Sociedade

Presidente da câmara de comércio diz que a promessa de importação de produtos alimentares do Brasil foi uma previsão

Para o Abíarroz.jpglio Afonso Henriques, Presidente da Câmara do Comércio, o anúncio feito nos órgãos de comunicação social em Setembro passado, dando conta que o mercado nacional seria abastecido na quadra natalícia com produtos importados do Brasil, foi  uma previsão. Nas declarações do responsável da câmara de comércio emitidas e publicadas na altura pela imprensa não existia a palavra previsão. Por isso o público são-tomense recebeu a notícia como uma promessa certa, sem previsões. Numa entrevista este fim-de-semana a TVS o Presidente da Câmara garantiu que o prazo do crédito de 5 milhões de dólares cedidos pelo Brasil não está expirado.

Em mais uma entrevista dada a TVS para responder as acusações de corrupção feitas pelo representante de sócios descontentes da câmara de comércio em entrevista ao jornal correio da semana e também ao Téla Nón, o Presidente da Câmara do Comércio Abílio Afonso Henriques, começou por esclarecer que o anúncio feito por ele a todo o país, garantido o abastecimento do mercado nacional com produtos brasileiros a preço baixo, foi uma previsão. «Nós quando falávamos de que os produtos da linha de crédito do Brasil vinham falamos em previsão. Sabe que isto reveste-se de alguma complexidade. O Brasil não é como São Tomé, aquilo é mundo. E depois temos certas limitações aqui no nosso porto. O navio que vem para cá tem que ser especial para se adaptar as condições técnicas do nosso porto», afirmou a TVS.

Quanto ao tempo de utilização do crédito de 5 milhões de dólares cedido pelo governo brasileiro, o Presidente da Câmara do Comércio, garantiu que não há perigo. «Como o seu período de validade expirava no final deste ano, a câmara do comércio através do nosso ministério dos negócios estrangeiros, fez-se demarches e o crédito já está prorrogado», explicou.

No que concerne a alegada falta de transparência no processo de utilização do crédito, questão levantada pelo representante dos sócios da câmara, Abílio Afonso Henriques, declarou que «decidiu-se em Assembleia de que deveria-se fazer uma selecção de empresas cuja dimensão e capacidade financeira, poderiam ter credibilidade junto dos bancos para poder contrair alguns créditos mas que os produtos depois de chegados ao país, todos os membros da câmara terão acesso a compra dessa mercadoria. A trading não vai dar créditos», frisou.

Com mandato expirado desde Novembro último, o Presidente da Câmara do Comércio disse a TVS que a Assembleia Geral dos sócios da organização do sector privado deverá acontecer no primeiro trimestre de 2009.

Abel Veiga

Recentemente

Topo