O Orçamento está aprovado e o resto é Dubai

Os deputados de São Tomé e Príncipe têm  inovado extraordinariamente no que concerne à discussão e aprovação de leis e a Organização das Nações Unidas não têm, infelizmente, dado por isso.

Primeiramente, os parlamentares são-tomenses adoptaram, para as sessões plenárias, as técnicas de Wrestling, a luta profissional que mescla o teatro e a porrada a sério, cuja origem remonta ao século XIX, nos Estados Unidos de América.

Em Junho de 2014, assistimos todos ao primeiro combate profissional entre os deputados do ADI e o resto do mundo constituído pelos camaradas do MLSTP-PSD, PCD, UDD e MDFM. Na altura, movido pelo meu conhecido fanatismo pelas lutas profissionais, registei dois momentos sublimes. Cena nº. 1: Levy Nazaré, do ADI, ao rugir ininterruptamente “palerma pah, palerma pah, cala a boca”, aplica um knock out técnico-político ao ex-Primeiro Ministro, Gabriel Costa. Cena nº. 2: Levy Nazaré, ao vociferar “o senhor gosta de lutar, vem lutar”, gesticulando letalmente o braço direito, encerra o combate com um submission ao ex-Premier. “O senhor gosta de lutar, vem lutar” é uma forma bastante amorosa de dizer “vem que te parto os cornos, seu medricas”. Adoro essas demonstrações de virilidade.

Na presente legislatura, os deputados decidiram mostrar aos são-tomeses que atingiram a maturidade, assumindo o mutismo como forma de discussão nas plenárias, o que representa uma evolução salutar e um exemplo público de pacificação.

O Parlamento aprovou, na generalidade, na semana passada, o Orçamento de Estado de 150 milhões de euros e nem um sonido se ouviu durante a discussão. Reparem, um debate sobre previsões monetárias e financeiras apresentadas sob forma de complicados cálculos estatísticos em que nenhuma das parte emite o mínimo rugido possível constitui uma tarefa bastante árdua. E os deputados executaram-na com preciosismo.

- Bom dia, senhores deputados. Alguém pretende intervir no debate sobre o Orçamento apresentado pelo Governo? Questiona o presidente da Assembleia Nacional. – … … …

- Vá, malta, diga qualquer coisa. Assim não dá. A gente, no final, já conversa sobre o subsídio de cada um. Insiste o presidente, num demonstrativo esforço de incentivo.

- … … … Zemé tã. Ouve-se uma trémula voz do fundo da sala.

De acordo com as teorias da Psicologia, os deputados evoluíram do estádio de adolescência rebelde, em que tudo se resvala para socos, pontapés e cotovelas para o de zemé tã*. Não li nenhuma notícia que desse conta deste gritante esforço de humanização do diálogo no Parlamento. Que ingratidão da comunicação social!

Num país com tantas praias de água azul e areia fina, não se percebe como os deputados forjam motivação para se dedicar tanto ao trabalho. Baldar-se na Praia Pomba com algumas cervejas fresquinhas sabia melhor. Neste caso, bastaria uma nota ao Presidente da Assembleia: “Diogo, estás porreiro ou não queres dizer? Ouve, o Orçamento de Estado está aprovado e não se fala mais nisso. Dá a dica ao Primeiro-Ministro para o homenzinho avançar com o Dubai”.

*Zeme tã é uma expressão típica de uma das línguas tradicionais são-tomenses que significa resignação, conformismo, aceitação, embora com reservas. A expressão, equivale, no Brasil, ao “falo nada, só observo”.

4 de Maio de 2014

Ludmilo S. Rosa

Notícias relacionadas

  1. img
    Maguita Responder

    Bravo, Bravo Bravo!
    Caro Ludmilo Rosa! parabéns pelo brilhantismo!
    Está é a Sátira que melhor espelha aquilo que é a nossa casa Parlamentar de Hoje!
    “Haja o que hajar, só observo”
    Zemé tã

  2. img
    Maria silva Responder

    Triste realidade !!

  3. img
    "Nós por cá e a nossa maneira" Responder

    Obrigado pela caracterização da situação. Continue que vou lendo.

  4. img
    verdade Responder

    queremos q transforma pais em emirante arabe unido dubay ñ é um pais mais sim uma cidade de emirante arabe unido , pergunto qual cidade podera ser como dubay,

  5. img
    Pina Responder

    tu és mais um de vários que deseja enriquecer assentado numa cadeira
    levanta rabo vai trabalhar roça depois vem falar sobre os mais e menos morais…..

  6. img
    CT Responder

    Brilhante artigo. Aguardo mais coisas do género…. Abraços

  7. img
    João do Rosário Responder

    Grande demonstração de maturidade! Que ladrassem enquanto era esperada a passagem da caravana. Essa de zemé só,do conformismo deixa a pairar alguma suspeição.Será alguma estratégia?
    Quero aqui sublinhar que o direito de oposição, encontram-se a necessidade de se conferir efetiva proteção aos direitos das minorias, a imprescindibilidade de se exercer uma real fiscalização, a incidir sobre os detentores do poder político.
    As minorias parlamentares têm o direito de instaurar investigações sobre fato específico e por prazo determinado através das comissões parlamentares de inquérito .
    No entanto não é fácil de decidir sobre o que é necessário nas questões de consenso, e quando não se opor no interesse da sociedade.
    No cumprimento deste dever, a oposição se esforça para desafiar todos os abusos do poder executivo; burocracia e tapetes vermelhos e questões de violação dos direitos humanos. Este é essencialmente um papel de fiscalização, e é vital para verificar excessos executivos e estimular o debate democrático.
    Sem oposição, não há fiscalização, não há pressão social por novas demandas, não há um fundamento para que a democracia continue funcionando. O papel da oposição é informar ao público e trazer à tona o que ela considera correto ou incorreto nas políticas do governo.
    Só pode fazer oposição, quem tem posição e coragem para defendê-la.
    Será que os partidos de oposição com representação parlamentar, o MLSTP e o PCD desistiram de fazer oposição ao executivo formado pela maioria do ADI ou alguns deputados da oposição, os influentes andam a espreita de uma oportunidade no momento da partilha do bolo? Será que se sentem fragilizados e como tal,não constituem alternativa a governação?
    Bem haja

  8. img
    Blaga Pena Responder

    Oh Ludmilo Tiny. Muito bem escrito,bem analisado, uma forma digna de se referir ao que de facto se está a passar com esta governação e com esta legislativa. Na verdade o país é agora o país de Zéme-tam.
    Tens toda a razão. Mas cuidado, que o ADI é que está no poder e este partido cultiva a filosofia de tudo tenho, tudo posso, à todos posso manipular e à todos posso vingar. ADI é um partido que tem um dono. Entendeu bem. ADI tem um dono, portanto não é democrata. Assim sendo cuidado que ainda que estejas longe vão te tramar a vida. ADI não é como o MLSTP nem como PCD nem como MDFM. Esses sim são toleráveis porque cultivam a cultura da democracia plural.
    De qualquer forma, força e coragem…..

  9. img
    Mulher das Finanças Responder

    Notícia de última hora: O Ministro das Finanças e da Administração Pública mandou suspender o subsídio de produtividade aos inspetores de finanças resultante de ação de fiscalização feita à CST, com conluio por parte do diretor do orçamento e dois técnicos da Direção de Imposto, nomeadamente o Salvador e o Engrácio.
    O referido filme repetiu-se com os mesmos protagonistas.
    Estamos perante o desrespeito para com o governo cessante, representado pelo então Ministro das Finanças Hélio Almeida.
    Coitados dos inspetores que têm contribuído sem condições mínimas para arrecadar receitas para o Estado.
    Assim vai a nossa República de Bananas.

  10. img
    marlene Responder

    ahahahahahah, gostei. na verdade é tão triste que só posso citar os antigos sábios que já diziam ” senão fosse trágico, seria cómico”

Deixe um comentario

*