Destaques

Doença desconhecida: OMS em mobilização geral para apoiar STP

O Governo são-tomense em parceria com a OMS, já elaborou o Plano de Acção de Resposta a doença de origem desconhecida, designada Celulite Necrotizante.

Num ateliê sobre o reforço da vigilância do surto da Celulite Necrotizante, Claudina Cruz, encarregada do Escritório da OMS em São Tomé e Príncipe, declarou mobilização geral da Organização Mundial da Saúde, para ajudar São Tomé e Príncipe a enfrentar o desafio que a doença de origem ainda desconhecida coloca ao país. «A OMS a todos os seus níveis mobilizou-se para apoiar o país na luta contra este flagelo que ameaça o sistema de saúde e terá impacto negativo na economia nacional e na qualidade de vida dos afectados», declarou Claudina Cruz.

O evento destacou o reforço do sistema de vigilância epidemiológica, a validação das propostas de definição dos casos para agentes de saúde comunitários e técnicos de saúde, e o protocolo de investigação de epidemia.

O Plano de Acção de Resposta à Celulite Necrotizante, já foi validado.

Um doença que cada vez mais se posiciona como um desafio ao presente do país. «É importante constituir a cadeia de transmissão embora ainda não se conheça a fonte.

A amplitude deste surto associada ao nível da sua complexidade e a limitada capacidade de resposta do sistema de saúde determinam o grau de urgência atribuído pela Organização Mundial da Saúde na sua resposta», acrescentou Claudina Cruz.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Eliseu Sousa

    23 de Fevereiro de 2017 as 21:56

    Agora sou eu que não entendo. A ministra da saúde disse há alguns dias’ que a doença não é contagiosa e vem agoa a representante da Oms dizer que: …há uma cadeia de transmissão… Afinal em quem acreditar?

  2. luisó

    24 de Fevereiro de 2017 as 9:03

    E porquê só agora?
    Já se fala disto há meses…
    Há muita gente distraída ou com medo de trabalhar…..

  3. Maria de Fátima Santos

    24 de Fevereiro de 2017 as 10:09

    Eu prefiro acreditar na dra. Claudina pela sua experiência e entrega. Ela é do tempo em que ainda se faziam bons ministros da saúde, bons tecnicos pensantes e agentes, do tempo em que ainda se ouvia a voz de equipas capazes de fazer e executar políticas de saúde e não fazer política com a saúde. Quem sabe sabe quem não sabe conta histórias. Temos o que temos! O desleixo e “muito saber” de 6 anos deu-nos pela primeira vez em ??? anos uma doença desconhecida a qual nem soubemos controlar a tempo! Qual será a proxima? Haja Dubai!…

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo