Sociedade

CST e HBD inauguram novo link entre as ilhas do Príncipe e de São Tomé

A CST, principal operador santomense, e a HBD, grupo hoteleiro e agroturístico de referência com sede na Ilha do Príncipe, inauguraram esta quarta-feira na Roça Sundy, Região Autónoma do Príncipe, um novo link de feixe hertziano que suportará as telecomunicações entre a Ilha do Príncipe e a Ilha de São Tomé.

Trata-se da segunda maior ligação sem fios do mundo sobre o mar, e permite aumentar em mais de 9 vezes a capacidade da ligação atual.

Com este novo link a ilha do Príncipe passa a tirar partido da ligação de cabo submarino de fibra ótica, atingindo assim velocidades de conexão de 100 Mbps, bem como a poder obter todos os serviços já disponíveis na Ilha de São Tomé

O ato foi presidido por Francisco Gula, Secretário Regional para as Infra-estruturas, em representação do Presidente do Governo Regional, Tozé Cassandra. Para além de entidades públicas e privadas locais, testemunharam-no, Artur Trindade, em representação do Presidente da AGER, Orlando Fernandes, Nuno Madeira Rodrigues, CEO da HBD, Jorge Frazão, Administrador Delegado da CST e José Manuel Costa Alegre, Delegado do Governo na CST.

Este investimento é o resultado de um esforço conjunto entre a CST e a HBD para servir melhor os habitantes da RAP e contribuir para a massificação das tecnologias de informação e o desenvolvimento sócio-economico da ilha.

FONTE : CST

 

    19 comentários

19 comentários

  1. Vexado

    18 de Junho de 2015 as 20:12

    Interesse português instalado em Sto. Este Nuno Rodrigues é presidente da associação de empresários santomenses. Que empresa o mesmo é detentor? Na empresa hbd não há santomenses no quadro de topo, só se vê portugueses naquela empresa, o que vem demonstrar que aquela empresa serve mais aos portugueses que aos santomenses.

    • admirado

      18 de Junho de 2015 as 22:29

      Fazes uma empresa igual com o dinheiro do teu bolso e já podes contratar quem quiseres

      • Vexado

        19 de Junho de 2015 as 11:03

        Por acaso tenho. E emprego santomenses fruto das escolas nacionais. Uma empresa que tem benefícios fiscais, convenção com governo nacional e regional, deve ao menos respeitar o Estado santomense. Tbm o toze esta defendendo o seu. Apanha um governo sério o Nuno Rodrigues estaria na linha com a Portugalia. Deve empregar santomenses no quadro de topo e passar know how. Esta é uma condição primeira num contrato de concessão como a convencionada com a imitação do grupo HB. Num país sério, tinham que mudar de sigla para não gerar confusão no mercado com a anfitriã santomens HB.

        • Monte Café

          20 de Junho de 2015 as 11:39

          O senhor Patrice Trovoada e sesus comparsas deve deixar a empresa trabalhar em paz e não andar a criar problemas com a empresa que está a investir muito dinheiro no nosso país. Deixam destas coisas e não comecem a arranjar problemas, por favor. A empresa HBD não é obrigada a arranjar trabalho para os militantes e simpatizantes do ADI. Vocês só estão a arranjar confusão sem necessidade. Façam como o governo regional do Príncipe e tentem atrair mais investimentos estrangeiros para o país em vez de começarem a criar dificuldades a empresas que vêm investir no país e a combater o desemprego. Deixem disto. O Patrice Trovoada se não consegue atrair investimento estrangeiro cá para S.Tomé ele que meta a bufunfa que ele tem de negócios poucos claros para criar empresas e colocar os militantes do seu partido nelas. Que estado é este que quer obrigar as empresas privadas a empregar os seus militantes na direção das empresas privadas? Onde já chegámos…

      • Adálio Monteiro

        20 de Junho de 2015 as 11:32

        Muito bem dito senhor Admirado. Gostei!!!! Gostei muito. Cá em S.Tomé existe esta mania de que tudo o que o cada um faz com o seu suor, empenho, interesse e capacidade financeira deve ser sinónimo ou obrigação de partilha com outros só pelo facto destes serem nacionais. Onde já se viu uma coisa desta? Mostrem competência, trabalho, dedicação, profissionalismo para serem contratados por estas empresas. A culpa não é vossa é dos vários governos do país, incluindo este, que foi criando este hábito cá no país e agora só existe a mediocridade entre nós e a mania das pessoas quererem fazer parte das empresas dos outros. Onde se viu uma coisa desta. Eu faço a minha empresa, independentemente de ser cidadão nacional ou estrangeiro, com meu dinheiro e investimento e vou colocar nela incompetentes a trabalhar ou na direção só pelo facto deles seres nacionais???? Metam lá o vosso dinheiro ou façam a vossa própria empresa. O pior é que este hábito está tão enraizado no nosso país que mesmos as pessoas formadas ou aparentemente inteligentes pensam desta forma como coisa que existe alguma obrigação dos empresários terem de fazer isto. O próprio senhor Patrice Trovoada tem esta mania de exigir aos empresários privados para empregarem os seus militantes e quadros de partido. Isto está uma autêntica brincadeira.

        • Vexado

          21 de Junho de 2015 as 4:07

          Investimento estrangeiro deve criar emprego para os nacionais e não para os estrangeiros. Devem valorizar os quadros nacionais, recrutando apenas, no estrangeiro, quadros não existente no país de investimento. Mas pelos vistos, para certas pessoas, santomenses, servem, somente, para limpar o chão, arrumar o quarto e serem empregado de nível baixo. Não estamos em Portugal nem no país dos sonhos da Alice. Quem quiser sentir Europa, que vá a Europa. Se têm beneficiado das vantagens têm que empregar santomenses. Têm que passar know how, foi com este propósito, ínsito, que se aceitou o investimento estrangeiro e porque trás vantagens. China desenvolveu porquê? Porque o investimento estrangeiro levou tecnologias e conhecimentos para lá.
          Trás conhecimentos, inovações, maquinas, industrias, é disto que o país precisa.

          • admirado

            21 de Junho de 2015 as 22:27

            Teu discurso só mostra uma coisa

            ÉS UM PORCO RACISTA, IGNORANTE E RESSABIADO

            Comprar China com São Tomé….

          • André

            22 de Junho de 2015 as 12:07

            O senhor se quer fazer parte de direção de empresas faz a sua e deixa os outros investirem, por favor. Não venha criar problemas, por favor. Foi assim que o país não desenvolveu durante anos porque os governantes da altura andaram a pedir aos investidores que colocassem nas respetivas empresas sócios de partidos políticos para aceitarem abrir as referidas empresas.
            O governo do Príncipe fez muito bem. É assim que se faz. Esta empresa criou centenas de empregos para gente do Príncipe e também de S.Tomé. O que é que vocês querem? Querem que o governio exige as empresas em causa para aceitarem sócios cá de S.Tomé que não têm dinheiro nenhum e depois para as empresas em ncausa irem investir noutros lugares? Vão mas é para o Diabo que vos carrega. Estão a esquecer de centenas de pobres que encontraram trabalho com estes investimentos?
            O governo do Príncipe fez muito bem e eu aplaudo. Aliás é o único governo que está a trabalhar para o povo.

          • Fernando

            22 de Junho de 2015 as 14:31

            Meu caro Vexado:
            Sabe quantos licenciados Santomenses trabalham nessa empresa?
            Não sabe? Informe-se!!!!

    • Fernando

      21 de Junho de 2015 as 8:18

      Senhor Vexado,
      Deveria informar-se melhor!!!
      O que diz não corresponde à verdade!

      • Vexado

        24 de Junho de 2015 as 17:13

        Boas,
        resposta para todos,

        Não há motivações xenófoba nem apologista de sócios políticos ou padrinhagem. Não se pretende afugentar investimento estrangeiro meus senhores, aliás são bem vindos.
        Ao enfatizar o racismo demonstras a tua veia.
        Simplesmente, para o país desenvolver é preciso investimento duradouro, que trás inovações, transformaçoes, fabricas. Misturar tintas, vender arroz, queijos e vinho para Stp neste momento não convém. Já basta os que temos.
        Quero que digam, quantos santomenses ocuparam um lugar de relevo, tipo coordenar um departamento e abaixo de si estão estrangeiros? Quero ver o lugar na estrutura orgânica da empresa hbd, em especial, sem mencionar nomes, e em geral outras.
        Betão não é investimento meus senhores.
        Deve se comparar com a china sim.Quem não se lembra que outrora china era uma lixeira de PCs velhos provenientes da Europa e usa? Hoje até papel higiênico é fabricado ali para exportar. Que país desenvolveu com investimento português?

        • Fernando

          25 de Junho de 2015 as 7:14

          Caro Vexado:
          – Gestor do Departamento de Construção- Santomense
          – Gestora do Departamento Social-Santomense

          Há muito mais santomenses, mas estes são cargos de topo. Se não há mais nestes cargos, é porque não respondem aos anúncios ou acham que, em início de carreira, devem ganhar como alguém com 15/20 anos de experiência.

          • Vexado

            25 de Junho de 2015 as 17:12

            Meu caro,
            Agradeço a amabilidade pelo esclarecimento. Juntos progredimos. Simplesmente quero melhorias para stp como todos almejamos. Não há motivação racista nem xenófoba.
            Sugeria que para maior transparência e para efeitos de publicidade, publicassem o vosso de relatorio de actividades e trabalho efectuados. Isto é uma sugestão ao hbd. Aos outros estrangeiros investidores a mesma dica. Abraços e sucessos.

        • Adálio

          25 de Junho de 2015 as 10:36

          Mas onde isto já chegou?! Eu vou repetir a sua frase: “Onde estão Santomenses que ocupam cargos de topo nesta empresa”? O senhor de certeza absoluta que não é um ignorante. E não sendo um ignorante o seu problema é ainda mais complexo e difícil de compreender. A empresa é sua? A empresa é do seu pai? Quer dizer eu faço uma empresa minha, tenho uma visão estratégica para a minha empresa. Sei que quero em termos de exigência, trabalho, profissionalismo, empenho e muito mais e vou a correr contratar funcionários para esta minha empresa só porque são de S.Tomé? O senhor deve ser maluco. Basta ver o estado das nossas repartições nacionais onde impera a incompetencia, pouco profissionalismo, falta de empenho, impreparação técnica, falta de lucidez, etc. São estes técnicos que uma empresa que tem objetivos claros e está a gastar muito dinheiro vai contratar para rebentarem com a empresa e com o dinheiro dos outros? Mostrem que são capazes e serão contratados. Basta ver a bandalheira que existe neste e noutros governos cá de S.Tomé onde os ministros nem sequer sabem ler ou escrever em condições, não sabem tomar decisões que ajudam o pais a desenvolver, etc. O senhor acha que quem gasta o seu dinheiro para fazer uma empresa vai contratar estas pessoas só porque são Santomenses? O senhor deve estar maluco. Basta ver a situação do país em geral. Basta ver a qualidade das ditas universidades privadas, Lusófona e outras que estão a mandar para uma quantidade de ignorantes e incultos para a rua como formados. São estes ignorantes e incultos que uma empresa desta vai contratar. O senhor deve estar naluco.
          Eu sou Santomense e defendo S.Tomé sim senhor. Mas não concordo com a sua ideia. Se houvesse gente com qualidade no país para ser contratado por estas empresas eu seria o primeiro a defender. Mas neste caso não concordo consigo da mesma forma que se eu tivesse uma empresa minha não permitira que incopetentes, ignorantes e incultos ocupassem cargos de chefia só porque são de S.Tomé. E digo mais, se tivesse uma empresa e tivesse metido nela muito dinheiro eu não hesitava nem um minuto em contratar técnicos estrangeiros para trabalhar para mim porque eu não confiaria nos técnicos do meu país. Basta ver o que andam a fazer nos serviços públicos, no governo, etc. Cresçam e apareçam…

  2. ANCA

    19 de Junho de 2015 as 3:00

    Muito bem

    Boa Concretização

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  3. Toca o mesmo

    24 de Junho de 2015 as 14:42

    Parece-me que o nosso racista e paternalista amigo Atento, aquele que diz que STP não tem cultura própria e que nos queria dar lições contra Cuba, desapareceu em combate. Será que em seu lugar apareceu o amigo Admirado? E com uma linguagem de carroceiro…fui, mas vou estar atento ao Admirado.

  4. original

    25 de Junho de 2015 as 18:27

    Faz-se um investimento inaugura-se uma infraestrutura que beneficia
    a população de Príncipe em termos de modernidade aumentando a capacidade para 10 vezes mais,ninguém aplaude e só ficam à volta de comentários que não tem nada a ver com assunto em questão.Francamente que distração.

  5. Vuguvugu

    25 de Junho de 2015 as 20:21

    Fernando, Adálio e Admirado = Atento.

  6. vuguvugu

    25 de Junho de 2015 as 20:31

    Original = Atento

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo