Sociedade

Ilha do Príncipe «escondia» espécie de tordo desconhecida

A população de tordos da ilha de São Tomé é diferente da população da ilha do Príncipe, onde esta ave, é a espécie endémica mais rara,e até agora desconhecida, limitada às zonas mais inacessíveis da floresta primária.

Tordo do Príncipe (Foto: Martim Melo)

A descoberta é da autoria de Martim Melo, investigador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), que publicou recentemente dois artigos sobre os tordos da ilha do Príncipe.

No estudo publicado no Journal of Zoology – “Múltiplas linhas de evidência apoiam o reconhecimento de uma espécie de ave muito rara – o Tordo do Príncipe” -Martim Melo revela que “com base nas diferenças morfológicas, do canto e genéticas, a população de tordos na ilha do Príncipe (Turdus xanthorhynchus)  pertence a uma espécie claramente distinta da população de tordos da vizinha ilha de São Tomé (Turdus olivaceofuscus)”.

De acordo com o investigador, a distância genética sugere que as duas populações estão isoladas há, pelo menos, três milhões de anos. Além disso, a realização de análises filogenéticas permitiu constatar que o Tordo-africano T. pelios é o parente continental mais próximo dos de São Tomé e Príncipe.

Martim Melo

Num outro artigo, publicado no Journal Bird Conservation International, Martim Melo explica que “através de um levantamento do Tordo do Príncipe, utilizando 177 pontos de contagem espalhados por toda a ilha”, demonstrou-se que o número destas aves é muito reduzido, o que o coloca na categoria mais elevada da Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN): espécie em perigo crítico de extinção.

No Príncipe, o tordo foi descoberto em 1899 pelo Italiano Leonardo Fea, que colectou apenas um exemplar e considerou a espécie rara. Só foi redescoberto em 1928 pelo investigador português José Correia, do Museu de História Natural Americano, que colectou quatro, e mencionou a raridade e diferenciação do tordo de São Tomé. O tordo só foi novamente observado em 1997, tendo estado quase sete décadas sem ser visto. Recentemente foi efectuada uma estimativa final que conta com 364 indivíduos.

Esta população continua a sofrer um declínio acentuado pela pressão da caça e a reduzida área de ocorrência do tordo. No entanto, a recente proclamação das florestas primárias do sul do Príncipe como “Parque Natural d’Obô do Príncipe” oferece uma oportunidade para a conservação desta espécie recentemente descrita, que pode assim tornar-se uma espécie-bandeira na protecção destas florestas.

Notícia enviada ao Téla Nón pelo Programa Sada.

    3 comentários

3 comentários

  1. budy

    10 de Janeiro de 2011 as 15:07

    essa especie deve ser protegida..

    chamo um alaerta a comunidade internacional que investigao o tema para dar mais atenção ao assunto no sentido de proteger a especie…..

  2. lauinha de carvalho(beni)

    11 de Janeiro de 2011 as 13:02

    boas entradas sào tomè e principe que entra com muitos suçessos!!!! foça xeios felicidades para voçes epara nos estrageiros ca naeuropa beijos !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. caboverdiano

    14 de Janeiro de 2011 as 18:48

    agora nao matem os bichinhos todos como fizeram aos cavalos porcos vacas e os pombos que os colonos deixaram nas roças

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo