Política

OMS prepara África e Américas para detectar possíveis casos do Covid-19

São 40 países africanos e 29 das Américas; medida preventiva quer ajudar a fortalecer a resposta dos sistemas de saúde nessas nações; até esta quarta-feira, China já havia notificado 74.279 casos da nova cepa do coronavírus e 2006 mortes.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, informou que a OMS está coordenando ações de preparação de países africanos e das Américas para responder ao Covid-19.

Voo de Doha, Qatar, para Nova York, onde quase todos os assentos estão vazios. Foto: ONU News/Jing Zhang

Ele enfatizou que “uma das preocupações é se esse vírus chegar a países com sistemas de saúde mais fracos.”

Tedros acrescentou que “até o final desta semana, 40 países da África e 29 das Américas terão a capacidade de detectar o Covid-19.”

Estados Unidos e Canadá

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, um total de 23 casos do Covid-19 foram confirmados na região das Américas. Até 18 de fevereiro, todos registros da doença foram nos Estados Unidos, com 15 casos, e no Canadá, com oito.

A primeira incidência do novo coronavirus na região foi identificada, em 21 de janeiro, nos Estados Unidos no estado de Washington. Alguns dias depois, em 25 de janeiro, o Canadá confirmou seu primeiro caso em Toronto.

Até o momento, não há registro de casos confirmados na América Latina e no Caribe.

China

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, lembrou que “dados da China parecem mostrar um declínio em novos casos” do coronavírus Covid-19 e que “é uma notícia bem-vinda”.

Tedros alertou, no entanto, que essa informação deve “ser interpretada com muito cuidado” e que ainda “é muito cedo para fazer previsões sobre esse surto.”

Cruzeiro

De acordo com a última atualização da OMS, até a manhã desta quarta-feira em Genebra, a China já havia registrado 74.279 casos do Covid-19, incluindo 2006 mortes.

Fora do país existem agora 918 casos em 25 países, com três mortes.

Funcionários verificam a temperatura dos clientes na entrada de shopping center em Yangon, em Mianmar.  Foto: Man Yi

O chefe da OMS enfatizou que fora da China há “um fluxo constante de novos casos”, mas que ainda não foi observada uma “transmissão local sustentada, exceto em circunstâncias específicas, como o navio de cruzeiro Diamond Princess.”

Tedros alertou que “isso ainda pode mudar”, mas que ainda existe “uma janela de oportunidade para se evitar uma crise global mais ampla, graças aos “esforços agressivos” da China para conter o surto na sua origem.”

Iniciativas

Nas Américas, a Opas informa que entre as iniciativas adotadas na região estão o fortalecimento de medidas para detectar precocemente e responder rapidamente a possíveis casos do Covid-19. Essas medidas incluem a ativação de mecanismos de coordenação multisetorial, a vigilância ativa nos pontos de entrada nos países e treinamento de profissionais de saúde.

Por meio de uma série de oficinas, a Opas vem preparando laboratórios na região para que eles possam realizar o diagnóstico para detecção da doença.

No caso de uma introdução do Covid-19, na região das Américas, a agência da ONU diz que a expectativa é de que o impacto nos serviços de saúde seja alto, uma vez que os hospitais podem ficar sobrecarregados rapidamente com pacientes que precisam de isolamento e de cuidados em unidades de terapia intensiva.

Wuhan

Nesta quarta-feira, o chefe da OMS lembrou que a notificação à agência sobre um conjunto de casos de pneumonia de causa desconhecida na cidade chinesa de Wuhan ocorreu há 50 dias. E que “em apenas sete semanas, esse surto capturou a atenção do mundo.”

Menos de um mês após a notificação, ao ver sinais de transmissão de pessoa para pessoa fora da China, a OMS declarou uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional.

Informações

Tedros destacou que “esses esforços retardaram a propagação do vírus internacionalmente” e ajudaram o mundo a ganhar tempo. Ele disse ainda que, a cada dia que passa, descobre-se mais sobre o vírus.

De acordo com a OMS, mais de 80% dos pacientes apresentam sintomas leves da doença e se recuperam. Outros 20% têm sintomas graves ou críticos, que variam da falta de ar a choque séptico à falência múltipla de órgãos.

Em 2% dos casos relatados, o vírus é fatal e o risco de morte aumenta à medida de acordo com a idade do paciente e condições de saúde subjacentes.

Além disso, existem poucos casos entre crianças, mas segundo a OMS, ainda são necessárias mais pesquisa para entender o motivo disso.

Medidas

Entre as inúmeras medidas adotadas pela OMS está a presença na China no momento de uma equipe internacional de especialistas liderada pela agência.

A Organização Mundial da Saúde também está trabalhando com fabricantes de equipamentos de proteção individual para solucionar a escassez no mercado de máscaras, luvas, aventais e outros EPIs, e assim, garantir a proteção dos profissionais de saúde.

Suprimentos de equipamentos de proteção individual foram enviados para 21 países e serão disponibilizados para outros 106 países nas próximas semanas.

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo