“Ambrósio Quaresma e o Jornal Parvo mentem”

A constatação é da Governdora do Banco Central Maria do Carmo Trovoada. No seu recente artigo o Parvo, informa que a Governadora do Banco Central, referiu que o Téla Nón entrou no combate político para denegrir a figura de Patrice Trovoada. Em conversa com o Téla Nón Maria do Carmo Trovoda, desmentiu. 

A Governadora do Banco Central de São Tomé e Príncipe confirmou, para o Téla Nón que o Jornalista Ambrósio Quaresma, foi ao seu gabinete, tendo solicitado dentre outros aspectos, se a instituição que dirige, iria investigar a denúncia de lavagem de dinheiro, publicada no Jornal Téla Nón. «Respondi que não é competência do Banco Central investigar qualquer situação de branqueamento de capital. Cabe aos serviços alfandegários constatar tais situações e denuncia-los», afirmou a Governadora do Banco Central.

Maria do Carmo Trovoada, referiu ainda que na conversa com Ambrósio Quaresma, explicou que no caso de alguém viajar com soma de dinheiro, superior ao que define a norma de aplicação permanente do Banco Central, estará a infringir as leis do sistema financeiro nacional, « e deve assumir as suas responsabilidades», precisou a Governadora do Banco Central.

A Norma de Aplicação Permanente do Banco Central, citada pela Governadora Maria do Carmo Trovoada, define o limite de 10 mil euros, como valor que se pode transportar em viagem.  O Téla Nón concede ao leitor a possibilidade de consultar a referida lei, CLIQUE –NAP_21_Saida_divisas

Deve também ler com atenção o decreto lei 32/99 sobre a lei cambial  em vigor CLIQUE – Decreto-Lei 32.99 Lei Cambial

A Governadora do Banco Central, disse ao Téla Nón que em nenhum momento da conversa com Ambrósio Quaresma disse, ou reagiu dizendo, que o jornal “Téla Nón entra no combate político para denegrir a figura de Patrice Trovoada”. «Em nenhum momento disse isso. Só pode ser a imaginação dele. Quando vi o título do jornal o parvo, fiquei até espantada. Mas depois de ler a notícia, verifiquei que não era nada disso», frisou a governadora.

O Téla Nón insistiu e Maria do Carmo Trovoada, retorquiu, « foi ele quem disse isso, eu não».

Na verdade desde Fevereiro de 2013, quando o actual Primeiro Ministro Gabriel Costa, começou a denunciar insistentemente o aumento do branqueamento de capitais no país, que o Téla Nón decidiu entrar num “combate” para como mandam as normas do jornalismo em qualquer país livre, encontrar elementos que pudessem confirmar ou não, as persistentes denúncias do Chefe do Governo.

Após mais de dois meses de investigação, encontrou este recibo, emitido, segundo a assinatura, pelo anterior Chefe do Governo Patrice Trovoada, que segundo a informação contida no recibo, entregou 624 mil e 600 euros em dinheiro vivo, a um quadro do BGFI, para depositar o referido valor, numa conta em Libreville também especificada no recibo. O leitor pode ver o recibo da transacção CLIQUE –RECIBO DA TRANSACÇÃO

O Jornal Téla Nón não acusou ninguém de ter “lavado dinheiro”. Aliás, não é competência de um órgão de comunicação social. Cabe aos tribunais tal competência. O Jornal Téla Nón, cumpriu com o seu dever de publicar um artigo sobre o caso(Forte suspeita de lavagem de dinheiro recai sobre o ex-Primeiro Ministro Patrice Trovoada), salvaguardando sempre a presunção de inocência da figura política implicada. Por isso o título do artigo se referiu a SUSPEITA de lavagem de dinheiro.

Talvez o Téla Nón não devesse publicar tal artigo, que reflecte o conteúdo do recibo, devidamente assinado, para não entrar no combate político nacional, como acusou o Jornal o Parvo e o seu director. Mas se assim fizesse, certamente o Téla Nón estaria a matar a si próprio, como órgão de comunicação social, comprometido com o público, e com a responsabilidade assumida de contribuir para a boa governação, obviamente fiscalizando os que administram o bem de todos.

O peso na consciência seria enorme, porque a coerência do Téla Nón seria posta em causa. No ano 2010, o então Primeiro Ministro, Rafael Branco, foi tema de um artigo bastante polémico, por causa também de dinheiro. Já próximo da campanha para as eleições legislativas de 2010, aconteceu roubo de dinheiro na residência do então Primeiro Ministro Rafael Branco. Um elemento da sua guarda pessoal tinha levado parte do dinheiro.

Relatos na altura davam conta que o ex-Chefe do Governo, teria mais de 500 mil dólares na sua residência. O Téla Nón foi o único órgão de comunicação social que falou do assunto.

Na altura o director do Téla Nón recebeu, um telefonema da Direcção do Jornal o Parvo, saudando o trabalho que o Téla Nón tinha feito, encorajando. Era bom jornalismo, não era entrada do Téla Nón no combate político para denegrir a figura de Rafael Branco. Outro articulista do mesmo jornal, ainda radicado no estrangeiro enviou email para a redacção do Téla Nón, elogiando o bom trabalho que estava a ser feito.

Porquê que agora a publicação de um recibo que alegadamente confirma uma transacção financeira a margem das leis do país, é considerada pelo PARVO como entrada do Téla Nón no combate político para denegrir a figura de Patrice Trovoada ?

Téla Nón está de consciência tranquila.

Abel Veiga

  1. img
    Sr. da Verdade Responder

    Abel, não liga este tipos de ataques. Sabes e muito como funciona o mercado concorrencial. A concorrência procura sempre os pontos fracos do inimigo para lhe atacar. Obviamente que não vais ceder a esses tipos de ataques. Só tens é que ultrapassar esta situação e continuar com a tua forma de fazer jornalismo que o público leitor só tem a agradecer.

    • img
      Responsabilidade Responder

      Abel Veiga
      Força no teu trabalho. Nem deves dar confiança ao Director do Jornal Parvo. Este mercenário que vive a custa dos Trovoadas. Alguma vez o jornal Parvo teve credibilidade? O Director do Parvo é um grande cambalacho.

    • img
      Nova Ordem Responder

      Caros compatriotas,
      Uma vez mas, acabamos de ver a fragilidade do sistema nacional face ao apuramento dos fatos e as fragilidades dos nossos dirigentes em assumir as suas responsabilidades.
      Sr. Governadora do Banco Central Dra. Maria do Carmo Silveira Mostra a incapacidade para resolução dos problemas segundo os pontos que citarei abaixo:
      1- Sr. Governadora diz que não é competência do Banco Central investigar qualquer situação de branqueamento do capital. Fica ai a pergunta, de quem é a responsabilidade de fiscalizar o sistema financeiro?

      2- Se na realidade o montante em causa saiu do BGFI Bank, pergunta-se, porque que nenhuma ação esta sendo processada junto ao mesmo banco?

      3- Porque que os técnicos do FMI veio a São Tomé para ajudar o Banco Central a trabalhar no caso do branqueamento de capital?
      Estando o sistema financeiro a ser fragilizado, não será a incumbência do Banco Central trabalhar para fazer o sistema funcionar.
      É difícil, mais a verdade têm que ser dita, atitude, integridade, lealdade, responsabilidade é um elemento que esta ausente nos nossos líderes/dirigentes.
      Por falta de provas, por isso que as coisas fica nesse vai e vem, Disse que Disse, só isso que esta acontecendo.
      Devemos fazer o que realmente vem contribuir para o desenvolvimento do nosso país em fez de estarmos ai na fofoca disse que disse.

      Nova Ordem

  2. img
    Neima Cassandra Responder

    Obrigado telanon!
    Não apenas pela explicação e o esclarecimento da senhora Governadora do Banco Central que de facto desmente de forma categórica o Chamado como ele próprio se apelida do ” homem de bem” mas também por ter sacado a mascará e estes senhores que ontem eram vermelhos e hoje já são azuis, tal como dizia o outro ” gindungo nos olhos do outro é sempre bom para os inimigos” .

  3. img
    Fiô Glósso Responder

    Abel Veiga, muitos parabéns por este tipo de jornalismo que faz. É preciso abrir os olhos aos sãotomenses, porque aqui no “télá nón” só não vê quem não quer. Meus parabéns e siga em frente, que este jornal já é património nacional.

  4. img
    sendoeu Responder

    n esta sendo so considerada pelo parvo mas sim está claro pra tdos que querem ver…telanon está no combate para denegrir a figura de Patrice Trovoada…consciencia n está nda tranquila

    • img
      menina stp Responder

      Se calhar foi uma “alma gemea” de Patrice Trovoada que assinou o documento.

  5. img
    Assuncao Responder

    O jornal Parvo de parvo nada tem.Apesar da caricatura que utiliza,esse desmentido da Sra Governadora so vem a provar a imparcialidade do tal jornal e nada mais a acrescentar.
    Com cumprimentos.

    • img
      Assuncao Responder

      Perdoem-me meus caros,queria dizer a parcialidade e nao imparcialidade,porque este ultimo nao se constata no caso.

  6. img
    E. Santos Responder

    Grande trabalho Abel. Ou não é a cabeça do Delfim Neves a pensar.
    Vamos lá ver onde é que isto vai dar.

  7. img
    E agora.?!...Falo eu Responder

    Meus caros, não basta a senhora governadora vir desmentir, através de uma conversa/entrevista ao Téla Nón. Abel, a senhora governadora ou Banco Central deveria emitir um comunicado desmentindo a noticia e exigindo que o jornal “O PARVO” retrate a informação.

    • img
      Caué a Pagué sa gi Non Responder

      Subscrevo isto!

  8. img
    Barão de Água Izé Responder

    O Banco Central não tem competência para investigar casos de branqueamento de capital? Se assim é, não é seu dever comunicar ao Ministério Público as suspeitas que eventualmente existem de “lavagem” de dinheiro para serem investigadas? E se estiverem a circular notas falsas, também não é da competência do Banco Central? A propósito o Banco Central já negociou com todos os bancos a descida das taxas de juto e crédito acessível para apoiar a Economia? Afinal o que é que o Banco Central faz a bem de STP?

  9. img
    Caué a Pagué sa gi Non Responder

    Força Abel!
    Estamos juntos!

  10. img
    Pen Drive Responder

    Que este jornal está ou não no combate politico para denegrir a imagem de alguém parece-me discutível.Mas uma coisa é certa, quem não deve não teme.

  11. img
    Direito Responder

    O jornalismo de investigaçao é a forma mais eficaz de mascarar os corruptos. Obrigado Telanon.

  12. img
    eduardosantos Responder

    Patricio levou dinheiro de safú,banana, cacau ou petróleo? Ou peixe de 30 de Setembro,ou de arroz que tem toda documentação negativa.Pode nos explicar isso?

    • img
      Carlitos Responder

      Eu sempre pensei que o “Parvo” não é jornal nenhum. Aquilo é um pasquim para não dizer outra coisa. É triste que esta gente coloque aquilo na Internet dizendo que é jornal. As pessoas que vêm isto, no exterior, devem pensar que os Sãotomemses são loucos e super-incompetentes ou ainda anedotas autênticas. Aquilo alguma vez foi jornal. Não tem nada de jornal. Crónicas que mais parecem redações de alunos de 2ªclasse; notícias mal elaboradas; esteticamente aquilo mais parece um gatafunho de uma aluna de escola primária que mais se assemelha a um panfleto de associação de estudantes da escola primária. Isto é jornal? Sinceramente!

  13. img
    Antagónico Responder

    Isto acontece somente em São Tomé, se existe uma matéria crime, cabe ao Tribunal fazer o seu trabalho e punir os infratores. O país não pode caminhar com indivíduos que fazem da politica a sua propriedade “manda e desmanda”, retrocedendo o progresso sustentável! Abel continue firmemente com o seu trabalho de informar ao cidadão dentro e fora do país, elogio o seu trabalho.

  14. img
    Eu também sou filho da terra Responder

    Tudo resulta em parvo quando o parvo dirige o parvo.

  15. img
    terra a mão Responder

    tenho pena de ti Ambrósio….Alias o titulo do seu jornal fora bem pensado …a cada dia que passa tas a ser pior do isso ,,,ummmm parvo.
    Nada que se compare com o grande Abel Viegas.Força Abel siga sempre em frente

  16. img
    conobia cumé izé Responder

    toda gente sabe que parice tem dfinheiro;só qagora? quem financiou o fradique para ser presidente? è lavagem.estão com medo do patrice.quem ataca patricy,são os tubarrões que comem tudo e povo nada !!!… Fui

  17. img
    vivenda de luxo em cascais Responder

    Vamos obter um abaixo assinado e apresentar uma denuncia junto a justiça francesa, por tratar-se de banco franco gabonês.

  18. img
    crédo Responder

    Gostei deste artigo meus parabéns.

  19. img
    Flogá Responder

    Que “parvoíce”!

  20. img
    Gerson Prreira Responder

    Não te preocupes Abel

    Porque a sede do Jornal O Parvo é na Fundação Solidariedade. Depois do Guiná ter corrido com esta peste e c& na Rádio Tropicana.Este é um autentico submarino.

  21. img
    kk.g Responder

    É uma pena ver e ouvir das pessoas que sobrevivem de excremento dos líder partidários de são Tomé e príncipe,os detentores da verdade é sempre lesado,a tamanha revela que TELÁ NÓN, esta no caminho certo.,PONTO FINAL PARAGRAFO.

Deixe um comentario

*