Economia

Empresa portuguesa especializada em humburguer e kebab vê com bons olhos investimentos em São Tomé e Príncipe

Atua no ramo da restauração e é especializada em humburguer e kebab, empresa portuguesa localizada no concelho de Pombal no distrito de Leiria, já empregou vários são-tomenses.

A sócia-gerente Carina de Sousa, diz-se uma apaixonada por África e em especial pelas ilhas verdes do equador, que apesar de não as conhecer pessoalmente não descarta a possibilidade de um futuro investimento no arquipélago.

É na pequena cidade de Pombal no distrito de Leiria, que se situa o Mega Buguer. Um estabelecimento de exploração de restaurante e snack bar, especializado em humburguer e Kebab, que constitui uma das principais atrações no que as refeições dizem respeito, para as gentes da região e arredores.

“Aqui temos um leque variado de opções. Quem vier cá, pode comer humburguer grandes e pequenos, saladas de frango, de atum com delícias, e claro temos também o kebab que pode ser em sandes, crepe ou no prato”, explica Carina de Sousa.

Em pombal pode-se encontrar uma boa comunidade de estudantes são-tomenses, que não dispensa o humburguer ou o kebab com o molho picante do Mega Burguer.

“Eu gosto muito, sempre que posso vou lá comprar o kebab, com o molho picante é delicioso”, garante o estudante Ilizney dos santos joão.

“É mesmo muito bom, o humburguer e o kebab do Mega, eu adoro” afirma outra estudante são-tomense Lu Sousa.

O Mega Burguer constituí ainda, um importante apoio para a comunidade estudantíl são-tomense em termos de emprego. Pela empresa, já passaram vários são-tomenses. A sócia-gerente, também ela imigrante brasileira em Portugal, afirma-se uma apaixonada por áfrica e em especial por São Tomé e Príncipe.

“Eu adoro África e os africanos. Os (negões) como carinhosamente os trato, são gente boa. E São Tomé e Príncipe são duas ilhas paradisíacas, infelizmente ainda não as conheço pessoalmente, mas não vejo a hora de o fazer, enfatiza Carina de Sousa.

A empresária vai mais longe, e não descarta mesmo um futuro investimento no arquipélago.

“Porquê não? Tudo é possível, dizem que é um país cheio de oportunidades, vamos ver o que o futuro nos reserva” concluiu.

São Tomé e Príncipe pode assim num futuro, vir a sentir o gosto delicioso do humburguer e do kebab do Mega Burguer de Pombal, já testado e aprovado pelos seus imigrantes e dezenas de portugueses que o fazem diariamente.

Brany Cunha Lisboa

    17 comentários

17 comentários

  1. barbaro

    25 de Junho de 2013 as 22:47

    qualquer dia aparece noticias a falar mal como é o habito

  2. Coitado do Povo

    25 de Junho de 2013 as 23:23

    Se comem comida nao biologica, vao ficar todos gordos e gordas com problemas de coracao; tensao alta, cancro, e outras doencas. O povo deve comer frutas e legumes e fazer exercicios fisicos. Mega Burger = mais doencas

    • Maria de Jesus Costa

      16 de Fevereiro de 2015 as 19:03

      Subscrevo o que disse pois sou médica e percebo perfeitamente o que isso significa, pelos vistos você tb deve ser profissional de saúde. Precisamos de iniciativa válida para a saúde educação, apoio para a PIC com meios para combater a criminalidade e promoção da nossa qualidade de vida. Não precisamos de lixo para o nosso corpo.

  3. Caué a Pagué sa gi Non

    26 de Junho de 2013 as 2:45

    Ai ai! Investimento bem grande pa! Vai fazer-nos todos ficar ricos… O pa, Cresçam e apareçam… Basta um São-Tomense com ideia e cria uma coisa destas na terra.
    Santa ignorância… Isto é mais publicidade zero do que tudo.

  4. António Silva

    26 de Junho de 2013 as 6:48

    A ideia é boa, mas muito cuidado. Nestas alturas de crise e num país sem um controlo alimentar eficaz, tudo é possível. Precisamos de investimentos e coisas novas, mas o estado tem de criar meios de controlo.

    • bccruz

      29 de Junho de 2013 as 21:08

      O pior é isso o Estado não quer fazer nada , esta a espera que os outros façam por Ele , daí que os rejeitados nos outros paises têm visto São- tomé como o pais de oportunidades… alguém tem que fazer alguma coisa não é verdade… e o Estado diz venham, venham …Eles ( dirigentes) têm seguro de saúde na Europa! O resto que se dane.

  5. bmw

    26 de Junho de 2013 as 8:13

    nao és obrigado a comer, COITADO DO POVO.

  6. desta terra

    26 de Junho de 2013 as 8:22

    Esse tipo de comida não é saudável.

    É por isso que os portugueses são quase todos obesos.

    A nossa fruta pão, mandioca, matabala, banana pão e prata, jaca, milho, azeite de palma, búzio, os nossos peixes, camarão manglolô mapleto, mablabo, charouco, papê, blabo, as nossas galinhas de fôrro, etc.
    Isso sim, é comida para gente saudável.
    Qual hamburger qual quê?

    • Retorno

      26 de Junho de 2013 as 9:45

      ó Barroso, sei que é vc mesmo!
      Tens toda razão quando afirmas que este tipo de comida não é saudável. Mas, vamos pensar de outra forma.
      Nossa terra precisa de investimento e se alguem se interessa em fazer pequenos investimento, é de louvar porque isso diminui o Desemprego e a pobreza.E isso também faz despertar interesses dos outros impresários, agora uma coisa é certa come quem quiser comer, e quantos amburguer vc comeu em cabo verde? kkkkkkkkkkkkkk.

    • Maria de Jesus Costa

      16 de Fevereiro de 2015 as 19:05

      subscrevo, temos tudo saudável e não precisamos de lixo

  7. Fede ká dóchi

    26 de Junho de 2013 as 9:13

    Só come quem quer. Mas tb como os jovens agora adora mais arroz com bunzu (búzio). O que se espera? Ela vem e vai ter aderência. Que venha.

  8. clinica

    26 de Junho de 2013 as 13:40

    Olha para atrasos, STP não tem nem se quer um clínica de saúde prestigiada, com todos os serviços de assistência medica ou de primeiro socorros, no estão querem meter a população a engorda. Isso o mal do mundo. É bom que esses dirigente vão la comer para ficarem todos gordos.
    Sem fazer nenhum já estão obesos agora pior…. Deviam era investir numa boa clínica, pois aí sim era muito bom.

  9. Baga Tela

    26 de Junho de 2013 as 18:58

    Como sãotomense que sou e que ama o seu povo, venho alertar pelo perigo do consumo desse tipo de refeição. São chamadas de “comidas plásticas” que apenas faz mal a saúde. Esse tipo de alimento não contribui para fortalecer o nosso organismo em nada. É um tipo de refeição feito com muita gordura má para o colesterol e trazer com ele doenças do coração fígado e por aí.Apenas serve para nos engordar.
    Quem quer ter boa saúde e mais anos de vida, é melhor fazer refeiçoes equilibradas, ricas em legumes, consumir de preferencia peixe, frutas, soupa e uma dose regular de exercício físico. Meu caro povo, antes de coprar,saiba o que irá comer para mais tarde não ter consequência indesejada.
    Um bem haja!

  10. ferpenapandopo

    26 de Junho de 2013 as 21:09

    Porque sera que a empresaria brasileira gosta tanto dos “Negões”Africanos,sera que têm algo a “mais” do que os “Negões” brasileiros???

  11. Badiu

    27 de Junho de 2013 as 10:53

    acomselho esta empresa a não vir investir neste stp actual. se o fizer, vai perder dinheiro. uma análise macro, contextual ou conjuntural do país fará a mesma recomendação, principalmente a análise politico-legal. depois para correrem com a empresa podem até mesmo alegar k vosso humburger tem carne de cão. não duvidem!!!! kkkkkkkkkkkk em stp os nossos governantes não sabem aproveitar de forma honesta.

  12. bccruz

    29 de Junho de 2013 as 20:56

    Pois é , pois é, empresa que não se liga em Portugal vão para pobre do meu pais com os restos de Portugal … São- Tomé precisa disto? Será que em São- Tomé todo investimento é bem-vindo , não se pondera? Quero acreditar que não , pois não é por ser pobre que o país é obrigado a aceitar esse tipo de proposta, ainda por cima num Pais que o controlo é praticamente nulo. Oh São- tomense não sejemos passionistas.Tirem a vossa conclusão.

    • Quântico

      9 de Julho de 2013 as 16:07

      É verdade sim senhor, atenção aos fast foods, pois o desenvolvimento por vezes é uma exploração sanguinária, o vosso país tem de tudo para não depender de ninguém e de nenhum tipo de educação. Não é o facto de ser restos de Portugal, mas o que nos fizeram não foi por acaso, essa moda do fast intoxica e bloqueia a uma consciência lúcida. ATENÇÃO que ouve um pais que teve um desastre nuclear e que neste momento exporta cereais. vou ficar por aqui para não revelar mais. Um povo informado é um invencível

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo