 comentários

  1. Levy Sanzaleiro

    31 de Dezembro de 2012 as 8:53

    Abílio e Ambrózio,
    São vergonha do bom nome SANTOMENSE.
    Obrigado Zé Luís o Caboverdeano do DEBATE AFRICANO.
    Ajudaste a Democracia Santomense.
    RECONHECEMOS.

    • povofala

      31 de Dezembro de 2012 as 15:26

      Governo gasta 3 mil dolares com aluguer de aviao para ministra de negocios estrangeiros ir ao Principe passar natal com os seus familiares.Natalia Umblina que se encontrava numa extensa reuniao de trabalho,perdeu o voo normal de segunda feira dia 24/12/2012 para ilha do Principe,onde iria passar a noite consoada com os seus familiares.O governo achou por bem desembolsar 3 mil dolares do cofre do estado,para garantir a viajem da ministra Natalia Umblina a sua ilha natal.Sabe-se ainda que a ministra teria pedido ao piloto que a aguardasse durante 30 minutos ,Mas o piloto recusou o pedido.Natalia foi a unica passageira a viajar no Dornnier 228 aviao de fabrico alemao pertencente a um empresario Holandes alugado a companhia STP-airways companhia de bandeira Saotomense,quando neste momento dezenas de pacientes,com alta hospitalar desesperadamente por uma oprtunidade de regressar a casa.Estas noticias o Jornal Tela-Non nunca esta presente para nos informar.Se fosse falar do Patrice Trovoada seriam os primeiros a falar de viajens do primeiro ministro e esbanjamento do dinheiro do estado com viagens.Eu espero que o Gabriel Costa fique ali a espera que as ajudas vem ca ter.Estas noticias passam sempre ao lado e voces nao publicam estao ca pra ver.

      • Afonsinho

        1 de Janeiro de 2013 as 10:17

        Meu amigo, voces de ADI mais é estão todos frustrados.Não venha com estas falações.NINGUÉM mais acredita em nenhum de vós,disciplos de Patrice TROVOADA,tá bem?
        Agora sim são VOCES QUE DEVEM DEIXAR O GOVERNO DE GABRIEL COSTA TRABALHAR.
        ADI—————RUA!!!! ADI era uma vez..

  2. são tome

    31 de Dezembro de 2012 as 9:00

    Fantástico, José Cradoso!
    Se puderes, envie uma cópia deste maravilhoso texto aos comentadores da RDP africa.Quem sabe assim podem colocar a sua consciencia na balança.

  3. Camboté

    31 de Dezembro de 2012 as 10:02

    Muito bem sr. José Maria Cardoso! Não duvidaria nada que o senhor realmente frequentasse a Féla di Má-Lungua em Pantufo. Gostei!

  4. Côcô com Voador

    31 de Dezembro de 2012 as 10:12

    Muito bem Sr. Zé Maria Cardoso.
    Boa reflexão. Desejo-lhe um ano novo com muitas realizações, quiçá, regresso a Terra Natal!…

  5. Fiô Glósso

    31 de Dezembro de 2012 as 10:49

    O Abílio Neto, eu gostava muito das suas intervenções e dos seus comentários na RDP África, mas nos últimos tempos ele tornou-se “mais um deputado de ADI” e os seus comentários perderam toda e qualquer razão. Nunca ouvi este senhor dizer ke foram os deputados do ADI o maior causador da instabilidade, e fikei perplexo kuando ouvi este senhor dizer sem explicar ke este governo é do presidente da república e muitas outras coisas que considero um autêntico disparate.

  6. Maria Livramento

    31 de Dezembro de 2012 as 11:04

    Que lindo comentário!!!Quando os podres do PT começarem a vir a superfície é k vão ser elas.
    Um feliz 2013 para todos.

  7. Doca/snecia.

    31 de Dezembro de 2012 as 11:43

    muito bem comissários politicos do MLSTP, fico grato pelo comentário na tua óptica, espero que não faças cometários da atuação do pai grande. Este país é sugeneris, só conhecendo as pessoas o seu relacionamento, magúas, para entender o porquê dos comentários..tanto o abilio, quaresma e o ze cardoso, sabem a magua, tristeza e angústia carregam….ném só sê bê ângi de qûe cû scá sobê….prosperidade e sucessos a todos no ano 2013..

    • Horácio Will

      31 de Dezembro de 2012 as 14:37

      Peço aos são-tomenses que criemos todos um país onde cada um possa cuidar de si contribuindo para o bem de todos. Isto implicará um estado controlador de fugas ao direito de oportunidades iguais, orintando a participação dos cidadãos no controlo consciente dos actos que possam prejudicar a democracia. Nessa altura, não haverá espaço para mágoas. Não poderemos criar esse país de sonho que digo, nem nada próximo se partirmos das mágoas para termos a nossas intervenções. Podemos partir delas para assegurarmos que devam ser evitadas. Nunca para destruir quem no-las tenha causado mesmo que esse alguém já esteja a trilhar um melhor caminho. Se não confiarmos nesse alguém, estejamos vigilantes para denunciarmos pontualmente os seus passos em falso. Condenar permanentemente pelos nossos sentimentos será solução para o país?

  8. Afonsinho

    31 de Dezembro de 2012 as 12:12

    Nem:
    ABÍLIO NETO
    AMBRÓSIO TORESMA nem…. são todos um monte de mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm.
    do ADI

  9. António Raposo

    31 de Dezembro de 2012 as 22:23

    Abílio Neto e Ambrósio Quaresma são capangas de Patrice Trovoada. A RDP-África prestou o pessimo serviço à S.T.P. no governo de Patrice Trovoada. Ele Pagou bem ao Oscar Medeiros, Gete Moniz, Carlos Menezes, Nilton Medeiros, Ambrósio Quaresma e mais um chefão da RDP-África. Por isso durante dois anos do governo P.T., só coisas boas de S.T.P. ouvíamos.

  10. Sabiá

    1 de Janeiro de 2013 as 1:38

    Para o senhor Cardoso, em busca de tacho, saiba que o povo será novamente chamado a se pronunciar, e ai veremos aonde chegaremos com essa malandragem toda, larapio, bandido

  11. justino couto

    2 de Janeiro de 2013 as 0:59

    Hum… este José Maria Cardoso não é o mesmo homem que não queria entregar as chaves do gabinete ao entao ministro do comercio Helder Paquete??? Aqui realmente não se esquece. Hum… desculpa o engano. Vingança serve-se frio né Zeca???

  12. Fala pouco

    2 de Janeiro de 2013 as 2:21

    Amigos da comunicação social que recebia as comissões na mão de Patrice Trovoada ,Abílio Neto , Ambrósio Quaresma, Gete Moniz , Carlos Menezes , Nilton Medeiros e Oscar Medeiros os Judas sem vergonha , que chega vender o CRISTO por causa de dinheiro. E agora ? vão tirar as mascara , vocês nao tem vergonha até o Carlos Menezes já mais velho nao tem conselho para dar os outros .Agora a mama acabou de dar leite para os bandidos vão trabalhar .Afonso Varela como ministro da comunicação social sabia desse dinheiro que os senhores recebiam?

  13. Luis

    2 de Janeiro de 2013 as 9:45

    Zé á muito anos que leio seus trabalhos escritos,nunca duvidei das suas qualidade. Excelente trabalho muita imparcialidadea medida que se lê parágrafos por parágrafos percebi-se. Senti sua ausência do seu trabalho,espero 2013 tenha entrado em força. Bom ano

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo