Sociedade

Diário Informativo da Rússia

Manifestações de protesto na Rússia devem ter um número limitado de participantes. Colaboração de Filipe Samba.

26 de Outubro de 2010

DIÁRIO INFORMATIVO

Fonte: RIA – NOVOSTI e imprensa diária

SUMÁRIO:

  • Kadyrov: Chechénia deve lutar independentemente contra os extremistas
  • Calor anómalo no Verão aumentou mortalidade na Rússia
  • Conselho de Muftis da Federação Russa espera que sejam construídas mesquitas em cada bairro de Moscovo
  • França disposta a fornecer à Rússia porta-helicópteros Mistal sem restrições tecnológicas
  • · Existem perspectivas de regularização do conflito na região separatista da Transdniestria
  • · Manifestações de protesto na Rússia devem ter um número limitado de participantes
  • · Rússia prolonga moratória sobre exportações de cereais
  • Adesão de países pós-soviéticos à União Europeia continua incerta

Kadyrov: Chechénia deve lutar independentemente contra os extremistas

Moscovo, 26 de Outubro – RIA Novosti.

O presidente da Chechénia, Ramzan Kadyrov, disse em entrevista ao semanário americano Newsweek que gostaria de ter mais independência na luta contra os agrupamentos terroristas no território da república.

“O tempo da independência não nos deu nada para além de aborrecimentos. A única que peço é que Moscovo me dê liberdade para lutar contra os bandidos. Quero lutar contra eles e vencer esta guerra”, declarou o líder checheno.

Kadyrov assinalou ainda que o alcoolismo e a baixa taxa de natalidade são os principais problemas da Rússia. Contudo, as suas propostas para resolver estes problemas são sujeitas a críticas não merecidas, lamentou o chefe da Chechénia.

“Disse que na Rússia é necessário proibir as bebidas alcoólicas e em resposta ouvi queixas de que Kadyrov quer introduzir leis muçulmanas”, apontou Kadyrov.

Questionado sobre as eleições presidenciais em 2012, Kadyrov assinalou que não pretende candidatar-se a este cargo.

“O meu ídolo é Vladimir Putin. Gostaria que ele fosse presidente toda a sua vida. Gosto muito de Putin… Aqueles que o criticam, são meus inimigos pessoais”, declarou o chefe da Chechénia.

Calor anómalo no Verão aumentou mortalidade na Rússia

Moscovo, 26 de Outubro – RIA Novosti.

O calor anómalo fez aumentar a mortalidade na Rússia em 55,8 mil pessoas em comparação com o Verão do ano passado, diz-se num relatório do Ministério do Desenvolvimento Económico da FR.

“Em resultado de calor anómalo, dos incêndios florestais e do fumo na Federação Russa morreram em Julho em mais 14,5 mil pessoas e em Agosto – mais 41,3 mil pessoas do que no mesmo período do ano passado”, destaca-se no relatório.

Neste Verão, na Rússia, o calor anormal e a seca provocaram cerca de 30 mil incêndios em florestas e zonas turfeiras, numa área total de cerca de um milhão de hectares. Morreram 62 pessoas e cerca de 2,5 mil casas ficaram destruídas. Durante várias semanas, Moscovo foi coberta por uma nuvem de fumo provocada pelos incêndios florestais.

De acordo com o relatório e segundo os dados estatísticos oficiais, entre Janeiro e Agosto de 2010 na Federação Russa morreram 1385 mil pessoas, ou seja em 37,7 mil pessoas mais do que no mesmo período de 2009. Ao mesmo tempo, aumentou o número de mortes provocadas por doenças do aparelho digestivo, do sistema de circulação do sangue e de neoplasmas.

“O aumento da taxa de mortalidade levou à subida da perda natural da população que em oito meses do ano em curso constituiu 198,3 mil pessoas”, destaca-se no relatório do Ministério do Desenvolvimento Económico. A perda da população foi compensada em 55,9% pelo fluxo de migrantes que desde o início do ano cresceu em 110,9 mil pessoas.

Segundo os dados estatísticos oficiais, desde o início do ano a população permanente da Federação Russa diminuiu em 87,4 mil pessoas, constituindo 141,8 milhões de pessoas a 1 de Setembro de 2010.

Conselho de Muftis da Federação Russa espera que sejam construídas mesquitas em cada bairro de Moscovo

Moscovo, 26 de Outubro – RIA Novosti.

O chefe do Comité Científico-Social do Conselho de Muftis da Rússia, Farid Assadulin, espera que o projecto de construção de mesquitas em cada bairro de Moscovo seja eficazmente realizado com a chegada do novo presidente da Câmara da capital, Serguey Sobianin.

O projecto de construção de mesquitas em cada bairro de Moscovo foi incluído no plano geral da cidade ainda nos tempos de Yuri Lujkov.

“Destaque-se que, ainda durante o governo do antigo presidente da Câmara, no plano geral da cidade foi incluída uma norma de que deve haver mesquitas em cada bairro, partindo do número real de muçulmanos residentes em Moscovo. O principal é encontrar vias justas para concretizar esta ideia. Esperamos muito de Sobianin neste sentido”, disse Assadulin ao intervir segunda-feira na Câmara Social da Federação Russa numa reunião dedicada à cooperação interreligiosa.

Nas suas palavras, o problema da construção de mesquitas “deve ser resolvido muito depressa no interesse da composição multinacional de Moscovo”. “Isso responde aos interesses do Governo de Moscovo”, disse Assadulin.

Segundo Assadulin, em Moscovo vivem cerca de 2 milhões de muçulmanos, enquanto na cidade existem apenas cinco mesquitas.

França disposta a fornecer à Rússia porta-helicópteros Mistal sem restrições tecnológicas

Moscovo, 26 de Outubro – RIA Novosti.

A companhia estatal francesa de construção militar naval DCNS, produtora de porta-helicópteros tipo Mistral, não está limitada no que respeita ao fornecimento de tecnologias à Rússia, disse terça-feira à RIA Novosti o director da DCNS, Pierre Legros.

Anteriormente, alguns meios de comunicação social russos e estrangeiros comunicaram que os navios tipo Mistral seriam vendidos à Rússia sem sistemas de navegação de última geração.

“O navio será vendido com os mesmos sistemas que são instalados nos navios construídos para a Marinha francesa. Não há quaisquer restrições”, declarou Legros.

Ao mesmo tempo, o director da empresa comunicou que os navios se distinguirão dos análogos franceses.

“Em particular, a parte russa já solicitou ao produtor francês aumentar a espessura da coberta para a aterragem de helicópteros pesados russos e reforçar o corpo do navio para aumentar a segurança anti-gelo”, disse o director da DCNS.

A Rússia está disposta a comprar à França quatro porta-helicópteros tipo Mistral na condição de dois navios serem construídos na França e dois na Rússia.

O porta-helicópteros Mistral, descolando 21 mil toneladas e tendo o comprimento do corpo de 210 metros, é capaz de desenvolver uma velocidade superior a 18 nós. Tem uma autonomia de navegação de 20 mil milhas. A tripulação é de 160 pessoas, podendo o navio alojar mais 450 pessoas.

O grupo aéreo inclui 16 helicópteros, seis dos quais podem encontrar-se ao mesmo tempo na coberta. O compartimento de carga do navio tem capacidade para mais de 40 tanques ou 70 automóveis.

EM FOCO NA IMPRENSA RUSSA

Nezavisimaya gazeta

Existem perspectivas de regularização do conflito na região separatista da Transdniestria


O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, declarou ontem que o problema da Transdinetria tem solução, escreve o jornal Nezavisimaya Gazeta.
Medvedev frisou que só conversações directas entre a Moldávia e a Transdniestria poderão conduzir à regularização do conflito. As duas partes devem ter uma postura aberta e procurar alternativas para normalizar as relações entre os dois países.

“Tanto Chisinau, como Tiraspol estão dispostos a discutir para resolver a situação”, disse o presidente russo. “Os seus líderes podem sentar-se à mesa das negociações e participar no diálogo, mesmo às vezes falando entre dentes. Mas são capazes de chegar a um acordo”, acrescentou Medvedev.
Segundo o presidente russo, ambas as partes poderão assinar documentos.

Medvedev recordou que as eleições parlamentares extraordinários realizar-se-ão no próximo 28 de Novembro.

Segundo o líder russo, após estas eleições, será possível continuar os esforços para regularizar o conflito. “Actualmente, devido à crise parlamentar e presidencial, estruturas de poder eficazes primam pela ausência”.

Novie Izvestia

Manifestações de protesto na Rússia devem ter um número limitado de participantes

No sábado passado, a oposição organizou no centro de Moscovo uma manifestação para exigir a demissão do primeiro-ministro Vladimir Putin, escreve o jornal Izvestia.

A manifestação foi autorizada pelas autoridades municipais e, segundo várias estimativas, reuniu de 300 a 1.500 pessoas, entre as quais Garry Casparov, conhecido xadrezista russo e um dos líderes do movimento Solidariedade, bem como Lev Ponomariov, defensor dos direitos humanos.

A acção de protesto foi uma iniciativa do recém-instituído “Comité das Cinco Reivindicações” que, para além da demissão do primeiro-ministro, exige a dissolução das duas câmaras do Parlamento, a realização de eleições legislativas antecipadas, a renovação dos corpos de segurança e a transparência dos orçamentos.

O “Comité das Cinco Reivindicações” não é um movimento político nem um partido. Foi criado por activistas da oposição para organizar manifestações de protesto. A próxima está prevista para Dezembro próximo.

Os crescentes ânimos de protesto na sociedade obrigam as autoridades russas a aplicar uma nova táctica. Autorizam a realização de manifestações mas apenas com um número limitado de participantes. Por exemplo, no passado sábado, foi estabelecido um limite de 300 manifestantes.

Vedomosti

Rússia prolonga moratória sobre exportações de cereais

Ontem , na cidade de Rostov-no-Don, o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, realizou uma reunião dedicada aos resultados da última temporada agrícola e ao desenvolvimento da pecuária, escreve o jornal Vedomosti.

Putin assinou um decreto que prolongará a moratória sobre as exportações de trigo até 1 de Junho de 2011. “A possível suspensão da proibição só se considerada após a colheita do ano que vem”, assinalou o primeiro-ministro.

Segundo as estimativas, este ano o país produziu um total de 60 milhões de toneladas de trigo o que, juntamente com as reservas existentes, permitirá cobrir as necessidades internas do país.

No passado mês de Setembro, o governo planeou levantar a moratória sobre as exportações de trigo mas acabou por prorrogá-la.

“Foi uma decisão difícil mas imprescindível”, disse o presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, assinalando que a proibição temporária das exportações é o único meio de controlo da situação no mercado.

Nezavisimaya Gazeta

Adesão de países pós-soviéticos à União Europeia continua incerta
A reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia realizada anteontem no Luxemburgo debateu (sem ter decidido nada de concreto) a adesão de novos países-membros à UE, escreve hoje o jornal Nezavisimaya Gazeta.

Os ministros abordaram um variado leque de temas, incluindo a situação na Geórgia e a próxima cimeira UE-Ucrânia, aprovaram oficialmente um novo pacote de sanções mais restritivas contra o Irão e as autoridades bielorrussas. O tema da adesão de novos membros também figurava na agenda da reunião.

Segundo diplomatas europeus, a Ucrânia, Moldávia, Bielorrússia e os países do Cáucaso não poderão aderir à UE nos próximos dez anos. Os referidos seis países do espaço pós-soviético deverão primeiramente colocar as suas legislações em conformidade com as normas europeias, adoptando progressivamente o caminho para a zona de livre comércio e de abolição de vistos, bem como aderir a mais projectos europeus.

Antes da reunião, a imprensa europeia informou sobre a carta conjunta dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Polónia e Suécia, Frank Radoslaw Sikorski e Carl Bildt, sobre as perspectivas de alargamento da União Europeia.

Segundo o ministro polaco e o seu homólogo sueco, futuramente a Arménia, o Azerbaijão, a Geórgia, a Bielorrússia, a Moldávia e a Ucrânia poderão aderir à UE, ao contrário dos países do Norte de África e do Médio Oriente.

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo