Desporto

Batalha campal no jogo entre a UDESCAI de Água Izé e a Aliança de Pantufo

A decisão do juiz da partida em marcar grande penalidade a favor da equipa da Aliança de Pantufo, precipitou os acontecimentos, no campo da UDESCAI de Água Izé. A batalha campal substituiu o futebol.

A equipa de Sardinha Caça de Água Izé, já perdia diante da Aliança de Pantufo por 2-1, quando o árbitro assinalou uma grande penalidade a favor da equipa visitante. Aliança de Pantufo tinha a oportunidade para aumentar a vantagem para 3-1. Mas o apito do árbitro assinalando a marca da grande penalidade pôs fim ao desafio de futebol, e deu lugar a uma batalha campal.

Os adeptos da UDESCAI protestaram e num ápice o clima de tensão permitiu que  socos e ponta pés, marcassem a tarde de domingo no relvado de Água Izé. Jogadores, adeptos, polícias e até mesmo o árbitro não escaparam a pancadaria geral que tomou conta do campo da UDESCAI.

Uma batalha campal que marcou a décima jornada do campeonato nacional de futebol. Segundo João Baptista, treinador da equipa da UDESCAI, o que aconteceu no último domingo foi muito mau e não contribui para dignificar o desporto nacional. «Foi muito mau este comportamento, porque não é desporto», declarou o treinador da equipa que jogava em casa.

A segurança nos campos de futebol de São Tomé e Príncipe é praticamente inexistente. Os agentes da polícia nacional, tem a missão de proteger apenas a equipa de arbitragem. Os espectadores ficam entregues a sua sorte, em campos sem vedação, o que torna a batalha campal incontrolável, quando é deflagrada.

Donê, treinador da equipa de Aliança de Pantufo, também considera, que o que aconteceu em Água Izé, não pode acontecer no futebol. «Também anteriormente tínhamos este tipo de atitude que nos prejudicou muito, mas mudamos, agora temos uma equipa muito jovem e tentamos jogar um futebol com Fair Play», disse o treinador da Aliança de Pantufo em declarações ao Téla Nón.

Tanto o treinador da Udescai como o da Aliança de Pantufo, criticaram a prestação da equipa de arbitragem.

O jogo não chegou ao fim, porque a batalha campal passou a ser ocupação de todos que estavam no campo de Água Izé.

Bendzaison Lima/ Abel Veiga

    10 comentários

10 comentários

  1. rui

    9 de Julho de 2013 as 7:50

    ate no campo de futebol,eles portam se assim,se analizarmos ao fundo o jogo..nada mal preparados tecnica e taticamente…vergonha…ainda por cima lutam em campo…este pais esta doente. ..socorroooooo..santommeeee eeeee cuidaleoooooo

  2. Futebol

    9 de Julho de 2013 as 8:38

    O que aconteceu neste jogo é de lamentar, isto não dignifica nada o nosso futebol, sou amante e praticante deste desporto e capitão duma equipa e chamo atenção sempre aos meus colegas de forma evitarmos conflitos deste género,,, contudo é pena que uns têm espírito fair play e outros não, mas espero que as medidas sejam tomadas por autoridades competentes para por cubro a estes tipos de situações que o nosso desporto agradece… viva o desportivismo

  3. lupuye

    9 de Julho de 2013 as 10:43

    O que acontece nos nossos campos de futebol e espelho do que temos na nossa sociedade. E simplesmente muita falta de respeito uns pelos outros. E de lamentar que as pessoas nao se respeitam mutuamente e mesmo quando nao andam a porrada sao palavroes que ouvidos sensiveis nao suportam. Ouve-se tantas palavras feias no Estadio 12 de Julho que nao sei se teria coragem de levar uma crianca a assistir jogos ai. Pena mesmo!

    • José Vale

      13 de Julho de 2013 as 15:07

      Meu caro, de qualquer forma no Estádio 12 de Julho haveria mais comodismo e civilidade, assim como mais segurança, libertando os árbitros de pressão tendencialmente caseira. Na administração anterior da Federação, futebol estava no Estádio. Hoje, queremos agradar, ignorando os factos. Enfim… lamentavelmente o tempo acaba de dar razão a anterior direcção da federação. Dirigir requerer coragem e competencia, subalternizando o CORAÇÃO e o POPULISMO.
      José Vale

  4. Anjo do Céu

    9 de Julho de 2013 as 11:08

    Isto é mas uma demonstraçao clara do espelho do País.com todos esses nos da independencia nenhum governo mostrou civismo na governação e contaminou todo País e agora piotou.Não há autoridade competente de travar essas agressões.Também há outra versão nisto. Ké ben labadu a ca concê giná chicada.Tudo isso deveria começar nas escolas primárias mas para alguns professores que vejo são piores.Falta de ética profissional e nosso país vai ser campia nesta batalha campal, roubos,não respeitar mas velhos e autoridades etc.È muito triste

  5. Anjo do Céu

    9 de Julho de 2013 as 11:12

    corrigir a palavra piotou para piorou e campia é campiao

    • alvaro rocha

      9 de Julho de 2013 as 13:33

      campião não campeão

  6. A chave

    9 de Julho de 2013 as 11:51

    A equipa de UDESCAI debe ser desclasificado da competição. Asim começaremos a aprendizagem.

  7. oldy

    14 de Julho de 2013 as 19:20

    temos ke conhecer a razão das causas antes de fazer os juízos. É certo que os adeptos se comportaram male isto não significa a despromoção da equipa como muitos dizem. Já tivemos situação piores em STP

  8. cubanito

    5 de Agosto de 2013 as 20:02

    É uma pena que em STP as pessoas praticam a discriminação, pelo facto a UDESCAI se da roça devemos desclassifica-la estarei a espera quando isto acontecer com Praia Cruz ou Reboque gostava de ver os vossos comentários. Não se esqueçam que a UDESCAI é celeiro dos melhores futebolista que passaram pelo futebol nacional, e hoje querem destruir. Força UDESCAI não se desanimem os melhores dias virão.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo