Política

Patrice procura controlo absoluto sobre as Forças Armadas

Sempre com o propósito de reformar, o Governo avançou desde Fevereiro último com um conjunto de propostas de leis, que foi submetido ao parlamento.

Na passada quinta – feira, 15 de Março,  por proposta do Governo a maioria parlamentar da ADI, aprovou na generalidade o projecto de lei de alteração da “Lei de Defesa Nacional e das Forças Armadas”.

O célere projecto de lei deverá agora ser debatido pelos deputados, no seio da comissão especializada.

A lei em causa tinha sido revista no ano 2010. 7 anos depois o Governo da ADI, propõe a sua alteração. Alterações que reforçam os poderes do Primeiro Ministro, no comando das forças armadas.

Desta forma e com base no projecto de lei aprovado na generalidade, o Primeiro Ministro passa a ter poderes para nomear e dar posse ao Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), ouvindo o Conselho Superior da Defesa Nacional, um órgão de consulta do Presidente da Republica.

Antes, era o Presidente da República enquanto Comandante Supremo das Forças Armadas, que por decreto nomeava o Chefe de Estado Maior das Forças Armadas e dava posse ao mesmo.

No debate do célere projecto de lei que altera a “Lei de Defesa Nacional e das Forças Armadas, os deputados da oposição se abstiveram na votação por considerar que o projeto de lei da maioria parlamentar da ADI, viola a Constituição Política do país. «Nós abstivemos porque essa alteração viola a Constituição da República, por isso não concordamos», afirmou para o Téla Nón o deputado Jorge Amado, líder da bancada do  MLSTP, o maior partido da oposição.

O líder da bancada do MLSTP, acrescentou que «vamos entrar na fase de discussão na especialidade e nessa altura vamos defender e justificar com argumentos porque razão dizemos que isso viola a nossa constituição», frisou.

No entanto uma semana antes a Assembleia Nacional já havia aprovado a  revisão  das Leis de Bases Gerais do Estatuto da Condição Militar e o Regulamento da Disciplina Militar.

Mexida célere na legislação militar para segundo, o Primeiro Ministro Patrice Trovoada controlar a situação que parece estar a fugir ao controlo. «O objetivo é não só assegurar a disciplina. Mas também ajudar a uma maior motivação e organização das Forças Armadas», explicou Patrice Trovoada.

Patrice Trovoada reconhece que a situação não está pacífica, e considera que a aprovação desses diplomas só em si, não vai pacificar a situação nas Forças Armadas.

No entanto entende que é necessário colocar regras no quartel. «Nenhuma instituição, nenhuma empresa, nenhuma família funciona sem regras e, por conseguinte, havia a necessidade, ou de melhorar as regras existentes, ou de criar novas regras, isso foi feito, mas ainda não acabou», declarou o Chefe do Governo.

Patrice Trovoada marcha em frente. Ultrapassa obstáculos e procura deitar mãos sobre as tropas e a instituição militar. Novas legislações impõem novas regras que permitem ao seu Governo, um melhor controlo sobre as Forças Armadas de São Tomé e Príncipe- FASTP.

Téla Nón

    13 comentários

13 comentários

  1. JACA DOXI

    21 de Março de 2018 as 19:37

    Santomense está “baiado”. Ficou pateta.
    Um puto pateta mete na sua cabeça que quer fazer tudo o que quer, mexe em tudo sem uma verdadeira satisfação ao parlamento, com oposição moribunda que só sabe abster como forma de dizer não, quando podia votar contra.
    O país está desgraçado. o Povo ficou “panhonho”,tá tudo “boboico”, e o tipo que não vale um corno, aproveitando talvez de baia do país da mulher, manietou tudo e todos, os chamados intelectuais estão a coçar, dormindo, armados em observadores inteligentes.
    Tropas estão “zeme só”. Está tudo fodido. A verdade é que o futuro deste país vai ser tulmutuoso.
    Com o PR “yes men” do puto gabonês, nem se sabe qual a contrapartida que tem, qual o trato que ele fez com esse fidelho, ele que ainda gosava de algum prstigio dos santomenes.
    Olha kua ê da ê dá.
    Cada povo tem dirigente que merece. Aguenta só

  2. Maria Silva

    21 de Março de 2018 as 20:52

    Isso mesmo patrice !!!
    Bom …. agora próximo expediente é alterar a constituição, para que mandato do primeiro ministro seja de 10 em 10 anos ou invés de 4 em 4 anos .
    Quem tiver pés correm e quem não tiver eu LAMENTO

  3. Joao Carlos

    22 de Março de 2018 as 9:23

    O grande mal dos homens é não aprenderem com as experiências dos outros e o Patrice Trovoada faz o mesmo. Vamos ver até onde isso vai durar, olha veja o caso do José Eduardo dos Santos, quem diria que estaria hoje na situação em que se encontra….

  4. santola

    22 de Março de 2018 as 9:24

    Maria silva, e depremente ver esse teu comentario. isso e falta de caracter.. o povo deve abrir os olhos, e tomar conta dessa criatura, que nem santomense e.

    • Maria Silva

      22 de Março de 2018 as 11:44

      Senhor ( a ) santola, pelos visto o senhor é um leitor novo aqui no site tela nón, as pessoas que frequentam este mesmo site conhecem a minha posição relativamente ao pinta cabra ( patrice trovoada ) eu aconselho a ré-ler melhor o meu comentário!!
      Abraços

  5. MIGBAI

    22 de Março de 2018 as 13:01

    Minha gente.
    Não pretendo e nem quero fazer a apologia ao atual momento que estamos a viver.
    Contudo, faz muito bem o governo em reduzir o número de elementos das forças armadas.
    Um pais que não tem dinheiro para pagar aos seus funcionários públicos.
    Sem dinheiro suficiente para a educação.
    Sem dinheiro para criar estruturas rodoviárias.
    Sem dinheiro para cuidar do sistema de saúde.
    Sem dinheiro para cuidar do sistema sanitário.
    QUE NÃO TEM DINHEIRO PARA FUNCIONAR COMO PAIS INDEPENDENTE.
    Porque motivo, tem que alimentar umas forças armadas inoperacionais?
    Porque motivo, tem que alimentar tanto coronel, comandantes, sargentos e praças?
    Vejam a fatia do orçamento que é destinada ás forças armadas, dinheiro esse que não temos!
    Concordo plenamente na redução ou extinção de alguns ramos das forças armadas, e acabar de vez, com as ratazanas de quartel que alimentamos desde a independência com a ditadura do MLSTP.
    Temos minha gente, que acabar com o que está mal desde sempre, neste pais martirizado pelo comunismo transportado para estas ilhas pelo pinto da costa.
    VIVA a redução ou eliminação de alguns ramos das forças armadas deste pais falido!
    Isto sim, é saber governar um pais, retirando a mama a muitos que ainda querem mamar á conta do Estado falido!!!

    • Mandinga

      22 de Março de 2018 as 18:01

      Ratazana… O Sr. é uma grande e suja ratazana, colonialista frustrado!

      • MIGBAI

        23 de Março de 2018 as 11:01

        Por favor “Mandinga”
        Colonialista é a tua prima!
        Frustrado deves ser tu, com uma possível retirada da mama que deves estar a chupar desde a independência.
        O Governo tem que governar e bem!
        Reduzir o número de ratazanas de quartel, é o que o POVO pretende, para ver se equilibramos minimamente as nossas contas orçamentais, e deixamos de estar dependentes das esmolas dos estrangeiros.

        • Mandinga

          23 de Março de 2018 as 15:00

          Minha prima é tua mai!
          Inventa outra. Vc quer o Povo desarmado, esso sim, pra entregar aos colonos e aos vendedores de escravos.

          • MIGBAI

            23 de Março de 2018 as 21:55

            És louco Mandinga. Louco e burro.

          • Mão Diga

            10 de Setembro de 2018 as 9:54

            Vc não consegue falar sem usar o termo colonialista? 44 anos ainda não chegaram para perceber isso?

  6. Descamisado

    23 de Março de 2018 as 12:11

    A senhora Massaril Fernandes é vice-presidente do Banco Central e está envolvida no acto de corrupção, grande escândalo financeiro na compra de uma vivenda luxuosa por 255 mil euros com o aval do senhor Governador do Banco Central, senhor Hélio de Almeida e do senhor Américo Ramos ,Ministro das Finanças, Comércio e de Economia Azul na localidade de Odivelas em Portugal. Uma forma idêntica a de 30 mil dólares Americanos levantados da Caixa Geral dos Depósitos em Portugal, cujo a verdadeira reposta do seu encaminhamento está entregue à Deus, o Nosso Santo Poderoso.Um outro escândalo financeiro vem da EMAE.O senhor Daíto foi responsável financeiro da EMAE, levando consigo uma avultada soma em dinheiro para Portugal, tendo comprado uma vivenda na localidade de Paiva em Portugal, em que a mãe da Alá, secretária do Primeiro Ministro e Chefe do Governo da República Democrática de S.Tomé e Príncipe foi chamada pelo genro Daíto no sentido de a conservar.Espero que o senoe Primeiro Ministro tenha a mesma atitude perante este caso na comunicação social com tem feito com os outras entidades do País

    • luisó

      25 de Março de 2018 as 19:41

      Vivenda luxuosa por 255 mil euros em odivelas ?
      Voçês vivem noutro mundo…..por este valor novo e de luxo em odivelas só 3 assoalhadas e apartamento.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo