“Agostinho Neto, a luta pela libertação de Angola” lançado em São Tomé

A roça que foi baptizada com o nome do Primeiro Presidente de Angola, foi o palco para o lançamento do livro. Na última segunda-feira, centenas de pessoas, foram a Roça Agostinho Neto, descobrir a história de vida e de luta do herói nacional de Angola.

Trata-se de uma obra que contem cinco volumes e mais de novecentas páginas. A obra retrata a trajetória de vida do poeta e político, que lutou para a libertação do povo angolano. Mário Pinto de Andrade, professor Universitário em Angola, apresentou o livro.

O lançamento do livro enquadrou-se na celebração do nonagésimo aniversário do nascimento de Agostinho Neto. «Este livro está composto por vários documentos recolhidos, onde estão descritos os percursos políticos do Agostinho Neto. A obra retrata a participação do Presidente Agostinho Neto em todas as cerimónias políticas e social”, disse Mário Pinto de Andrade.

Agostinho Neto encabeçou a luta dos angolanos contra o domínio colonial e conduziu o país a independência e é reconhecido por alguns santomenses como um homem de garra e determinação. “Ele é um verdadeiro líder. Agostinho Neto foi o responsável pela libertação do povo angolano”, disse doutor  Victor Guadalupe

Para além do lançamento do livro que descreve o percurso do chamado fundador da nação angolana, a celebração em São Tomé, do nonagésimo aniversário sobre o nascimento de Agostinho Neto, ficou marcada por homenagens ao herói angolano.

A delegação da fundação Agostinho Neto, chefiada por Mário Pinto de Andrade, ofertou um exemplar do livro ao Presidente da República, Manuel Pinto da Costa, outro ao Primeiro-ministro, Patrice Trovoada e um terceiro exemplar, a Assembleia Nacional. O médico, poeta e político angolano foi Presidente de Angola desde a independência em 1975 até 10 de Setembro de 1979, data em que faleceu vítima de um cancro.

Sónia Lopes

  1. img
    De Longe Responder

    Se temos dirigentes que nos fazem sentir a INDEPENDÊNCIA como um rebuçado amargo, com que ânimo veneramos os que lutaram pela independência?
    É uma pena deixarmos esfumar assim tanto suor, tanto sangue, vidas, tanto sonho tornado obra sem glória.

  2. img
    Santosku Responder

    Em Angola atrevo-me a dizer que apesar dos sofrimentos que algumas pessoas ainda têm a Angola está a dar passos largos e seguros, portanto não se deve maldizer da independência.Mais em S. Tomé apesar das nossas fracas riquezas já podiamos estar a ver pelo menos uma luz no fundo do túnel. Com este Governo ainda as coisa estão cada dia pior. Aonde vamos chegar se os Tribunais que têm a função de julgar os malfeitores e outros estão eles próprios os Juizes a roubarem e de que maneira.

    • img
      De Longe Responder

      De acordo Santosku
      Não é maldizer da independência. Está com todas as letras maiúsculas devido à importância que tem. Fala-se mal de o que os dirigentes fizeram sentir com a independência. Já e agora, parabéns aos angolanos pelo seu sucesso.
      Ficamos a sonhar. Ou era melhor inventarmos uma nova forma de luta?

Deixe um comentario

*