Policia nacional reforça patrulhamento nas estradas

Publicado em 24 Set 2009
Comentários; fechado

Fenómeno motoqueiro foi alvo de um debate no Instituto Superior Politécnico. Na ocasião o ministro da saúde, Arlindo Carvalho, criticou a actuação passiva da polícia nacional que tem permitido o aumento dos acidentes de estrada, protanizado pelos motoqueiros. O estado está a suportar custos elevados, que poderaim ser evitados.  

O número de acidentes e mortes provocadas pelas motorizadas não para de aumentar.  A falta de capacetes, excesso de velocidades sãos alguns dos factores que têm contribuído  para isso. Como forma de sensibilizar os motoqueiros e  ao mesmo tempo conhecer os problemas que eles enfrentam, a ONG  WACT e a associação Causa Jovem realizaram no ISP ( instituto superior politécnico uma palestra sobre “os motoqueiros e a via pública”«no fundo nós quisemos foi congregar aqui o maior número de motoqueiros possível para conhecer os problemas que têm, como têm trabalhado e saber qual a melhor forma da WACT os ajudar, porque  sabemos que os acidentes não param de aumentar e como nós actuamos com jovens, vamos tentar ajuda-los» disse Claudia Carvalho da ong WACT. A comissão organizadora segundo o responsável da associação causa jovem Alexsander Fernandes «vai produzir um relatório para dar a conhecer as autoridades o que nós fizemos e o que foi dito para que eles possam agir e tomar as devidas medidas».

Os acidentes provocados pelos motoqueiros  têm custado muito aos cofres de estado «quando as pessoas não morrem nos acidentes de motorizadas, o estado acaba arcando com os prejuízos sérios, muitos sérios. Nós  aqui em S.Tomé não temos neurocirurgiões e muitos casos destes são evacuados para Portugal a custa do estado. Um traumatizado tem que ir acamado, são seis lugares do avião mais o lugar do acompanhante. Houve uma semana em que evacuamos 3 acamados. São 18 lugares mais 3 acompanhantes. Vocês podem fazer as contas»disse Arlindo Carvalho.

Essa situação tem custos também ao nível dos consumíveis do hospital «desde gazes, desinfectantes, luvas(…) se nós tivemos 50 doentes internados seis meses, o prejuízo é demais. Porque o tratamento é diário. Por isso eu apelo para que as pessoas respeitem as regras de transito e se protejam sobretudo» sublinhou Carvalho.

Arlindo Carvalho pediu mais responsabilização da Policia Nacional « eu sei que as pessoas devem se proteger, mas se não se protegem e a policia não faz nada, não toma as devidas medidas esse dinheiro que sai do ministério da saúde deveria sair da policia. Eu acho que isto poderia estimular a policia a ser mais rigorosa. E aqui os  que não gostam de rigor estão a falhar pura e simples mente. Eu acho que o nosso erro é falta de rigor na tomada de medidas tanto de protecção como comprimento das regras de transito.», acrescentou

Os motoqueiros continuam a pedir o apoio do governo para resolver esta situação« o governo não fez nada para nos ajudar. As pessoas que importam mota, trazem ela sem capacetes. E nós temos que comprar mota e ir a outro sitio comprar logo dois capacetes e isso fica muito carro. Seria bom governo ver isso  no sentido de nos ajudar, comprando mota juntamente com os capacetes iria nos facilitar muito.  Antes de tomar medidas é necessário criar condições disse um motoqueiro.

Foi verificado pela nossa equipa que depois desta chamada de atenção de facto a policia nacional voltou a estrada para cumprir com o seu papel de fiscalização. Entretanto é necessário também que os motoqueiros tenham consciência do perigo que correm e muitas vezes colocam também a vida de segundos e terceiros em causa. Facto que tem acontecido graças ao apoio também das pessoas que são transportadas nas motorizadas que não fazem questão das medidas de segurança como uso de capacetes ou saber se o motoqueiro tem carta de condução e livrete da mota.  

Ectylsa Bastos