Sociedade

PIC – “Cocaína é uma realidade em STP”

O Director da Polícia de Investigação Criminal Suleyman Tenjua chamou a atenção de toda a sociedade são-tomense, para o anúncio que ia fazer. « A cocaína é uma realidade cá no nosso país. Ela entra no nosso país», declarou o Director da PIC.

Uma declaração para que todos saibam de forma oficial, que o arquipélago está na rota do tráfico internacional de droga. Confirmação evidente do facto, é a maior apreensão de Cocaína feita pela PIC no país. Tudo aconteceu entre os dias 30 de Dezembro e 1 de Janeiro de 2018.

Numa operação de investigação que demorou 7 meses, a Polícia de Investigação Criminal, conseguiu no dia 30 de Dezembro de 2017, capturar duas mulas, ou seja, duas pessoas que transportavam cocaína pura nos intestinos.

Uma mulher de nacionalidade Equatoriana(nascida no Equador), mas residente no Brasil, apanhou um voo a partir do Brasil, com escala em Portugal de onde seguiu viagem para São Tomé no voo da TAP. Tinha os intestinos cheios de cápsulas de cocaína e também um maço de cocaína inserido na vagina.

Outro traficante é cidadão são-tomense. Segundo a PIC, o cidadão nacional em causa, viajou rumo ao Brasil, onde recebeu e ingeriu a mercadoria, tendo seguido viagem de regresso a São Tomé. Segundo a PIC, as duas mulas não sabiam da existência da outra. Mas estavam no mesmo avião, voando para o mesmo destino, e nos intestinos tinham o mesmo produto para entrega em São Tomé.

Quando o avião da TAP aterrou em São Tomé, no final da tarde de 30 de Dezembro de 2017, as duas mulas entraram no espaço aeroportuário. Segundo Avelino Espírito Santo, chefe da divisão anti-droga da PIC, a mulher, cidadã do Equador foi ter ao chefe da operação em São Tomé, que por sinal é um cidadão nigeriano, residente no país há cerca de 12 anos.

Outra mula, no caso o cidadão são-tomense, foi interpelado pela polícia como se fosse membro da rede de tráfico, o mesmo aconteceu com a cidadã do Equador e com o responsável em terra, o tal cidadão nigeriano.

Os três foram surpreendidos pela polícia. « A polícia interveio como se fosse um traficante que iria receber a encomenda. Só depois de detidos é que deram conta que estavam sob controlo da polícia», explicou o Director da PIC.

Segundo o director, Suleyman Tenjua, estando sob controlo da polícia a primeira preocupação foi de garantir a saúde física das duas mulas, e de seguida accionar mecanismos para a apreensão da cocaína que tinham nos intestinos e no órgão genital feminino. « Foram conduzidos ao hospital central, e através da radiografia confirmou-se a existência de 121 cápsulas de cocaína nos intestinos, e uma outra cápsula veio no órgão genital da senhora do Equador», detalhou o director da PIC.

Por sua vez, o inspector chefe da brigada anti-droga da PIC, esclareceu que a cidadã do Equador, já esteve em São Tomé no ano 2015. « Já veio para cá em 2015. Veio como turista para avaliar a situação operacional de São Tomé e Príncipe, para se penetrar», assegurou o inspector Avelino Espírito Santo.

Terreno devidamente estudado, operação de transporte e distribuição assegurada, a rede de tráfico internacional de droga opera em São Tomé e Príncipe, mas sob olhar atento da PIC, que durante 7 meses foi seguindo todos os passos da rede. « Essa é a prova clara de que estamos preparados para o que der e vier. Foram 4 dias sem dormir e envolvendo 12 agentes. Todos ficamos longe da nossa família na festa de passagem do ano. Passamos as festas aqui, num trabalho de equipa», afirmou Suleyman Tenjua.

Era preciso garantir boa saúde dos traficantes detidos. Era preciso esperar que eles expulsassem do intestinos as dezenas de cápsulas contendo cocaína. O Director da PIC expressou orgulho nos seus homens. Orgulho de pertencer a uma polícia, onde a força de vontade supera dificuldades enormes. «Com força de vontade, apesar das dificuldades de meios, trabalhamos e apresentamos o resultado. Quero parabenizar a PIC e a todos os homens envolvidos nesta operação», sublinhou o Director.

Cocaína entrou em São Tomé e Príncipe, mas a PIC garante que não vai ficar nas ilhas. « A cocaína é uma realidade cá no nosso país. Entra no nosso país, mas não vai ficar», assegurou Suleyman Tenjua.

As investigações em curso prova que São Tomé e Príncipe é para já o ponto de transbordo ou de passagem da droga pesada. O consumo da coca ainda não é lucrativa no arquipélago. « A cocaína não foi trazida para ser utilizada em São Tomé. Segundo a nossa investigação a cocaína apreendida seria enviada para a Nigéria e para os Camarões através de outras mulas, que iriam entrar em acção a partir de São Tomé. As novas mulas seriam contratadas aqui, ou viriam dos referidos países para executar a operação», pontuou.

Segundo a PIC são cerca de 2 quilos de cocaína pura que foram apreendidos. Nos últimos 3 anos a PIC tem feito apreensões de pequenas quantidades de cocaína entre traficantes de passagem por São Tomé. Esta foi a maior apreensão, e Segundo a polícia indicia o aumento do trafico da droga no país.

O cidadão nigeriano que aguardava as duas mulas no aeroporto de São Tomé, criou uma empresa de comércio de cimento em São Tomé. A polícia acredita que o negócio que o cidadão nigeriano movimenta no país há cerca de 12 anos, foi sempre alimentado pelo trafico de drogas.

A polícia admite que as investigações em curso podem levantar o véu sobre a rede de lavagem de capital, no mercado nacional, através do trafico de estupefacientes.

Abel Veiga

    10 comentários

10 comentários

  1. Pedro Costa

    5 de Janeiro de 2018 as 16:29

    Como está o nosso país atraí este tipo de actividades. Sem ordem, sem organização, sem estado, corrupção, enriquecimento fácil, etc, etc, ajudam.
    Também é muito importante que fiscalizem as acções em torno da “DOBRA”. Conforme se movimentam a moeda nacional, para mim é muito vulnerável. Duvido muito que não circule nos meios de câmbios na praça pública dinheiro falso.
    Este país um dia se transformará num faroeste.

    • Ralph

      8 de Janeiro de 2018 as 4:40

      Eu defenderia que estes traficantes estejam atraidos a STP porque eles vêem o país como um alvo manso, um lugar no qual é fácil introduzir drogas e outras substâncias ilícitas sem muito medo de ser detetados porque acreditam que a vigilância não seja boa. Esta notícia vai muito a mudar essa percepção.

  2. EX

    5 de Janeiro de 2018 as 17:00

    Força PIC continuem assim, só faltam criar um departamento para Investigar Crimes de Corrupção e Crimes ligados área Financeiras (Bancarias e Seguros) e Trafico de Influências decorrentes na Administração Publica.

  3. Verdade

    5 de Janeiro de 2018 as 18:52

    Existe muito sinal exterior de riqueza aqui. Com o salário que se ganha é impossível levar a vida de muitos que andam por ai e que não são políticos.
    Agora fico curiosa em saber quais são os planos deste governo para reforçar as brigadas anti droga .

  4. Nuno Miguel de Menezes

    5 de Janeiro de 2018 as 19:46

    Apenas um promenor,qual ‘e o valor dessa mesma cocaina no mercado de Sao Tome e Principe no caso se os mesmos tivessem sucesso de passar pelas autoridades de Sao Tome e Principe?

    O treinamento acho eu que o Portugal deu a Sao Tome e Principe concerteza os mesmos encinaram que se deve dar o valor da mercadoria.

    A Policia Judiciaria Portuguesa PJ(Judite) quando fazem apreensao de cocaina ou seja Droga os mesmos dizem que no mercado nacional ou internacional a mercadoria tem o valor de £999.000.00 euros apenas um exemplo.

    Nuno Menezes
    Lincoln,Reino Unido

    • José das Medalhas

      6 de Janeiro de 2018 as 11:57

      Nuno acha que esta informação o deixara mais feliz? Esta a procura de alguma oportunidade de negócio? Faz alguma pesquisa ?

      • Nuno Miguel de Menezes

        9 de Janeiro de 2018 as 0:48

        Senhor Jose das Medalhas

        Normalmente quando se faz uma apreensao como essa existe sempre oportunidade de negocio,(exemplo: te dou £9999.000.00 neste momento em dinheiro para assim soltares os meus homens…)e isso existe no mundo em que estamos ou eles mesmo preso eu ou alguem pagar para sua libertacao ou fuga,e tudo isso se chama negocio,se es uma pessoa honesta mesmo recebendo pouco dinheiro que se chama vencimento que o governo paga logico que nao vais aceitar essa proposta e espirito fraco aceita a proposta de £999.000.00,mais no entanto esse mesmo negocio foi por agua a baixo,e quem ganhou neste sentido de Negocio foi a nossa PIC a Policia.

        E normalmente essas mesmas pessoas trazem sempre uma quantidade de dinheiro com eles, basta saber se a nossa PIC vai destruir esse mesmo dinheiro igual a droga.

        Quem sabe no treinamento que eles assim tiveram encinaram para enviar a droga e dinheiro a pais que assim fez o treinamento e eles por la vao destruir a verdadeira droga e o verdadeiro
        dinheiro.

        E o concelho que dou ‘e a PIC enviar a droga e o dinheiro fica em sao tome e principe para o desenvolvimento da organizacao em causa ou alguma ajuda humanitaria.

        Sem mais nada a comentar senhor ze das Medalhas fica bem e um abraco.

        PS- o lixo eletronico de sao tome e principe ‘e enviado para aonde?
        ‘E que o lixo na europa por kilo tem o seu preco e o seu valor.

        Nuno Menezes
        Lincoln,England

  5. Eu sou o faísca mais conhecido por pin

    7 de Janeiro de 2018 as 0:09

    Pq que isso acontece?
    É pq quando um país não tem quêm manda!
    O leve Nazaré falou e disse o povo santomense só aprendi com o bofetada !
    Será que isso é uma forma de falar com os cidadãos?

  6. Ralph

    8 de Janeiro de 2018 as 4:28

    Desejo a todos em São Tomé e Príncipe um feliz Natal e um ano novo próspero a partir da Austrália. Não faz surpresa que isto acontece. O problema de drogas ilícitas é um que aflige todo o mundo, e um país pequeno como STP não vai ser imune a isso. Infelizmente, muitos traficantes querem encontrar países pequenos com sistemas fracas de vigiláncia, como STP, para que possam passar os seus produtos, esperançosamente (do ponto de vista dos traficantes) sem deteção. Outro problema é o facto de que muitas das mulas desconhecem o seu próprio papel no ofício e eles são os joguetes no processo. O facto que as autoridades são-tomenses sabiam da tentativa e estavam prontos para apreender os criminosos quando chegaram é um esforço que vale elogios. Com sorte, a apreensão vai ajudar a deter (ou pelo menos minimizar) outras tentativas no futuro.

  7. rapaz de riboque

    8 de Janeiro de 2018 as 14:17

    Isto tem muita boa gente metida neste negócio pena é que só são apanhados os mais pobres que servem de bode expiatório

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo