Sociedade

 Guardas florestais e Eco guias recebem certificados pela formação técnica realizada

Izaite Lopes(na foto) é guarda Florestal há 8 anos. Estevão Soares trabalha como eco guia há 23 anos. Ambos receberam hoje os certificados pela formação de 8 dias realizada no Jardim Botânico, em Bom Sucesso, no Distrito de Mé-zochi.

Os dois integram o grupo de 17 eco guias e guardas florestais que participaram desta formação direcionada a esses técnicos da Direção das Florestas e do Parque Natural Obô. A formação teve por objetivo reforçar as capacidades técnicas para vigiar, fiscalizar com eficácia os ecossistemas florestais, e melhor fazer a recolha dos dados no terreno.

“Ser guarda florestal é muito mais do que ir ao terreno fiscalizar e medir o diâmetro da madeira, nós temos que proteger a nossa fauna e flora e esses dias aqui deram-me novos elementos para melhor fiscalizar, como proteger e como abordar com operadores legais e ilegais”, disse Izaite Lopes.

Como eco guia do Parque Natural, Estevão espera ver aumentada a sua responsabilidade na conservação e proteção do Parque.

“Como eco-guias agora estamos melhor preparados para ajudar os guardas florestais no exercício das suas atividades ajudando não apenas na conservação, mas também na fiscalização das florestas”, disse estevão Soares.

Além de reforçar as capacidades destes técnicos, a formação serviu também como elemento de motivação para que eles sejam capazes de cumprir com as suas atividades diárias, como explicou o Diretor das Florestas, Anahory Dias.

“Muitas vezes depois de exercer essa mesma função é preciso fazer com que o trabalho não se torne monótono, por isso esta formação além de atualizar os conhecimentos que já dispunham, vem também motivar esses técnicos para o exercício da sua atividade diária com novos conceitos e colmatar algumas lacunas que existiam”, disse Anahory Dias.

No entanto os desafios ainda são enormes para o sector florestal, nomeadamente no que toca a melhoria dos estatutos de funcionamento dos Guardas Florestais, para melhor combaterem o abate ilegal de árvores, na melhoria das condições de trabalho no aumento de números efetivos e na conservação da flora e fauna.

Esta formação conclui a primeira fase de formações realizadas âmbito das atividades do projeto “Promoção da Rede Resistente ao Clima e Ambientalmente Sustentável/Rede Isolada de Eletricidade Hidroelétrica e através de uma Perspetiva Integrada em São Tomé e Príncipe”. Financiado pelo GEF, através do PNUD este projeto visa, até 2021, introduzir uma abordagem integrada e ecossistémica através da gestão integrada das bacias hidrográficas.  Ainda este ano, o projeto já apoiou a Direção das Florestas na atualização da lei Florestal e está a trabalhar na atualização do Plano Nacional de Desenvolvimento Florestal. A mesma formação já foi realizada na Região Autónoma do Príncipe.

Fonte – PNUD – São Tomé

 

    2 comentários

2 comentários

  1. olivio cardoso

    7 de Dezembro de 2017 as 13:43

    força colega mostra que voce e uma tecnica polvalente

  2. olivio cardoso

    7 de Dezembro de 2017 as 14:24

    DESEJO SEMPRE FORÇA

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo