Política

 STP e a Nigéria procuram reanimar a tentativa de negócio de petróleo na fronteira marítima

Com cerca de 20 anos de existência o tratado que criou a fronteira marítima comum entre São Tomé e Príncipe e a Nigéria com vista à exploração de petróleo, nas águas contíguas entre os dois países, entrou numa fase moribunda.

Esta semana, a Nigéria enviou uma delegação  governamental liderada pela ministra de Estado dos Negócios Estrangeiros Khadija Bukar Abba Ibrahim, para junto as autoridades são-tomenses, preparar acções que visam a redinamização das estruturas criadas com vista a exploração de petróleo na fronteira comum.

A estrutura em causa é designada de Autoridade Conjunta e tem sede em Abuja – Nigéria. O fracasso na prospecção do ouro negro, nos blocos petrolíferos da zona conjunta, em que grandes companhias internacionais abandonaram os poços em prospecção acabou por arrefecer a euforia, sobretudo de São Tomé e Príncipe.

Em dois dias de visita a São Tomé e Príncipe, 8 à 10 de Agosto, a delegação governamental nigeriana estabeleceu com as autoridades são-tomenses, um programa de acção que visa a redinamização das actividades da Zona Conjunta.

Zona marítima conjunta, que segundo o entendimento entre os Estados, deve ser fiscalizada pelas forças armadas dos dois países. A reunião de São Tomé abordou a necessidade de criação de uma comissão militar conjunta para fiscalizar a fronteira marítima comum. A comissão militar bilateral deverá ser implementada a breve trecho.

No quadro do acordo para exploração conjunta de petróleo, São Tomé e Príncipe acumulou uma grande dívida para com a Nigéria. Antes mesmo de iniciar o processo de pesquisa dos blocos de petróleo identificados na fronteira marítima comum, São Tomé e Príncipe começou a pedir avanços financeiros à Nigéria.

Avanços financeiros que deveriam ser reembolsados após a licitação dos blocos. Através do valor resultante do pagamento do bónus de assinatura dos blocos pelas companhias petrolíferas, a Nigéria deveria retirar o montante avançado à São Tomé e Príncipe.

A Autoridade Conjunta, é uma sociedade em que São Tomé e Príncipe detém 40% e a Nigéria 60%. Para o seu funcionamento o arquipélago tem que suportar os 40% das despesas de funcionamento. Sempre atrasado na quitação da sua responsabilidade dentro da sociedade, São Tomé e Príncipe, acumulou algumas dívidas.

Agora a Nigéria aproveitou a reunião de São Tomé, para remeter ao arquipélago uma proposta de reembolso da dívida. Proposta que deverá transformar – se num compromisso que a parte são-tomense deve honrar. A decisão será tomada na reunião do Conselho Ministerial Conjunto para exploração de petróleo, prevista para Setembro próximo em Abuja – Nigéria.

Abel Veiga

    14 comentários

14 comentários

  1. eusebio francisco

    10 de Agosto de 2018 as 16:01

    E a morte de Jorge Santos?

  2. sotavento

    10 de Agosto de 2018 as 16:12

    Pelo que entendi parece que os da Nigeria já estao fartos… mamaram os dolares e resultado nem ouro negro nem ouro branco. Era de prever essa situacao. Quase duas decadas para explorar petroleo… tantos chupoes vivendo a grande e a francesa e agora toca a pagar a divida… agencia de petroleo, comissao conjunta, tanta m***da e nada. Pobre país

  3. Manuel

    10 de Agosto de 2018 as 16:47

    Fooogooooo, deixem o homem descansar em paz. Já se livrou dessa fase e foi para outro nível.

    Você é que continua preso nas coisas desse mundo. Quem o perdeu, pensa você, um dia desses estará novamente com ele, num mundo diferente deste.

    Tarde ou cedo, de uma ou de outra maneira, vamos todos fazer esse caminho. Tenha paciência que a sua vez tb há-de chegar. A maneira como se despede desse mundo é irrelevante – só vale para os homens.

    Deixa o Sr. em paz … ele também agradece

  4. Teresa

    10 de Agosto de 2018 as 16:50

    E agora começa a guerra pelos lugares. Que grande chatice. Olha, lá vão os cães todos a trás do osso.

    A vida é mesmo lixada.

  5. Pedro Costa

    10 de Agosto de 2018 as 18:11

    Numa fase moribunda?
    Moribunda quer dizer: agonizante, estertorante, morrente, mortiço, cadavérico, etc. Gostaria de saber se isto alguma vez esteve bem? Não vejo passos que se deu neste tempo todo!
    É só leve-leve.
    Enquanto uns têm olhos abertos até o occipital e já andam a gás, nós andamos a carvão e “dentxi bétu tan”.
    Andamos nisto há décadas e nada se vê, mas o dinheiro anda a circular nestes negócios obscuros. Alguém anda a nos sugar. É uma vergonha

  6. Madredeus.igreja

    11 de Agosto de 2018 as 0:41

    Só se Jorge Santos, pudesse voltar para nós contar a verdade. Mais não deixaram o homem falar

    Talvez vez, pai do outro queira nos contar cm obteve toda está dívida. É agora, quem paga? Se povo pequeno não viu a cor do dinheiro. Merda mt

    • Seabra

      12 de Agosto de 2018 as 11:02

      De facto, é preocupante de falarem de uma vítima que não pode mais se defender, que deixou este mundo bárbaramente, torturado, assassinado, sem que haja justiça, por instante.
      Tenham um pouco de respeito e dignidade para um defunto ,para a família e amigos ainda vivos, que reclamam justiça.
      Vocês querem saber a verdade sobre este assunto do negócio conjunto de petrôle entre STP e Nigéria? Podem obter resposta da boca do 2o director sãotomense deste projeto que está muito bem vivo,e em STP.
      Detesta -se mulatos em STP , atualmenté? Porquê tanto ôdio contra o economista Jorge Pereira dos Santos ? Compreendemos cada vez melhor, o PORQUÊ DO SILÊNCIO, de todos (ditos amigos e conhecidos ),sobre o assassinato dele onde ninguém se manifestou para condenar o ATO ATROZ.
      Senhores, senhoras, ninguém está a abrigo.
      Nós exigimos justiça. …aquela Mãe sãotomense, negra,que lhe gestou vai interceder para que haja justiça…mas se tivermos que recorrer a todos os matos misteriosos da África, JUSTIÇA fazer-se -á. JURÁMOS !

  7. Carlos Cravid

    11 de Agosto de 2018 as 11:53

    Enfim…

    Como um compatriota muito respeitado escreveu; ” …STeP, você tem mel. Sukli…mele …doxi”. As relações bilaterais são de louvar,mas é sempre bom haver um mínimo de transparência nesse processo.Se calhar seria bom saber o custo destas movimentações para gerações futuras. Sabe-se, por alto, que STP deve uma fortuna a Nigéria proveniente do financiamento do orçamento da ADCJDA, uma instituição que não se sabe o que se faz com os recursos avultados que são postos a disposição desta. Um projeto da responsabilidade do presidente da republica que nomeia os dois diretores da parte de STP para representarem o país, sob orientação de um Conselho de ministros, mas que infelizmente, por mais estranho que pareca, nem o presidente da republica, nem os ministros – membros do tal conselho de ministro – nunca sabem do que se passa nessa instituição. Antes de dar algum passo é importante que se saiba:
    1 – O que foi feito com 12 milhões de dólares anual, desde 2009, postos a disposição desta instituição?
    2 – O custo com funcionários? justifica ?
    3 – Qual o custo financeiro que a instituição terá com incumprimento dos direitos dos trabalhadores?
    4 – Se as normas existentes não travam a gestão danosa, que meios e que nível de controlo serão considerados para evitar compromissos indesejados para STP?
    Temos que lutar para evitar presentes envenenados para STP, pior ainda com consentimento/cumplicidade dos nossos compatriotas.

  8. Caramelo

    11 de Agosto de 2018 as 21:30

    Caro leitores, as eleicoes e a exploracao do peetroleo em STP sao duas novelas sianesas. Se repararam, sempre que as eleicoes se avizinham surgem episodios da novela petroleo. NESTA’s eleicoes Ja vamos no Segundo episodio petroleo. Primeiro episodio: Agosto de 2017. A empresa Americana com pompas e circunstancias anunciou o fim de estudos simicos aguardando pelos resultados labotoriais em 2019. Exactamente um ano depois, Agosto de 2018:Segundo episodio. Delegacao Nigeriana visita STP para ressuscitar a novela Zona Conjunta Nigeria/STP. Seguramente uma delegavao da Guine equatorial ha-de visitar STP para ressuscitar a novela zona conjunta Guine Equatorial/STP,ntes de Outubro proximo. A sopa/eleicoes com o sal/exploracao de petroleo nao save bem. Por isso sempre que as eleicoes a novela petroleo ressuscita-se para morrer logo apos as eleicoes. Esta e a bossa sina.

  9. manuel costa

    11 de Agosto de 2018 as 22:04

    Reanimar a tentativa? É muito pouco, ou melhor dizendo….nada

  10. Nuno Menezes

    13 de Agosto de 2018 as 9:17

    STP e a Nigéria procuram reanimar a tentativa de negócio de petróleo na fronteira marítima.

    Nesta Historia Tem qualquer coisa que nao Esta a Bater Certo Vindo da Nigeria. ( Sorry to say )

    Se ‘e mesmo verdade a zona exclusiva de Sao Tome and Principe Tem petróleo,São Tomé e Príncipe detém 40% para depois o arquipélago de Sao Tome and Principe tem que suportar os 40% das despesas de funcionamento, aconcelho alugarem a uma empresa Petrolífera que queira explorar apenas os 40% que Sao Tome and Principe detém.

    40%-40% = o resultado ‘e 0 (Zero) assim nao existe Ganho existe apenas despesas juntamente £999999.000.000.000.00 de Divida Interna e Externa Por Pagar que assim Sao Tome and Principe assim Tem que Pagar.

    Necessario Sao Tome and Principe os Responsaveis fazerem um concurso quem quer explorar os seus 40% quem Sabe a GALP Portuguesa de Portugal, informando a GALP PORTUGUESA quero 15% e outros 5% ‘e para pagar a divida que assim Sao Tome and Principe tem com o Portugal, e outro Lucro de 20% ‘e o Lucro da GALP PORTUGUESA por tempo indefinido.

    E com 15% de Lucro o Governo de Sao Tome and Principe continua a infraestreturar as ruas da cidade e metendo Luz nas ruas e casa das populacoes que assim apenas chegou a populacao apenas no ano 2018 e outras coisas mais que Sao Tome and Principe necessita,e neste sentido podemos usar a palavra devagar devagarinho o termo de Sao Tome and Principe (leve Leve) com o seu Lucro apenas de 15%.

    Nos Nao Temos infraestretura propria nossa ou seja Equipamentos Utilizados no Processo de Perfuracao e outras coisas mais necessarias, por essa RAZAO se deve usar a palavra ALUGO, igual Sao Tome and Principe Tem apartamento e quem tem apartamento faz publicidade a informar EU ALUGO MEU APARTAMENTO.

    Caso a informarem a Republica Portuguesa essa situacao,e a GALP PORTUGUESA ou outras empresas Petrolífera interessadas,nao se esquecam de informar Eu Alugo a minha Area exclusiva para quem estiver intressado a explorar…. Nao esquecendo informar a GALP PORTUGUESA quero 15% de lucro e outros 5% de lucro, ‘e para pagar a divida que assim Sao Tome and Principe tem com o Portugal, e outros 20% de lucro ‘e o Lucro da GALP PORTUGUESA por tempo indefinido.

    E quem sabe ajuda tambem a Populacao Portuguesa nao irrem esbatecer o seu carro na visinha Espanha. 🙂

    Nuno Menezes
    Reino Unido, Lincoln

  11. Alligator

    13 de Agosto de 2018 as 9:20

    Esta “coisa” do petroleo, não passa de uma grande treta,conversa para fazer boi dormir.Aqueles que haviam de usufruir do dito petroleo, ja usufruiram na autoridade conjunta, na agencia nacional de petroleo etc.Por isso meus compatriotas, esqueçam esta “coisa” do petroleo.

  12. Rodrigo Cassandra

    13 de Agosto de 2018 as 14:01

    Essa porcaria é para esquecer e pensar em outras coisas.
    Mas como misso dá algum rendimento á alguns ficam nisso cada vez que aproxima uma eleição
    Já chega estamos cansados.

  13. Rapaz de reboque

    13 de Agosto de 2018 as 20:37

    Maldito petróleo uns a enriquecer outros cada vez mais na miséria assim vai são Tomé

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo