Política

MLSTP/PSD decide ajudar a resolver os problemas dos Estudantes são-tomenses em Portugal

“Preocupado com atitudes insensatas e anti patrióticas do Governo, face ao estado de miséria destes são-tomenses estudantes, particularmente em Portugal, o MLSTP/PSD instou o seu Grupo Parlamentar, no sentido de recorrer aos dispositivos regimentais da Assembleia Nacional, para levar o Governo a solucionar a problemática dos referidos estudantes”.

SECRETARIADO PERMANENTE

Comunicado

O secretariado do MLSTP/PSD , procedendo, a uma análise exaustiva do conteúdo da mensagem de Sua Excelência o Presidente da República Dr. Manuel Pinto da Costa, alusiva ao primeiro ano do seu mandato,  considerou  o elevado sentido de Estado, a  imparcialidade, a verticalidade, e o espírito de abertura que  tem norteado a sua magistratura como uma   grande contribuição  ao clima de  estabilidade política necessária para a governação do País.

É a convicção do Partido, que alguns factos ocorridos recentemente no relacionamento institucional entre Assembleia Nacional e Governo, jamais teriam lugar se existisse vontade política da parte do Executivo, em responder perante o plenário da Assembleia Nacional para partilhar informações sobre os assuntos de governação em sede própria, conforme reza o princípio da transparência consubstanciado na Constituição e nas demais leis da República.

Ao invés de caminhar no sentido de uma maior eficácia para a melhoria das condições sociais e económicas do País, as ações do Governo, vêm promovendo frustrações da nossa população que vê cada vez mais distanciadas as perspectivas de melhoria das suas condições de vida.

O Executivo adotou a campanha permanente, como linha de conduta, e vai sistematicamente lançando anúncios de grandes obras, sem viabilidade e, por conseguinte, sem qualquer impacto para a economia, sem a mínima possibilidade de virem a concorrer para a melhoria do estado de sobrevivência em que vive o nosso povo.

A política externa do Governo revela a ausência notória de sentido estratégico.

As vantagens da cooperação bilateral e das parcerias geoestratégicas, enquanto recursos mais próximos, não têm sido aproveitadas  nas opções políticas do Governo.

Como consequências, já são visíveis: Implicações imediatas que podem levar ao desaparecimento do sector privado nacional e esvaziamento das finanças públicas do Pais, contrariando os resultados dos falaciosos discursos do crescimento económico, propagados pelo Governo.

A dramática situação dos São-tomenses estudantes em Portugal, Brazil, Marrocos é apenas um dos  exemplos da incapacidade  do actual  Governo, que  ao abono da verdade,  deixou de exercer as suas responsabilidades na proposta de medidas  proactivas para resolução dos Problemas do Pais,  limitando-se apenas, á reações pontuais para diferentes situações gravíssimas quando despoletadas na praça pública.

Preocupado com atitudes insensatas e antipatrióticas do Governo, face ao estado de miséria destes são-tomenses estudantes, particularmente em Portugal, o MLSTP/PSD instou o seu Grupo Parlamentar, no sentido de recorrer aos dispositivos regimentais da Assembleia Nacional, para levar o Governo a solucionar a problemática dos referidos estudantes.

O MLSTP/PSD, continuará firme , a desempenhar as suas funções, enquanto partido alternativo ao poder,  sem receios das perseguições e intimidações que o actual Governo vem exercendo sobre os dirigentes políticos da oposição.

Feito em São Tomé , aos 13 de Setembro de 2012

    50 comentários

50 comentários

  1. Sao Tome Principe

    14 de Setembro de 2012 as 7:52

    seria igualmente bom que o MLSTP, fizesse mais no sentido de mostrar que é realmente pro activo apoiando também os doentes que junta médica em Lisboa que tb passam fome porque a embaixada nunca tem dinheiro para apoiar, e muitos dormem inclusivé na rua…

    • Conveta Quá

      14 de Setembro de 2012 as 14:37

      MLSTP é também um partido político de STP, mais um conjunto de malfeitores como os outros. Só estão a agrrar neste caso que lhes dá créditos políticos porque está amplamnete divulgado. Querem com isso alcançar o lugar para fazer o mesmo que os que lá estão. Quem quiser pode acreditar no gesto de bondade. A bondade seria orientar o país corrigindo a política miserável que se faz na terra e não pegar num caso isolado para dar nas vistas. As figuras de proa do meu país são uns desavergonhados.
      Zentxi blucu, má fávèlu, sê vlegonha.

    • delcio-baite

      14 de Setembro de 2012 as 18:44

      dar ao povo o q é do povo,nada mais justo…a culpa é de quem…antes negar esses estudantes o direito de estudar do q faze-los estudar desse jeito

  2. Sao Tome Principe

    14 de Setembro de 2012 as 7:53

    seria igualmente bom que o MLSTP, fizesse mais no sentido de mostrar que é realmente pro activo apoiando também os doentes de junta médica em Lisboa que tb passam fome porque a embaixada nunca tem dinheiro para apoiar, e muitos dormem inclusivé na rua…

  3. Dlima

    14 de Setembro de 2012 as 8:35

    Publicidade barata do MLSTP… Pois, enquanto estiveram no poder também nada fizeram.
    Falam como se o problema dos bolseiros fosse recente mas, todos sabemos que não.
    Quando são oposição são sempre os melhores, têm melhores ideias e melhores soluções mas, mas vão ao poder são iguais ou pior aos que estão.

    • Conveta Quá

      14 de Setembro de 2012 as 14:39

      Porquê que este comentário é tão negativo?
      Já pagam a votantes?

  4. Põe boca não tira

    14 de Setembro de 2012 as 8:38

    Situação dos estudantes da guarda é apenas um caso em n. Derveriam pensar tb nos outro que tb passam fome, dormem na rua pq não têm um teto ou um pão pra comer; Com este Governo não se espera grande coisa….. efim ja não existe o espírito humanista…..

    • Fijalatao

      14 de Setembro de 2012 as 15:58

      Põe boca não tira; estás a colocar realmente o dedo na ferida! Há muitos santomenses em Portugal a passar por calamidades tremendas devido a crise que assolou este país! O caso ainda está mascarado porque os santomenses temem em dirigir a sua representação diplomática porque consideram que seria como se estivesse a nadar na areia!E por outra, somos muito envegonhados! ” não somos igual aos nossos governantes que andam de braços estendidos”! O senhor que era embaixador de S.Tomé em Portugal, durante a sua estadia, balanço zero! Em Portugal aproveitou e acabou o seu curso de Direito! Em Angola vai aproveitar como candongueiro amealhando mais algum para si e para os seus e assim vai o S.Tomé e Principe.

    • HLN

      14 de Setembro de 2012 as 19:39

      Não querendo ser pessimista, mas acredito que nem com esse nem com outros que virão. é uma confusão danada dentro de um copo de água, vejamos caso de tribunais qual é o papel de oposição, calar e consentir nas denúncias gravíssimas que tem surgido neste sitio, esses nossos Partidos só pegam em casos Pontuais com objectivo de difamar a imagem do executivo mais nada, pensam que a gente pensa que estão preocupados com estudantes. Mentirosos

  5. Espirito Santo

    14 de Setembro de 2012 as 8:41

    Falo com insenção.
    A culpa de tudo isso são os encarregados de educação desses estudantes. Sabiam e assumiram pagar todos os custo dos seus filhos.
    Fizeram vigilias, ensultaram dirigentes e assinaram um compromisso com o ministerio da educação e a embaixada de que assumiriam todos os custo dos mesmo até a sua volta.
    agora vejamos, com todo o sacrificio terminaram a formação profissional que foram fazer, não tendo os pais condições para fazerem licenciatura regressam e aqui sim o estado deve dar esses pais uma mão dendo em conta a sensibilidade e o papel do estado.
    Não confundemos bosas de estudo e vagas para estudos.
    Aconselho aos pais desses alunos de modo a promover o regresso desses alunos em quanto tempo e faze-los continuar os seus estudos em s.tome que tambem ja tem boas universidades.
    O estado assumir a continuação de todos esses alunos que são milhares seria um suicidio de qualquer governo.agora arranjar um avião e faze-los regressar mesmo não tendo responsabilidade com os mesmo transfoprma em um dever do estado.

    • Alima Blúcu

      14 de Setembro de 2012 as 11:26

      Verdade nua e crua o que diz o Sr. Espirito Santo!

    • Fijalatao

      14 de Setembro de 2012 as 15:45

      Espírito Santo, é um caso inédito na vida dos governos e das nações! Um governo que limpa as mãos como Pilatos alegando que não tem nenhuma responsabilidade em relação aos estudantes! Que eu saiba, mesmo que não fossem estudantes, o dever de todo o governo do mundo é defender os seus nacionais, proteger e repatriar os seus nacionais em casos de guerra, fomes e calamidades! Esse governo e muitos que o antecederam têm uma falta de conhecimentos e falta de cultura que é tremenda e sobretudo a desonestidade intelectual do meu colega Varela que está inerte perante a situação. Eu pessoalmente exijo do governo um pedido de desculpas aos estudantes “não como estudantes” como santomenses que são pela falha cometida pela senhora directora mandatada do governo.

  6. Mimi

    14 de Setembro de 2012 as 8:48

    Quando se offerece ajuda, faz-se mal?

  7. Brigadero

    14 de Setembro de 2012 as 9:11

    o pior governo que temos.~
    o MLSTP/PSD era o ki era mas o país não era assim, Patrice, que não é nosso patriço já fez cerca de 108 viagem durante 2 anos do mandato.
    por isso digo os guiniences tenhem razão, é tudo fui……… que Deus nos abençoe

  8. Felado

    14 de Setembro de 2012 as 10:01

    È necessário que se defina uma politica de formação no país. Deve-se começar a valorizar formações feitas no país, de modo a evitar esta avlanche sem responsabilidade de pessoas para o estrangeiro. Muitos alunos que sairam, sabiam que não tinham bolsas de estudo, inscreveram-se nalgumas escolas portuguesas para terem autorização de saida, e pensaram, que quando chegassem lá, começariam com chantagem e as autoridades nacionais iriam resolver.
    Não é possivel, que uma série de alunos deslocaram a Portugal para fazerem uma formação média e quando terminaram, quase ninguém regressou e todos estão a tentar a universidade. Um país não se desenvolve só com pessoas de formação superior. è necessário que haja formações técnicas médias e intermédias, de modo que cada um possa dar a sua contribução no processo de desenvolvimento dop país. O Governo tem que ter controlo de estudantes que saem. Aqueles que saem por sua propria iniciativa ou da iniciativa dos seus familiarfes, devem assumir as suas responsabilidades. O proprio MLSTP e PCD através do seu expresidente Aurélio Martins e do ex Presidengte da Camara de Água Grande, andaram a enviar estudantes para Portugal como campanha para as suas politicas e deixaram-lhes a sua sorte. oje estão a verter lágrimas de corcodilo, e deveriam ser responsabilizados pelo acto irresponsável que cometeram.
    Também deve-se ordenar a estrutura de formação. Falta de quadros na área dce saúde e excesso de quadros em direito, quimicos etc. Penso que o governo deve começar a rejeitar ofertas que não interessam ao país e negociar com parceiros áreas que ainda fazem falta.
    Bem, Haja

  9. ZE PEDRO

    14 de Setembro de 2012 as 10:19

    Bom que o MLSTP/PSD, PCD, MDFM, sociedade civil(caso houver) intervenham sempre no espirito de melhorar o que está mal, pois São Tomé e Principe precisa da contribuição de todos os seus filhos sem excepção

    • Fijalatao

      14 de Setembro de 2012 as 15:34

      Zé Pedro, digo mais; seria bom que os pais e encarregados de educação, familiares, esposas e maridos destes ditos estudantes junto as forças vivas da sociedade sissem a rua para uma manifestação à porta do Primeiro Ministro e à porta do Ministério de educação de uma forma ordeira e cívica contestando essa política de educação perante a imprensa nacional e internacional para que as coisas tomassem outro rumo!O falar não é suficiente para esses filhos das prostitutas que otrora também passaram pelo mesmo em várias governações do MLSTP/PSD ” Eu sou um deles”!

  10. binoculo seculo vii

    14 de Setembro de 2012 as 10:20

    Apoio plenamente que o MLSTP/PSD faça algo para solucionar o problema confrangedor dos nossos estudantes. Esperar pelo Governo do PT, os mesmos vão morrer à fome. Vejam uma coisa os estudantes não pediram apoio ao Ministro DIABO da Educação, mas, sim, a oposição e ao próprio PR, porque deles, eles podem morrer. Ouviram as patetices da senhora directora do Ensino Superior? Tudo encomenda do Ministro DIABO. Esta senhora caiu de para-quedas no ministério, por ser amiga da esposa do Padre/Diabo. Este já não sabe o que fazer tirou todos os directores que encontrou no ministério e colocou amigos, familiares, amigas da esposa e os seus amigos do partido PCD. Isto é uma grande vergonha. O director da Cultura que ele nomeou recentemente já está na rua por ciúmes, estava com medo que o Alors, o corneasse. A esposa já está chateada e ameaça divórcio, o diabo do homem está a solta. Nunca se viu uma coisa dessas na educação, ele não está preocupado com a competência , mas com a mediocridade. Nomeação atrás de nomeação, e o PT fica impávido a ver as atrocidades que está a ser cometida a olho de todos. O problema do Santo que ele como Padre/Diabo conhece; tirou o director da escola de Guadalupe e mandou que ele todos os dias fizesse 28 quilómetros por dia, para vir a cidade como metodólogo. Enquanto outros casos por ser sua gente ele convive calmamente. O Homem mete a mão em tudo com o objectivo de ganhar dinheiro. Até bata nas creches e jardins o homem decidiu que fosse só a cor-de-rosa, para serem adquiridas na loja do seu sogro Barroso, convenhamos. O PT nada faz. Nem o Varela, homem culto está a ignorar as atrocidades deste Homem.
    A educação está num caos total e ninguém faz nada. Pagar os bolseiros o homem nem está aqui. Mas está e para nomear a sua esposa que é do outro ministério para presidente da Comissão do Festival Gravana, aonde a senhora mamou massa à vontade e cobrou os inocentes da nossa população. Aonde está o PT no combate a corrupção. O Presidente da Camara de Água Grande abriu o jogo na TVS, e o Padreco veio defender a sua esposa, que coisa minha gente, isto é muito triste. Aonde esta a solidariedade para com os nossos estudantes, é transferir professores, educadores para cascos–de-rolha como represália por serem da oposição.
    Até sindicato dos professores está comprado, imaginem que no ano lectivo findo, muitos professores e educadores não receberam subsídio de transporte e o sindicato não faz nada. Imaginem que RTP África viu o calvário dos nossos estudantes na Guarda e em outra paragens de Portugal, nem uma vírgula sobre o caso, se não fosse a RTP internacional ficaria tudo escondido. ABAIXO OS BANDIDOS DISFARÇADOS DE MINISTRO. VIVA A DEMOCRACIA.

  11. bbb

    14 de Setembro de 2012 as 10:38

    Dlima, a senhora ou senhora tem memória curta. Os governos do MLSTP, sempre, não obstante com atrasos sempre assumiram os alunos e pagaram as bolsas. Este governo não. Não paga e rejeita os alunos como se eles fossem estrangeiros. Mas ara mimm até é bom. Porque são os pais destes alunos ou eles mesmos que dizem para deixar governo trabalhar. Governo está a trabalhar. Estes alunos que esperam mais dois anos.

  12. Paulo

    14 de Setembro de 2012 as 10:54

    Muitos estudantes do ensino superior tiveram que desistir do curso porque a incapacidade deste governo. Os estudantes não têm nunhum apoio desses escumalhas repito mesmo escomalhas, governo incompetente.Olinto Daio não faz nenhum, o cachero viajante que se diz primeiro Ministro não tem feito nada. Os estudantes estão a passar fome o governo nem sequer envia um centimo para os estudantes.Diabo leva esse governo para inferno. desgraçados

    • Fijalatao

      14 de Setembro de 2012 as 15:21

      Paulo…Quem votou nos mesmos?! Agora aguenta! Embora eles, só têm limitado a copiar os vícios do MLSTP/PSD, que criou este cancro no seio do povo de S.Tomé e Príncipe! Isto nunca vai mudar enquanto houver constantes sucessões de prostitutas e dos seus fihos no destino deste país!

  13. paparazzi

    14 de Setembro de 2012 as 11:31

    108 viagens e muito para um chefe do governo o que trouxe de bom para o pais nada absolutamente nada so promessas

    • Despesas

      14 de Setembro de 2012 as 14:04

      O que trouxe de bom?
      Façam as contas:
      Só em passagens: 108x 1300Eur(preço médio de classe executiva) = 140400 Eur.
      Como ele nunca viaja sozinho, no minimo mais 2 na classe economica: 1000 x 2 x 108 = 216000 Eur.
      Só em passagens, no minimo já esta em 356400 Eur.
      E quanto ele gasta cada vez que viaja? Hotel para ele e para os que vao com ele? Quanto o estado paga custos de despesas no estrangeiro?
      Supondo que no minimo ele gaste no minimo uns 6000 Eur e cada um que o acompanhe gaste uns 2000 para cada pessoa, ja seria (6000×108) + (2000x2x108), dando um total em despesas(no minimo porque deve ser muito mais que isso) = 648000 + 432000 = 1080000 Eur em despesas de estadia no estrangeiro(no minimo.
      Total gasto em 108 viagens(no mínimo): 1436400 Eur.
      É muito dinheiro, mas este valor esta de longe ao que realmente já gastaram com as 108 viagens.
      1º – Tem muitas viagens que acompanham mais de 6 pessoas, e que muitas dessas pessoas vão também em classe executiva.
      2º – Como o PM que é, como todos já o conhecem, não consigo imaginar o PM gastar somente 6000 eur em despesas no extrangeiro, isso gasta talvez esses juizes quando viajam(se calhar nem eles gastam tão pouco””).

      Como é possível gastar tanto dinheiro em viagens quando temos muitas necessidades no país?

      • Teotónio

        14 de Setembro de 2012 as 20:26

        Isto é assustador!!! Nunca parei para fazer estas contas de cabeça. Mas fiquei atónito com estas pequenas contas que o senhor fez. É muito dinheiro para um país pobre que poderia resolver muitos problemas internos. Além disso não se conhece muitos resultados destas saídas todas. Os resultados são muito pobres. Um ´país como o nosso, pobre e sem recursos, não se pode dar a este luxo. Este dinheiro daria para melhorar substancialmente a Educação do país ou o sistema de saúde. Como é que querem que eu, que não tenho meios nenhuns de sobrevivência, possa ajudar com contribuição para comprar remédios para o Hospital depois de ler uma notícia desta? Quer dizer, eu que sou pobre e vivo com dificuldades, vou tirar o pouco ou quase nada que tenho, para comprar medicamentos para Hospital enquanto o senhor Patrice e Varela andam a viajar de avião de um lado para outro, a comer do bom, a beber bons vinhos com dinheiro do estado???? Isto é justo???? Este país está desgraçado…
        Fui

  14. roça vitoria

    14 de Setembro de 2012 as 11:36

    Se o governo não tem Dinheiro então a minha opnião é que o omesmo venda algumas das suas Viaturas de luxo e paga bolsa a esses estudantes.

  15. zeme Almeida

    14 de Setembro de 2012 as 12:14

    O MLSTP esta a aproveitar da situacao a procura de cacas aos votos.Seja o partido que for,ninguem tem solucao a vista.So querem alcancar o poder a todo custo.Quem nunca teve nao vale a pena vir com promessas.

  16. Perola

    14 de Setembro de 2012 as 12:16

    Mesmo assim, temos medo nao queremos sair a rua e exigir a saida deste governo, e muitos ainda dizem p deixar governo trabalhar…..

  17. Povo põe, Povo Tira

    14 de Setembro de 2012 as 12:19

    credo credo credo credo credo credo, MLSTP deixa governo Trabalhar.. Eu também tenho fome, vou chorar para quem? Deixa Governo trablhar. Povo vai vos dar uma grande resposta na proxima eleições, ADI desta vez, vai ganhar com maioria absoluta. Vocês vão ter que esperar mais 15 anos para voltarem outra vez ao poder.

  18. Desgraçado

    14 de Setembro de 2012 as 12:22

    Tudo disto é culpa do nosso povo devido ganancia e ingratidão, não podemos votar num partido como ADI que propio o seu lider não tem 11.º ano pelo menos, a onde o Patrice estudou? quem já viu o seu certificado? acredito que agora ele ja deve ter comprado mas alguem lhe viu a estudar no estrangeiro? se ele tivesse estudado não haveria tanta miséria com nossos estudantes no estrangeiro, ele deu ordem a merda do ministro do educação pra não dar bolsas e nem tão pouco receber pedido de bolsas de portugal, pergunta ao penetra da embaixada de stp em portugal ele afirma se tiver tesão, simplesmente por má fé, ele quer continuar a ver povo burro pra depos não ter poder de observação, porque nos sabemos que esses terroristas só querem saber deles e mais nada, neste momento já deve estar com seus socios libanses a negociar a nossa terra nas arrabias

  19. miolemé

    14 de Setembro de 2012 as 12:26

    nao sabes o que trouxe? pergunta os defensores do PT, mesmo que esses alunos foram com seu custo mas nestas condiçoes o Governo tem que fazer algo, 108 viagens para aniversario negocios sujos um calculo simples 108X10.000USD= 1.080.000,00 Um milhao e oitenta mil dolares nao resolvia total mas aliviava PT nao tem nada haver porque ele ja pagou tudo atraves do banho so que muitos nao esperavam isso neste momento PT esta a recuperar as despesas feitas na campanha quando sobrar em 2014 ele vai tentar lembrar do povo para mas um banho
    Viva banho, deixe-nos recuperar a grana
    Fui zemé só……….

  20. HéraLopes

    14 de Setembro de 2012 as 12:54

    Muitos, como binoculo seculo vii, bbb e Paulo, culpam o actual governo pelas desgraças que assola esses estudantes, mas convenhamos. É normal que nas situações como essas todos se emocionam, mas antes de culpamos o governo, procuremos conhecer como esses estudantes chegaram à Portugal é o que foi combinado que fizessem lá. Se os familiares assumiram responsabilizar as despesas dos seus filhos, porquê que esses estudantes não regressaram após o termino da formação profissional, uma vez que já no decorrer dessa formação, certamente enfrentavam dificuldades logísticas?
    Eu sou um estudante bolseiro, sinto na pele o dia dia da vida de um estudante bolseiro. Por isso não arrisco, nem aconselho os outros a fazerem o mesmo, a tentar aumentar de nível escolar, após terminar aquilo que fui indicado para fazer. Podemos até desejar fazê-lo, mas devemos regressar a casa e depois procurar outra bolsa, talvez, não ingressar uma universidade sem garantias de financiamento, para quando as coisas apertarem, ir gritar ao governo.
    Governo tem, todos devem ter, um plano de acção e com recursos indicados para tal, durante um ano. Não pode estar a eliminar um projecto em cima da hora, para tapar furos cujo governo não é o responsável.
    Como bolseiro, espero que os colegas em situação pensem em regressar para casa.

  21. Edi

    14 de Setembro de 2012 as 13:11

    Todos estudantes santomenses quer os que estão em Portugal, Brasil entre outros, estão envolvidos nessa caminhada tão longa e cada vez mais precária, em busca de ideais que nos alicercem nesse patamar caótico cujo adentramos a cada dia que passa.

    Vivemos nesse mundo hipoteticamente tutelados por leis sociais, políticas, culturais, entre outras que se dispersam cada vez mais de nós no âmbito da prática efetiva e se aproximam ilusoriamente aos nossos olhos por questões teoricamente alienantes, fazendo com que almejemos cada vez mais o ideal da justiça sem ao menos nos conscientizarmos do seu verídico conteúdo.
    Estamos nessa sociedade onde, a medida que as nossas garantias são cerceadas ou mesmo infringidas, nos dirigimos à algum ente ou órgão, com presumíveis competências enigmáticas cujo desconhecemos suas raízes, para que o mesmo possa colocar o conteúdo da justiça ou simplesmente justiça de forma a suprir o vago ou mesmo retirar os excessos do caso concreto. Mas afinal, o que é justiça?
    Será a justiça a aplicação das leis aos casos com que nos deparamos?
    Será a justiça simplesmente o embate aos percalços do cotidiano?
    Será a justiça algo idôneo para dar a cada um o que lhe perterce?
    Será a justiça mesmo justa para julgar o que é justo?

    Presumo que estamos muito longe do patamar almejado pela justiça, pois seu conteúdo é algo que nasce dentro de nós, flui e se impacta a nós mesmos sem sentirmos a necessidade de nos recorrermos a ela para sentirmos a sua presença.
    A justiça é o sangue que flui nas nossas veias e que nos alicerça como seres humanos, pois sem ele, perdemos a nossa estrutura.
    A justiça é o conteúdo inato do justo e não conceitos paradoxais que se sobrepõem a ela.
    A justiça é a base natural de todo o ser humano e não a cúpula artificial estipulada aos mesmos.
    A justiça é a justiça em si mesma, sem necessidade de haver uma dita justiça para se fazer justiça.
    A justiça é a vivência da essência do justo e não uma maratona intensa em busca da utópica justiça.

  22. anca2

    14 de Setembro de 2012 as 14:08

    chicolomeço, ABRI OLHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

  23. mudança

    14 de Setembro de 2012 as 14:42

    Só tenho pena de alguns que são inocentes. Porque alguns desses estudantes, para conseguirem vistos para ir á Portugal em setembro de 2008 manifestaram-se contra o então Primeiro-Ministro Rafael Branco, com o apoio da ADI. Agora, o feitiço voltou-se contra os feticeiros….

  24. Fijalatao

    14 de Setembro de 2012 as 15:16

    A família Social Democrata de S.Tomé, é tal e qual a cópia de Social democrata português! Só sabem jogar a bola quando estão na bancada! Quando vão ao campo de futebol, chegam lá sem estratégia nenhuma de jogo, limitam-se a dar seguimento ao que os outros jogadores deixaram, pioram tudo, atiram os jogadores para miséria sem dó nem piedade e saem no final do jogo sem um golo marcar! É a triste senda durante os 37 anos. Para dizer que deviam estar calados quanto ao assunto de estudantes bem como de doentes, pois eles são os causadores maiores de todo mal que existe nestas áreas. O querer protagonismo, é demonstrar trabalho e deixar obras feitas. O querer o poder por poder exige o reconhecimento pelo povo; do seu passado.Estes partidos como MLSTP/PSD deviam continuar na oposição perpétuamente, porque enquanto exstir neles as velhas guardas mascaradas de prostitutas, S.Tomé e Príncipe jamais sairá do abismo em que se meteu! Valha-me Deus MLSTP/PSD…está amarrado em nome do Povo de S.Tomé e Príncipe.

  25. Lisboa

    14 de Setembro de 2012 as 16:53

    Fiquei triste ao saber que os nossos jovens estão a passar fome em Potugal.
    Os nossos governantes têm que por a mão na consciência e ajudar os nossos miúdos porque afinal de contas eles também um dia foram estudantes. Também faço um apelo aos ditos jovens para serem mais humildes, porque vejo alguns mais preucupados em ter telemóveis de 300 e 400€ e roupas de “marca”. Quem chora fome, não pode dar-se ao luxo de certas coisas! Sejam humildes com espirito de camaradagem!

  26. da costa

    14 de Setembro de 2012 as 17:24

    Seria bom que o MLSTP ajudasse na pratica esses estudante, depois trariam esse discurso.

  27. Chorare eheh

    14 de Setembro de 2012 as 20:56

    Infelizmente ha formacoes que ainda nao podemos fazer em STP, eu tambem passo fome para ajudar meu filho que esta a estudar fora, nao tem bolca e no Pais onde estudantes estrangeiros nao podem trabalhar. E no entanto conheco pessoas que foram fazer cursos profissionais em Portugal, nao estudaram e estao agora a chorar, entao o tempo que tinham bolca andaram a fazer oque que nao estudaram p terminar um curso profissional

  28. E. Santos

    15 de Setembro de 2012 as 1:36

    Vamos ser realistas….

    A culpa do que está a acontecer a estes e outros estudantes é de todos; dos próprios estudantes, dos seus pais e familiares, dos vários governos até a actualidade, das camaras distritais e inclusive de algumas ditas fundações existentes em São Tomé e Príncipe. Eu passo a explicar:
    Dos Estudantes: Com a oferta de formação superior já existente no país, é preciso que cada estudante que termina o 11.º Ano pense em primeiro lugar em ingressar na Universidade do seu país se a sua família não tem capacidade financeira para custear os seus estudos no estrangeiro. É assim que acontece em qualquer país do mundo. As bolsas de estudo quer do Estado, quer oferecidas por outros paises, não chegam para todos por isso, Bolsa de Estudo deve ser vista como um “se”. Se eu conseguir, eu vou estudar no estrangeiro. E já não como uma obrigação do Estado.O Estado tem sim obrigação de criar condições no país para que os estudantes tenham acesso a formação superior e isto já está em curso.Portanto, a febre de querer ir estudar no estrangeiro tem de ser limitada com o realismo de que o país não tem condições para suportar tais despesas como se gostaria. Note que estes alunos que terminaram o 11.º ano em STP e vão para Portugal fazer formação profissional disperdiçam dois anos de estudo (10.º e 11.º já feitos no país), para ganhar um (12.º).Só faz isto quem tem mesmo ânsia de sair do país a qualquer custo.
    Dos pais: Cada encarregado de educação tem o dever de ensinar os seus filhos que eles se devem valorizar, não pelo país ou universidade onde estudam, mas pelo que eles sabem. Sendo pessoas humildes e de fraco rendimento, tem cada família, antes de tudo de pensar que têm de viver de acordo com as suas reais possibilidades. Não podem pensar em mandar os seus filhos estudar no estrangeiro quando não têm recursos financeiros suficientes para cobrir estes gastos. É assim em todos os países do mundo. Têm de acabar com a paranoia de que “meu filho está a estudar fora”. É tudo muito bonito, mas sem dinheiro não se vive. E depois querem que o Estado assuma as vossas responsabilidades de pais e encarregados de educação. Incentivem os vossos filhos a fazer a formação onde lhes for possível, e eneste caso, em São Tomé e Príncipe onde já existe oferta de formação superior.
    Dos Governos: Quem não tem não pode dar. É preciso que o Estado Sãotomense assuma isso de forma clara. Anuncie anualmente qual a vossa responsabilidade nesta matéria. Quantas bolsas existem, seja do estado, seja de paises terceiros.Façam a distribuição justa destas bolsas por via de mérito. Não podem dar aso a facilitismo que depois recai as consequências sobre os ombros do próprio estado. E estes facilitismos só existem porque a distribuição de bolsas não é justa. Então tentam resolver o problema passando declarações para os estudantes, mesmo quando a partida a responsabilidade não é sua. É preciso existir regras claras para atribuição de bolsas que são escassas. E depois disso, não hámais nada para ninguém. Quem por mérito não consegue bolsa para estudar no estrangeiro então Estuda onde consegue, em São Tomé e Príncipe. A questão dos bolseiros é uma autentica anarquia. Um salve-se como puder.
    Das fundações: Estas têm de assumir a sua responsabilidade pelos estudantes que andou a ajudar a sair do país de forma desgovernada. Para fazer o papel de bom samaritano andaram a incentivar a saída dos estudantes, porque de facto ainda é esta a aspiração de todos, quando deveriam educar estes jovens no sentido de viverem de acordo com as suas realidades financeiras. Deveriam sim incentivar o ensino local, também pelo bem e progresso da Educação no nossos país.Mas não, para passarem por bonszinhos, criaram ao estado sérios problemas agora para resolver.
    Das Autarquias: É preciso garantir nestes acordos de geminação que os compromissos assumidos pelas câmaras geminadas se cumpram de facto. As câmaras estrangeiras não podem assumir responsabilidades com estudantes se estas não têm como lhes satisfazer. E é preciso articular com estas câmaras no sentido do regresso destes estudantes finda formação profissional.

    Em suma, são todos culpados neste processo.E de facto, de acordo com a informação da Directora, isto não é um problema do Ministério da Educação, que se vá resolver com atribuição de bolsa ou uma qualquer ajuda financeira. O Ministério não pode ser forçado a assumir agora responsabilidades que não assumiu como tal.
    É sim um problema do Estado São-tomense que diante de tais situações deve agir no sentido do repatriamento dos seus cidadãos em situação de risco.
    É isso que se espera de qualquer Estado. A protecção sos seus cidadãos.Perguntem quem quer voltar para casa e dê condições para que os mesmos voltem.

  29. UTGE

    15 de Setembro de 2012 as 8:20

    seria um grande orgulho se o ADI desse agora uma lição no MLSTP mas são todos iguais

  30. pagagunu

    15 de Setembro de 2012 as 9:30

    Meus caros, os Srs falam como si trata-se de um pais rico, é bom lembrar que aquilo que o estado arecada em termos de receita é inferior ao montante necessario para pagar as bolsas de estudos.esta é a grande realidade.

    • Fijalatao

      15 de Setembro de 2012 as 10:41

      papagunu, quanto é que custou o seu caché!? Se o país fosse pobre, o governo não deveria estar a fazer as viagens que faz! Deveria realizar certos trabalhos por vídeos-conferências. O salazar; o antigo primeiro ministro português do tempo do fascismo governou o país e as suas 6 colónias durante 48 anos sem se deslocar um dia sequer do seu gabinete! esqueça que o país é pobre e por ser pobre há dinheiro para uns e para os outros não há! que morram os estudantes e outros tantos que passam calamidades no estrangeiro…

  31. zeme Almeida

    15 de Setembro de 2012 as 11:40

    Mais uma jogada do MLSTP/PS,para cacas de votos.Quem nao entende e porque quer desfarcar.

  32. Martins Elba

    15 de Setembro de 2012 as 23:49

    MLSTP jádeu qui deu

  33. Altino Mendes Saramago

    16 de Setembro de 2012 as 21:21

    Os bons que choram hoje, têm consciencia do mal que causaram a Nação ao tempo que poderiam ter resolvido muitas das coisas com que o actual executivo vem tentando resolver. Precisam é ter mais paciência.

  34. santomense tambem

    17 de Setembro de 2012 as 9:51

    MLSTP, memoria curta!!!

    Estudantes são-tomenses manifestam-se contra o Primeiro-Ministro Rafael Branco, e fazem vigília na embaixada de Portugal em São Tomé, implorando a concessão de visto de entrada para prosseguir os estudos
    30 Setembro 2008Comentario encerado

    Os estudantes que beneficiaram da bolsa de estudo ofertada pela câmara de Maia-Portugal, no quadro do acordo de geminação com autarquia são-tomense de Água Grande, puseram em marcha um movimento de luta, por causa da decisão da embaixada de Portugal em não conceder o visto de entrada. Os 25 jovens estudantes (na foto – origem Jornal Parvo), beneficiários da bolsa camarária, juntaram-se a outras dezenas de jovens estudantes já matriculados em centros de ensino português, num protesto sem tréguas diante da representação diplomática portuguesa. No último fim-de-semana, fizeram uma vigília a porta do edifício da embaixada, e na segunda-feira organizaram uma manifestação contra o governo do MLSTP/PSD liderado por Rafael Branco.

    Desesperados os jovens estudantes são-tomenses, questionam o tipo de relacionamento que existe entre São Tomé e Príncipe e Portugal, uma vez que são beneficiários de bolsas de estudo concedidas por instituições portuguesas no quadro da cooperação bilateral, mas são lhes negado o visto de entrada em Portugal.

    O Presidente da câmara distrital de Água Grande, João Viegas, que assinou com o seu homólogo da câmara portuguesa de Maia, o acordo que abriu as portas para a formação de jovens são-tomenses nas áreas de formação profissional e universitária, manifesta-se decepcionado.

    O Presidente da autarquia de Água Grande, diz não compreender o que se passa com a embaixada de Portugal em São Tomé, uma vez que a candidatura dos estudantes preenche todos os requisitos exigidos pela câmara de Maia, nomeadamente a idade máxima exigida que é de 25 anos.

    Os estudantes que deveriam desembarcar na última segunda – feira em Portugal para dar continuidade aos estudos, não escondem a fúria. «Nós estamos cá para ganhar o visto para irmos estudar no estrangeiro. Para melhorar a situação do país queremos ser formados. Vamos permanecer aqui até o embaixador de Portugal resolver o nosso problema. A embaixada de Portugal em São Tomé não nos quer conceder o visto, não sabemos porquê. Vamos continuar a manifestar até que o problema se resolva», afirmou o porta-voz do grupo, Bruno Nascimento.

    A representação diplomática portuguesa que foi convocada para uma reunião com o Governo, já reagiu em relação a situação, através do encarregado de negócios Vasco Seruya. «A questão dos estudantes, é um problema que tem a ver com os que têm mais do que 21 anos. Existe uma legislação neste momento que não permite a concessão de vistos de estudo para o ensino secundário e técnico-profissional a estudantes com mais de 21 anos. A embaixada está sempre aberta a falar com os estudantes. O problema está a ser acompanhado em Lisboa, pelo ministério dos negócios estrangeiros e outros ministérios competentes. Agora existe a legislação e não podemos contorna-la», explicou o representante da embaixada de Portugal.

    Depois da vigília do último fim-de-semana diante da embaixada de Portugal, os estudantes bolseiros marcharam nas primeiras horas da última segunda-feira em direcção do palácio do governo, para protestar contra a passividade do executivo de Rafael Branco. Palavras de ordem contra o Primeiro-ministro foram proferidas, sem qualquer resposta do Chefe do Governo.

    Mais um batata quente nas mãos do governo do MLSTP/PSD, que começa a enfrentar alguns problemas, exactamente após a celebração dos primeiros 90 dias de governação.

    Genisvaldo Nascimento/Abel Veiga

    Artigos Relacionados:
    Movimento de luta em preparação contra a exclusão de cerca de 150 estudantes são-tomenses do ensino superior em Portugal
    Carta dos Estudantes em Pombal-Portugal para o Primeiro Ministro
    Primeiro-ministro de visita ao país que tem portas fechadas em São Tomé e Príncipe
    Estudantes são-tomenses em Portugal unidos para combater o subaproveitamento de quadros em São Tomé e Príncipe.
    Deputados apoiam luta de estudantes para obtenção de visto de entrada em Portugal

  35. Feijoada

    17 de Setembro de 2012 as 10:14

    Caros amigos, estive em portugal para licenciar em Direito. Por motivos financeiros regressei ao meu país, pedi equivalencia e hoje estudo na Universidade lusiada por conta do estado e estou no 4º ano. Convido todos os estudantes que encontram em péssimas condições no estrageiro a seguirem o meu prepósito. Fiz-lo por motivos meiramente conhecidos.

  36. ENG BERNARDINO MONTEIRO

    17 de Setembro de 2012 as 19:58

    Meus senhores

    Ate quando deixamos de criticar, ate
    parece mal, temos que buscar soluçoes
    nao por lenha na fogueira, temos que nos unir sentar analisar buscar soluçao para resolver problemas dos estudantes e doentes existem mecanismo somos capazes de os resolver,basta força e vontade de todos basta um pouco de solidariedade nao custa nada, procurar apois nas instituicoes e nao so,temos que reunir a fim de buscar soluçao, nao problemas,criticas nao resolve nada
    pensam ……….

  37. Santosku

    18 de Setembro de 2012 as 7:50

    Independentemente da forma que alguns foram parar em Portugal para estudar, o Governo tem toda legitimidade em procurar conhecer e saber como estão os estudantes e como passam o dia.Os estudantes são filhos de São Tomé e Principe e não adianta virem com desculpas que são e não são bolseiros, o que está em causa são estudantes santomenses. Também já fui bolseiro na 1.º República e felizmente sempre que as coisas apertavam o Governo liderado por Dr. Manuel Pinto da Costa nunca virou-nos as costas. Todo e qualquer Governo deve ter em atenção os estudantes e resolver da melhor maneira possível os seus problemas. Se não há dinheiro para lhes ajudar fazemlhes regressar a Terra mãe e contiunarem a estudar em São Tomé. Porque dinheiro para viagem do PT(dxinthi betu) e seus sanguessugas existe. Podem estar certo que as coisas não só um dia São Tomé Poderoso lhes dará a resposta devida.

  38. David Guimarães

    18 de Setembro de 2012 as 17:41

    Acho bem que levam essa ideia brilhante a frente, pra não ficar só no falar mais sim no fazer. Estou em Portugal a estudar na Academia Militar ja há quase 3 anos que ainda não recebi nenhum centimo do Ministerio Defesa. Não tenho familia cá em Portugal, vivo a custa dos favores dos amigos. Tres ano, nem condições para ir de feria visitar familia, isso é muito mau. Espero que essa ideia se concretiza.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo