Craques são-tomenses do futebol estão de férias após sucesso no Brasil

Publicado em 15 Jun 2009
Comentários; fechado

Sequeira Lima, José Varela e Adjogadores.jpgilson Varela, são os três jogadores são-tomenses que há seis meses estão a ser formados no Alagoinhas Futebol Clube. Um clube brasileiro do estado da Baia. O valor dos craques são-tomenses foi reconhecido pelos técnicos brasileiros, e vão jogar no campeonato da primeira divisão do estado da Baía. Satisfeito com a boa prestação dos três jogadores, o técnico brasileiro está em São Tomé para seleccionar mais valores que precisam ser despontados no mundo do futebol. Uma iniciativa da Fundação Aurélio Martins.

Os três jogadores estão aptos para jogar no futebol brasileiro, após 6 meses de intensa formação futebolística. Os resultados foram positivos. O Clube baiano Alagoinhas Futebol Clube, foi o centro de formação, numa acção de parceria da Fundação Aurélio Martins.

O valor dos três atletas ficou demonstrado no campeonato gira ilha organizado pelo empresário Aurélio Martins, exactamente para promover o futebol nacional. A taça 24 de Novembro disputada por várias equipas nacionais, foi outro evento da iniciativa do grupo Gibela, em que os três jogadores se destacaram. Por isso foram seleccionados para a formação no Alagoinhas Futebol Clube. «No princípio foi um pouco difícil. Porque um atleta amador ao sair de um país onde o futebol está no nível baixo, demonstrar qualidade e força de vontade é difícil. Mas conseguimos. Os técnicos brasileiros reconheceram o nosso valor e fomos integrados no grupo», afirmou Adilson Varela.

Constatado o valor dos três jogadores o treinador do clube brasileiro, não perdeu tempo para viajar junto com eles até São Tomé, para descobrir outros diamantes que precisam ser polidos. «Estamos aqui para observar outros atletas para fortalecer o intercâmbio entre os dois países», precisou.

A Fundação Aurélio Martins, assume toda responsabilidade na formação dos atletas. O objectivo segundo a Fundação é criar talentos para que a selecção nacional de futebol possa brilhar nos palcos africanos e internacionais.

Abel Veiga