Opinião

REDES SOLITÁRIAS

A rede social traz a possibilidade de convergência de pessoas para interagir numa só plataforma– a priori, é a ideia na qual ela se fortalece e existe.A princípio, este é o pensamento da maioria das redes sociais, entretanto, muitos desavisados tem se permitido e manifestadocomportamentos impulsivos na oferta da concentração da atenção, onde a maioria tem se afastado da vida social em grupo e outros, enfim, viver no mundo analógico ou mundo real. Mas, do que se constitui o mundo real? Mesmo porque, esta é uma realidade mundo. E como viver com as ofertas e possibilidades A rede para diversas pessoas tem se tornado uma verdadeira rota de fuga ou zona conforto momentâneo.

 

A grande concentração da atenção dada ao aparelho celular conectado à internet como premissa básica de comunicação entre pessoas de forma instantânea. Há quem diga nos dias de hoje: “Eu não sei o que eu seria sem o meu celular”. Quando não é esta frase, normalmente se destacam: Ai meu Deus, o meu celular está tocando e, na verdade é qualquer outro som de algum instrumento. Ou ainda, a insistência de que o telefone esta tocando o tempo todo, uma verdadeira síndrome do toque. Entre o “touchscreen” (tipo de tela sensível à pressão) e o “ciberamigo”vai se levando a vida, numa  rede solitária – companhia virtual desacompanhada da presença humana e nas horas mais complexas da vida nem a virtual, nem a humana se fazem presentes.

 

Muito bem, muitas são as questões e a primeira será: Porque será eles não aparecem? O que faltou ou deixou de construir? Onde estão as estruturas da ponte que poderia ligar ou alimentar de forma calorosa a relação humana? Há quem concorde, que sem tais ligações não seria possível constituir novas amizades ou mesmo, dialogar com a família? Mas a final, onde estas pessoas habitam?

 

Considerando que todo ser humano tem o direito de escolha, relembra-se uma expressão dos antigos:“as nossas escolhas nos definem”. Logo, a maioria dos adeptos fazem suas apresentações como se idealizam. Dessa maneira, postam conceitos de si mesmos das mais diversas formas, quer seja, por meio das imagens, textos, vídeos, grupos, quer sejam por foto-mensagens, entre outros. Nas relações virtuais você deixa de ser uma pessoa para ser um perfil (que pode ser uma montagem falsa passando-se por outra pessoa). Outro aspecto curioso esta por vir – a pessoa ser representadaapenas por uma luz traduzindo-se “estou online ou estou aqui pode falar”. De acordo com a rede social ou aplicativo ela pode ser verde ou azul, poderá ter um toque de passarinho ou um sino.

 

A cada dia é expressivo o crescimento do número de pessoas que aderem as diversas redes sociais, contudo, algumas consequênciassão visíveis no universo cotidiano de algumas delas, tais como: A queda na produtividade nos estudos e no ambiente profissional. O impacto direto nas relações entre outras pessoas onde elas mal dialogam, interagem de forma breve ou não interagem, saem para eventos e isolam-se, criam espaços individuais onde não se permitem participar na maioria das vezes de ações que convidam a sua participação, dizem, por exemplo: “Calma, só um minuto”. E elas levam toda a festa interagindo com o celular e descartam os convites dos amigos e familiares ali presentes.

 

*Autor:Uemerson Florêncio – Palestrante nas áreas de Relações Públicas, comunicação, gestão de carreiras, empreendedorismo e gestão em marketing político. Atua com reposicionamento de pessoas, negócios e Desenvolvimento de Cidades. Diretor do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Cidades (NPDC) da Khalifa Business, agência de negócios. Área de concentração acadêmica Relações Públicas com marketing pela Universidade Católica do Salvador – UCSAL e pesquisador em Relações Públicas pela UNIFACS. Faz estudos de Cultura Árabe – a partir de Dubai e Abu Dhabi nos Emirados Árabes Unidos país localizado no mar do Golfo, Oriente Médio.

 

    1 comentário

1 comentário

  1. Ralph

    29 de Setembro de 2015 as 7:56

    Na minha opinião, as redes sociais são um flagelo à sociedade. Estes já têm mudado muito a maneira na qual quase toda a gente interage e não necessáriamente pelo melhor. Pessoalmente, tenho orgulho em ter resistido aderir a qualquer rede social e continuarei a resistir até tal ponto que fique impossível participar na sociedade sem ser membro. Felizmente, julgo que esse dia ainda não chegou, mas temo que o está a vir!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo