Opinião

Um Telefonema no 5 de Outubro

Domingo, cinco de Outubro! Dia de celebração da implantação da República em Portugal. Por coincidência ou mera ironia, recebo um telefonema de um grande amigo de S.Tomé que me relata factos, mais ou menos recentes, com pormenores descritivos, relacionados com a campanha eleitoral, que, momentaneamente, decorre no país, para as eleições legislativas, autárquicas e regional.

Que factos são estes? Segundo ele, finalmente, a campanha eleitoral começou.

Um pouco por todo o país só se constata festas, com cantores internacionais pagos a peso de ouro, dançarinas e dançarinos que fazem corar de inveja qualquer nosso moçu cata e, até, especialistas estrangeiros que vieram ao país para montagem e instalação de sistemas de luz, som e de outra natureza.

Perguntei-lhe por debates públicos entre candidatos concorrentes aos diversos atos eleitorais. Ele, mal deixou-me acabar a frase, disparou: se não há programas como é que pode haver debates públicos no verdadeiro sentido da palavra?!

Continuou, posteriormente, a descrição dos factos que têm marcado a referida campanha eleitoral. Informou-me que, a atual coligação governamental decidiu construir uma cidade nova em folha, tendo lançado a primeira pedra como ato inaugural deste propósito. O ADI e o Patrice Trovoada, segundo o meu amigo, não quiseram ficar para trás e responderam com a promessa de transformação de S.Tomé no próximo Dubai, num contexto temporal, nem mais nem menos, de dez anos, se, entretanto, ganharem as referidas eleições legislativas.

Com alguma emoção falou-me dos negócios que se têm feito, ultimamente, um pouco por todo o país, com a referida campanha eleitoral, que têm contribuído para melhorar a vida dos motoqueiros, taxistas, agricultores, pescadores e quejandos.

Informou-me também que, desta vez, serão doze os partidos que concorrem ao ato eleitoral em causa e que até as aulas foram interrompidas, por decreto governamental, para dar resposta a um universo tão vasto de candidaturas. E, como a coisa é séria, segundo ele, até ao fim da campanha eleitoral e a realização do ato eleitoral, que será no próximo domingo, dia doze de outubro, poderá haver surpresas, designadamente, mudanças de protagonistas políticos de um partido para outro. Deu-me, como exemplo mais recente desta constatação, um tal de João Cavalo, pessoa que por acaso não conheço, que, segundo ele, mudou, nesta semana, do MDFM para ADI.

Afiançou-me, por outro lado, que, finalmente, o Patrice Trovoada regressou ao país, uma semana antes da realização do ato eleitoral, e transformou tal regresso, deliberadamente, num cortejo real, com guarda-costas de elite, uma claque de deputados estrangeiros apoiantes que servem de conselheiros da corte, uma multidão de súbditos em alvoroço e descontrolo emocional, alguns pagos a cabeça, por algumas centenas de milhares de dobras, para esta triste representação cénica, e muita cor e emoção a mistura.

Fiquei com a sensação que o país está, de facto, em festa. E, por sinal, festa cara. Muito cara e com alto grau de profissionalismo no seu planeamento e organização. Estão lá presentes todos os ingredientes que confirmam esta constatação: cantores estrangeiros muito bem pagos; dançarinas e dançarinos; especialistas estrangeiros para montagem e instalação de sistemas de luz, som e outras coisas; contexto propício para realização de negócios mais ou menos chorudos que o povo aproveita e faz muito bem; competição feroz interpartidária em torno de promessas milionárias como a construção de uma cidade nova em folha ou transformação do país no novo Dubai; transferências caras de protagonistas políticos, de um partido para o outro, nas vésperas de realização do ato eleitoral, que deixam alguns clubes de futebol com inveja e, por último, um cortejo real com muita cor, ânimo e emoção.

Estamos em presença de exaltação anacrónica de um fenómeno histórico importante, ou seja, a coroação do rei com todos os ingredientes que um fenómeno desta importância recomenda, designadamente: festas e rituais, num ambiente fausto-luxuoso, com artistas e dançarinos importados; muita luz e cor; intensa atividade cultural e artística e muito dinheiro distribuído como estímulo ou adoção de regras de comportamento para obediência e culto ao rei.

Estando eu em Portugal, celebrando o 5 de outubro, dia da implantação da república, sou informado, através de um telefonema, que o meu país celebra a monarquia em clima de grande festa.

Tudo isto é feito num país que, todos os anos, vive de ajudas e outros expedientes para satisfação, em mais de noventa por cento, do seu orçamento de Estado.

Tudo isto é feito num país que, quando a festa régia acabar, entra automaticamente num contexto de austeridade severa.

Não há ninguém que explique aos nossos súbditos que, quem faz promessas daquela natureza, como por exemplo a transformação do país num novo Dubai, em dez anos, deveria, também, ter condições, para no dia seguinte ao das eleições, estabelecer o salário mínimo em S.Tomé e Príncipe em, pelo menos, 500 Euros; ou, em alternativa, dar uma reforma condigna aos nossos concidadãos que já têm uma idade avançada; ou, ainda, melhorar radicalmente o nosso sistema de educação e saúde em dois anos.

Não há ninguém que explique a estes políticos que, quando a festa régia acabar, hão-de arrumar as malas, apanhar avião para destinos incertos com o objetivo de pedirem esmolas para a satisfação dos constrangimentos do nosso orçamento geral do Estado e que podem correr o risco, dos seus diversos interlocutores, um pouco espalhados por todo o mundo, ficarem boquiabertos com tanta insanidade e responderem assim: quem faz uma festa régia desta envergadura não precisa de dinheiro nenhum.

Nunca estivemos tão perto de um exercício mimético de exaltação da monarquia com toda a sua pompa cerimonial e manifestação de rituais específicos em prol de culto ao rei. Precisamos, rapidamente, de fundar uma nova república!

Adelino Cardoso Cassandra

    37 comentários

37 comentários

  1. Victor Ceita

    7 de Outubro de 2014 as 14:47

    Caro Adelino Cassandra,

    Palavras para quê? V. Exa. sempre no seu melhor.
    Este novo modelo de fazer “política” em S.Tomé e Príncipe foi inaugurado há uns poucos anos atrás e tem sido aperfeiçoado, pasme-se, com o apoio ou beneplácito de algumas (chamadas) altas figuras de outros quadrantes. Mas enfim, desejando que vença o melhor (ainda que seja o pior em termos de longo prazo) segundo a vontade popular, só consigo perceber alguns fenómenos hodiernos em STP como a victória da astúcia na arte de explorar a miséria de um povo.
    Queira Deus que eu esteja redondamente enganado!
    Victor Ceita

    • Eu Tenho Memória

      8 de Outubro de 2014 as 10:45

      Subscrevo totalmente as suas palavras senhor Victor Ceita.Estamos nesta coisa sem dia de acabar e o pior são os nossos filhos e netos que hão-de pagar caro o alto preço destas coisas nefastas. Eu pela idade que tenho já não hei-de sofrer tanto com tudo isto. A minha esperança é contudo que o povo vai saindo da ignorância e um dia tudo isto vai acabar.

  2. Julio Neto

    7 de Outubro de 2014 as 14:55

    Os meus parabéns pelo conceituado artigo. Com palavras também transformamos o nosso país. Um abraço e bem-haja.

  3. Pão com Chouriço

    7 de Outubro de 2014 as 15:19

    Este é o estado em que estamos nele e muita gente ainda não deu conta disso. Felicito o autor do artigo. Quando acordarmos deste pesadelo já pode ser muito tarde. Já lá vão duas gerações que se apoderaram do país e fazem dele o que bem entenderem tratando-nos como súbditos. É mesmo isso. Somos súbditos ou criados destes políticos que enganam uma maioria com papas e bolos para depois darem eles valentes chicotadas quando as eleições acabar.
    S.Tomé Poderoso e S. António ajuda-nos.

  4. Malagueta No Olho do Outro

    7 de Outubro de 2014 as 15:31

    Eu assino este artigo 100%. Eu tenho confiança que as coisas não vão ficar assim em S.Tomé e Príncipe. E é pena que muitas pessoas que poderiam fazer mais para o país nesta altura não estão a dar a sua contribuição. Não há dor que perdura. Eu tenho confiança.

  5. Trindadense com Orgulho

    7 de Outubro de 2014 as 15:53

    Eles aproveitam da situação de desgraça das pessoas e enganam elas com alguns milhões. Na situação que o país está só quem for muito resistente é que não cai. Não é preciso ir muito longe para ver crime vivo. Água arroz, quilombo, boa morte e outros eu própri vi com os meus olhos pessoas a receberem muito dinheiro para ir para comícios. Houve até luta e facadas. Que democracia é esta afinal? Depois dizem que há perseguição política, que de um lado está ele que é bom e que do outro está o presidente que é mau. Bandido este gaxo. Devia estar preso.

  6. Filipe

    7 de Outubro de 2014 as 16:00

    Pegaram pais e estragaram completamente. Nunca vi S.Tomé como eu tenho visto nos últimos tempo. É só corrupção, falte de respeito, humilhação aos pobres.

  7. Fitxin Flôgo

    7 de Outubro de 2014 as 16:14

    Neste país poucas pessoas tem liberdade para ousar falar e contrariar a realidade que existe. Basta ver o que se passa aqui neste espaço. Só existe bufados com medo de se identificarem. A pessoa que escreveu este artigo caracterizou muito bem o nosso estado. Poucos tem liberdade para pensar por sua cabeça cá em S.Tomé. Tanto fulumento que eu vi para receber 200 mil dobras para ir para aeroporto receber senhor Patrice explica isto. É triste mas é verdade. Há muitos reis com escravos neste país. Até quando…

  8. Mutembú

    7 de Outubro de 2014 as 16:20

    Olha o senhor Adelino Cassandra tem toda a razão. Isto é uma monarquia autêntica. E as eleições são festas que estes políticos fazem para por o povo com alegria antes de castigarem com salários baixos, falta de educação, falta de saúde e medicamentos, pobreza e miséria. O senhor Miguel Trovoada foi ministro, primeiro-ministro e presidente. Somando tudo isto ele ficou mais de vinte anos no poder sendo muito bem pago com o meu dinheiro e dinheiro do povo. O seu querido filho Patrice Trovoada foi ministro, primeiro-ministro e quer voltar outra vez para primeiro-ministro e depois para presidente. E todos sabemos que foram os Trovoadas que meteram o Fradique Menezes na presidência. O país é da família Trovoada? Eu já estou farto destas brincadeiras todas. Depois vem para cá com lágrimas de crocodilo a dizer que está a ser perseguido. Quem é perseguido sou eu e milhares de pessoas que passam fome, quando estão doentes não tem médicos e os senhores vão lá fora e têm tratamentos médicos. Este senhor esteve lá fora dois anos a saber da vida dele e agora aparece a dizer que é perseguido. Que raio de coisa é esta? E o povo não é perseguido? Ainda por cima vem para cá com guarda-costas e deputados estrangeiros como coisa que o país é dele e quem cá vive e sofre na pele todos os dias as agruras da vida é que é priv ilegiado. Malditos políticos que temos. O que é que fizemos para ter de aturar esta casta de políticos.

  9. Patricio Trovoada é pior dos mentirosos que já conheci..

    7 de Outubro de 2014 as 16:21

    Meus parabéns, pelo artigo.!

    Eu sou jovem, e digo do fundo do meu coração, se o povo santomense aceitar mais uma vez ser enganados pelo Patrício Trovoada, não será por falta de conhecimento ou por inocência.

    Deve-se errar uma vez, mas pela segunda vez já é burrice.
    Não se pode aceitar, que uma pessoa que da mesma forma nos enganou no passado, com historia de que o “dinheiro é capim”, e que iria ser implacável com os actos de corrupção no país…etc. Se transforma no maior corrupto de RDSTP de todos os tempos, não foi capaz de ir a assembleia prestar conta ao povo pela gestão do que é de todos nós, usou a capa do Primeiro-ministro para fazer negócios ilícitos nas nossas aguas, fez lavagem do dinheiro que povo teve provas aqui no “tela nón”, abandonou o país e só regressou porque quer novamente o poder, promoveu e até hoje promove a violência na sociedade santomense, não respeita o Presidente da República Democraticamente eleito. Meus senhores vamos ser sérios! Vamos colocar mão na consciência, sem qualquer sentimento politico para este ou aquele partido politico e responde-me essa pergunta. PATRICIO TROVOADA, merece a confiança do povo de São Tomé e Príncipe??? VAMOS EXIGIR RESPEITO A ESSE BANDIDO, TRAFICANTE, CIGANO!

  10. É pá Sabê

    7 de Outubro de 2014 as 16:27

    Isto que está a acontecer é bilá cabá. Cada um desesrasac vida dele. Quem recebe 100 mil recebe. Quem recebe 200 mil recebe. Quem recebe 600 mil recebe. Quando eleição acabar a gente pensa na dor de cada um. Quem é que não é súbdito nesta terra? Quase toda a gente.

  11. Dona Augusta

    7 de Outubro de 2014 as 16:57

    Dinheiro que está a ser gasto nesta terra neste momento dava para fazer umas boas duas ou três Escolas bem equipadas para os professores e alunos atrabalharem sem problemas ou comprar equipamentos e medicamentos para hospital que dava para um ano. Mas o povo prefere estas esmolas para depois sofrer mais. O quê que se pode fazer? Cada país tem o povo que merece.

  12. Original

    7 de Outubro de 2014 as 16:58

    Eh! Neste momento,os lideres são mais importantes do que tangas que cada um tem no corpo.Quando a cabeça não regula,o corpo paga.
    Políticos estão a preparar cama para povo deitar;se é de prego ou úpa logo se vê.Abra os olhos e não veja aquilo que querem; veja o que queres e saberás distinguir.As propagandas apenas servem para a pessoa mudar de opnião e sem dares conta cais na armadilha.Nem tudo que brilha é ouro e reflita bem sobre este trecho.

  13. Lagaia

    7 de Outubro de 2014 as 21:29

    Simplesmente brilhante artigo. É pena o povo não pode ler estas coisas. Acho até que estes políticos fazem de propósito para o povo ser ignorante, não puder ler nem escrever para que eles possam massacrar-nos com estas brincadeiras. Com papas e bolos eles estão a tratar-nos como tolinhos. Eu tenho certeza que isto vai acabar um dia. Onde já se viu um candidato dizer que vai transformar S.Tomé em Dubai ou Doboi, eu sei lá nome desta porcaria, em 10 anos e ao mesmo tempo quando esteve lá no governo nem medicamentos havia no hospital. Que raio de coisa é esta? Isto é gozar com as pessoas pobres e humildes. Andou dele lá fora 2 anos a comer e beber do bom e agora vem nos entrujar outra vez. Estava com medo de ser contagiado com doença e agora que a campanha chegou já não tem medo de apanhar ébola ou outra doença e já pode misturar com o povo.

  14. bintoudjalo

    7 de Outubro de 2014 as 23:32

    A liberdade de STP é quando expulsarem definitivamente a família Trovoada, porque o país é apenas um trampolim para eles…de patriotas nada têm, é um facto!
    Levam estrangeiros, gente alheia para imescuirem nos assuntos internos. Mas com que direito? STP não é um país privado pertencendo à mafia Trovoada, tendo como padrinho o Miguel. Os GATUNOS.

  15. INOCENTE

    8 de Outubro de 2014 as 0:12

    Muito bom artigo. So acho que devia perguntar ao seu amigo se só o ADI está a distribuir dinheiro, quais sao os Partidos que importaram cantores e as promeças de cada um desses partidos. Para mim, o artigo nao devia apontar as criticas somente ao ADI mas a todos os partidos principalmente aqueles que todos sabemos que estao a financiar as campanhas atraves dos fundos públicos: Venda do crude do barco prendido, venda de contrato de nova cidade aos chineses etc.
    Deste modo, o seu amigo lhe informaria melhor sobre a realidade destas campanhas. O ADI nao está sozinho na campanha. A unica diferença é que o ADI conseguiu mais financiamento que outros partidos tradicionalmente financiados pelo país que todos sabemos. Todos esses partidos estao a fazer promessas ridiculas como de costume.
    Os problemas de fundo nao mudam com um ou outro partido com as mentalidades actuais…

    • Mata - Mata

      8 de Outubro de 2014 as 14:23

      Senhor INOCENTE. Eu vivo aqui em S.Tomé e não posso negar que seja só o ADI que está a dar dinheiro as pessoas. Mas aquilo que eu vejo é que é o ADI que tem mais dinheiro e que tem dado mais dinheiro. Quando Patrice chegou, ninguém me contou, eu vi com os meus própis olhos. Um grupo grande de pessoas receberam 600 mil dobras cada um para irem buscar este senhor no aeroporto. Podem vir aqui para Riboque e perguntar se não existe pessoas que todos os meses recebem entre 400 e 500 mil dobras do ADI. Isto é mentira senhor INOCENTE?! Se o senhor disser que isto é mentira eu vou com o senhor levo amigos meus que receberam este dinheiro para confirmar. Mas também é verdade que outros partidos estão a fezer isto. Concordo consigo neste aspeto. Mas o ADI faz isto melhor e tem mais dinheiro.

  16. Juvé

    8 de Outubro de 2014 as 8:43

    Eu já sei que vivo em monarquia a muito tempo infelizmente. Só tenho que felicitar quem fez este artigo porque soube escrever muito bem aquilo que eu já penso a muito tempo. Isto é uma monarquia que algumas pessoas apoderaram-se do país e fazem o país casa deles. O país é neste momento da família Trovoada. Ponto final. Quem não quiser acreditar que não acredite. Enquanto eles não mataram Pinto da Costa ou qualquer outra pessoa que entra no caminho deles eles não ficam descansados. Ninguém mais pode mandar neste país a não ser esta família. Santomé Poderoso vai mudar isto um dia.

  17. bacalhau com nata

    8 de Outubro de 2014 as 8:57

    Quero perguntar ao “INOCENTE”, se já tem filho. E caso tem filho se não tem pena do futuro dele. Porque quando vejo pessoa como senhor a defender o que é mão para o nosso país, ficou ainda muito mais triste. Quem proliferou o alto nível da compra de “Consciência em STP” não foi o PT???? Ou já esqueceu?

  18. Diasporano

    8 de Outubro de 2014 as 9:04

    Senhor Adelino Cardoso Cassandra. Muito obrigado pelo artigo. Isto é um retrato digno daquilo que estamos a viver no país. Muito obrigado mais uma vez. E não digo mais nada.

  19. Riboqueana

    8 de Outubro de 2014 as 9:21

    Eu não tenho um partido político fixo onde eu voto sempre. Já mudei várias vezes o meu voto em função daquilo que eu acho que é a defesa do meu S.Tomé e Príncipe.
    Mas a forma como este líder do ADI reagiu não me parece boa para a democracia nem para o país. Ele ficou muito tempo fora do país, não deu satisfação a ninguém, nunca ligou ao povo e agora vem pedir o povo uma maioria absoluta? Não tenho nada pessoal contra ele nem contra a família dele, nem contra o próprio partido dele. Mas também acho isto muito mal. Também não gosto desta coisa de andar a distribuir tanto dinheiro para a população. Isto dá um mau exemplo. Na minha zona onde eu morro toda a gente sabe que existem pessoas que todos os meses recebem 600 mil dobras nas mãos de um senhor que vem de carro e anda a distribuir este dinheiro desde a 3 anos atrás. Não é 1 nem 2 nem 3 pessoas. São muitas pessoas que este partido vem financiando a mais de 2 anos e todos os meses. Donde é que sai este dinheiro todo? Eu também acho que isto é um bacado de exagero. Mas pronto quem tem seu dinheiro pode fazer dele aquilo que bem quiser. Só que isto não é democracia. É uma manarquia como o senhor do artigo falou porque as pessoas prestam vassalagem ao rei porque é o rei que lhes dá dinheiro todos os meses.

  20. Sargento

    8 de Outubro de 2014 as 9:35

    Miguel Trovoada (PAI) – ministro + primeiro-ministro + presidente da república (10 anos.

    Miguel Trovoada (PAI) + Patrice Trovoada (FILHO) = Escolheram FRADIQUE DE MENEZES para Presidente da República (10 anos)

    Patrice Trovoada (FILHO) – ministro + primeiro-ministro e quer ser presidente 10 anos.

    Ou seja, na democracia os últimos 20 anos tivemos PRESIDENTES DA REPÚBLICA direta ou indiretamente escolhidos ou colocados lá por esta família TROVOADA.

    • Fé cu Deçu

      9 de Outubro de 2014 as 10:23

      de facto isto já parece uma monarquia autêntica. depois Patrice mete lá filho dele também e assim sucessivamente. estamos tramados gente.

  21. gente burra

    8 de Outubro de 2014 as 9:53

    Eu estou farto dos ataques rediculos deste Sr contra um único Partido. O Sr é bom em semear discórdia entre os Santomenses. Qual o objetivo? ???

    • Monarquia

      8 de Outubro de 2014 as 14:31

      As verdades doem senhor Gente Burra. Qual discórdia que o senhor Adelino CardoSO Cassandra quer semear entre os Sãotomenses? Só por ele ter escrito este artigo? Se o senhor ler bem o artigo, acho eu, posso estar enganado, ele fala de uma maneira geral para todos os partidos. Eu não vejo que ele critica só o ADI. Qualquer outra pessoa que leu este artigo pode confirmar isto. Eu só tenho 4ª classe antiga mas é isto que eu consegui ler do artigo deste senhor. Da forma como ele escreveu o artigo eu acho que enquadra muito bem na nossa realidade quer queiramos ou não. É esta a nossa realidade. Só não vê isto quem não quer ver. Ou o senhor acha que há igualdade entre os Sãotomenses? Na minha opinião há uns que são reis e donos deste país e outros que são súbitos. Muito obrigado.

  22. feudais@stp.st

    8 de Outubro de 2014 as 10:43

    Excelente artigo… Adelino.
    ….
    Esse povo ainda não percebeu que só 2 a 4 família é que têm esse pais da forma que esta. Cada dia que se passa eles vão gerar mais riqueza e o pais vai entrando cada vez mais num buraco profundo. Meus caros só o povo possa dar um destino certo, um rumo ao desenvolvimento deste pais, este povo que ainda não sabe o que quer, pois eles gostam de sofrer só fico triste porque esses sofrimentos é induzido pelos senhores feudais de S.T.P.
    Eu admiro muito sinceramente alguns indevidos que com algumas instruções escolar, com titulo académico que são enganados pelos os senhores feudais de STP.
    Meus caros compatriotas vamos acabar com essas brincadeiras, com essas ignorância, temos que tomar uma decisão seria para darmos um novo rumo a esse pais. Não é normal esses senhores gastarem tanto dinheiro na campanha….por conseguinte temos povos a sofrer com essas brincadeiras…
    ….

  23. Maria silva

    8 de Outubro de 2014 as 11:55

    Antes de mais quero agradecer o autor deste artigo, da maneira incrivel e genial como escreveu a nossa triste realidade!!!
    É imprecionamte como nós ( o Santomenses ) somos burrinhos de acreditar que Partice Trovoada ” a familia trovoada ” estao priecupados com o nosso bem-estar e o nosso futuro, o PT fez e faz de São Tomé e Principe uma mesa de jogos aonde o mesmo aposta tudo na esperança ou convicçaõ de ganhar triplo !
    É triste saber que isto está tao nitído e que so meia- duzia perceberam ou percebem.
    Sumú ê livlà ánca ni bôca de cassô ê, bilá fé pa mà vidjan tê bom clôson, pê plocó dê wua ni lixí , semplê ê pá non vivê ni padji.

  24. rosemeide santos

    8 de Outubro de 2014 as 12:25

    Apenas uma pequena observação:
    Sr.Adelino Cassandra…. Devo dizer que o sr. retrato muito bem a situação anacrónica do país, mas pelo que eu entendi o sr. limitou-se a “criticar” e citar apenas um partido politico, quando na verdade estão todos inseridos no mesmo “saco”. Todos fazem o que podem mesmo sendo com falsas promessas, com a descarga descontrolada de cantores estrangeiros no país ou com os famosos banhos. A verdade é que todos os partidos limitam-se a fazer o uso das armas que têm para ascender ao poder.

    S.Tomé não necessita de uma nova república, o que é necessário em S.Tomé e Príncipe são lideres competentes que não sejam egoístas e que estejam no poder com o intuito de fazer desenvolver o país.

  25. Flor

    8 de Outubro de 2014 as 14:15

    Eu assino este artigo 100%. É isto mesmo que tem acontecido aqui em S.Tomé. Há uma minoria que tem acesso ao poder, comportam-se como rreis e tratam o povo como escravos e subitos como disse o senhor do artigo. Isto tem de acabar. Já chega desta pouca vergonha e humilhação. Não pode existir Sãotomenses de primeira classe e Sãotomenses de segunda ou terceira classe. E estas pessoas são malvadas. Enquanto dão tostoes ao povo para votar nos seus partidos ou para ir buscar o chefe ao aeroporto eles metem milhões nas suas algibeiras. São maus para os patrícios. Eu nunca conheci S.Tomé desta forma.

  26. Feiticeira

    8 de Outubro de 2014 as 15:08

    Kidalêo, kidalêo, kidalêo… deixa Patrice e ADI com vida dele. Por favor, kidalêo, kidalêo, kidalêo… deixa ADI em paz minha gente. Credo, Credo, Credo.

  27. Luis Livramento Rodrigues

    8 de Outubro de 2014 as 15:19

    Li e gostei. Os meus parabens ao autor desta crónica pela forma como consegue penetrar nosso tecido social e político. O país não tem só coisas más. Ainda bem.
    Um bem haja a todos.
    Luís Rodrigues
    Reino Unido

  28. Thex

    8 de Outubro de 2014 as 18:23

    Muito bem observado. Viva o Povo de S.Tomé e Príncipe.
    Viva a democracia.
    Abaixo a monarquia.
    Fui

  29. Mutende

    8 de Outubro de 2014 as 21:22

    Porque que neste pais a uma menoria que so sabem criticar P T.P T nunca matou ninguem em S T P.Porque que o ministro que matou o jovem de Agua-aroz continua no poder,e ninguem diz nada deste criminoso.Quem lhe pois la e igual a ele.

  30. Chateado com Tudo Isto

    8 de Outubro de 2014 as 22:35

    Isto é um autêntico neocolonialismo só que coberto de uma monarquia. É para esta brincadeira que tomamos a independência. Para que alguns irmãos explorem os outros irmaos tratando-os como autênticos escravos ou seres inferiores só porque têm condições financeiras para o fazer. É isto que se passa infelizmente neste momento cá em S.Tomé. E depois dizem que estamos em democracia. Que raio de democracia é esta que se humilha assim o povo?

  31. Original

    9 de Outubro de 2014 as 10:49

    Banho

    Sou banho!Fui introduzido na época de mudança
    através de um temporal
    Corrompo sábios,inteligentes,burros,brutos,ignorante,letrados
    analfabetos e até animais selvagens.
    Sou mais eficaz que ébola porque finto todos que me aproximam
    Vendem alma ao diabo por minha causa
    Tenho um kota que se chama corrupção
    Sem o kota sou peixe fora de água
    Estou tão bem instalado que transformo homem em camaleão
    Transformo homem em macaco para andar de ramo e ramo
    Sou internacional porque atuo dentro e fora de país
    Tenho várias máscaras de diversos tamanhos para adaptá-los
    a faces grades ,pequedos,ossudos,carecas,cabeludos
    Comigo a socidade está como quero
    Tenho um ponto fraco e não quero que toquem nele
    Acabando com corrupção dão cabo de mim porque ninguém
    Dá banho com dinheiro limpo.
    Transformo dinheiro sujo em limpo nas mãos dos desgraçados
    famintos, corruptos,pedintes,imorais,salteadores
    Comigo a sociedade perdeu dignidade porque consegui alterar a
    forma digna de ser e estar dos Santomenses.

    Obrigado Trovão.

  32. Tchichuipá

    10 de Outubro de 2014 as 10:57

    Parabéns Adelino pelo brilhante artigo. Revelaste as realidades do noss STP

  33. Ana

    11 de Outubro de 2014 as 3:11

    Excepcional. Capacidade narrativa – nota 100; Fiel à realidade do que se vive – nota 100. Obrigada Adelino pelo enquadramento histórico, adorei.
    Ao comentador «gente burra» queria dizer que o seu comentário faz jus ao seu pseudónimo Bem haja a todos os Homens de boa vontade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo